Resenha: Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo


Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo é aquele tipo de livro que deixa um calorzinho no coração. Que te faz sorrir e se sentir bem com o mundo. A história sensível de Benjamin Alire Sáenz é do tipo que merece estar nas estantes de todos os leitores.
Sinopse: Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão. Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas - e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.
Aristóteles conhece Dante na piscina; Dante se oferece para ensiná-lo a nadar, e daí para frente eles se tornam amigos. Uma amizade de verão regada a aventuras, risadas e tristezas. Essa é uma história sobre dois garotos, dois amigos, dois jovens que estão descobrindo o mundo e todos os segredos do universo junto com ele.
- Às vezes as pessoas falam, mas não dizem a verdade.
É um livro simples, e talvez por isso tão complexo e importante. A obra é contada através dos olhos de Aristóteles - ou Ari, como prefere ser chamado. Ele é o filho mais novo, tem duas irmãs já casadas e um irmão mais velho do qual a família nunca fala. A mãe é divertida e carismática e o pai é amigável e solitário, carregado pelas lembranças da guerra do Vietnã. Quando conhece Dante, Ari acaba conhecendo um mundo diferente; uma família nova que o aceita tão bem quanto a sua, mas que demonstra muito mais do que ele se acostumou. São os tipos de pessoas que riem abertamente, choram abertamente, sentem abertamente. Dante acima de todos. Ele é o completo oposto de Ari, e por isso o entende tão bem.

- Eu não preciso da chuva. Preciso de você.
A narrativa é tão fluida que cinquenta, cem, duzentas páginas se passam em um piscar de olhos. Benjamin tem um jeito único de contar histórias, e os personagens são tão ricos e reais que saltam das linhas para a sua imaginação. Ari e sua personalidade melancólica, marcado pela ideia de que seus sentimentos são estranhos e incompreensíveis. Seus pensamentos são muito autodestrutivos, mas dizem muito sobre o garoto que ele é; a tristeza e as sombras que imperam a maneira com que ele reage às pessoas mostram seus medos, mesmo que Ari não os entenda. A forma como interage com os pais, como os odeia por esconder a história do irmão mais velho, e como os ama por estarem ali por ele, é tudo muito pesado para uma alma tão jovem, e ainda assim Ari está ali, tentando seguir em frente.
Perguntava a mim mesmo do que estávamos rindo. O riso era um mistério da vida.
Dante traz muito de suavidade e alterações para o Ari. Suas lágrimas e sorrisos são diferentes do rotineiro, sua tristeza e euforia diferem do que Ari aprendeu a ver até então. Dante é um garoto solitário, mas animado, cheio de expectativa e de vontades. Ele quer ver o mundo e entendê-lo, quer ser entendido. Ele tem muitos medos também, coisas paralelas às que assombram o Ari. Ao mesmo tempo em que quer ver o mundo, Dante tem medo de como o mundo pode reagir a ele. Apaixonado pelos pais e pela vida, ciente de que os pais o amam incondicionalmente de volta, Dante foi um querido do início ao fim. Foi a luz para a escuridão do Ari, mas nem sempre o apoio - ele também precisou de Ari em muitos momentos.
Fiquei pensando que poemas são como pessoas. Algumas pessoas você entende de primeira. Outras você simplesmente não entende... e nunca entenderá.

A coisa mais rica a respeito desse relacionamento é como o autor desenvolveu uma amizade tão poderosa e destrinchou em sentimentos mais profundos. Ari e Dante pertencem um ao outro muito além do vínculo amigável; você lê o amor eles e entende muito antes dos dois. Você lê as hesitações e os receios, a vontade de fazer coisas incríveis, de gritar aos ventos o que eles estão sentindo. É uma história tão sensível e sutil, com uma narrativa doce e bem direta.

E me pareceu que seu rosto era o mapa do mundo. Um mundo sem qualquer escuridão.
Os personagens coadjuvantes foram importantes para a jornada dos meninos. Seus pais, principalmente, tiveram os melhores momentos dentro da obra. Os de Ari eram muito de ressentimento, da necessidade de crescer e amadurecer junto com o filho, de entender que ele estava pronto para o mundo, diferente do que eles achavam ser o certo. E os de Dante, apesar de toda a aura descolada e dos sorrisos e simpatia, também tiveram seus momentos sombrios, onde a presença de Ari se mostrou necessária para ajudar aquela família a seguir em frente. A impressão que o livro deixou foi que o vínculo entre os dois garotos criou um vínculo ainda maior entre suas famílias, e por isso os sentimentos entre Aristóteles e Dante foi tão poderoso.

Aposto que às vezes é possível desvendar todos os mistérios do Universo na mão de uma pessoa.
Com uma edição arrasadora, a editora Seguinte entrega um livro doce, emocionante e necessário, que fala sobre amor e medo e sobre a importância de entender e aceitar as diferenças. Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo e entregam ao leitor uma experiência indescritível cheia de emoção.

Título original: Aristotle and Dante Discover the Secrets of the Universe
Autora: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Gênero: YA / LGBT +
Nota: 5 +


Saiba mais: Skoob | Amazon | Saraiva

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

7 comentários:

  1. Oi Dê, tudo bem? Eu não conhecia o livro, mas já pelo título me chamou a atenção, mas só lendo mesmo sua resenha pra entender o quanto a história parece ser mesmo sensível! A capa é linda e suas fotos ficaram ótimas! Espero poder conferir em breve!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oi, Denise

    Eu nunca tive um grande interesse pelo livro por ele ser YA, gênero que não curto muito, mas esse mês lerei o novo livro do autor... se a experiência for positiva lerei esse. Nunca li nenhum livro LGBT, está na hora de começar!
    O que mais me chama atenção é no desenvolvimento do relacionamento deles, porque pelo que pude perceber cresce de forma bem natural.
    Adorei a resenha!

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, Denise.
    Eu tinha um certo preconceito com livros com títulos enormes, por isso quando esse livro lançou eu deixei ele passar. Mas me parece ser uma história encantadora e ele entrou para minha lista sim. Eu gosto de quando os autores mostram as interações com as famílias dos personagens e não fica somente nos protagonistas. Acho que é um livro que vou gostar. As fotos ficaram lindas.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi, Denise!
    Menina, eu amei esse livro. Achei muito fofo e foi uma leitura super maravilinda!!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Oi! Esse livro parece ter um direcionamento bem forte. Dois meninos com realidades diferentes, mas ao mesmo tempo são iguais. Que se unindo encontram um elo juntos. A capa está lindíssima. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!