Resenha: Um tom mais escuro de magia - Queria Estar Lendo

Resenha: Um tom mais escuro de magia


Um tom mais escuro de magia é um livro impressionante. Com uma narrativa bem pontuada, eletrizante e com um universo mágico altamente criativo, V. E. Schwab entregou uma história que se tornou uma das minhas favoritas da vida.
Sinopse: Kell é um dos últimos Viajantes — magos com uma habilidade rara e cobiçada de viajar entre universos paralelos conectados por uma cidade mágica. Existe a Londres Cinza, suja e enfadonha, sem magia alguma e com um rei louco — George III. A Londres Vermelha, onde vida e magia são reverenciadas, e onde Kell foi criado ao lado de Rhy Maresh, o boêmio herdeiro de um império próspero. A Londres Branca: um lugar onde se luta para controlar a magia, e onde a magia reage, drenando a cidade até os ossos. E era uma vez... a Londres Negra. Mas ninguém mais fala sobre ela. Oficialmente, Kell é o Viajante Vermelho, embaixador do império Maresh, encarregado das correspondências mensais entre a realeza de cada Londres. Extra-oficialmente, Kell é um contrabandista, atendendo pessoas dispostas a pagar por mínimos vislumbres de um mundo que nunca verão. É um hobby desafiador com consequências perigosas que Kell agora conhecerá de perto. Fugindo para a Londres Cinza, Kell esbarra com Delilah Bard, uma ladra com grandes aspirações. Primeiro ela o assalta, depois o salva de um inimigo mortal e finalmente obriga Kell a levá-la para outro mundo a fim de experimentar uma aventura de verdade. Magia perigosa está à solta e a traição espreita em cada esquina. Para salvar todos os mundos, Kell e Lila primeiro precisam permanecer vivos.
Em cada mundo existe uma Londres; a Vermelha, a Branca e a Cinza - e a Preta, devastada pela própria sede de poder, que causou a separação entre os mundos e o fechamento das portas conectando esses universos. Apenas os Viajantes ainda têm permissão de atravessá-las, e o fazem para manter os reinos em comunicação. Kell é um deles, e vivencia as realidades com receio, fascínio e, principalmente, cautela. A lei dita que os universos não podem colidir; que o que pertence a uma Londres deve permanecer nela. Só que, quando um artefato mágico cai em suas mãos, depende de Kell e de uma ladra não muito bem intencionada impedir que essa colisão de universos se torne o fim de todos eles.


Cinza para a cidade sem magia. Vermelho para o império vigoroso. Branco para o mundo faminto.
Eu estava na corda bamba a respeito desse livro por causa das opiniões diversas, mas minha santa Eva Green, que história absurdamente boa! O conceito da magia criado pela autora é brilhante, com explicações bem dosadas para a construção do universo. Os personagens são ótimos, cada um carregando um tipo de personalidade essencial para esse tipo de trama. É o tipo de livro que eu gostaria de ter escrito, de tanto que amei.
E um Antari podia falar com o sangue. Com a vida. Com a própria magia. O primeiro e o último elemento, aquele que vivia em tudo e não estava em lugar nenhum.
Kell é um ótimo protagonista - e é muito, muito difícil de eu gostar dos protagonistas em histórias do tipo. Ele tem um senso de honra e justiça muito forte, é leal ao seu dever e à expectativa que carrega por ser um Viajante. Criado pela família real da Londres Vermelha, Kell viveu em meio à nobreza e às regalias, mas entende das diferenças entre mundos - e não só as dimensões, mas entre as camadas da sociedade também -, muito melhor do que o rei e a rainha. Seu irmão de criação e melhor amigo, o príncipe Rhy, é seu confidente e aquele em quem o Kell deposita fé e esperança. A relação entre os dois é poderosa, cheia de amor e de devoção - e deixou brecha para um arco bem grandioso no próximo livro.
- A hesitação é a morte da vantagem.
Em relação à trama, Kell é muito de um herói. Disposto a sacrifícios e ansioso para fazer a coisa certa, independente do que isso custe à sua imagem e à sua própria vida. Ele é ordem e resiliência. É um soldado, mas também é um líder. Eu fiquei completamente apaixonada pelo desenvolvimento que a autora já deu para o Kell; mesmo sendo o primeiro livro de uma trilogia, ter momentos de crescimento e de hesitação constroem muito do que é o personagem e o que ele ainda vai ser nos próximos volumes. Kell é um garoto contido, um aventureiro cauteloso e um mago astuto.


Ah, e a magia! O universo da V.E. Schwab é tão rico, tão bem pautado, com todas as explicações sendo entregues na hora certa, da maneira perfeita, que enche os olhos a cada novo capítulo. A divisão dos mundos e as diferenças entre as cidades de Londres é importante para estabelecer também a separação entre posturas dos personagens pertencentes a cada uma delas. Kell veio da Vermelha, então sempre conviveu com a magia, respeitando-a e deixando-se ser guiado por ela em equilíbrio. A Londres Branca é a violência, a opressão, é governada por um rei e uma rainha perigosos e claramente sedentos por poder - é também a divisa entre a Londres Preta e o resto dos universos, o que significa que precisou se fortificar sozinha contra um universo destruído por uma guerra interna. E a Londres Cinza, finalmente, é o mundo sem magia. Mas isso não significa que ela não exista ali.
Desenharam-na ainda mais alta e mais magra do que realmente era; esticaram-na em um espectro, vestido de preto e assustador. Algo saído de conos de fadas. E de lendas.
Lila nasceu nessa Londres. Órfã e sozinha no mundo, ela aprendeu a sobreviver por conta própria. É uma ladra e uma assassina e uma garota extremamente perspicaz, ciente da própria força e da própria fraqueza. Lila é uma personagem carismática, quase um modelo de Han Solo - oportunista na medida certa, mas que acaba se inclinando a causas nobres quando confrontada por elas. Se esconde atrás de máscaras, sorrisos enviesados e olhares afiados, mas tem um grande coração. E é o completo oposto da ordem e justiça que o Kell carrega, caótica até o último fio de cabelo, o que torna suas interações a melhor coisa do livro.

Kell dissera a Lila que a magia era como um sexto sentido, sobreposto à visão, ao olfato e ao paladar, e agora ela compreendia. Estava em todo lugar. Em tudo. E era maravilhoso.
A trama gira em torno principalmente desses dois personagens, mas é um universo em expansão. Um conflito resolvido neste volume abre portas para outras grandes questões a serem abordadas nos próximos; para um primeiro livro, ele termina bem fechadinho (minha ansiedade agradece), mas promete outras aventuras com o que ficou a ser resolvido.
A magia transformava o mundo. Mudava a sua forma. Havia pontos fixos. Na maior parte do tempo, esses pontos eram lugares. Mas, às vezes, raramente, eram pessoas.
Por falar em conflitos, a questão do artefato mágico é o ponto central de toda a história. A magia corrupta ainda é magia, e é tão tentadora quanto aquela pura com a qual as pessoas convivem. É um elemento tão poderoso quanto terra, água, fogo e ar. Quanto custa a um mago ter tamanho poder, até onde esse poder pode chegar. São questões que as dimensões mágicas vivenciam, mas agora estão vendo se tornar realidade.


Um tom mais escuro de magia é o tipo de história mágica e imersiva que vai encantar todos os leitores do gênero. A narrativa é rápida, cheia de adrenalina, e as páginas passam sem que você perceba. Um livro sobre muitos universos, sobre a sede de poder e o preço da magia.

Título original: A Darker Shade of Magic
Autora: V. E. Schwab
Editora: Galera Record
Gênero: Fantasia
Nota: 5 +


GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELOS NOSSOS LINKS!

Skoob  |  Amazon  |  Submarino

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

13 comentários:

  1. Oi Denise,
    Aiii, esse livro não funcionou para mim :(
    O Kell, a história... Não sei... Queria algo diferente, queria que o Kell fosse levado pela magia negra e tudo fosse mais surpreendente.
    Uma pena...
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Denise!
    Menina, eu estava louca pra ver sua resenha desse livro e ESSE MOMENTO É MEU!
    Kell muito dono da minha vida, senhor! Também não sou muito de gostar de machos protagonistas, mas ele é um bebê muito maravilhoso!
    Rhy amor da minha vida <3 Ele ainda vai trazer algumas surpresas pra ti.
    Lila muito eu em certos momentos e por isso eu me estresso com ela e algumas atitudes. Porém, MUITO MULHERÃO DA PORRA!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Demorei por que fui ali adicionar ele no Skoob como desejado!!
    Confesso que este gênero não é o que mais leio, mas sempre tive interesse em acompanhar essa Londres e o desenvolvimento dessa historia. Gosto bastante da premissa da historia, pois nunca li nada parecido com este, e a gente gosta de livros com historias bem diferentes. Espero poder conferir em breve e gostar tanto da leitura assim como você!

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise.
    Eu AMO livros de fantasia e Um tom mais escuro de magia parece ser sensacional.
    Adorei a premissa de haver diferentes mundo com diferentes Londres com características tão peculiares.
    Kell parece um personagem fantástico, muito correto, um bom soldado e líder.
    Lili deve ser uma personagem bem intrigante por ser uma ladra e ter um caráter questionável. Já estou curiosa para saber suas reais vontades.
    Espero ler essa série em breve! Tenho certeza que vou gostar muito da história.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi! Eu não curto o gênero, mas é tanto elogio nessa história que tenho vontade de ler. Ter um protagonista que gostamos é ótimo, alguns livros de fantasia que tentei ler antes, não consegui me conectar com os principais, então posso dar um voto de confiança nesse. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir
  6. Oie
    Sua resenha até me animou, andei vendo muitas resenhas negativas que me desanimaram. Parece ser um ótimo livro.


    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Dê! Eu que nem sou tanto de fantasia amei esse livro, virei mega fã da autora e achei que ela criou um universo incrível!! Quero ler logo o segundo!

    BJs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Olá
    Vejo muita gente indicando esse livro e sempre fico com vontade de ler, agora, mais ainda. Eu amo uma boa fantasia e envolvendo magia e Londres... Perfeito. Espero um dia ainda ter oportunidade de ler ele.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  9. Oi Denise!
    Eu ainda não conheço livros da autora, tenho mta vontade de ler já que acompanho resenhas e todos flam super bem da escrita dela, o livro parece ser mto bom.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Denise!
    Muito bom que mesmo com as opiniões contraditorias, você resolveu o livro, porque ele parece ótimo.
    Gosto do livro com portais, magia, artefatos e mistério.
    O Kel agora vai ter de se livrar o tal artefato para que não morra ou não prejudique o equilíbrio das Londres e ainda consegue uma aliada ladra, talvez não dessem certo, porém pelo visto, vamos acompanhar uma grande jornada desses dois juntos.
    Um feriado de alegria e moderação e desejo uma ótima semana!
    “Ninguém é assim tão velho que não acredite que poderá viver por mais um ano.” (Cícero)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  11. Acho que vivo em outro mundo, nunca ouvi falar desse livro e autora, então já faz um tempão que não leio fantasia, mas amo o gênero, não sei se gostaria muito dessa história em si, mas me pareceu legal não sei se leria o livro. ótima resenha.

    ResponderExcluir
  12. Até agora só sabia pouca coisa a respeito desse livro mas ele não me chamou muito atenção Sei que muita gente falou bem dele que é um ótimo livro de fantasia que se passa na Inglaterra e coisa e tal mas até agora eu não me sentia atraída pela história

    ResponderExcluir
  13. Amei a resenha e curti seu ponto de vista. Li alguns pontos negativos sobre essa história e realmente me deixou com receio. Mas gosto de tirar minhas próprias conclusões e espero que também seja positiva.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!