Controle Remoto: The Sisterhood of Night

  • 09:00
  • 18 de out de 2015
  • Controle Remoto: The Sisterhood of Night

    The Sisterhood of Night me conquistou por suas atuações incríveis, pelo roteiro quase lúdico e pela fotografia de sonho (e sim, a direção ajudou bastante).

    É uma história que fala de cyberbully, de amizade, de amor e do poder que a sensação de "pertencimento" exerce sobre nós -- especialmente sobre os jovens. O quanto essa sensação é importante e o quanto ela pode ser devastadora quando é negada.

    Achei o filme delicado e tocante e poderoso e me fez chorar bastante porque, apesar de muitos temas sobre a adolescência serem "clichês" isso não tira deles o poder de identificação com os telespectadores e, quando bem feito, acerta bem naqueles sentimentos escondidos da adolescência superada.

    Controle Remoto: The Sisterhood of Night
    Controle Remoto: The Sisterhood of Night

    Inspirado em uma certa caça as bruxas moderna, o filme é baseado no conto de mesmo nome do autor norte-americano Steven Millhauser que estreou no Festival de Cinema de Woodstock em 2014 - que graças a deus foi parar no Netlix. A direção ficou por conta da estreante Caryn Waechter e o roteiro nas mãos da Marilyn Fu.

    Ele conta a história da amizade de Mary, Lavinia e Catherine que começa logo após o silêncio virtual de Mary, que começa quando uma colega espalha mensagens pessoas dela pelo colégio. A personagem é interpretada pela Georgie (que todo mundo deve lembrar como a Lúcia, de As Crônicas de Narnia) em um trabalho que, devo acrescentar, é muito bem feito.

    Mary cria essa Irmandade, chamada The Sisterhood of Night, onde você precisa ser convidada por ela para participar e cujos encontros são um mistério para todos. Todos os membros fazem um pacto e juram nunca revelar o que acontece nesses locais o que faz com que Emily, a garota que iniciou o silêncio virtual de Mary, fique ainda mais eufórica por entrar.

    Quando ela segue as garotas em um encontro e é descoberta é que começa toda a confusão. Emily acusa Mary de manter uma seita onde o abuso sexual é constante, assim como a automutilação e a adoração pagã.

    Controle Remoto: The Sisterhood of Night

    A história da garota ganha repercussão em pouco tempo e a irmandade passa a ganhar cada vez mais notoriedade. Com a recusa dos membros a revelar o que elas fazem quando se encontram o mistério é cada vez mais intrincado e instigante, tornando-as párias para a comunidade escolar.

    Preciso dizer que fiquei um pouco decepcionada com os comentários que vi no filmow - sim, eu ainda uso essa rede social, adoro ela! - de pessoas que diziam não entender porque as garotas não revelavam logo qual era o bendito segredo da irmandade só para se livrar das acusações.

    A verdade é que elas revelam apenas no final o que acontece - e apenas para alguns adultos escolhidos. Isso porque o segredo delas é importante demais, o que elas compartilham nesses encontros são coisas muitos especiais e o que elas buscam é a liberdade do preconceito e do julgamento alheio. Elas buscam aceitação e a encontram nos ritos que estabeleceram para a irmandade, no forte laço que surge entre aquelas que mais precisam dele.

    O filme é tão bonito, sensível e delicado que eu quase tenho medo de falar demais e acabar quebrando ele.

    Controle Remoto: The Sisterhood of Night

    Comecei a assistir sem qualquer expectativa, achando que encontraria algo do tipo Perfect Sisters, e encontrei uma história bastante poderosa, algo que eu queria ter escrito, roteirizado e dirigido.

    Se histórias sensíveis como O Segredo de Melinda e Garotas de Vidro são o seu tipo de leitura/filme eu realmente sugiro que procure pelo filme -- que, aliás, eu faço questão de rever no próximo final de semana.

    Dá uma conferida no trailer.


    1. Que dica maravilhosa.

      Adicionei lá no Filmow para lembrar de assistir depois.

      Amei a resenha.

      Grande beijo.

      ---
      http://surtandocompalavras.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
    2. SOCOOOOORRO,

      Esse filme tem a Georgie Henley, minha eterna e pequena Lucy <3

      Só por causa disso, já fiquei morta de vontade de assistir haha

      beijos,

      http://sweetlikecaramel.blogspot.com.br

      ResponderExcluir
    3. Ótima crítica, como sempre!
      Nunca tinha ouvido falar do filme, mas gostei muito da proposta, fiquei curiosa! Essa ideia de "caça as bruxas moderno" é bem legal, mas tenho a impressão de q elas estão sendo acusadas injustamente... haha
      Ps: marquei vcs numa tag lá no blog ;)
      Bjs
      http://acolecionadoradehistorias.blogspot.con

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.