Resenha: An Enchantment of Ravens

  • 09:00
  • 17 de dez. de 2019
  • Resenha: An Enchantment of Ravens

    An Enchantment of Ravens, da autora Margaret Rogerson, encanta pela simplicidade e pelo universo mágico. A parte principal, no entanto, está nos personagens. São poucos, mas são extremamente bem desenvolvidos e constroem a atmosfera fantástica da melhor maneira possível. 


    Sinopse: Isobel é um artista de prestígio com uma lista de clientes perigosos: o povo feérico, criaturas imortais que não podem tecer um pano ou colocar uma caneta sobre o papel para escrever sem se desfazer em pó. Eles desejam o artesanato humano com uma sede terrível, e as pinturas de Isobel são muito apreciadas. Porém, quando ela recebe seu a visita de um patrono da realeza - Rook, o príncipe do outono - acaba cometendo um erro terrível. Ela pinta a tristeza mortal nos olhos dele - uma fraqueza que pode custar a vida do príncipe.

    Isobel é uma pintora - a melhor da cidadezinha onde vive. Essa cidade divide a realidade humana com a do povo feérico, que vem para as redondezas em busca de coisas Feitas. Eles não possuem o talento ou a alma humana necessária para criar as coisas, e trocam encantamentos por elas. Isobel, com seu talento, recebe feéricos em sua casa e pinta seus retratos em troca dos pagamentos. Até que o príncipe da corte outonal aparece e, sem querer, Isobel retrata emoção nos olhos da pintura. Mostra sua vulnerabilidade e, para o príncipe, algo que pode custar seu trono e até sua vida.


    Resenha: An Enchantment of Ravens

    Levada ao mundo dos féericos para um julgamento, Isobel acaba tropeçando - quase literalmente, na realidade mágica e em tudo que o mundo deles oferece. Toda a liberdade, mas também todo o enclausuramento e a sensação de que coisas belas podem esconder coisas terríveis.

    O Tumblr indicou para leitores apaixonados pela série Corte de Espinhos e Rosas e, como boa fiel da religião de Sarah J. Maas, eu corri atrás dessa nova obra. Foi uma das minhas melhores decisões.

    An Enchantment of Ravens é, repito, um livro simples. Não tem toda a grandiosidade de qualquer outro livro de fantasia nesse estilo, mas estabelece seu universo e seus personagens e conta uma história que vale a pena acompanhar.


    Resenha: An Enchantment of Ravens

    O mundo dessa obra é rico, versátil e entrega um novo olhar sobre criaturas mágicas que já foram bastante trabalhadas em outras histórias. Isobel e Rook - o príncipe da corte outonal - são protagonistas carismáticos. Ela, mais do que ninguém, carrega o livro nas costas. O lado humano versus o lado imortal traz ótimos questionamentos aos personagens, e mesmo o romance se equilibra bem à parte mágica que dá tom à narrativa.

    Assim é a nossa natureza. Pode ser cruel, mas também é justa.

    Isobel é ótima. Tem atitude, presença e forte. É frágil, também, e humana acima de tudo. Ela não tem grandes sonhos ou desejos; quer ver o mundo, sim, mas também quer ficar com sua família - bastante curiosa, por sinal, composta pela tia que a adotou e pelas gêmeas Maio e Março, cabras transformadas em garotas graças a um encantamento que deu errado.


    Resenha: An Enchantment of Ravens

    Ela vive para suas pinturas e para a arte, para as cores do mundo e das pessoas. É fascinada pelos feéricos tanto quanto os teme, com toda sua sensatez. Em Rook, Isobel vê fragilidade e um traço de emoção que não existe nos outros imortais. É sutil, mas está ali. Ao retratá-lo, ela acaba quebrando toda a rotina pacífica e é dragada para dentro do universo fantástico; é uma prisioneira e então é uma aliada, porque a situação entre os feéricos não é de toda ordem.

    Pelo contrário, é o mais completo caos. Eles vivem em um verão eterno, sob o reinado de um monarca temido. As cortes são divididas e seus membros, egoístas. Mais do que qualquer coisa, a visão que é entregue com o desenvolvimento da obra é o quanto toda a beleza, perfeição e impecabilidade dos feéricos esconde o que eles realmente são. Rook tem aquela aura vulnerável, mas outros vão além disso. O poder de se encantar e de encantar seus entornos é um vício, e a mentira é a droga que eles usam.


    Resenha: An Enchantment of Ravens

    Por falar no Rook, que amor de personagem bem desenvolvido! Num primeiro encontro, ele é aquele ser místico e fascinante. Depois, o príncipe turrão e brusco que parece desesperado por justiça, sem entender exatamente o que ela significa. E, então, conforme a interação entre os dois se desenvolve, acontece aquela química e conexão poderosas. São dois corações distintos, de universos que convivem, mas não se unem, e podem estar dispostos a ir contra leis antigas para entender seus próprios sentimentos.


    Ver a confissão de amor em seus olhos era diferente de ouvi-la. Esse era um olhar que poderia parar o tempo.

    A construção de mundo é divina. É um universo rico, cheio de vida e de coisas perturbadoras. Deu pra ler as cores que compõem as cortes, os detalhes naturais de cada canto explorado pela protagonista, assim como as partes vis e temíveis desse mesmo mundo.


    Resenha: An Enchantment of Ravens

    An Enchantment of Ravens é volume único e, apesar de a autora deixar brecha para uma continuação, tem um final agradável e bem fechado. É uma história perfeita para quem ama fantasia, romance e aventura.


    Título original: An Enchantment of Ravens
    Autora: Margaret Rogerson
    Editora: McElderry Books
    Gênero: Fantasia | Romance
    Nota: 4,5
    Skoob


    1. Olá, Denise.
      É indicado para fãs de Corte mas não foi nele que pensei e sim em O Príncipe Cruel hehe. É claro que já me interessei, ainda mais depois dos seus elogios que sempre que leio livros do gênero indicado por você eu gosto hehe. Vamos ver se publicam por aqui.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    2. Oi Denise! Eu não conhecia a obra, mas pela resenha parece excelente! Eu até prefiro poucos personagens, acho que assim se consegue aprofundar melhor neles! Tomara que publiquem por aqui!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
    3. Certo, si potrebbe dire che Panerai replica Rolex ottiene vendendo benne di, beh, quasi tutto, e questo dà loro Breitling replica un ampio margine di manovra per sperimentare. Ma quanti marchi principali puoi nominare che IWC replica escono sistematicamente su un arto con forti nuove interpretazioni sui loro design e hublot replica collezioni più venduti? Ci possono essere orologi occasionali oltraggiosi da Audemars Piguet replica altri, ma è estremamente raro che venga fatto www.replicheorologio.it con qualsiasi collezione di successo. Il fatto che il Rolex Daytona 116588TBR “Eye Of The Tiger” sia apprezzato o apprezzato è una questione di gusti imitazioni rolex personali - ma un approccio coraggioso dei principali marchi per debuttare con disegni sconvolgenti borderline è qualcosa che ritengo possa fare bene a tutti noi.

      Orologi replica di fascia alta, eleganti e di fascia alta, che vale la pena acquistare.www.replicheorologio.it

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.