Resenha: Proibido

Hoje tem resenha de Proibido, livro da britânica Tabitha Suzuma, vencedor de diversos prêmios, com uma legião de fãs ao redor do mundo e uma obra um tanto quanto polêmica para eu falar sobre.

Resenha: Proibido
Sinopse: Proibido - Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes.Eles são irmão e irmã.Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia?Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.
Primeiro eu gostaria de dizer que não sei ao certo porque esse livro foi tão polêmico para mim. Eu já falei brevemente sobre ele no vídeo do Bookhaul do mês de fevereiro e, agora, muito tempo depois de ler, eu ainda não sei como lidar com ele.

Quero deixar claro que tentei julgar ele como um romance comum, porque o elemento do incesto me fez pensar muito - sim! Eu pensei com um livro "best-seller feito para as massas", toma essa pseudo-cult - e por isso eu queria reservar um espaço no final da resenha para dar minhas conclusões a respeito.

Resenha: Proibido

Como a própria sinopse já aponta, Maya é uma garota doce e sensível de 16 e Lochan um garoto inteligente e recluso de 17. Os dois são irmãos, os mais velhos de uma família de cinco filhos, com uma mãe relapsa e alcoólatra. Para impedir que sua família seja despedaçada e separada pelo sistema legal, Lochan e Maya criam os irmãos como se fossem seus pais desde os 12 anos do garoto. Eles sempre foram melhores amigos e acabarem em um romance era quase inevitável.

Não há leis e nem limites para os sentimentos. A gente pode se amar tanto e tão profundamente quanto quisermos. Ninguém, Maya, ninguém poderá nunca tirar isso da gente.
O livro é contado por dois pontos de vista, o do Lochan e o de Maya. Desde o começo, quando percebem como se sentem em relação um ao outro, eles entendem que aquilo é errado. Que não podem ficar juntos, que serão julgados pela sociedade, pelo sistema legal e que colocarão em risco sua família, caso sejam pegos.

Mas, é claro, isso não os impede de seguir em frente com seus sentimentos.

Antes que existisse qualquer coisa, existia Lochan.
Eu gostei bastante do ponto de vista da Maya. Ela soava confusa, mas ao mesmo tempo resoluta. Aceitava a forma como se sentia e, uma vez que tomou a decisão, não voltou atrás. Maya só queria ser feliz. Ela era a apaziguadora da casa, separando as brigas de Lochan e Kit - seu irmão do meio -, agindo como a melhor amiga de Willa, a mais nova da casa, e sendo a figura amorosa para Tiffin.

Os pontos de vista dela eram coerentes, sensíveis e reflexivos. Já os de Lochan eram caóticos, depressivos e extremamente inseguros.

Qualquer amor. Francie não é boba. E, no entanto, o único tipo de amor que jamais será permitido nem sequer passou pela sua cabeça. O único que é tão repulsivo e inaceitável que nem é mencionado numa conversa sobre relacionamento proibidos.
Eu não gostei do ponto de vista do Lochan ou dele, como pessoa e personagem. Ele não conseguia manter uma decisão por mais do que cinco minutos, sentia um grande nojo por si mesmo e descontava isso em cima da Maya TODA VEZ. Me desculpe você que leu o livro e amou muito, mas para mim, isso sim é algo abusivo. Não consegui me ligar a ele, de qualquer forma que fosse.


Resenha: Proibido

Eu entendo que a diferença entre o ponto de vista dos dois reflete a personalidade deles e que personagens diversos fazem um bom livro. Mas ainda assim, não gosto de Lochan e o motivo não é o incesto.

Você pode fechar os seus olhos para as coisas que não quer ver. Mas você não pode fechar seu coração para as coisas que não quer sentir.
Não é difícil entender como os dois se apaixonaram. A situação na casa deles, a forma com a qual foram criados, o quanto eles tiveram que crescer em tão pouco tempo, como eles só tinham um ao outro para se apoiar. Como eles foram negligenciados e excluídos, como eles sentiam como se não fossem desejados ou amados. Como se não fossem bons o suficiente para o pai, como se fossem um peso morto para a mãe.

Não é, realmente, difícil entender como eles chegaram até ali. Como as personalidades deles se moldaram. Mas ao mesmo tempo, é tão difícil imaginar se eles se amaram por causa de tudo isso, ou apesar de tudo isso.

Você sempre foi meu melhor amigo, minha alma gêmea, e agora eu estou apaixonada por você também. Por que isso é um crime?
A diagramação que a Editora Valentina fez para Proibido foi ótima, simples e delicada. Minha única reclamação é sobre a capa: achei ela molenga demais, muito fácil de amassar. E também, gostaria que eles tivessem mantido a capa "original". Não sou muito fã de mãos em capas, eu sempre acho que o photoshop deixa tudo estranho - vide Crepúsculo.


Resenha: Proibido

Se eu recomendo o livro? Bastante! O que me levou a não gostar do Lochan são preferências pessoais, o que quer dizer que você pode gostar. E também acho super válido pela discussão que ele traz e pelo tanto que ele vai fazer você pensar.

Agora, se você não quer pegar spoilers, por menores que sejam, pule essa parte.

Com relação ao incesto, eu pensei muito antes de sair por ai falando. Meu primeiro pensamento foi "que nojo!". Eu tenho um irmão mais novo e uma irmã mais velha e não consigo entender esse tipo de sentimento, tentei me colocar no lugar deles diversas vezes e me deixou extremamente enojada.

Depois, quanto mais lia, mais eu pensei sobre esse "nojo" e porque eu me sentia assim.  Maya e Lochan falaram diversas vezes sobre porque o incesto é errado, mas nenhuma das desculpas que apareceram no livro eram diferentes das desculpas que usam para se expressar sobre relações homoafetivas, por exemplo. Não que eu esteja colocando os dois tipos de relação no mesmo patamar, mas eu não acho nada de doentio ou nojento em dois homens/duas mulheres juntos. Eles se amam e estão em uma relação consentida, porque eu acharia isso errado?


Resenha: Proibido

Então foi a hora que eu me perguntei sobre o incesto: eles se amam e estão em uma relação consentida, por que seria errado?

Estando juntos nós não machucamos ninguém; estando separados nós extinguimos nós mesmos.
Sempre que ouvimos falar de incesto, eu achava que o crime existia porque estava sempre atrelado a algo muito pior: uma criança sendo molestada por parentes, por exemplo. O crime é porque foi uma relação incestuosa? Na minha cabeça, era por se tratar de um menor indefeso, abusado por alguém que deveria protegê-lo.

Mas depois de ler Proibido eu descobri que em lugares como a Inglaterra, "consentir com penetração por um membro da sua família" é um crime e você pode pegar até dois anos de prisão por isso!

Eu ainda não sei o que pensar sobre o caso e eu sei que isso sempre vai ser algo polêmico, especialmente por causa da nossa sociedade. Mas queria deixar a pergunta aqui para vocês: por que achamos incesto errado? Por que incesto consentido é um crime? Lembrem-se, também, que por muito tempo o casamento entre primos foi muito promovido entre a nobreza na antiguidade. O que mudou de lá para cá?

Título original: Forbidden
Autora: Tabitha Suzuma
Editora: Valentina
Gênero: Romance - YA
Nota: 3,5

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

14 comentários:

  1. Adorei a resenha! Sério.
    Achei seu conflito de sentimentos e reações super natural, ao saber um pouco mais a fundo sobre o que se trata a narrativa.
    Eu via um pouco desse livro aqui e ali, mas nunca tinha parado para ler uma resenha e conhecer a obra um pouco mais a fundo. E adorei. A resenha é autêntica e adorei saber um pouco mais sobre a obra também.

    Bjs
    MaH

    http://www.oquedissealice.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mah!
      Obrigada pelo elogio, que bom que a resenha pode te ajudar! É um grande conflito o livro, porque mexe muito com o teu entendimento de certo, errado, moral e lei. Achei muito interessante nesse aspecto.

      bjs

      Excluir
  2. Oi BIbs!

    Porram, adorei a sua resenha e cara... Acho que também vou ter a mesma reação que você durante a narrativa, não pelo incesto mas pelas atitudes e pensamentos do Lochan, mas vou tentar compreende-lo mesmo que pode me doer HUAEHUEHUAE
    Eu tô mega ansiosa pra ler esse livro D: mas ao mesmo tempo não, porque tenho medo de me decepcionar ;-;
    E tenho que concordar com você sobre a capa mole da Valentina www.livroterapias.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, o Lochan testou minha paciência viu. Mas quando você acha que vai ter que parar, vem o pov da Maya e ai tudo fica bem UHASUAHSUHASUAHSUHASUHASUH
      Não acho que ele foi uma decepção, decepçããããooo. Eu tive uma reação muito diferente da que esperava, então acho que me decepcionei mais comigo mesma do que com o livro :v
      Fica aqui decretado que a capa mole da valentina foi sacanagem, então.

      bjs

      Excluir
  3. Amei a resenha Bianca!
    Como você escreve bem! (esperando um livro seu)

    Sobre incesto: no início li cheia de "dedos", mas depois realmente entendi como e porque eles sentiam o que sentiam e isso me deu raiva de como os pais fizeram isso com eles. E depois fiquei com raiva do julgamento da sociedade.
    Eu também pesquisei e descobrir que no Brasil, com consentimento à partir dos 14 anos, pode-se "cometer incesto"

    Novamente lhe parabenizo por sua resenha.

    Beijão Bia.

    Obs: Chorei com o final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Gisele <3
      Mas acho que livro vai demorar mais uns 10 mil anos UAHSUAHSAUHSUAHSUAHS
      Eu entendi as motivações deles, mas não consegui deixar de me dividir entre "nojo" e "por que eu tenho nojo?" sabe? '-' Foi complicado.
      Fiquei com muita raiva dos pais, especialmente do pai deles, que diz que deixou a mãe porque ela era uma péssima mãe E DEIXOU OS FILHOS COM ELA. Qual o problema de um cara desses????
      Não sabia dessa do Brasil, me faz pensar novamente agora :v
      Confesso que não fiquei isenta das lágrimas, quando o Kit pede perdão ao Lochan e corre atrás do carro eu quase chorei. Me apeguei bastante ao Kit, todo magoado e cheio de raiva </3

      bjs

      Excluir
  4. Estou louca para ler esse livro tão polemico.
    Gostei da sinceridade das suas observações e foi legal você dizer o que sentiu.
    Dica anotada
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceridade sempre, né? AUHSAUHSUAHSUAHSAUSH
      Olha, eu recomendo mesmo, se não pela história, mas pela reflexão!

      bjs

      Excluir
  5. mas gente, amei a resenha e amei a historia, ja coloquei a proxima da lista pra eu comprar, nunca pensei numa historia assim ainda mais que virasse livro, achei muito interessante e scrr ja quero ler, anotei aqui pra eu nao esquecer ne suhusahasuhuash alem de que o jeito que voce escreveu a resenha eh otima, sua escrita eh mt boa, to c inveja kkkkkk'
    tonsdeleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lud!
      Coloque mesmo na lista, é ótimo para gerar uma discussão e te fazer pensar um pouco mais na moral e na leia, achei ótimo nisso.

      bjs

      Excluir
  6. Comecei a ler esse livro esse ano e fiquei apaixonada por ele mas sou muito sentimental e na hora que ele está sendo preso parei de ler.O livro me fez ver o incesto com outros olhos,tanto que pelo medo do final ser eles separados e o Lochan ainda preso congelei a leitura só não sei quando vou voltar a ler.
    Obs.:Amei a sua resenha e ela quase me fez voltar a ler esse livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Yanca!
      Ele também me fez refletir mais sobre o incesto e separar algumas coisas. Foi um livro muito bacana, mas com um fim bem triste. No entanto, recomendo que você leia sim! É importante levar a discussão que ele levanta adiante.
      Obrigada pelo comentário!

      bjs

      Excluir
  7. Acho que fui a única que achou a leitura tediosa e forçada demais! Antes de comprar o livro, li inúmeras resenhas para ver se de fato tomava coragem e partia para a leitura...Comprei e li o livro em apenas 02 dias, afinal, esperava que o contexto tivesse reviravoltas e não fosse nada do que estava lendo de cara...mas com mais de 150 leituras feitas, eu afirmo com toda certeza que Proibido não me tocou em absolutamente nada...apenas pelo fato de achar que Maya foi em grande partes responsável por tudo que aconteceu.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!