Resenha: A Dama da Meia-Noite

  • 09:00
  • 29 de ago de 2019
  • Resenha: A Dama da Meia-Noite

    A Dama da Meia-Noite é o terceiro livro da série Spindle Cove. Esse romance de época, escrito pela Tessa Dare, arrebatou meu coração nos dois primeiros volumes e chegou com força total pra aumentar meu amor nessa terceira história.


    Sinopse: Após anos lutando por sua vida, a doce professora de piano, Srta. Kate Taylor, encontrou um lar e amizades eternas em Spindle Cove. Mas seu coração nunca parou de buscar desesperadamente a verdade sobre o seu passado. Em seu rosto, uma mancha cor-de-vinho é a única marca que ela possui de seu nascimento. Não há documentos, pistas, e nem ao menos lembranças. Depois de uma visita desanimadora para sua ex-professora, que se recusa a dizer qualquer coisa para Kate, ela conta apenas com a bondade de um morador de Spindle Cove, o misterioso, frio e brutalmente lindo, Cabo Thorne, para voltar para casa em segurança. Embora Kate inicialmente sinta-se intimidada por sua escolta, uma atração mútua faísca entre os dois durante a viagem. Ao chegar de volta à pensão onde mora, Kate fica surpresa ao encontrar um grupo de aristocratas que afirma ser sua família. Extremamente desconfiado, Thorne propõe um noivado fictício à Kate, permitindo-lhe ficar ao seu lado para protegê-la e descobrir as reais intenções daquela família. Mas o noivado falso traz à tona sentimentos genuínos, assim como respostas às perguntas de Kate. Acostumado com combates e campos de batalhas, Thorne se vê na pior guerra que poderia imaginar. Ele guarda um segredo sobre Kate e fará de tudo para protegê-la de qualquer mal que se atreva atravessar seu caminho, seja uma suposta família oportunista ou até ele mesmo.

    Kate sempre foi muito segura de si para alguém que nunca se encontrou no mundo. Órfã desde pequena - ao menos, é o que imagina - ela não se lembra do seu passado e muito menos de quem foi sua família. Fragmentos sem sentido são tudo que existe a respeito de quem foram seus pais; quem foi ela antes de ser esquecida no mundo.

    Sua vida em Spindle Cove é confortável, no entanto, e é nesse conforto que ela encontra seu lar. Pelo menos até uma família maluca surgir dizendo que Kate é a herdeira perdida - e, se for mesmo, isso significa que é também uma lady. O problema está em descobrir a verdade; e garantir que essa suspeita não se espalhe por aí até lá.

    Para isso, Kate vai contar com um aliado inesperado: o cabo Thorne, todo sisudo e solitário, com quem dividiu farpas e provocações durante todo um ano desde a ocupação da milícia, parece querer ajudá-la. Sem entender os motivos por trás dos olhares intensos do homem, Kate aceita a aliança, sem imaginar que seu coração vai ser o mais afetado com toda essa história.


    Resenha: A Dama da Meia-Noite

    A Dama da Meia-Noite se desenvolve na mesma fórmula dos livros anteriores. Por isso, ganhou minha simpatia e amor logo de início. Kate e Thorne eram figuras conhecidas da trama, mas coadjuvantes misteriosos dentro de suas próprias histórias paralelas; Kate, toda sorridente e artística e Thorne, todo rabugento e recluso, eram personagens que me despertavam o interesse sempre que apareciam - e vê-los ganhando o devido destaque e evolução foi maravilhoso.

    Kate, por si só, é um show de personagem feminina. Extremamente decidida, ciente de sua força e independência, ela não leva desaforo pra casa - bate de frente com o que aparecer e mantém a classe e a educação mesmo nas situações mais absurdas. Ela é uma balança que equilibra razão e emoção muito bem. Seu coração é cheio de esperança e melancolia, mas ela sabe como esconder com seus sorrisos.


    Thorne olhava para ela do mesmo modo que fazia tudo. Intensamente, com uma força silenciosa.

    Todos os anos de abandono fizeram muito para moldar seu caráter. Então, ao mesmo tempo em que é essa figura poderosa e destemida, tem em seu âmago o medo da solidão, de ver famílias se formando e nunca encontrar a sua. Kate é uma protagonista cheia de energia e vida e, como suas amigas que anteriormente ocuparam o palco como personagens principais, torna gratificante acompanhar sua história, suas conquistas, suas pequenas revoluções.

    Thorne, para minha surpresa, foi mais fácil do que o esperado. Tive medo de confrontar o típico macho escroto que desconta suas frustrações na mocinha, mas, mesmo com sua pose brava e perturbadora, Thorne se derretia frente à Kate. Aquele tipo de personagem masculino estoico que não pode ver o amor da sua vida que se torna um filhotinho precisando de carinho.


    Se amor fosse música, ele seria surdo.

    Claro que tem mais complexidade por trás disso e o romance demora a se desenvolver; onde Kate é entrega total, Thorne é recluso - e os motivos para os afastamentos e medo de comprometimento dele, quando explicados, mostram muito sobre sua vida e como seu coração cresceu envolto em sombras - e como Kate talvez seja o único raio de luz para tirá-lo da total escuridão.


    Resenha: A Dama da Meia-Noite

    De todos os casais, esse foi o mais carregado em tensão e incerteza - e entregou um dos finais MAIS MARAVILHOSOS de todos. Eu mordi a mão de nervosismo e então gritei de alegria porque foi tão inesperado, mas tão Kate, que não poderia ter sido mais perfeito.


    "Aqui é Spindle Cove. Temos seis mulheres inteligentes, determinadas e engenhosas nesta sala. Não vamos ser frustradas por alguns homens insensatos e suas brincadeiras de soldadinhos de chumbo."

    Além deles, figuras familiares como Susanna, Bram, Minerva, Colin, moças que fazem parte de Spindle Cove e rostos novos - como os misteriosos nobres que clamam ser parentes da Kate - enriquecem a trama principal. Tessa consegue levantar questões sociais bastante interessantes em meio a sua narrativa enérgica e divertida, e até dá espaço para conflitos que eu não esperava encontrar em um romance de época; aceitação e representação lésbica, por exemplo, que foram tão bem introduzidas e desenvolvidas.

    A Dama da Meia-Noite veio para manter a qualidade da série e roubar mais um pedacinho do meu coração, que pertence tanto a Spindle Cove quanto é possível.

    Título original: A Lady by Midnight
    Autora: Tessa Dare
    Editora: Gutenberg
    Gênero: Romance de época
    Nota: 5 +

    1. Oi, Nizz!
      Esse é o livro da série e da Tessa que eu menos gosto. Não que ele seja ruim, mas essa carga mais dramática me incomodou um pouco.
      Beijos
      Balaio de Babados
      Sorteio de aniversário Balaio de Babados e O que tem na nossa estante. Participe!

      ResponderExcluir
    2. OiiI Denise

      Pra mim romances de época ainda é um dos gêneros que mais tenho dificuldade em encontrar uma história que me cative e me prenda, mas os livros da Tess parecem ter algo mais, que encantam a maioria dos leitores e eu estou ficando cada vezmais curiosa em elr algo dessa autora. Vou anotar a serie pra conferir o primeiro livro assim que der.

      Beijos, Ivy

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir
    3. Quero muito ler essa série, acho a escrita da autora incrível e prende a nossa atenção de uma forma maravilhosa.
      Beijocas.

      https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.