Resenha: Ofélia

  • 09:00
  • 2 de jul. de 2019
  • Resenha: Ofélia

    Ofélia é uma releitura grandiosa do clássico Hamlet de William Shakespeare. Foi lançado aqui recentemente pela Editora Verus - que cedeu este exemplar em cortesia. Através das palavras de Lisa Klein, acompanhamos toda a história dramática do príncipe dinamarquês pelos olhos de sua amada; dando voz e força a personagem, Lisa mostra o outro lado dessa trama carregada em vingança e melancolia.

    Sinopse: Nesta releitura da inesquecível obra de Shakespeare, é Ofélia quem ocupa o centro da trama. Uma menina barulhenta e sem mãe, ela cresce no castelo de Elsinor e se torna a dama de honra mais confiável da rainha. Sedenta por conhecimento e espirituosa, além de linda, Ofélia aprende os caminhos do poder em uma corte onde nada é o que parece. Seu jeito chama a atenção do cativante príncipe Hamlet, e o amor entre os dois floresce em segredo. Mas maquinações sangrentas logo transformam a Dinamarca em um lugar de traição e loucura, e a felicidade de Ofélia é ameaçada ― ela se vê obrigada a escolher entre o amor de Hamlet e sua própria vida. Em desespero, Ofélia traça um plano arriscado para escapar de Elsinor para sempre... com um segredo muito perigoso. Em uma narrativa dramática e intensa de morte e intrigas, amor e perdas, Ofélia conta sua própria história extraordinária ― uma que você nunca ouviu, e que jamais vai esquecer.

    A história ainda é a mesma, mas a conhecemos através da simples e geniosa Ofélia. A famosa tragédia de Shakespeare é relatada desde os primórdios da vida da personagem, contando sobre sua infância solitária sem mãe e com um pai que pouco se importava com sua existência, sua mudança para a corte real - onde conheceu e se aproximou de Hamlet - até o estopim de todo o horror que cresceu sobre a Dinamarca.


    Todos os livros diziam que eu deveria me manter em silêncio, ser casta e obediente, do contrário o mundo viraria de ponta-cabeça. Eu zombava disso, suspeitando de que o autor não conhecia mulheres ou não gostava delas.

    Lembro de ter lido Hamlet há muito tempo, então pouco ou quase nada da história ainda existia na minha cabeça. A famosa cena do fantasma de seu pai, Hamlet e sua loucura, as mortes trágicas ao fim. De Ofélia, pouco me lembrava - e aqui ela faz valer a sua presença, mostrando como sua voz e existência sempre tentaram ser apagadas pelo domínio dos homens ao seu redor.

    Lisa Klein constrói uma narrativa enérgica e grandiosa, dando novos ares ao clássico. Sua forma de contar a história é mais suave e menos carregada, mais rápida.

    Resenha: Ofélia

    Ofélia é uma personagem cheia de vida, de sonhos e medos. É uma garotinha assustada, mas curiosa. Uma jovem ansiosa pelo mundo, mas ciente de que sua voz não é tolerada nele. É uma estudiosa confrontadora, que não aceita simplesmente o quanto querem apagá-la e silenciá-la, fazendo o possível e o impossível para existir além dos desejos dos homens ao seu redor.


    Queria ter sido autora da minha própria história, não apenas uma atriz na peça de Hamlet ou um peão no jogo mortal de Cláudio.

    Eu fiquei absolutamente encantada com a força que a narrativa deu para a voz de Ofélia. Como seus momentos mais marcantes são carregados em indignações pelo machismo ofensivo e perturbador da realidade em que vive, como ela quer ser mais do que a irmã, a filha ou a esposa de alguém. Como seus sonhos não são apagados pelo medo. Mesmo na corte real, confrontada com tantas adversidades ao seu nascimento e a tudo que conhecia na simplicidade do seu lar, Ofélia se impõe.

    Ainda que os acontecimentos sejam familiares - ou até mesmo surpreendentes para quem não lembra tanto da obra, como eu - a narrativa consegue extrair novidades pelo olhar da protagonista. Hamlet e sua presença imperiosa e então enlouquecida são duas faces de uma moeda na qual Ofélia se agarra com todo seu coração; Horácio, doce e gentil, é um amigo para os momentos mais terríveis.


    - Eu também estou tomando gosto por essas histórias, pois me agrada ler sobre mulheres inteligentes que encontraram o amor.

    As figuras femininas ao redor da personagem são as que mais rendem momentos marcantes, principalmente a rainha Gertrudes - sua guia em meio ao poder que ronda a corte e também ao mundo dos homens, dando-lhe compostura e ensinando-a a usar a voz nos momentos certos - e as freiras mais para o fim da trama.

    É um livro rápido e apaixonante para quem gosta do clássico, mas também para quem tem curiosidade e ainda não se arriscou na leitura do original. Uma releitura bem-vinda para falar sobre a força feminina e para dar liberdade a uma personagem presa a uma trama melancólica e vingativa.

    Título original: Ophelia
    Autor: Lisa Klein
    Editora: Verus
    Tradução: Rogério Alves
    Gênero: Ficção histórica 
    Nota: 4,5

    1. Oiii Denise

      Pretendo ler Ofélia em breve, tentei ler o clássico do Shakespeare mas digamos que não estava preparada pra narrativa mais densa. Acho que será uma boa começar por ler Ofélia, nessa narrativa mais feminina e suave, espero gostar.

      Beijos, Ivy

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir
    2. Oi Denise!
      Adoro as histórias de Shakespeare e fiquei bem animada com a proposta desse livro!
      Bom saber que ela é cumprida né, geralmente eu não me animo muito em ler releituras de clássicos, mas nesse caso parece que vale a pena!
      Bjs
      http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com -> Tem SORTEIO DE LIVROS com 5 ganhadores rolando no blog ;)

      ResponderExcluir
    3. Oi, Nizz!
      De Hamlet mesmo eu só sei o "ser ou não ser" hahahhahahhahahha Mas achei bem interessante essa releitura, quem sabe até me arrisco nela
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.