Resenha: A (R)Evolução das Mulheres - Queria Estar Lendo

Resenha: A (R)Evolução das Mulheres


Um livro poderoso, importante e extremamente perturbador. A (R)Evolução das Mulheres, da autora Mindy McGinnis, publicado aqui pela Editora Plataforma21, mostra uma realidade nua e cruel e responde a ela através do caos. Não é uma história fácil, mas certamente é necessária.
Sinopse: Três anos se passaram desde o assassinato da irmã mais velha de Alex Craft. Mas, como é de costume, a culpa sempre recai sobre a vítima e o assassino segue sua vida em liberdade. Alex é uma menina forte e quer vingar sua irmã. Por isso, ela resolve atacar qualquer predador sexual que cruzar seu caminho e colocar a boca no mundo, usando a linguagem que conhece melhor: a linguagem da violência. Mas o que aconteceu na noite do assassinato chama a atenção de Jack Fisher, o cara invejado por todos: atleta perfeito, que desfila de braço dado com a garota mais cobiçada. Ele deseja conhecer Alex profundamente. E, numa cidade pequena, onde todo mundo se conhece, esse repentino interesse vai desencadear uma série de crimes bárbaros.
Alex Craft está em busca de justiça pela sua irmã, que foi encontrada morta na floresta da cidade três anos atrás - desmembrada, vítima de estupro e de tortura. Não houve muito o que fazer contra o homem acusado, mas Alex sabe o que ela precisa fazer. E, com a frieza e a vingança guiando seus passos, a história se inicia - e se desenvolve junto a outros dois personagens, absolutamente distantes de sua realidade traumatizada, mas que são peças fundamentais para a construção do cenário desse livro.

Isso acontece com todos os animais: as fêmeas da espécie são mais letais do que os machos.
A (R)Evolução das Mulheres tem uma trama pesada, e por isso tão impactante. Fala sobre a linha tênue que separa justiça de vingança; critica a posição às quais as mulheres são forçadas a viver dentro da sociedade, a ideia de submissão pelo gênero que você carrega. É uma história sobre poder, sobre o forte contra o fraco, sobre atingir um ponto na vida em que nada além da retaliação importa.
Mas 'meninos são assim mesmo', é nossa expressão predileta e que serve de desculpa para tanta coisa, ao passo que para falar do gênero oposto, só dizemos 'mulheres...', com um tom de desdém e acompanhado de um revirar de olhos.
Alex é uma personagem complexa, extremamente bem escrita e desenvolvida. Ela é aterrorizante, mas real. Sua história é real. O assassinato da irmã acontece no nosso mundo, todos os dias. No Brasil, uma mulher é violentada a cada 11 minutos. No mundo, ser mulher significa viver com medo. O livro explora isso de maneiras perturbadoras, mas entrega todas essas situações numa escrita nua e crua, numa narrativa verossímil ao que significa ser a fêmea da espécie.


A protagonista dessa história não é a Alex, é a violência de gênero. É o feminicídio que passa impune em tantas ocasiões. É a ideia absurda de que uma mulher vulgar pede para ser estuprada. É a piadinha envolvendo abuso. É o comentário sobre uma saia curta, um decote ou maquiagem pesada. É o esteriótipo aos quais as mulheres são rebaixadas. Esse livro é poderoso porque grita sobre as injustiças e sobre como, às vezes, a resposta pode ser um extremo. E não dá pra culpar a Alex por isso; não quando ela viveu e viu tanta coisa horrível e buscou uma solução drástica. Aqui entra a linha tênue: o que ela está fazendo é vingança ou pode ser considerado justiça?
Ter raiva cansa, mas sentir culpa não deixa a gente dormir.
Alex tem alguns traços de psicopatia em sua frieza e racionalidade, mas ela tenta entender o mundo e tenta se ajustar a ele - ainda que saiba, lá no fundo, que não existe um espaço para ela na sociedade. Uma única quote da personagem no livro expressa tudo que ela é para essa história:
Sou um lobo que minha irmã mantinha enjaulado, até que sua mão foi removida. Sai da jaula e estou curiosa [...] porque sei que esse não é o meu lugar. Não é seguro me deixar sair da jaula, mas me cutucaram com vara curta. [...] Não são as ovelhas que me atiçam, mas os outros lobos. Quero correr com eles, para poder cortar sua garganta quando ameaçarem minha matilha. Mas não posso voltar para o meio das ovelhas com sangue nos dentes. Elas vão se afastar de mim.
Além dela, outros dois personagens dividem os pontos de vista, entregando a parte mais civilizada, mais humana. Jack é o garoto popular aprendendo sobre a vida, e ele encontra em Alex uma companhia agradável e uma atração irresistível. Gostei bastante da composição do garoto; ele é o típico jogador de futebol com um futuro brilhante que acaba se interessando pela garota perturbada da escola - e o fato de o livro tratar o Jack de um jeito tão leve e jovem o transforma em uma figura real, que comete erros e está disposto a consertá-los, que caiu de amores por uma garota e quer fazer de tudo para se provar digno do sentimento recíproco. Um garoto legal, entusiasmado e adorável.


Por fim, a Efepê - chamada assim por ser Filha do Pastor - tem outro arco maravilhoso na história. Começa como uma colega de escola e se torna amiga próxima da Alex, e é com ela que a Alex passa a questionar sua até então vivência solitária. Efepê é a amiga que a Alex nunca teve; estende todo um mundo de possibilidades e de normalidades para Alex. E o curioso é que, para a Efepê, essa nova amizade abre muito seus próprios horizontes. A garota resignada começa a questionar, a querer se impor. Ela comete deslizes e toma algumas atitudes erradas, como toda boa adolescente, mas a intensidade de Alex provoca em Efepê essa centelha de problematização, de querer erguer sua voz e se fazer ouvida.
Todo mundo se encolhe ao ouvir "estuprar", e a cena é tão ridícula que quase começo a rir [...] E mesmo assim, as pessoas se surpreendem com a palavra, como se, quem sabe, esses caras estivessem arrastando ela para o meio da floresta para ajudá-la a dar uma mijada.
O livro não é impactante por revolucionar o gênero, mas por revolucionar a voz feminina. O que eu mais achei incrível nessa história foi a maneira crua com que a autora tratou suas críticas, como entregou cenas tão pesadas e tão óbvias, perturbadoras ao extremo, para trabalhar os traumas e como o mundo vê essa situações - e o modo como elas devem ser vistas. Mindy escreveu um épico, pura e simplesmente.

- Eu te segurei porque é mais fácil fantasiar sobre a violência do que praticá-la.
A (R)Evolução das Mulheres é o tipo de livro que veio para ficar, para gritar sobre injustiças e opressões; pede mudanças e entrega momentos medonhos para mostrar a realidade que está acontecendo no mundo, e como essa realidade pode impactar de maneiras tão diferentes em tantas pessoas. Principalmente, é uma história revolucionária sobre a voz das mulheres.


Título original: The Female of the Species
Autora: Mindy McGinnis
Editora: Plataforma21
Gênero: Young Adult
Nota: 5

Saiba Mais: Skoob | Amazon

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

29 comentários:

  1. Oi, Denise!

    Gostei bastante da capa, a Plataforma21 trabalha muito bem nas edições. Adorei a sua resenha, ainda não conhecia a obra, mas certamente é o tipo de livro que merece ser lido por todos, já que é mais do que apenas uma história de ficção, é a realidade, por mais triste que seja. Bem legal também a autora não medir as palavras e ser direta, sem minimizar a situação.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol! Tudo bom?
      As edições da Plataforma21 são maravilhosas, sempre babo nos livros que eles trazem pra cá.
      Esse livro é exatamente isso. O tipo de leitura que todo mundo deveria fazer em algum momento; é pesado, mas é necessário e extremamente atual.

      Beijos!

      Excluir
  2. Oi Denise!
    Eu não conhecia o livro e quando li a sinopse, pensei: "Já vi isso várias vezes antes". Mas conforme fui lendo os seus comentários, fui mudando de opinião. Parece ser bem interessante. A discussão, com certeza, é válida. Gostei muito disso de a violência de gênero ser a verdadeira protagonista.
    Beijos,
    Alem da Contracapa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mariana!
      Pois é, o livro, apesar de ter uma premissa mais 'simples' é um grande choque de realidade e por isso tão bom. É algo presente na nossa sociedade, e falar sobre isso na literatura jovem é sempre importante.

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi! Estou cada vez mais adentrando esse universo feminista e todo o peso que esse termo carrega. Realmente é um livro forte, justamente por ser tão real. Infelizmente, nós mulheres, sofremos demais na sociedade e muitas são vítimas de crueldades terríveis. A premissa do livro é boa e sua edição esta linda. Bjos <3

    Click Literário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! A gente tem tanto a continuar aprendendo né? O mais interessante é que quanto mais abrimos os olhos, mais as coisas ficam mais claras (e ai a gente se revolta mais porque infelizmente o mundo ainda é uma droga) e mais precisamos lutar pela nossa voz e direitos. Esse livro tem muito 'tapa na cara' dentro da trama, e por isso eu tô recomendando tanto porque aaaaaaaaaa uma leitura dessas!

      Beijos!

      Excluir
  4. Oiii Denise

    Amei ler essa resenha pois me tirou o pé atrás que vinha tendo com o livro. Li algumas opiniões divididas no Goodreads, percebi que é o tipo de livro que ou vc ama ou não gosta mesmo e isso me deixou receosa. No entanto, gosto dessas histórias que revolucionam um pouco o pensamento da gente, inquietam e denunciam uma realidade mais que perturbadora. Vou conferir essa história sim.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alice!
      Siiim, eu também tinha ficado meio receosa no começo, mas a Eduarda leu e garantiu que era um tiro de história muito bom, ai confiei e não me arrependi. É muito, muito bom. Pesado e inquietante, como tu disse gostar. Recomendo muito!

      Beijos.

      Excluir
  5. Oi Denise, pela sua resenha o livro parece bem forte, daquele tipo de livro que partes são um soco na nossa cara. parece mega interessante e um assunto que nunca cansa!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      Exatamenteeee. É aquele tipo de história que fica com a gente muito depois de tu ter lido, sabe? AMO quando a mensagem de um livro impacta a esse ponto.

      Beijos!

      Excluir
  6. Olá, Denise.
    Eu não conhecia esse livro ainda, mas já quero. Pela sinopse parece ser completamente diferente do descrito na resenha. Por isso é bom ter resenhas literárias porque as vezes as sinopse não falam nem um terço do que o livro aborda. Essa linha entre a justiça e a vingança é quase inexistente. E a situação como se encontra nosso mundo ela fica mais tênue ainda. As vezes desejo ter nascido homem.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil!
      SIIIIM exatamente. Às vezes (na real, é mais pra 'geralmente') a sinopse não passa o que tem na história, não da maneira certa, e isso acaba afastando a gente da leitura. Ai tu pega o livro e WOW NÃO ERA O QUE EU ESPERAVA.
      Ultimamente eu tô bem aquele meme 'o feminismo não odeia homens mas eu sim' porque olha, tá difícil. O mundo não é um lugar fácil. Mas a gente segue vivendo e lutando e conquistando a nossa voz e nosso lugar <3

      Beijos!

      Excluir
  7. Oi Denise,
    Estou interessada esse livro desde ano passado. Faz um tempããããão que namoro ele na Saraiva. Acho que esse tipo de leitura é tão necessária.
    Não desisti dele, só estou esperando o preço ficar mais acessível.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ale!
      Esse livro é maravilhoso né? E que temática importanteee. Tá saindo vários dessa temática lá fora, espero que as editoras tragam eles pra cá.

      Beijos!

      Excluir
  8. Oi, Denise!
    Primeiro a gente grita QUE HINO e depois lê e é isso. Esse é um livro que tem de ser lido por todas as mulheres e, principalmente, por homens. É como eu sempre digo, homens nunca saberão o que é sentir medo de verdade, não com nós mulheres sentimos.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu!
      AWOMEN SISTER. Queria colar as quotes desse livro e os trechos mais importantes em todos os lugares em todas as cidades de tanto que ele é necessário pras pessoas (cof cof principalmente pros homis)

      Beijos.

      Excluir
  9. Já passei os olhos tantas vezes por essa capa e paro sempre uns segundos a olhar para ela, é interessante como uma capa pode ser tão impactante que não deixa ninguém indiferente, a história deve ser assim também, tenho muita curiosidade para o ler. :)

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Eu sou apaixonada pela arte da capa aqui do Brasil. A americana é muito bonita, mas o impacto e a mensagem que a BR passa é mais chocante e chama bem mais atenção.
      Procura sim, não vai se arrepender!

      Beijos.

      Excluir
  10. Oie,

    O livro tem um tema bem interessante para ser abordado, a capa chama muita atenção, vou anotar com dica de leitura.

    Bjs e um bom Domingo!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jessica!
      O livro é maravilhosooo, tu não vai se arrepender da leitura. Vale a pena demais.

      Beijos.

      Excluir
  11. Oi, Denise. Só vi uma resenha sobre esse livro mas fiquei extremamente interessada, isso porque apesar de ser uma narrativa crua, é algo real, algo que somente nós mulheres sabemos o que é, já que somos nós que vivemos com medo. Cansei de ver mulheres nos noticiários sendo mortas por ex-maridos que não aceitam o fim da relação, por pessoas mal intencionadas que só querem praticar o mal e a crueldade. É um livro que precisa ser lido por todos, porque abre os olhos para esse sofrimento que ainda passamos e que provavelmente não será extinguido do nada.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      Esse tipo de história é muito necessária hoje em dia, especialmente com os números de violência à mulher, as pautas que estão sendo trazidas nas redes sociais e em outras mídias mostrando o quanto existe de opressão por conta de gênero no mundo. A sensação que essa leitura trouxe foi exatamente essa que tu citou ao ver noticiários; é uma impotência desesperadora, e uma vontade de erguer a voz e gritar para o mundo melhorar. A certeza de que vamos continuar lutando.

      Beijos.

      Excluir
  12. Depois de ler sua resenha fiquei EXTREMAMENTE interessada em ler esse livro, que eu já até tinha ouvido falar. Acho a temática foda e necessária e eu gostei demais da escolha dos quotes. Já quero ler!

    Beijos
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Clarissa!
      Por favor, procura siiiim! A história é arrasadora em todos os sentidos, fica contigo durante muito tempo.

      Beijos!

      Excluir
  13. Oii Denise, amei a resenha, e quero muito ler esse livro, ainda mais por abordar um tema tão importante como o papel da mulher na sociedade, e tudo o que nós mulheres enfrentamos.
    -Beijos,Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol!
      Esse é aquele tipo de livro que eu vou sempre gritar como indicação porque é muito importante e poderoso e precisa ser exaltado <3

      Beijos!

      Excluir
  14. Gostei muito da sua resenha, ainda não conhecia o livro.

    https://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Monyque! Tudo bom?
      Espero que goste muito da leitura, vale a pena!

      Beijos.

      Excluir
  15. Meu Deus, eu amei a sua resenha. Sofri tanto lendo esse livro e me impactando com ele. Descreveu muito bem tudo que esse livro é. Parabéns pela resenha linda <3


    http://entrepaginasecafe.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!