Resenha: Na Minha Onda

Resenha: Na Minha Onda

Na Minha Onda é um dos mais recentes lançamentos da editora Globo Alt. Recebido em parceria, o livro de Laura Conrado usa de bom humor para contar as peripécias de uma cantora baiana pra lá de arretada.
Sinopse: Vitória é uma cantora talentosa que esteve no topo do sucesso há cinco anos. Mas agora ela está arrasada: ficou desempregada, voltou a morar com os pais e ainda tem que aceitar o triunfo de Carol Laine, sua amiga de infância e antiga companheira musical, que seguiu em carreira solo e está se tornando uma das mais comentadas artistas da Bahia. Porém, mesmo Vitória tentando se esconder a todo custo, Carol Laine a procura com um convite: ela quer que as duas voltem a trabalhar juntas e que ela participe de um reality show sobre sua vida. Isso significa, também, estar mais próxima de Lucas, o primo e assessor de Carol, por quem Vitória mantém uma paixão secreta há anos. Mesmo parecendo uma proposta irrecusável, é difícil engolir a mágoa, ficar à sombra de Carol Laine e ainda encarar os reveses da fama: a exigência de estar sempre linda e em forma, as fofocas da imprensa de celebridades, a perseguição de um fã maníaco e misterioso e a dúvida sobre as amizades serem apenas por interesse. Em meio a tantos sentimentos conflitantes, Vitória terá que responder: vale a pena voltar a esse mundo onde o ego das pessoas parece controlar tudo?
Vitória tinha fama, sucesso e uma carreira brilhante. Mas tudo deu errado quando ela se separou de sua dupla e tentou a vida de estrela sozinha; a amiga, Carol Laine, chegou o estrelato. Ela, o fracasso. Depois de um tempo separadas, Vic recebe o convite de retornar aos palcos para reviver a famosa dupla As Elétricas e ganhar novamente o coração do Brasil. É uma oportunidade de ouro, mas a ideia de depender de Carol Laine mexe com seu ego; aliás, guarde essas palavras: o ego será um grande problema dentro dessa história.
Ô meu pai... tem coisa mais triste do que beijo que morre na bochecha?
Fiquei surpresa e admirada com a qualidade da obra, e também com vários defeitos dentro dela. Na Minha Onda tem um humor marcante, um jeitinho baiano que se sobressai logo nas primeiras páginas. Você vê a Bahia nos trejeitos da protagonista; até mesmo lê suas falas e pensamentos com o sotaque daquele estado maravilhoso. Vitória não foi minha favorita por um problema que vou comentar em breve, mas com certeza teve carisma por boa parte da trama. Apesar do chororô pelo seu azar na vida, ela dribla isso com humor e garra, a típica personagem que perdeu tudo e precisa se erguer e lutar pelo que ama - que, no seu caso, é a música. Não apenas a carreira e a fama, mas a ideia de cantar suas dores e amores, de conquistar o público com seu talento. E talento ela tem de sobra!


Resenha: Na Minha Onda

Quando recebe o convite de Carol Laine e retorna ao mundo do show business, Vitória confronta coisas das quais não se lembrava - a ditadura da beleza e da moda, o bafafá das redes sociais e dos fãs e as investidas da mídia em capturar qualquer escorregão seu. E pequenos erros são sempre um problema para Vitória. Mesmo assim, ela ginga e consegue reconquistar a simpatia de todo mundo; inclusive de um stalker sinistro que vem perseguindo Carol Laine e fazendo da vida dela um terror. EGO é uma figura misteriosa que vem atormentando Carol Laine e agora Vitória. O típico criminoso que encontra todos os podres, todas as piores informações, todos os medos e usa isso contra a pessoa.
Dizem que depois que uma onda quebra, nunca virá uma igual, mesmo que o mar mande infinitas delas.
Não achei uma grande revelação porque a partir de certo momento se torna bem óbvio quem é o EGO, mas gostei do suspense e do trabalho em cima das ameaças e da perseguição. Ele mete medo por se esconder e por usar tudo o que é de pior das vidas das meninas contra elas mesmas.


Resenha: Na Minha Onda

O maior problema, que me fez tirar uma estrela desse livro, foi a Vitória. Sim, apesar de carismática, talentosa e brilhante, ela também é muito obsessiva. Vaidosa. O tipo de personagem que diz uma coisa e faz outra e pra ela tá tudo bem, mas nossa senhora se outra pessoa faz o mesmo! Fiquei extremamente irritada com seus julgamentos mesquinhos, com o egoísmo exacerbado e, me ajudem, ó céus, sua "moral". Porque Vitória bateu o pé o livro inteiro sobre a arte, sobre a música, como isso não se compra, como talento é uma coisa com o qual você nasce, para de repente se tornar uma vendida que olha feio para a amiga porque recebeu um cachê menor que ela. Sério? Mesmo? Que tipo de ideia isso passa? Você está lendo uma protagonista com a qual deve se entusiasmar, mas a maior parte do tempo só tem vontade de gritar com ela.

E minha deusa como eu fiquei abismada com a obsessão dela. Falou tanto do EGO, mas fez pior. Toda essa obsessão vai em cima do seu interesse amoroso; até o momento em que eles ficam juntos, a história é bonitinha e engraçada, mas depois se torna um relacionamento bem abusivo e problemático. Vitória é controladora, desesperada e cheia de paranoia. Meu Deus do Céu que Ciumenta Chata do Caramba. Sim, mais uma personagem ciumenta que odeia toda mulher que respira perto do seu homem. Em vez de avançar e desenvolver uma personagem insegura, mas que busca driblar isso - porque livro passa mensagens, e se você escreve uma protagonista que diz que é "ok" olhar os seguidores do seu namorado e mandar ele parar de seguir as mulheres que você achou mais bonita, você está passando a mensagem errada. Erradíssima. Errou feio, errou rude. Parem de escrever rivalidade feminina, eu imploro. Enfim, menos uma estrela por causa disso. Porque a Vitória ficou insuportável daí pra frente e lá no final eu quase consegui perdoar ela, mas foi quase. Não perdoei.
- Quase nada sai como sonhamos, minha filha. Na intimidade, todo mundo é um artista que se reinventa com os cacos da vida.
Os personagens coadjuvantes tiveram um bom desenvolvimento, principalmente a Carol Laine - minha favorita! Adorei seu jeito meigo, de bem com a vida. É o tipo de pessoa que aproveita e sorri para mundos e fundos; mesmo com os traumas e os problemas que ela enfrenta. Lucas foi ok. Não teve grandes momentos, e nem foi o tipo de crush literário que eu vi e pensei "quero pra mim", mas era um cara presente e simpático e compreensivo (até demais. Sim, Vitória, tô olhando pra você).



Os pais da Vitória foram ótimos também - sua irmã nem tanto. Era um pouco (muito) aproveitadora e apesar de ter uns momentos divertidos e amigáveis com a Vic, não mudou muito e nem desenvolveu algum tipo de altruísmo. E, convenhamos, a Vitória falava tanto da irmã, mas no fim era tão egoísta e mesquinha quanto ela.

A edição está um arraso. A capa e a diagramação são lindas e combinam muito com o clima do livro. A história é cheia de referências à cultura brasileira, participações especiais e aquela ambientação bem escrita que te transporta diretamente até a Bahia.


Resenha: Na Minha Onda
Na música, os sentimentos saem sem a obrigação de ter que dar resposta às perguntas que a cabeça faz, preocupando demais o coração.
Na Minha Onda é uma boa leitura para quem quer relaxar com as aventuras e desventuras de uma cantora desafortunada que tem muito a aprender sobre o caminho da fama.


Título original: Na Minha Onda
Autora: Laura Conrado
Editora: Editora Globo Alt
Gênero: Romance / Comédia
Nota: 3

Saiba mais: Skoob | Amazon

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

5 comentários:

  1. Oi De,
    Posso ser sincera? Eu gosto de livros para sofrer!
    Quero chorar, desidratar e pensar nele por diiiiias.
    Essas obras mais comédia, sinto que são para momentos específicos da vida, mas geralmente não me marcam tanto.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi! Namoro abusivo é muito chato nos livros, se já é insuportável na vida real, imagine lendo kkkk mas daria uma chance para saber quem é o ego. A diagramação é linda. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir
  3. Oi Denise! Adoro um livro engraçado e divertido, me surpreendi pelo fato da protagonista ser controlada a ponto de ser chata, mas ainda assim deu uma biata vontade de ler!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oi, Denise!
    Já cansei também desses ciumentos que ninguém pode respirar perto do outro que está virando o próprio chihuahua. Naaam... Ainda bem que, apesar dos pesares, a história foi prazerosa.
    Menina, você tem que ouvir esse álbum solo do Harry. Tem umas músicas maravilhosas!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Sorteio de Férias: cinco livros, um ganhador!

    ResponderExcluir
  5. Que livro interessante! Eu achei bem legal e me interessei bastante!

    Eu conheci agora seu blog e estou simplesmente apaixonada por ele! Estou seguindo seu blog! Sempre que eu puder estarei por aqui acompanhando. Estou com metas para esse mês, agradeço se puder ir lá e dar uma forcinha! ♥
    Espero você por lá! Beijos,

    batomveermelhoblog.blogspot.com
    @batomdamanda

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!