Resenha: Sete Minutos Depois da Meia-Noite


Lançamento da editora Novo Conceito, Sete Minutos Depois da Meia-Noite fala sobre um menino, um monstro e sobre aceitar que nem todas as histórias carregam um final feliz, mas talvez a promessa de um.
SinopseConor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida. A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido. O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a verdade. Baseado na ideia de Siobhan Dowd, Sete minutos depois da meia-noite é um livro em que fantasia e realidade se misturam. Ele nos fala dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para ultrapassá-los.
Conor O'Malley é um garoto solitário. A mãe está doente, a escola é um inferno e as pessoas parecem tratá-lo com uma invisibilidade piedosa; por causa da condição da mãe, ele é quase invisível aos professores e aos colegas. Numa noite, um monstro vem visitá-lo, e isso poderia ser parte de um sonho ou do pesadelo horrendo que Conor vem tendo, não fossem as provas físicas de que esse monstro é real. Ele está ali para contar três histórias, e essas histórias prometem ajudar Conor a entender algo que está escondido em seu subconsciente, o que vem causando o terrível pesadelo do qual ele não quer se lembrar.

- Mas o que é um sonho, Conor O'Malley? - perguntou o monstro, abaixando-se para que seu rosto ficasse próximo ao do menino. - Quem pode dizer que a vida real que não é um sonho?

A ideia principal trabalhada por Patrick Ness não é dele. Veio de Siobhan Dowd, uma escritora famosa que já se foi, deixando para trás os personagens, a ideia e a premissa. Patrick resolveu contar essa história do jeito dele, e o resultado não poderia ter sido melhor.
- Histórias são criaturas selvagens. - afirmou o monstro. - Quando você as solta, quem sabe o que podem causar?

Com uma narrativa emocionante e simples, o autor nos entrega uma obra espetacular. Conor é um garoto carismático, ainda que extremamente afundado em suas tristezas e na solidão. Suas interações com a mãe são de arrancar lágrimas de todo mundo, principalmente pelo fato de o destino dela ser tão incerto. Você torce e anseia para que a mãe dele se salve, mas a história desenvolve a incerteza com um pouco de esperança e um pouco de melancolia. Não é uma promessa de salvação e nem de morte, mas um meio termo, e por isso Conor é tão ressentido.

- E então um dia o homem invisível decidiu: eu farei com que me vejam. 
- Como? Como o homem fez isso? 
- Ele chamou - disse - um monstro.
O monstro, por sua vez, é muito e nada. Ele é uma metáfora e uma criatura e um contador de histórias. Ele está ali nos momentos em Conor precisa extravasar, quando o garoto precisa gritar e quebrar coisas e quando ele precisa pedir ajuda para alguém; qualquer coisa, qualquer pessoa. Mesmo um monstro.


A situação fora de casa também não é das melhores. Na escola, todos tratam Conor como uma sombra. Ele está ali, mas o ignoram. E os únicos que lhe dão atenção são os bullies, determinados a fazer da sua vida um inferno. Achei muito interessante como o autor trabalhou essa dinâmica, especialmente com o Harry, o "chefe" do bando. O modo horrendo com que ele trata o Conor desencadeia uma reação incrível do garoto, e essa reação é acompanhada pela presença do próprio monstro - e é a partir daí que começamos a questionar o motivo dessa presença.

Em casa, sua avó aparece para ajudar a cuidar da mãe, e ela é muito séria e independente e ressentida, o tipo de pessoa com quem Conor bate de frente, especialmente por ele estar tão tomado por ressentimentos também. O pai é ausente, e suas aparições significam muito para mostrar como Conor depende da mãe e como ela é tudo de mais importante que ele tem. Mas a maneira como a história desenvolve sua relação com o pai e com a avó também mostra muito amadurecimento de todas as partes.

- Queria ter cem anos. Cem anos para poder lhe dar.
A jornada dentro desse livro é rápida, sem grandes reviravoltas, mas incrivelmente marcante. As três histórias contadas pelo monstro constroem a parte fantástica ao mesmo tempo em que te entregam lições importantes. Ele ajuda o Conor a se ajudar. A relação do menino com a avó tem os maiores e mais grandiosos momentos. Tudo dentro da história contribui para o crescimento da narrativa e o desenvolvimento do menino, e o final é, sem sombra de dúvidas, um dos mais lindos que já li na vida.

- Você pode ter a raiva que quiser. Não deixe que ninguém lhe diga o contrário. Nem sua avó, nem seu pai, nem ninguém. E, se você quiser quebrar as coisas, então, por Deus, quebre-as com vontade!
- A crença é metade da cura. Crença na cura, crença no futuro que nos aguarda. 
A edição da Novo Conceito está impecável. É um livro curto, então as letras têm um formato agradável para a leitura, e combinando isso ao fato de a história ser tão cativante e emocionante, esse é o tipo de obra que você lê em um dia e fica implorando por mais.

Sete Minutos Depois da Meia-Noite fala sobre um menino e um monstro e quatro histórias entre eles. Sobre perdas e ganhos e sobre a verdade por trás de tudo isso.


Título Original: A Monster Calls
Autor: Patrick Ness
Editora: Novo Conceito
Gênero: Romance / Drama
Nota: 5

Saiba Mais: Skoob | Saraiva | Submarino

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

7 comentários:

  1. Oi Denise! Eu não li ainda e nem vi o filme, mas só leio criticas positivas dos dois! Acho que a ideia da metáfora do monstro genial e parece ser mesmo uma obra linda! Espero poder conferir em breve!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi, tudo bom?
      Quero muito muito muito ver o filme, só pelo trailer já parece uma adaptação espetacular. E o livro vale a pena, chorei igual um bebê! A narrativa é impecável <3
      Obrigada pela visita.

      Beijos.

      Excluir
  2. Oi, Denise!
    Preciso tanto ler esse livro. Todas as resenhas que li foram super positivas como a sua. Curiosa em relação a essa obra toda e ao final, que você achou tão lindo.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carla!
      Esse é o tipo de livro que foi uma surpresa muito bem-vinda pra mim. Não esperava encontrar uma história tão grandiosa nele *-*
      Tomara que você goste!

      Beijos.

      Excluir
  3. Não li o livro, mas acabei de ver o filme, achei genial. Era para o barato,as serviu muito para mim.
    Pretendo comprar o livro é recomendado o filme.

    ResponderExcluir
  4. Assisti ao filme! Muito emocionante, boa reflexão do ser humano. Recomendo. Agora vou ler o livro.

    ResponderExcluir
  5. Me emocionei muito com esse livro. É de destroçar o coração, principalmente se você já passou por algo parecido.
    Linda resenha.

    Beijinhos

    Paty
    saberes-literarios.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!