Resenha: A Elite


Em A Seleção conhecemos Illéa, o que sobrou dos Estados Unidos depois de duas grandes guerras mundiais, e o triângulo amoroso que se desenrola entre Aspen, America e Maxon - se é que podemos chamar de triângulo quando uma das pontas está sendo disputada por outras 35 garotas em um programa de TV.
Sinopse: A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Só uma se casará com o príncipe Maxon e será coroada princesa de Illéa. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Quando ela está com Maxon, é arrebatada por esse novo romance de tirar o fôlego, e não consegue se imaginar com mais ninguém. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto, dominada pelas memórias da vida que eles planejavam ter juntos.America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer — e ela está prestes a perder sua chance de escolher. E justo quando America tem certeza de que fez sua escolha, uma perda devastadora faz com que suas dúvidas retornem. E enquanto ela está se esforçando para decidir seu futuro, rebeldes violentos, determinados a derrubar a monarquia, estão se fortalecendo — e seus planos podem destruir as chances de qualquer final feliz.
A Elite é o livro divisor de águas para os fãs, acredito eu. Pelo menos foi o divisor de águas para mim e as meninas aqui do blog, que estamos em uma constante briga entre Team Maxon e Team Aspen. E acredite se quiser, mas o príncipe está perdendo.

O segundo volume da trilogia traz um número bastante reduzido das garotas na Seleção e a pegada é praticamente onde A Seleção terminou. Maxon e America estão cada vez mais próximos, porém, nem tudo são flores. Longe de Aspen a artista está completamente envolvida pelo charme de Maxon e, depois de constatar que ele não é nada como ela imaginava que seria, o amor realmente floresceu. Até que tudo desanda.
Não era como se a minha presença fizesse o mundo dele mais feliz. A sensação que eu tinha era de ser o mundo dele. Não havia explosões. Não havia fogos de artifício. Era uma chama lenta, queimando de dentro para fora.
É difícil falar do livro sem dar muitos spoilers, mas foi nele que eu escolhi por quem realmente torcer e que percebi um grande desenvolvimento e crescimento dos personagens. É inegável a diferença entre a America que conhecemos no inicio de A Seleção, e a America que se desenrola junto das páginas de A Elite. Ela jamais poderia voltar a ser a artista que vivia com sua família na Carolina, apenas com o suficiente de comida para não morrer de fome.

 — As coisas são assim. O céu é azul, o sol é quente, e Aspen ama America para sempre. O mundo foi feito para ser assim. De verdade, Meri, você é a única garota que desejei na vida. Não posso imaginá-la com outra pessoa. Tentei me preparar para isso, caso acontecesse, e... não consegui.

Aqui ela viu muito mais: os ataques rebeldes, as atitudes do Maxon, as palavras do Aspen. As atitudes dela em relação à Seleção, os diários de Gregory Illéa. America viu muito, descobriu muito do mundo em que ela vive. Antes ela era apenas uma 5, conformada com sua posição e cujo único problema que realmente considerava como tal, era de convencer a sua família a permitir que ela se casasse com um 6. 
Tinha amado Aspen por tanto tempo, só que tudo era diferente naquele momento. Não éramos mais dois zés-ninguém da Carolina. Tínhamos visto demais para fingir que seríamos aquelas pessoas de novo.
Mas em A Elite, ela é outra. E acho que esse é o grande fator decisório e a parte mais importante do livro: como a Kiera Cass conseguiu fazer com que todas as personagens crescessem sem perder a essência de quem elas realmente eram. Eu tenho orgulho do que a America se tornou, embora desejaria que ela fosse um pouco mais inteligente nas suas tomadas de decisões.

O único problema é que, a personagem que ela se tornou, aqui, me cega completamente quanto ao seu futuro. Não acho que ela consiga ficar com Aspen, mesmo com a posição atual deles. Mas também não acho que ela consiga ficar com Maxon, sabendo de tudo como sabe. 



Só tenho meus parabéns à Kiera e o meu desespero por The One - malditos livros, todos que eu quero lançam quando eu estarei escrevendo TCC, impossibilitada de lê-los.

A pergunta que fica, depois de ler esse livro é: Team Maxon ou Team Aspen? (eu acho que vou de Team America).

Título: The Elite (The Selection, vol. 2)
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Nota: 4,5

Saiba mais em: Skoob | Buscapé 

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

9 comentários:

  1. Bianca, eu também adorei o livro e sou super fã da trilogia! Minha ansiedade com o próximo livro está enorme, rs! Mas acredita que não consigo me decidir entre Maxon ou Aspen? Simplesmente não sei, cada um deles tem defeitos e qualidades muito diferentes e eu estou bem dividida ainda!


    Abraços, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu li os dois livros muito rapidamente, foi amor logo a primeira página :P
      Aqui no blog a briga é constante, temos uma Team Maxon ferrenha e uma Team Aspen com ótimos argumentos, temos uma em cima do muro e eu estou pendendo bem pro lado do Aspen, embora o Maxon seja um ótimo personagem. A Kiera tem uma habilidade incrivel em lidar com os personagens, eu adorei :P

      xoxo,
      Bianca

      Excluir
  2. Amo!!!
    Quero reler esse livro!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Rizia, nem me fale, as vezes eu queria só sentar e reler os dois livros várias vezes. Quem diria que eu iria me apaixonar por um conto de fadas depois dos vinte HAHAHAHAH Embora seja meio distópico, né :P

      xoxo,
      Bianca

      Excluir
  3. Eu gostei do livro, mas não tanto quanto você, rs. A America me irritou muito boa parte do livro, embora tenha adorado a atitude ela em certas situações que pediam uma atitude de alguém!
    Também passei a ver o Aspen com outros olhos. No primeiro livro a própria autora focou muito no Maxon, parecia que queria que gostássemos mais dele, em em A Elite vemos um puco mais do guardinha fofo. E fiquei muito feliz de saber que vai ter um conto sob o ponto de vista do Aspen, pq é um personagem muito pouco explorado ainda.
    e que venha The One!
    bjus
    meumundinhoficticio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EU gosto bastante da America, sabe? A habilidade de um personagem de se transformar e crescer sempre me cativa. Ela me ganhou quando chutou as jóias reais do Maxon, confesso. HAHAHAHAHAHA Exato, a partir do momento em que a Kiera começou a explorar mais os personagens, a gente fica dividida. Em A Seleção ela apresentava TUDO daquele mundo pra gente, mas em A Elite ela pode focar mais no crescimento dos personagens. LOUCAS POR THE ONE O/

      xoxo,
      Bianca

      Excluir
  4. Pela resenha pude ver que o livro é bastante intrigante e encantador... ótima opção de leitura, digo o mesmo do blog.

    www.saotantas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mairton. Realmente, o livro é uma versão distópica dos contos de fadas, me encantou bastante! Fico feliz que gostou do blog, a equipe agradece :)

      xoxo,
      Bianca.

      Excluir
  5. A série é bem interessante e cheia de encantamento. Com uma mocinha linda e decidida e um príncipe disposta a ser casar com uma das escolhidas. Espero que ele faça a escolha certa. Ansiosa pra ler este também.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!