Resenha: Same Difference

          
Same Difference é um dos primeiros livros de Siobhan Vivian e mostra que desde o início da carreira a autora tem um enorme talento para criar enredos envolventes e personagens excêntricos e interessantíssimos.

Sinopse: Emily está pronta para uma mudança. Ela está na mesma cidade com os mesmos amigos por um longo tempo... e nenhum deles realmente entende a sua arte. Mas quando ela vai para a Philadelphia para um instituto de arte no verão, ela subitamente encontra pessoas compartilham suas ideias. Uma em particular, Fiona, a intriga e desafia. Mas existem algumas coisas que Emily terá de descobrir sozinha - como qual o balanço entre a vida e a arte, e qual deles é mais importante quando a hora chegar.

Emily Thompson é a típica garota adolescente tímida e acomodada de uma cidade pequena dos Estados Unidos. Sua melhor amiga, Meg, é a extrovertida e namora um dos principais jogadores do baseball da escola. Ela e Meg se conhecem há cinco anos e desde que viraram amigas, sempre esperaram ansiosamente pelo verão para poderem aproveitá-lo juntas e irem ao Starbucks. Toda essa ansiedade por parte de Emily começou a mudar quando Meg começou a namorar e, por mais que tentem incluir Emily em seus passeios e conversas, ela não deixa de se sentir sobrando, como alguém que é carregado por obrigação e acaba por atrapalhar.

Naquele mesmo ano ela começa a ter aulas de arte na escola e surpreendentemente, se dá muito bem, tanto que a professora oferece tentar para ela um curso de verão em uma das melhores faculdades de arte na Filadélfia. Com medo do que pode acontecer no verão que se aproxima, Emily aceita.
 Durante o curso, Emily passa por grandes mudanças e autodescobrimento. Ela percebe que, mesmo intimidada pelos outros alunos já artistas, ela quer ser boa no que faz, e também não quer voltar a ser aquela garota tímida e insegura de cidade pequena. Assim, ela se aproxima de Fiona, uma garota esplêndida que ajuda Emily a ver a vida com novos olhos.
"Quando era criança, eu desenhei nuvens que pareciam corpos de carneiros dos desenhos animados. O sol era um perfeito círculo amarelo. Pássaros voavam em bandos de pequenos V’s negros. E eu me assegurava de sempre haver um arco-íris. É ruim que o céu não se pareça com isso. De certa forma, a realidade é uma espécie de decepção."
Emily no início, é mais uma daquelas protagonistas meio fracas que te mantém na leitura porque você desconfia de que ela vai ter uma transformação enorme (o que faz a leitura valer a pena). Ela é sincera e muito honesta, principalmente para com as pessoas, e se acredita em algo, vai atrás. É muito interessante ver pelo que a personagem passa e como suas atitudes vão mudando em relação a certos acontecimentos. Ela para de se importar com o que não é importante e também, começa a perceber quando está errada. Emily acaba por se tornar uma excelente protagonista que no final, me deixou com vontade de ler uma série inteira com ela, mas infelizmente, a autora decidiu contar sua história em um só volume.



Os personagens secundários são ótimos, até mesmo o namorado de Meg, aparentando um clichê até a metade do livro, se mostra alguém diferente e digno da atenção da melhor amiga de Emily. Os estudantes da faculdade de artes e colegas de Emily são excelentes, principalmente Fiona que é totalmente excêntrica e diferente de tudo que Emily já viu, com o cabelo colorido e desenhando sombras com giz por todos os lados, a personagem vê nela alguém incrível que gostaria de se parecer. Com o passar das páginas, vemos que Fiona é muito mais do que sua superfície confiante e certa de tudo, ela tem mais profundidade do que pensei em primeiro momento, o que só torna a leitura melhor.

"Meg abre o telefone e começa a enviar mensagens de texto. Enquanto ela faz isso, espano as migalhas do meu guardanapo e começo a desenhar. A caneta se encaixa na minha mão tão confortavelmente, como uma extensão dos meus dedos. Desenho muitos momentos como este. Isso me dá algo para me concentrar, enquanto a vida acontece com todos os outros."
A pesquisa de Siobhan em relação ao mundo das artes é impecável. Óbvio que ela não transforma a leitura em algo super profissional, mas só pelos detalhes dá pra perceber que ela entendia do que estava falando nem que fosse somente para escrever o livro. Te deixa com vontade de pegar uns pincéis e começar uma obra-prima.



"Então, tudo o que você vai fazer é arte? Tipo, durante todo o dia? "Claire se virou em seu assento. "Parece um pouco chato". Às vezes, demoro para reconhecer Claire como minha irmã. Ela é alta, mais alta do que todos os meninos em sua classe. Seu cabelo é marrom escuro como o de meu pai, e é muito mais grosso que o meu. Ela é estranha agora - o corpo de adolescente emparelhado com o rosto de uma criança. Mas você já pode dizer que ela vai ser alguém quando chegar ao ensino médio neste outono. Talvez assim que ela tirar o aparelho. "Certo, Claire. E correr para cima e para baixo em um campo soa um milhão de vezes mais divertido”.
E mais uma vez, como em outros de seus livros, a autora aborda a questão da imagem pela sociedade. Muitos dos personagens, inclusive Emily, passam boa parte do livro tentando mostrar além do que são. Através disso você é levado a refletir o quanto realmente importante sua boa imagem se você não está sendo sincero sobre quem é, se vale a pena se esforçar e mudar seu comportamento apenas pelo que os outros vão achar de você. A própria Emily, como falei antes, passa muito por isso.

“Meu coração não está batendo no meu peito. Em vez disso, bate debaixo do calo no meu dedo do meio. A pele é branca, quase translúcida. A bola veio uma semana depois de começar a aula da Sra. Kay, no ponto exato onde eu seguro meu lápis quando eu desenho. Eu costumo manter o calo coberto com um Band-Aid, porque não é muito bonito, só esqueci de colocar um nesta manhã. Felizmente, ficou menor, mais suave desde que a escola terminou há duas semanas. Mas não por muito.”
Quando chega no curso e vê todas aquelas pessoas diferentes e já familiarizadas com a arte, ela se sente insegura e começa a mudar seu comportamento, querendo fazer parte daquilo, assim como eles. Há todo esse envolvimento da imagem de Emily e suas próprias comparações com Fiona e sobre quem ela quer ser que é bem relevante, pois reflete e critica muito do que acontece em nossa época.
"Fiona!" Eu gritei, e me joguei em direção aos paralelepípedos. Aguardo ela sair das sombras. Ela nunca aparece. Mas não importa. Porque na parede de tijolos atrás da árvore, Fiona desenhou a evolução de uma única folha caindo. O mesmo formato, repetido um milhão de vezes, girando, girando, ondulando até atingir o chão. É absolutamente impressionante. Ela encontrou uma nova maneira de retardar o tempo, mostrar o progresso, a jornada. Não é apenas um único momento na luz.A brisa sopra novamente, mas eu sinto fogo.Eu sei que ela está de volta.”
A capa não remete muito ao que acontece na história, sendo que, como um livro sobre o mundo artístico, essa capa podia ser muito mais criativa. O título, Same Difference (Mesma Diferença), até que é bem relacionado às mudanças de Emily e à sua nova vida. O volume tem em torno de 350 páginas, mas assim que finalizei, fiquei desejando que fosse mais. Quando ele acaba, nos resta somente apelar para a imaginação (ou fanfics).
         
Same Difference foi uma ótima leitura e que me motivou ainda mais a ir atrás dos outros trabalhos de Siobhan Vivian que eu não conheço. E você, já leu algum da autora ou tem interesse?


Título original: Same Difference
Autora: Siobhan Vivian
Editora: PUSH
Gênero: YA
Nota: 4

Saiba mais: Skoob | Amazon

Share this:

, , ,

COMENTÁRIOS

5 comentários:

  1. Bom dia,

    Não conhecia esse livro, pela sua resenha parece bem interessante, bom conhecer livros novos....ótima resenha...bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Conhecendo esse livro agora, aliás nem a autora conhecia até então e pelo que li achei interessante.
    Bjs
    https://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Não conhecia a autora nem o livro, e pelo o que tu disse sobre a estória, também acho que a capa poderia ser mais elaborada, porém de qualquer forma gostei da simplicidade, hehe. Adorei sua resenha e com certeza irei procurar para ler!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Oi
    que bom que gostou dessa leitura, a história parece ser gostosa e nunca vi falarem dessa autora. Legal que a personagem muda no decorrer da leitura.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha, o enredo parece ser muito bom.
    Adorei a dica
    beijos bom final de semana
    bellapagina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!