Resenha: Seafire

  • 09:00
  • 27 de set. de 2019
  • Resenha: Seafire

    Seafire, da autora Natalie C. Parker, me ganhou numa premissa sobre girl power e independência, enquanto acompanha uma tripulação pirata em busca de liberdade - mas me perdeu na execução, que infelizmente deixou muito a desejar.

    Sinopse: Depois que sua família é morta pelo senhor da guerra Aric Athair e seu exército sanguinário de Bullets, Caledonia Styx é deixada para traçar seu próprio caminho em mares perigosos e mortais. Ela comanda seu navio, o Mors Navis, com uma tripulação de meninas e mulheres parecidas com ela, cujas vidas foram viradas de cabeça para baixo por Aric e seus homens. A tripulação tem uma única missão: permanecer viva para derrubar a frota armada e blindada de Aric. Mas quando sua melhor amiga e segunda em comando de Caledônia sobrevive a um ataque graças à ajuda de um Bullet desertor, Caledonia se pergunta se deve ou não deixá-lo se juntar à sua equipe. Esse garoto é a chave para derrubar Aric Athair de uma vez por todas ou ele ameaçará tudo pelo que as mulheres dos Mors Navis trabalharam?

    A história acompanha Caledonia e a tripulação do Mors Navis em busca de justiça. Anos atrás, a família de Caledonia foi assassinada em um ataque surpresa orquestrado pelo tirano que comanda terra e mar. Ela e Pisces, sua melhor amiga, foram as únicas sobreviventes do massacre; carregando culpa por ter confiado em quem não deveria, Caledonia jurou vingança - e se tornou uma temida pirata para fazer essa retribuição acontecer.

    Durante um ataque a um navio inimigo, sua melhor amiga quase é morta - e escapa graças a um dos tripulantes da nau do tirano, que Pisces resgata até o Mors Navis. Dividida entre aceitar as informações que esse traidor pode oferecer e jogá-lo ao mar, Caledonia terá toda sua confiança em si mesma posta à prova, enquanto luta contra o tempo para que seus planos não afundem de vez.

    Seafire me conquistou com a premissa que prometia aventura em alto mar e muito companheirismo feminino. Apesar de acertar no último ponto, o livro infelizmente escorregou em outros igualmente importantes para me fazer gostar de uma história, sendo o desenvolvimento da trama e da protagonista os dois maiores escorregões.

    Caledonia parecia a promessa de uma personagem feminina impactante. O tipo de capitã pirata que impõe respeito a quem ouve falar dela, mas com a tripulação é uma irmã mais velha preocupada e atenciosa; apesar de ter seus momentos com esses traços, senti nela muito mais uma vibe de tirana que não sabe lidar com o poder que tem. Caledonia carrega culpa e age como uma ditadora por causa disso, gritando ordens e batendo de frente com a lógica só porque acha que está certa.

    Eu não senti que ela se importava com a tripulação até os momentos em que colocava suas marujas em meio a uma crise. Não senti que ela se importava com as emoções das garotas que escolheram navegar ao seu lado até que algum acontecimento impactante mostrava o quanto estava errada em desconsiderar tudo; não senti nada por Caledonia além de raiva e frustração durante todo o livro - até o fim. Não houve um arco de desenvolvimento, nada que me impressionasse e mostrasse que ela estava disposta a mudar. Do início ao fim, ela foi uma cabeça dura unilateral chata demais.

    Resenha: Seafire

    As coadjuvantes, por outro lado, carregaram um pouco mais de crescimento - Pisces principalmente. Senti equilíbrio nas decisões e dúvidas dela, na maneira com que ela reagia às situações extremas, como lidava com as crises - muito mais racionalmente que sua capitã, por exemplo, ainda que deixasse seu coração falar mais alto. Red, Hime e Amina, outras coadjuvantes importantes, também tiveram seus destaques - nada grandioso demais, com a narrativa tão focada nas dores da Caledonia, mas ainda assim interessantes de acompanhar.

    Acho que o que mais me deixou irritada no livro é que a promessa de aventura nunca se excedia. É uma história sobre garotas piratas, rebeldes em busca de vingança e justiça, e eu consegui sentir SONO enquanto lia. As cenas de ação eram bagunçadas ao extremo, eu ainda não entendi se é um mundo novo, se é o nosso mundo pós-apocalíptico, se é um universo baseado no nosso mundo mas com elementos steampunk... É confuso, caótico - e não de um jeito bom.

    Fiquei tão perdida nas cenas de aventura quanto na ambientação, torcendo para encontrar diálogos nas páginas porque eram a única coisa que fazia a trama fluir. Ainda quero entender como uma premissa dessas conseguiu render uma narrativa tão enfadonha, mas sem or que eu detestava sempre que avistava parágrafos grandes demais - porque significava tédio na certa.

    O arco principal, em si, foi legal. Eu queria mais rebelião e menos birra da Caledonia, mas a parte da união feminina me ganhou; apesar da capitã ser dessa inconsistência toda, o modo como a tripulação trabalhava e se apoiava umas nas outras, como formavam uma família - tudo isso soou bem natural e carismático, fácil demais de se apaixonar.

    E falando em apaixonar... Se tem outro deslize que me deixou "hm" foi o fato de o Mors Navis ter CINQUENTA E TRÊS tripulantes e nenhum romance lésbico. E também não cola a coisa de "esse é um livro sobre irmandade feminina e não romance" porque a autora achou espaço pra enfiar um romance hétero ali no finzinho - sem sentido algum e completamente desnecessário, na minha opinião. Tão forçado quanto essa história de zero personagens lésbicas, bissexuais, pan, assexuais, QUALQUER COISA pra representar a sigla. Parece até a SJM escrevendo, eu em...

    Eu não baixei mais a nota porque, mesmo com todas essas incoerências, tédios e protagonista irritante, Seafire ainda tem uma ideia boa e uma execução mediana. O final deixa um cliffhanger bem ferrado para a continuação - que eu ainda não decidi se quero ou não acompanhar. Eu esperava mais de uma história sobre essa tripulação rebelde; quem sabe o próximo compense.


    Título original: Seafire
    Autora: Natalie C. Parker
    Editora: Razorbill
    Gênero: Fantasia | YA
    Nota: 3
    Skoob


    1. Oi Nizz!
      KKKKKK PARECE ATE A SJM ESCREVENDO FOI UM GRITO KKKKKKKKKKKK EU RI
      Acho q nunca li um livro de piratas e a premissa desse parece bom mesmo mas nao sei, fiquei com um pe atras com essas protagonistas chatas. Ai e complicado.

      Abraços
      Emerson
      http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    2. "Parece até a SJM escrevendo" o grito que eu dei.

      Adorei sua resenha,gostei da sinceridade, mas você foi tão boazinha que não sei se lerei o livro ou não. Talvez não porque fujo de livros com longos parágrafos e entediantes mais do que fujo de livros ruins

      ResponderExcluir
    3. Oi, Denise!
      Só a capa já tinha me ganhado, porque achei ela linda demais. Mas suas ressalvas me fizeram repensar haha Não gosto muito de parágrafos entediantes e de capítulos com mais descrições do que diálogos... Não sei, ainda não decidi, mas acho que esse não vai entrar para a wishlist no momento.
      Beijinhos,

      Galáxia dos Desejos

      ResponderExcluir
    4. Oiii Denise

      Eu enho uma amiga que leu e não gostou justamente porque ela achou que mais parecia um Diário de Bordo do que uma grande aventura, além disso agora vc dizer que te deixou até confusa, uff, isso me deixa com o pé super atrás. É uma pena pois a idéia do livro, poderia ter sido genial se tivesse sido bem executada. Vi que é uma trilogia, quem sabe os próximos livros melhorem

      Beijos, Ivy

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir
    5. Olá, Denise.
      O enredo já não tinha me interessado tanto, e lendo sua resenha vou passar longe. Nossa tudo isso de mulherada junto e nem uma paixonitezinha hehe. Esses autores perdem cada oportunidade viu.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    6. Oi, Nizz!
      Mirmã, só essa autora que não sentiu o cheiro do couro com esse bando de mulher em alto mar num navio... é da mesma escola da SJM mesmo
      Beijos
      Balaio de Babados
      Sorteio de aniversário Balaio de Babados e O que tem na nossa estante. Participe!

      ResponderExcluir
    7. Oi Nizz! Que pena que o livro não teve sua premissa bem executada, eu se fosse você nem arriscava a sequencia. Bjos!! Cida
      Moonlight Books

      ResponderExcluir
    8. Oi Nizz,

      Só li um livro na temática e confesso que não foi uma leitura tão boa também.
      uma pena que o livro não foi tudo isso, pois olhando a história tinha potencial.

      Bjs e uma ótima noite!
      Diário dos Livros
      Conheça o Instagram

      ResponderExcluir
    9. Oi D~e, tão chato quando a premissa é boa e mal executada, mas sinceramente não vou ler não, acho que não vou aguentar chegar até o final rsrsrsrs

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.