Resenha: As Batidas Perdidas do Coração


Abram alas para um New Adult incrível, senhoras e senhores! As Batidas Perdidas do Coração foi a melhor novela mexicana que eu já li, e digo isso no melhor sentido da palavra. Teve drama, teve um romance arrebatador, teve mais drama, mais desgraça na vida dos personagens, o romance continuou lindo, e foi real. Um romance ardente incrivelmente realístico. Que os céus abençoem a Bianca Briones, porque vou comprar até a lista de supermercado que ela fizer daqui pra frente!


Viviane e Rafael vivem realidades diferentes; ela é rica, ele é pobre. Ela é herdeira de um sobrenome aclamado, ele é só o barman de uma boate local. Ela ama Britney Spears e ele vive Johnny Cash. Mas a vida encontra maneiras inesperadas de unir corações predestinados, e a dor foi a ligação que ambos encontraram; a dor da perda. Viviane perdeu o pai. Rafael, quase toda a família. Se existe uma coisa que ambos entendem, é a dor irreparável de algo que se foi e nunca vai voltar. E é a partir daí que eles se aproximam.


Um dia após o outro. Um dia após o outro. Um dia após o outro. É assim que a vida segue, enquanto você sofre, ri, chora, ama, perde. Ela não para.

Eu mencionei ali em cima o drama, certo? Tem muito drama. Pensa em dois personagens desgraçados pela vida. O Rafael, principalmente. Se você não sabe escrever drama com aquele toque de sutileza necessário, vira uma gororoba intragável. A Briones não teve isso; ela desenvolveu a história tão bem que eu me vi urrando, chorando e implorando pra que o casal encontrasse um final feliz. As Batidas Perdidas do Coração teve um timing tão incrível e bem calculado que encaixava o romance do new adult com aquelas remexidas no emocional, criando cenas quentes ao mesmo tempo em que também nos entregava cenas emocionalmente destruidoras.


Uma porta imaginária se abriu entre nós. Não sabemos como começou ou quem a abriu. Simplesmente está escancarada e cabe a nós lidar com isso. Ou fechamos ou entramos. Não há meio-termo.

Viviane nunca enfrentou grandes desafios em sua vida até o momento em que perdeu o pai para o câncer. A mãe se torna uma figura instável e depressiva, o avô, super-protetor, e o irmão é o único gancho que Viviane ainda tem para se manter sã. Quando Rafael cruza o seu caminho, primeiro inesperadamente, para então tornar-se uma figura corriqueira, Viviane percebe que não tem escape; a atração entre eles foi muito bem desenvolvida. Eles se entendem, são simpáticos um com o outro, e se querem. É simples e imperfeito, mas quem liga? O livro nunca tenta te convencer de que é amor à primeira vista e a atração não soa falsa. Eles se desejam e a dor que os conecta é também um escape para o que o mundo lá fora tem a oferecer para a agonia que sentem. Viviane e Rafael são perfeitos um para o outro e você entende isso no que tempo em que eles começam a se entender.


Eu adorei a maneira com que a Briones criou essa tensão sexual entre o casal, mas também trabalhou o emocional deles tão bem. Viviane é uma garota órfã perdida, forçada a tomar decisões importantes, a amadurecer mais rápido do que estava acostumada. Ela é uma menina rica com o coração de ouro, mas também é uma mulher forte e decidida, com uma postura nada fragilizada. Ela perdeu o pai e o melhor amigo, mas ainda está vivendo. Ainda está ao lado do irmão, dos amigos e então de Rafael, que se torna algo mais com o tempo que se passa. Ela o ama, ela o deseja, ela quer estar ao lado dele conforme as semanas se vão e ele nunca sai da sua vida. Mas Rafael é tão ou mais instável do que ela pensava, e a determinação de Viviane entra aí para balancear os riscos e o medo que ele sente.


Rafael perdeu o pai, a irmã, os tios. Só lhe restou sua mãe e o primo - igualmente abalado pela perda - e um mundo que oferece soluções perigosas para quem quer se extasiar da dor. Rafael não é um santo e a história nunca mente a respeito dele; talvez por isso eu o tenha amado tanto. Ele buscou nas drogas, no cigarro e nas bebidas um escape para a sua dor, e então percebeu que Viviane talvez pudesse ser uma nova solução. Com ela disposta a estar ao seu lado e Rafael disposto a tentar, a obra trabalha maravilhosamente essa impotência que uma pessoa tem quando se deixa levar pelo mundo das drogas. Mesmo forte e aparentemente invencível, Rafael é só um fantoche quando o vício bate à porta, e talvez sua força e a força do amor que ele tem pela Viviane não sejam o bastante, não o tanto quanto ele achava que seriam. FOI TÃO LINDO. A realidade nua e crua que a Briones inseriu, ao mesmo tempo em que dava ao casal mais amor e paixão e momentos inesquecíveis. Amei cada nuance do Rafael, cada falha e cicatriz e perda irreparável. O menino nasceu pra sofrer, mas também está ali para aprender a viver com esse sofrimento. E o apoio que a Viviane dava, a força que ele encontrou em si mesmo depois disso, argh, foi tão maravilhoso.


E, por alguns segundos, realmente esqueço de tudo. Eu a beijo como se fosse o bastante para me salvar. E talvez seja.


Os dois tinham uma química inegável, e as cenas dignas de new adult foram ó, parabéns. Ao mesmo tempo em que Viviane e Rafael se sobrecarregavam de dramas, eles também dividiam momentos leves e divertidos, com um bom humor irreverente e malicioso. Nem as declarações de amor mais melosas foram ruins para mim, para você ver como esse livro acertou o ponto de romance certo! Rafael ainda era o cara malandro, tatuado e perigoso, Viviane ainda era a moça doce e preocupada, mas ambos se tornaram algo mais juntos.

Os personagens secundários brilharam igualmente. Branca, Mila, Lex, Bernardo, Rodrigo, Lucas. Todos estavam ali pela Vivi e pelo Rafa, à sua maneira. Rodrigo e Lucas, principalmente, irmão da Viviane e primo do Rafael, que sofreram as mesmas perdas dos protagonistas e encontraram a mesma dificuldade de superação encontrada por ambos. A interação entre os dois criou uma amizade poderosa, mas eu preciso admitir que shippei. Shippei muito. Queria que Lucas/Rodrigo tivessem ficado juntos romanticamente, porque tinha muito espaço!



Graças aos céus não foi mais um daqueles clichês de NA que não aguento mais. Nada de uma só melhor amiga, nada de problemas de traição, nenhum drama clichê com um término de namoro. Tudo, absolutamente tudo nessa história, foi inesperadamente bom. Claro, tivemos os clichês, mas nada soou falso ou exagerado demais; o drama com a família da Viviane, uma perda inesperada para criar aquele clímax de desespero no fim. Até uma cena com arma apareceu - e oi que certa autora deveria ler esse livro e entender como se faz um sequestro bem escrito. A Briones conseguiu construir uma história de amor e superação, de dor e de separação, conseguiu dar verossimilhança a cada atitude e decisão tomada pelos protagonistas. A narrativa da Viviane era cheia de esperança e de força, a de Rafael era engraçada e em busca de uma luz. Ambos sombrios, ambos determinados a deixar essas sombras para trás.



- Meu pai dizia que, quando descobrimos que estamos apaixonados, o coração fica tão assustado que pula um batimento, como se tivesse se preparando para todas as variações de velocidade que vai ter que enfrentar a partir daí. É o que ele chamava de "batidas perdidas do coração". Segundo ele, o coração nunca recupera o ritmo correto até se encontrar no peito de outra pessoa.

O final foi a melhor parte, o que, depois de passar com um trauma de decepção com Mentira Perfeita, foi um alívio. Livros de romance assim ou são muito bons ou perdem a mão e se tornam escorregões vergonhosos do meio para o fim. As Batidas Perdidas do Coração foi ótimo, foi lindo e foi inesquecível. Quem perdeu uma batida do coração graças a esse livro fui eu!


Título original: As Batidas Perdidas do Coração
Autor: Bianca Briones
Editora: Verus
Gênero: Romance / New Adult
Nota: 5

Saiba mais: Skoob | Buscapé
 Saraiva

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

6 comentários:

  1. Oi Denise!!!

    Adorei o GIF do post e amo uma novela mexicana então a comparação pra mim foi mesmo positiva. Quem bom que os personagens secundários tb são bons, gosto muito quando isso acontece!

    A resenha ficou super completa! Parabéns!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir

  2. Look very nice information from this blog. Kiss! and visit us Cambodia Golf Holidays

    ResponderExcluir
  3. tem continuação esse livro???? Comecei a ler e já estou bafada... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bom? Adorei a resenha sobre esse livro maravilhoso. Já li o do Bernardo com a Clara e comprei o da Bianca com o Rodrigo e o Lex. Essa série é muito maravilhosa <3
    Só uma perguntinha, como que você consegue colocar esses trechos do livro nessa caixa de texto? Queria colocar nos meus posts, mas não acho em lugar nenhum como faz.
    Obrigada.
    Beijos,
    Dê.
    http://gemeasderosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu terminei de ler esse livro,e ele é simplesmente horrível,eu costumo ler muito,mas não gostei desse pq encontro um verdadeiro amor na vida e muito difícil ,mas encontrar um cara gostoso pra transar fácil,para mim os livros tem que algum tipo de sentimento bom, não uma pegação igual há essa , desculpa mas é o q eu penso ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Natalina, tudo bom?
      Então, vamos lá. Primeiro de tudo, esse livro é do gênero New Adult, ou seja, seria um filme não indicado para menores de 16 anos em um cinema. O que significa que vai, sim, ter muita pegação. O sexo na história é um dos núcleos da trama, e muitos NA's se desenvolvem em cima disso. O mais legal nos livros da Bianca é que ela fugiu do clichê e desenvolveu sim, muito bem, o emocional dos personagens.
      Como todo bom NA, a história tem a parte hot, mas também tem a parte sentimental. Os protagonistas são bem complexados e rolou um crescimento muito interessante nos corações dos dois, especialmente em relação um ao outro. Inclusive teve uns melodramas, como eu citei, bem mais dramáticos e emocionais do que em muito NA que já li. Não é um romance Nicholas Sparks até porque NÃO É a proposta desse gênero. New Adult fala sobre mudanças, sobre traumas e sobre romances hot (só não tão hot quanto o próprio gênero erótico).
      Pelo seu comentário, tu pegou esse livro esperando algo muito mais Sparks e Gayle Forman do que Bianca Briones, Tammara Webber e cia, que é o que o livro promete e entrega muito bem. E assim, longe de mim julgar como um relacionamento deve acontecer, né? Se a pessoa quiser transar loucamente com um cara gostoso porque se sente confortável assim, ela tem todo o direito de fazer isso :) assim como tem gente que prefere um romance romântico baseado muito mais no emocional do que no físico - e, de novo, Batidas Perdidas equilibra muito bem os dois lados. Por isso foi um livro tão legal.
      Uma pena não ter funcionado pra ti, mas talvez o gênero NA, num todo, não seja o tipo de gênero que funcione.

      Beijos.

      Excluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!