Sofrendo com Crescent City - e não do jeito bom

  • 09:00
  • 13 de mar. de 2020

  • Considerando a minha experiência de leitura atual e algumas anteriores, resolvi fazer um textinho aqui para o blog contando (surtando) um pouco sobre como é amar tanto a escrita de uma autora em alguns livros para chegar em outro e quebrar a cara - sim, estou falando de Crescent City, da Sarah J. Maas nesse caso.

    Esse poderia ser um Li até a página 200 e nada aconteceu de Crescent City, a nova série de Fantasia (que tenta ser adulta) da mesma autora de Trono de Vidro e Corte de Espinhos e Rosas. Já começo esse texto comentando sobre como eu amo ambas as séries anteriores dela, a narrativa, os personagens, TUDO. Reconheço que tem seus probleminhas, mas ainda guardo no coração; Trono de Vidro é tão meu fave que eu tenho uma ideia de tatuagem marcada para um momento eventual da vida.

    Dito isso, preciso destrinchar o quanto House of Earth and Blood ofereceu, até agora, 300 páginas de um absoluto e eterno NADA. Pensa no nada, o que significa ter nada em uma história. É isso que a SJM colocou no início desse livro.


    Começos servem para alguns princípios; apresentar mundo e personagens e, principalmente, te fisgar parar querer continuar a história. Eu não me importo com começos lentos - pelo amor de Deus eu sou fã de O Senhor dos Anéis! - mas existe uma diferença entre lentidão que promete alguma coisa e lentidão que não entrega nada. E aqui é esse caso.

    House of Earth and Blood tem a mesma pegada dos outros livros da Sarah e por isso eu esperava mais, muito mais quando 10% passaram e e então 20% e então 30% e só um acontecimento relevante tinha se desenrolado - e isso lá no comecinho.

    Ele começa apresentando Bryce, uma meio-humana meio-feérica que trabalha numa galeria, vive de boas, não sabe muito o que quer da vida mas está seguindo seu curso. Ela é tão ADULTA que adora ir pra festas e usar drogas; e ela é tão uma cópia mal trabalhada da personalidade da Aelin que tudo que eu consigo fazer nos seus capítulos é revirar os olhos.



    A promessa é de uma trama de investigação sobrenatural, muito mais sexy e violenta e pesada do que antes - mas tirando uns Fucks ocasionais e tripas de alguns personagens voando pra fora, tá tão "pesado" quanto ACOTAR - pelo menos em ACOTAR as coisas... Aconteciam. Eram lentas? Sim, mas aconteciam.

    Além da Bryce, temos o Hunt - um anjo badass que tem uma reputação de ser A SOMBRA DA MORTE porque ele é mau e as pessoas têm que ter MEDO dele e porque a PRESENÇA dele impõe respeito e MEDO e até a morte morre de MEDO desse anjo (é mais ou menos assim que a narração descreve ele toda vez que um novo personagem, exceto a Bryce porque, claro, ela é A Protagonista, encontra com ele).

    E eu preciso tirar um minuto pra falar sobre a "representatividade". Ai, ela tentou. E ela errou feio de novo. Depois dos feéricos bronzeados de ACOTAR temos um personagem descrito como NEGRO que, adivinhe? Tem todas as características físicas de um branco bronzeado, isso mesmo. O fato de as fanarts que estão saindo terem um personagem idêntico ao Cassian mostram o quanto a Sarah errou de novo.

    Mirou na diversidade e acertou no bronzeamento artificial. Ela simplesmente colocou a cor dele ali pra tentar calar a galera que aponta a branquitude absurda em seus livros, mas não mostrou cuidado na representação e nenhuma sensibilidade na maneira como apresentou e construiu ele. Isso sem me aprofundar no fato de que o personagem "negro" também cai no esteriótipo de "violento e bruto e temido por todos visto como selvagem e assassino" que é bastante problemático.



    Temos outros trocentos personagens enchendo linguiça nas dezenas de páginas sem substância e relevância e eu, sinceramente, não me importei com nenhum deles. Tem um governador lá que é um anjo, aí tem a chefe da Bryce que é bruxa e transforma pessoas que irritam ela em bicho, aí tem outros mas não se apegue porque esse livro é sobre um demônio serial killer e uma investigação que NUNCA. VAI. PRA LUGAR. NENHUM.



    É como se a SJM estivesse tentando criar o Red John do mundo sobrenatural mas quisesse enfiar todas as temporadas de The Mentalist em um livro - só que The Mentalist tinha personagens bem desenvolvidos e aqui... Ela não lembrou de escrever isso.

    Eu juro, é a mesma coisa de Trono de Vidro. Mas lá a gente teve TEMPO de se apegar; teve tempo de conhecer a Aelin e suas dores e sua jornada de recuperação. Teve tempo de entender a pose de malzão do Rowan e então mais dois livros pra ver ele se mostrando empático e um guerreiro honrado. A Bryce e o Hunt SÃO a Aelin e o Rowan de um universo alternativo onde ambos são um porre insuportável ao extremo desde o primeiro momento em que aparecem.

    Eu estava num ponto de que até os diálogos/flertes entre os dois me faziam ficar com cara de bunda.



    Aqui são duzentas páginas de um vai e volta da Bryce e do Hunt fazendo suas coisas, aí tem uns diálogos, aí a Bryce está na galeria vendendo arte, aí mais alguns diálogos, aí corta pra um terceiro personagem com POV que eu não poderia me importar menos, volta pro Hunt e pra uma quinta repetição da explicação do porque algumas criaturas têm a marca da escravidão no pulso (eu juro pela deusa que ela repetiu essa explicação várias vezes) e então quatro páginas descrevendo o interior de uma mansão, e então eu pulando por uma janela porque não aguento mais mas sou trouxa e tentei mais um capítulo.

    A verdade é que eu continuei fazendo isso comigo mesma até quase os 40% porque eu tinha esperanças. Corte de Gelo e Estrelas foi uma prova de que se der muita liberdade pra SJM, ela vai me decepcionar - e aqui é uma prova em 97 capítulos de como essa mulher necessita, urgentemente, de um revisor que sacuda ela pelos ombros e grite NÃO PRECISA GASTAR METADE DE UM CAPÍTULO COM UM ANJO VIGIANDO A MEIO-FEÉRICA ENQUANTO ELA FAZ AS UNHAS!



    O fim desse texto também marca meu abandono a essa série e minha prece silenciosa para que o livro de Nessian passe longe do desastre que foi essa experiência pra mim.

    "Through love, all is possible" menos terminar essa história.


    1. Nunca fui tão representada num texto rs (rindo de desespero)
      Vou até o fim para poder falar mal com propriedade!
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
    2. Nossa que artigo fantástico, por isso que estou quase todos os dias visitando e lendo seus artigos. Sempre tem conteúdos interessantes e de qualidade.

      Beijos !!

      Meu Blog: Apostando na Loteria

      ResponderExcluir
    3. Oi Denise, tudo bem? Eu nunca li nada da Sarah, me sinto a diferentona rs Mas pelo jeito é melhor começar com as outras séries e não com essa. Uma tristeza sobre o personagem negro, mas que é branco bronzeado, um vacilo enorme da autora....

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
    4. CHO-CA-DA.
      Oi De! Tudo bem?
      Menina, estou CHO-CA-DA. Não acredito que vários nadas acontecem! Justo com a Sarah J Maas? Estou impactada, porque estava aqui na ansiedade para ser traduzido logo... Nem estou sabendo o que te falar, só estou de boca aberta com esse seu desabafo.
      beijos
      http://estante-da-ale.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    5. Suas palavras são as mesmas que me vieram na cabeça. Sem tirar nem por.

      ResponderExcluir
    6. Oi Denise! Eu tenho visto o pessoal bem decepcionado com esta nova obra da autora, uma pena, pois nas anteriores ela arrasou.
      Bjos!! Cida
      Moonlight Books

      ResponderExcluir
    7. Olá, Denise.
      Só espero que a Sarah não seja autora de uma série só como vejo que tem acontecido com a Julia Quinn e com a JK Rowling. Mas pode ser as expectativas também hehe. Mas vamos ver, quero ler quando sair por aqui e já vou me preparando para o que me aguarda hehe.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    8. nice
      http://max-bd.com/

      ResponderExcluir
    9. Oi Nizz!
      KKKKKKKKKK EU TO MORTO COM ESSE POST KKKKK AMEI. So falou verdades e eu nem comecei. Quando eu vi o tamanho do livro eu ja esperava o fracasso viu. Gente essa mulher e muito enrolona. Um livro de introducao com quase 1000 paginas e absurdo. E mds, eu sabia q esses protagonistas seriam o fracasso. A Sarah nao sabe criar personagem principal. Todos sao ela mesma KKKKK coitada. Eu desisto dos livros dela viu. Trono de Vidro ta bom

      Abraços
      Emerson
      http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    10. estou curiosa, qual tattoo de O Trono de Vidro você quer fazer?

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu quero tatuar a frase "you could rattle the stars, you could do anything if only you dared" <3 que pra mim é a mais poderosa da série toda.

        Excluir
    11. Eu tava enrolando a leitura de Crescent City e agora tenho certeza que vou enrolar um pouco mais kkkk. Que os proximos de ACOTAR sejam bons!!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ai amiga se eu posso te dar uma dica é fica longe que não tá perdendo nada UHASUHUHASUHASUHASUHASUHASUHAS maior decepção do ano, de longe.
        Rezando pra ela não estragar meu Nessian ou eu caço essa mulher pra gritar na cara dela!

        Excluir
    12. Chocada!
      Amo os livros da Sarah e fico triste de saber que ela errou a mão dessa vez.

      Por mais erros que os livros dela tenham, eu sempre amei o universo que ela criou.
      Mas eu sou meio masoquista, então quando sair vou ler pra poder falar mal com propriedade.

      Suas resenhas são maravilhosas, parabéns!

      ResponderExcluir
    13. Eu estou bem triste com as reviews que estão saindo sobre Crescent City, eu estava tão ansiosa, agora só fica a esperanaça dela não estragar a spin off do Cassian com a Nestha ja que ela cagou em Corte de gelo e estrelas... juro que sou capaz de ir dizer umas verdades na cara dela!!

      ResponderExcluir
    14. Júnia Hisami1.6.20

      Oi! Nossa eu tbm achei Corte de gelo e estrelas fraquissimooo mas oq me deixou mais bolada no Crescent City é que não teve NADA de adulto( teve mais tensão sexual em qualquer outro livro dela). A historia em si não é um bom misterio mas eu curti a apresentação de um mundo sobrenatural diferente dos que ela ja tinha feito. O livro não é tao ruim assim, mas é que depois de apaixonar com as outras series dela a expectativa tava mt alta com um livro que é/era uma area nova pra autora. Amando seu blog!!!

      ResponderExcluir
    15. Cara, eu tava pela internet procurando a data de lançamento no Brasil pq tava achando chato ler em inglês e cai no seu blog. Eu também AMO a Sarah e todas as séries dela mas não tava conseguindo avançar em Crescent City e tava tentando culpar a leitura em inglês mas na verdade você resumiu bem o que eu tenho sentido nesse livro.
      Não consegui gostar da Bryce até agora, achei ela bem infantil e chata e a descrição dos personagens bem estereotipada.
      Essa coisa da representatividade também me deixa puta! Só tem gente branca e magra e que ela descreve como a beleza perfeita.
      Enfim, ainda não consigo abandonar pq gostei da ideia desse novo universo criado mas espero sinceramente que melhore o desenvolvimento! kkkk

      Bjos,
      Cindy
      https://twitter.com/cindytrade

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.