Resenha: Bem-vindos à Rua Maravilha

  • 09:00
  • 24 de abr. de 2020
  • Resenha: Bem-vindos à Rua Maravilha

    Esta é uma resenha apaixonada, uma carta aberta a Gabriel Mar e uma declaração a vocês. Sentem-se de maneira confortável, peguem uma bebida quente e me deixem contar sobre esse livro. Bem-vindos à Rua Maravilha, por favor, sintam-se em casa!


    Sinopse: Quando Igor escreveu Rua Maravilha, a última coisa que esperava era ser levado à sério. Mas, depois de conhecer o diretor/prodígio/gênio André Mariani, descobriu que seu texto era tão bom que poderia tornar-se um musical. Nos próximos meses, a vida de Igor será tomada pela produção desse espetáculo, juntando um grupo de atores tão apaixonados quanto os autores da peça. E entre ensaios, suor e lágrimas, eles fazem de tudo para transformar Rua Maravilha em realidade.

    A história de Igor começa como todas as outras deveriam começar, te pegando pela mão e te fazendo mergulhar naquele universo. É imediato. Uma frase e BUM, eu já estava ganha. Esse é o poder da narrativa do Gabriel.

    Essa é a história, Igor. Essa é a história que você nasceu para viver.

    Igor é um jovem adulto, mimado e cheio de inseguranças. Quando escreve sua primeira história, Rua Maravilha, nem imagina o poder de suas palavras. Eis que entra em cena André, um dos nomes mais promissores do teatro atual, e ele está pronto para trazer vida e música ao que antes eram apenas ideias em um papel.

    Que comece a ação, Rua Maravilha vai virar um musical! Igor e André resumem suas vidas a fazer com que cada personagem seja digno de sua trajetória, que tenha uma história para cantar. Entra em cena o elenco, um grupo diverso e cheio de diferenças e peculiaridades. Um único objetivo em comum: dar vida à Rua Maravilha.

    Vocês vão viver esses personagens juntos;  vão viver esse processo juntos. Hoje, vocês são um elenco. Ao fim desse mês, serão um grupo.

    E a vida se mistura ao musical, tudo é uma grande bagunça na qual Igor é o protagonista. Suas amizades são leais, sua paixão é confusa e insegura. Medos e anseios se confundem entre o que é cantado e aquilo que é vivido.

    O paralelo entre Igor e Hugo se estabelece. Enquanto você se afoga nos sentimentos e incertezas do primeiro, também é salvo pela força e lutas do segundo. Gabriel Mar sabe te manter preso a cada nova página.

    - Você é setenta por cento imaginação e trinta por cento medo, Igor - comentou Jackie, enquanto se divertia quebrando bananas. - Você só não sai voando pelo céu porque tem medo de cair.

    Do roteiro até a estréia um mundo de aventuras aguarda o elenco. E dramas. Muitos 
    dramas. E risos. Todos os risos. Bem-vindos à Rua Maravilha tem esse poder; vai te fazer chorar, vai te fazer sorrir. E, se você for como eu, vai te fazer chorar & sorrir.


    A ilustração de Hamilton na parede da Nizz é da Renata Nolasco @atxnolasco

    O livro não é perfeito, não me entendam mal. Cortaria algumas cenas e pequenos capítulos, diminuiria um pouco as quebras de narrativa. Definitivamente retiraria a quebra da quarta parede. Mas isso é tão pouco, tão pequeno perto de como me senti, que quase nem importa.

    - Preste atenção, sem sobrenome: você não pode contar histórias se vive fugindo da sua.

    Assisti um vídeo do Gabriel, antes de vir aqui. Ele explicava como avaliava os livros, o que considerava importante. O primeiro fator que ele citou foi sobre "o objetivo daquela história"; o que o autor queria contar ao final daquilo tudo, qual o mote do livro.

    Se fosse resumir Bem-vindos à Rua Maravilha, eu diria que seu papel no mundo é existir. O protagonista é negro com traços indígenas, uma mistura perfeita do pai e da mãe. O elenco conta com personagens asiáticos, negros, gordos, LGBT+. O romance central é gay, tanto no livro quanto no musical. 

    Gabriel trata a diversidade tal qual ela é na vida real. Aqui, representatividade não é cota.*

    - Mas, às vezes, meninos crescem sem saber que têm um coração. Eles acham que têm que ganhar e ganhar o tempo todo pra viver bem, e a verdade é muito distante disso. Às vezes, esses meninos passam tanto tempo querendo ser donos das coisas erradas que não percebem tudo que já têm nas mãos.

    Além disso, tem Igor. Igor que é tão chato e inseguro. Igor que, conforme as resenhas que li, é impossível de se gostar. Igor que me tirou do sério e me fez revirar os olhos. Igor, com quem me identifiquei mais do que gostaria.

    Não é fácil escrever um protagonista carismático. Nem sei se Gabriel tentou. Igor não está ali para ser amado ou compreendido. Sua função é muito clara: aprender, crescer, evoluir. E a lição que fica é a mais importante: a conquista da felicidade precisa vir de dentro, ou ela não é o bastante.

    Naquela noite de inverno, a Rua Maravilha foi aberta pela primeira vez.

    Bem-vindos à Rua Maravilha está entre os melhores livros que li este ano. Gabriel Mar é um autor que pretendo acompanhar. Não sou capaz de descrever o sentimento genuíno de felicidade que tive ao ler este livro. Nunca desejei tanto por uma adaptação nacional.

    Título original: Bem-vindos à Rua Maravilha
    Autor: Gabriel Mar
    Gênero: LGBT+ | Romance 
    Nota: 5+

    * sou defensora ferrenha das cotas quando se fala de "ação afirmativa e reparação histórica", no contexto presente me refiro a autores(as) que inserem UM ou dois personagens de minoria e acham que "já fizeram seu papel"


    1. Ah que livro legal, que resenha bem feita.
      Beijinhos ;*

      Blog Menina Caprichosa | Canal Youtube | Facebook | Insta

      ResponderExcluir
    2. Oi, Duda!
      Eu nunca ouvi falar desse livro, mas eu achei muito cativante esse enredo, ainda mais porque fala de musical. Nunca li um romance LGBTQ+, nunca tinham me chamado atenção, mas acho que talvez seja a hora de se arriscar né? Super leria!
      Beijo
      https://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
    3. Olá, Eduarda.
      É a primeira vez que vejo falar sobre esse livro mas já senti aquela necessidade de ler ele. E isso se deve a sua resenha que está apaixonante. E super concordo com seu adendo. Tem alguns livros que eu leio que parece que o autor coloca um personagem gay ou negro só para dizer olha estou fazendo a minha parte, mas claramente se vê que só está ali como uma cota mesmo.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    4. Oii
      É a primeira vez que me deparo com alguma resenha sobre esse livro, não conhecia, mas amei sua resenha e senti uma vontade imensa de ler. Parabéns pela resenha, ficou encantadora
      Beijinhos
      https://focadasnoslivros.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    5. Nossa, lembro quando esse livro saiu, era só o que o Sem Spoiler falava kkkkk
      Por mais que tenha elogios, eu sei que não iria nem um pouco curtir o Igor e isso atrapalharia demais minha experiência na leitura :(
      Beijos
      Balaio de Babados
      Participe do #SorteiodaAmizade no twitter; três livros, um ganhador

      ResponderExcluir
    6. Oi Eduarda, tudo bem? Eu confesso que não conhecia, acho que ando bem perdida rs Mas eu adorei a trama, os personagens e as pequenas ressalvas parecem realmente não afetar nada! Acho que vou curtir!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
    7. Eu fiquei bem curiosa!

      Beijo, Bru.
      maniadebruna.com.br

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.