Abandonei: Treze


Recebido de cortesia da editora Galera Record, Treze é o mais novo livro da autora FML Pepper - da trilogia Não Pare!. É uma história sobre sorte e azar e os deuses sabem como eu queria ter gostado dela; mas chegou num ponto do livro que não deu. Tive que abandonar. E vou explicar pra vocês o motivo.

O livro acompanha as vidas de Rebeca e Karl; a primeira, uma golpista que acabou desmascarada pela polícia e recebeu uma segunda chance. E o segundo, um lutador de MMA que quase foi morto em um acidente de carro, e agora precisa levar a vida na calma graças às consequências desse acidente. A vida dos dois se liga por causa da faculdade e, também, por causa da sorte. Ou seria do azar?

Meu grande problema com a trilogia Não Pare! foi justamente o mesmo problema que existiu aqui em Treze, só que neste livro a coisa foi multiplicada ao absurdo. E o problema é: o personagem masculino e a abordagem da personagem feminina. Karl é um babaca de marca maior. O típico macho chato que acha que tem o direito de exigir alguma coisa da namorada, que acha que tem o direito de tomá-la para si e "ai de quem olhar diferente pra garota". O alfa insuportável e possessivo cheio de toxidade que se torna violento ao descobrir que "como assim ela tem a coragem de terminar o namoro comigo?" e parte pra cima do garoto que ela está afim como se a vida fosse uma representação da Idade da Pedra. Até onde eu cheguei do livro, Karl tinha se mostrado: misógino, obsessivo e extremamente arrogante. Mas não aquela arrogância charmosa, que a gente acha graça. A arrogância pé no saco, que dá vontade de jogar um tijolo na cara. E nem preciso dizer que a parte misógina e obsessiva é quase ficha criminal pra colocar num B.O. né?

Ai chegamos ao momento que me fez dizer "não, quer saber? Não dá mais". Em resumo, a personagem principal quase sofre um estupro. Os agressores chegam a deixá-la nua, fazem ameaças, toda uma cena muito tensa e desesperadora para, claro, o Karl chegar e ser o salvador da pátria. E aqui eu vou dar spoiler porque a necessidade de explicar minha revolta se dá com dois momentos específicos: quando a Rebeca está caída no chão, assustada pela briga do Karl com os agressores, e Karl acha prudente olhar em sua direção, para o seu corpo seminu vítima de um quase estupro, e sorrir. Porque ok você ter uma cena de agressão sexual, contanto que consiga desenvolver o romance em cima dela, não é mesmo? Esse não é o sonho de princesa de todo mundo?



E aí a gota d'água: a cena termina, a protagonista é salva, e fica por aí mesmo. Ela sai dali um pouco assustada, mas nem o mínimo do que se imagina de alguém que sofra tamanho trauma. Você pode ser a pessoa mais corajosa e badass do mundo, mas um sequestro seguido de quase estupro quebra qualquer um. Absolutamente qualquer um. E aí temos Rebeca e Karl interagindo em meio a flertes e piadinhas, ela se oferecendo pra cuidar dos ferimentos dele e rolando aquele clima e, um pouco mais pra frente, Karl fechando os olhos e imaginando "as pernas nuas de Rebeca e outras partes que consegui enxergar de relance em meio à discussão com aqueles imbecis.". Isso é a quote do livro, eu juro pelos deuses. Você tem uma cena de agressão emocional, psicológica e física - porque os caras chegaram a tirar a roupa da guria, chegaram a apalpar o corpo dela - e a narrativa te diz que "quem se importa com esse trauma? Olha que lindo o Karl tarando o corpo da guria que foi violentada".



Assim, não dá. Absolutamente não dá. Acho que nem mesmo Real, que foi o absurdo dos absurdos da minha vida como leitora, chegou perto de me dar essa sensação ruim que a cena de Treze me trouxe. E não foi uma sensação ruim porque a cena de violência foi pesada, porque a mensagem daquele momento foi de choque - o que se espera de uma livro onde tu escreva uma agressão sexual - foi uma sensação ruim porque existiu para o desenvolvimento romântico; porque o estupro foi banalizado a ponto de se tornar um encontro na chuva para o casal principal.

E pra mim foi o suficiente. Esse é o tipo de livro que eu coloco a mão no fogo para não indicar. Fiquei decepcionada com a autora por deixar passar uma situação dessas de maneira tão leviana, por escrever um momento tão traumatizante como se a personagem tivesse tropeçado na chuva. Ok, o livro pode até desenvolver alguma coisa pro lado emocional da protagonista, mas pelo que eu li depois da cena de fato, pela maneira como os pensamentos da Rebeca se organizaram, ia ficar por ali mesmo. A violência contra a mulher é uma coisa séria, e nenhuma história que se preze deveria usar isso como artifício para um envolvimento amoroso.

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

11 comentários:

  1. Oi Denise!
    Fiquei passada com essa cena que você mencionou, chocada mesmo. Pena que a autora acabou fazendo uma cagada, viu?! =/ Eu estava morrendo de vontade de ler, a vontade diminuiu. rs
    Beijos

    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir
  2. Oi,
    Tudo? Encontrei você em alguns blogs amigos e decidi vir te visitar e fiquei parada nesse seu post, porque bem esse livro tem sido altamente divulgado e a autora já tem sua fama, e confesso que estava curiosa para ler sobre ele.Mas, dai vim e verifiquei sua análise e queria te dar os parabéns por não seguir o marketing virtual e expressar sua opinião sincera sobre o livro. Sabe que fiquei meio paralisada ao ler suas razões e realmente isso incomoda um pouco sim,porque várias pessoas estarão lendo e vão achar "ah isso é normal, pode até rolar um romancezinho depois",mas não é. Uma pena que a autora tropeçou nisso.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Denise!
    Quando você disse que abandonou, fiquei super curiosa pra saber por que. Estou aqui perplecta com tudo isso. Autores, helloooo! Estamos em pleno ano de 2017 e vocês ainda banalizando assuntos, como estupro, assim... Naaaam
    Eu cheguei a ler somente Não Pare! e até tinha ficado interessada com a história, querendo continuar. Mas aí passou-se muito tempo, eu teria que reler o primeiro pra continuar... então desisti.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Concorra ao livro Depois do Fim autografado
    Participe do sorteio de aniversário do Balaio de Babados e O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu li uma resenha sobre esse livro, falando o quão bom ele era, etc. Mas agora que eu li a sua, confesso que fiquei chocada. Eu teria abandonado também, até porque toda leitura que faço influencia diretamente no meu estado emocional, eu meio que "me coloco no lugar dos personagens". Que bad a autora ter feito de uma cena traumatizante algo positivo :/
    Beijos,
    Meise Renata.
    viciadas-em-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, Denise.
    Eu tinha ficado muito interessada nesse livro quando vi essa capa linda. mas agora lendo o que você falou sobre a história nunca que vou querer ler. Acho muito ruim os autores escreverem esse tipo de coisa. Meu problema com Cinquenta tons foi exatamente esse. o que tem de mulher achando que o Grey é um exemplo de homem aff. Eu lembro que uns tempos atras teve um livro que ficou bastante famoso e a mulher protagonista falava sobre quando tinha sido estuprada. E lembro que era parecido com o que você comentou. ia do estupro ao "sexo com amor" em questão de horas e acho que isso não existe na vida real e nem é legal ficar romantizando.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Olá, eu nunca li nada dessa autora, até tentei ler Não Pare, mas não rolou.
    E eu fiquei simplesmente pasma.
    É um absurdo tão grande, e acima de tudo é muito triste pra mim ver que mesmo com toda a informação, tanto conteúdo em tantos meios de comunicação, as pessoas ainda não enxerguem, simplesmente não consigam ver nada de errado enquanto lêem algo desse tipo.
    Já li outros livros semelhantes, com abuso físico, sexual, psicológico contra a mulher, e em gigantesca maioria, as resenhas e comentários sobre tais livros são POSITIVOS, sendo que são mulheres que mais o lêem.
    Muita gente acha isso normal, acha esse tipo de personagem maravilhoso, chegam a desejar homens assim na vida real. Infelizmente reflexo da sociedade machista, abusiva e opressiva em que a gente vive, e acredito que só o que pode mudar tudo isso, reverter esses séculos de história abusiva contra a mulher, são pessoas como você, que não economizam palavras pra condenar esse tipo de atitude, e ainda nos ensina a ver, realmente VER melhor as coisas.
    Esse comportamento bad boy abusivo se tornou clichê, se tornou banal, e isso, a "normalidade", a facilidade de encontrar livros assim é chocante.
    Tenho vontade de sentar e ter uma longa conversa com essas autoras.
    Parabéns, adoro suas resenhas, seu blog é incrível.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Oi Denise! Eu tô rindo, mas é de nervoso! Sério mesmo, porque Real é absurdo demais, mas eu li todos os livros da série porque sou dessas, me julgue (mentira, não me julgue), mas olha, sorrir depois de um quase estupro pra menina, aí Deus, acho que nem o Remmy mesmo com seu transtorno de personalidade faria. Juro que estou tentando imaginar a cena, mas não consigo. Enfim, o nosso exemplar nem chegou ainda, mas já fiquei preocupada.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Oi Denise!
    Eu li Não Pare! e na época isso não me incomodou TANTO, mas mudei muito meu pensamento desde então. Agora, simplesmente não tenho paciência para esse tipo de coisa. Esse ano também abandonei um livro por causa de personagem machista e romantizado, e agora me recuso a ler livros assim.
    Ótima resenha!

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  9. Eu nunca li nada dessa autora mas sempre vi bastante burburinho sobre ela. Essa é a primeira vez que leio uma resenha sobre a obra e confesso que estou triste, porque vi a mesma coisa acontecer com 50 tons. Como as pessoas podem endeusar tanto uma história tão absurda?
    Se a obra é realmente como você está contando, é simplesmente inadmissível a leitura e entendo completamente ter abandonado a obra.
    Sinto muito que tenha tido que passar por isso.

    Beijos,
    Jade Amorim | Raposa Crítica

    ResponderExcluir
  10. Adorei a sua sinceridade. Eu venho lendo muita coisa positiva desse livro e até mesmo tinha criado interesse, porém ainda não li nada da autora. Assim como já li comentários ruins de "não pare". Mas se eu for ler, não vai ser em breve. Quem sabe?!
    E alias, ver essa sua postagem me motivou a criar uma também do livro que abandonei esse ano. ;)

    Beijos,
    <a href="http://psamoleitura.blogspot.com.br> * Blog PS Amo Leitura *</a>

    ResponderExcluir
  11. Denise, tô chocada!
    Eu tenho Não pare! há um tempão, mas ainda n consegui ler. E Treze a princípio a premissa já n tinha me chamado a atenção. Cara, uma oena essa cena e a reação dos personagens, realmente. Que bom q vc expôs a opinião ;)
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!