Maratona #MulheresdaLiteratura

Repetindo o sucesso do ano passado, o mês de março no Queria Estar Lendo chega com o 2° #MulheresdaLiteratura, um projeto criado em 2016 com o intuito de dar espaço para a divulgação e discussão de livros escritos e protagonizados por mulheres.

Um dos eventos planejados para esse mês foi pensado para maximizar o nosso conhecimento da literatura produzida por mulheres e, por isso, desenvolvemos uma pequena maratona literária!

A maratona tem inicio no dia 3 de março e vai durar quatro semanas, cada semana com um tema específico, desafiando o leitor a se aventurar por gêneros e autoras diferentes -- tanto no âmbito nacional como internacional. O cronograma é o seguinte:

Primeira Semana - de 3 a 9 de março
O tema da primeira semana é um romance policial escrito por uma mulher. 

Segunda Semana - de 10 a 16 de março
O tema da segunda semana é um terror/horror (sobrenatural ou não) escrito por uma mulher.

Terceira Semana - de 17 a 23 de março
O tema da terceira semana é um Sci-fi/ficção especulativa escrito por uma mulher.

Quarta Semana - de 24 a 31 de março
O tema da quarta e última semana é um livro de alta fantasia -- uma fantasia que se passe do começo ao fim em uma terra fictícia, como O Feiticeiro de Terramar e Os Mistérios de Warthia -- escrito por uma mulher.

A ideia é que todos possam dividir suas leituras nas redes sociais usando a hashtag #MulheresdaLiteratura e também discutir e debater suas expectativas e experiência com as leituras no evento do facebook.

Além do mais,  quem estiver participando do evento aqui e publicando nas redes sociais informações/imagens/vídeos pertinentes ao tema com a hashtag #MulheresdaLiteratura, vai participar de um sorteio do livro O CLUBE DE LEITURAS DA JANE AUSTEN, que nos foi cedido pela Editora Rocco, nossa parceira nesse grande projeto literário!

Nosso intuito com a maratona é realmente criar uma rede de leitoras interessados em descobrir, divulgar e discutir as mulheres que estão escrevendo gêneros tão diversos e tão dominados por homens, por isso contamos com todos vocês! Para participar é só confirmar presença no evento do facebook, escolher seus livros e interagir!

E se você quiser uma ajuda para escolher os livros da maratona, é só ficar ligada aqui no blog! Preparamos posts com dicas incríveis e essa postagem aqui vai ser atualizada conforme as dicas forem saindo.

Para entender mais sobre o Mês das #MulheresdaLiteratura ou entender o porquê de promovermos o projeto, é só ler os textos marcados aqui.

No segundo livro da trilogia, Dente por Dente, vemos o rumo das ações praticadas por Kat, Lillia e Mary em seus planos de vingança.

Sinopse: Depois dos acontecimentos do homecoming, Reeve foi parar no hospital, com uma perna quebrada, e seu futuro como atleta está ameaçado. As meninas se sentem culpadas por toda a situação. Não esperavam que as consequências do plano fossem tão graves. Quase perderam o controle.
Já que Reeve está mais arrogante do que nunca, o jeito será aplicar nele uma dose do seu próprio veneno e esperar que aprenda a lição. O acidente no baile deixou marcas profundas na consciência de Lillia, Kat e Mary. Sentimentos como amizade, lealdade e ódio se misturam, questionamentos sobre limites... Alguns segredos são mais difíceis de guardar. Aliás, o que são essas coisas estranhas que estão acontecendo com Mary?À medida que Lillia, Kat e Mary descobrem verdades incômodas sobre os moradores da ilha, percebem também que não se conheciam como pensavam. Cada vez mais elas lidarão com o sentimento de que talvez tenham ido longe demais...
Já que Reeve está mais arrogante do que nunca, o jeito será aplicar nele uma dose do seu próprio veneno e esperar que aprenda a lição. O acidente no baile deixou marcas profundas na consciência de Lillia, Kat e Mary. Sentimentos como amizade, lealdade e ódio se misturam, questionamentos sobre limites... Alguns segredos são mais difíceis de guardar. Aliás, o que são essas coisas estranhas que estão acontecendo com Mary?À medida que Lillia, Kat e Mary descobrem verdades incômodas sobre os moradores da ilha, percebem também que não se conheciam como pensavam. Cada vez mais elas lidarão com o sentimento de que talvez tenham ido longe demais...Se no primeiro elas se aproximaram somente com o intuito de se vingar das pessoas que lhes fizeram mal, nesse, elas começam a se tornar amigas, percebendo que se importam de verdade uma com a outra. O que torna mais fácil e ao mesmo tempo, complicada, a proteção dos segredos que guardam, pois se uma cair, todas caem.





Olho por olho, dente por dente, fogo contra fogo. Uma vida por uma. Foi assim que tudo começou. E é assim que vai terminar.

A história começa logo após o final do primeiro volume, com as garotas aflitas pelo que aconteceu e incertas sobre o futuro. Elas precisam se preocupar com a escola e a faculdade, problemas pessoais e em não serem descobertas após o que fizeram. Isso as faz se envolverem com pessoas que não esperavam, criarem sentimentos controversos e alimentarem dúvidas sobre quem são e se os fins justificam os meios.
A narrativa não perdeu sua essência, nem as personagens, que cada vez mais se tornam complexas e cheias de profundidade. Você se sente envolvido do início ao fim e percebi que estava vivenciando aquela famosa sensação: de querer saber o mais rápido possível o que vai acontecer, mas não querer que o livro acabe.

Eu nunca quebrara uma promessa feita aos meus pais antes, mas se Patrick tivesse me convidado para dar uma volta com ele naquele momento, eu teria ido. Nem hesitaria. Ser selvagem e livre. Queria saber qual era a sensação.


As perguntas criadas na primeira parte começam lentamente a serem respondidas, e certas questões, a fazerem sentido. Em certo ponto comecei a entender o que viria pela frente e ficava muito ansiosa. Ainda assim, me surpreendi muito e quase enlouqueci com quando obtive uma resposta importante que mais parecia maluquice das autoras, mas que me fez gostar ainda mais da história.

Eu me sinto aquecer, um fogo. Mais quente que qualquer uma das outras vezes. Fecho meus olhos, e todo o resto fica branco, como o centro do sol. Mal escuto Rennie, porque isso é o fim de tudo. Minha chance de finalmente dar um salto. É um alívio poder fazer isso. Finalmente me libertar.

O final bombástico dá entrada para o último livro da trilogia e nos deixa cheios de perguntas e querendo desesperadamente saber o que as autoras reservaram para Kat, Mary e Lillia.

E você já leu ou sente curiosidade em conhecer os livros?

Título original: Fire with Fire
Autor: Jenny Han e Siobhan Vivian
Editora: Novo Conceito
Gênero: Juvenil
Nota: 5


Saiba Mais: Skoob | Saraiva

Fiquei enrolando para fazer esse post porque, quando a série é muito boa, geralmente não sei como falar sobre ela para indicar para outras pessoas. Na maior partes das vezes eu só grito e mando os amigos abrirem a aba da Netflix e ASSISTE ESSA SÉRIE QUE É A MELHOR COISA DA VIDA. Com From Dusk till Dawn não foi muito diferente.

Caso você não reconheça o nome logo de cara, talvez esse sirva: Um Drink do Inferno. E caso esse também não sirva, então um resumo básico: a série, original da Netflix, é uma recontagem do filme de Robert Rodriguez com o Tarantino, lançado em 1996. Os irmãos Gecko são bandidos e estão muito felizes com isso, pelo menos até a polícia chegar na sua cola e eles se envolverem com um clube noturno habitado por uma espécie de clã vampírico mexicano - e não são bem vampiros, mas quase chegam lá.



Seth e Richie são os tipos de personagens que você ama, independente de serem trambiqueiros traiçoeiros. O primeiro episódio é um dos melhores da série - só perdendo para a series finale - e tem uma das melhores introduções para a jornada dos Gecko. Daí para frente, é difícil desgrudar a atenção do computador.

Por ser uma produção da Netflix, já sabemos que qualidade não falta. A fotografia é uma das coisas mais deslumbrantes, com cenários desérticos, visuais trash e uma maquiagem fantástica. Los culebras, que são a parte sobrenatural da série, têm toda uma carga mitológica bem desenvolvida. Um dos pontos maravilhosos de From Dusk till Dawn é a importância do núcleo latino dentro da história; eles são o carro chefe para as desventuras dos irmãos Gecko. O que nos leva para o México e nos deixa lá, com as paisagens desertas maravilhosas e a cultura mexicana muito bem empregada no roteiro.

La diosa, que desenvolve o arco da primeira temporada, é a culebra divinizada dos sonhos de Riche. Ela busca sua ajuda para ser libertada e Meu Deus do Céu que Mulher Fodástica.




Aproveitando que comecei a falar da diosa, agora não paro mais. Santanico Pandemonium é o nome dela. Ela foi escravizada no passado - e bota passado nisso, uns 500 anos pra trás - por entidades mais poderosas que controlam o submundo dos culebras. Vista como uma deusa por adoradores fanáticos, Kisa, seu nome verdadeiro, só quer sua liberdade. E a jornada de empoderamento e de conquistas que essa mulher ganha com o passar dos episódios é de cair o queixo. O roteiro do arco dela é apaixonante, assim como a própria personagem. Kisa é poderosa, é dona de si e, a partir do momento em que se liberta, é um perigo para qualquer um que ouse ameaçar aqueles que ela ama.


 

From Dusk till Dawn tem muita força feminina, aliás. Eu poderia falar sobre todas as personagens incríveis que aparecem na história, mas vou focar na minha favorita de toda a série: Kate, que caiu de paraquedas na vida dos Gecko e acabou ganhando um desenvolvimento sombrio e desolador, mas não menos incrível que o da diosa.



De uma garotinha inocente e amedrontada até uma guerreira ameaçadora, Kate não perdeu as nuances de sua primeira aparição, e foi responsável por uma das cenas mais icônicas lá pro fim da série. Sua convivência com os irmãos Gecko se tornou quase uma relação familiar, especialmente com o Seth.


 

Ah, meu OTP. Ninguém se mexe que agora eu vou falar nele.

Eu amo ships que nascem de repente e se tornam a coisa mais importante da sua vida, mesmo tão sutis dentro do roteiro. Seth/Kate começou desse jeito e manteve-se assim até se tornar tão óbvio que pqp, você só queria que os dois se beijassem. Começando com hostilidade e então com confiança até devoção, o que Seth sente pela Kate é absurdamente evidente no olhar dele, e o da Kate você encontra porque ela ainda é a garota sentimental, mesmo com todos os baques emocionais, e Seth é uma das poucas coisas estáveis na vida dela. Ambos se quebram, mas eles também se reconstroem. É o tipo de ship onde um é a escuridão e o outro é a sua luz. É O TIPO DE OTP QUE PODERIA EXPLODIR SEU CORAÇÃO E VOCÊ AGRADECERIA.




Seth foi meu segundo personagem favorito dentro da série porque ele é a melhor pessoa. Em meio a culebras e maldições e deusas aprisionadas e lordes do submundo, ele é um dos poucos humanos a manter a sanidade através de sarcasmo e olhos revirando. Seth é uma versão mais explosiva do Han Solo e por isso tem meu amor eterno.


  

Sua convivência com os personagens, especialmente com Richie e Kate, é o que o tornava tão humano. O amor e a preocupação, ao mesmo tempo em que ele se retinha com medo de demonstrar sentimentos demais, construíram uma personalidade impecável. E, Deus do céu, como era bonito.


 

Richie é o completo oposto do Seth - e aqui eu digo: os irmãos Gecko são melhores que os irmãos Winchester, sem medo de ser feliz. A convivência entre os dois se dá através de patadas e "shut up, Richie" ou "fuck off, Seth" e abraços desesperados do tipo "pensei que tinha perdido você, seu idiota".





É o tipo de relação familiar que logo no primeiro episódio te convence; você sabe que eles são irmãos, você quer que os dois fiquem bem. Eles são trambiqueiros e criminosos, mas você os ama mesmo assim. E toda a loucura psicótica do Richie acaba nunca abandonando ele, mesmo quando ele encontra o seu lugar nessa luta inacabável no mundo dos culebras.


E eu shippei Richie/Kisa até o fim da série.

Outros personagens importantes e recorrentes ao arco principal compõe a trama da série. Carlos, Freddie, Scott, respectivamente, tiveram maior importância. Carlos era um dos escravos no clube, seguidor de Santanico e devoto à diosa mais do que tudo na vida. Ele é tanto um antagonista como neutro, o que te leva a odiá-lo e amá-lo dependendo das andanças da temporada. Freddie é o xerife que, assim como Kate e Scott, cai no mundo sobrenatural de paraquedas. Ele acaba se tornando aliado dos irmãos Gecko em determinado momento da série, mas antes disso está determinado a caçá-los pelos crimes que deixaram para trás. Scott, por fim, irmão adotivo de Kate, é uma figura meio aleatória nos meus sentimentos, mas é impossível não notar o quanto ele evoluiu como personagem - especialmente porque, no meio da segunda temporada, eu queria jogar a Lucille na cara dele.

A série tem bastante violência, mas é menos gráfica e mais trash - bastante fiel à produção original. Repito que a parte sobrenatural é muito bem utilizada, com foco especial na terceira temporada, dona do melhor arco de toda a série. São 10 episódios por season e garanto pra você: vale muito a pena.
8 Histórias para Ler no Wattpad


Hoje eu decidi fazer um post um pouco diferente do que estamos acostumadas aqui e trazer 8 histórias para ler no wattpad de graça.

Eu sei, eu sei. A imagem do wattpad não é das melhores, geralmente quando se pensa no site, logo vem a mente livros como After e toda a discussão da romantização de abusos -- e como tem isso por lá! Mas desde que comecei a publicar Estrelas Perdidas na plataforma, me comprometi em explorar mais dela. Ir além dessa superfície terrível. E acabei descobrindo histórias divertidas e surpreendentes, que nem sempre tem milhares de leituras (embora merecessem!) e nem trabalham estereótipos terríveis.

E aí, porque não dividir com vocês, não é mesmo? Então aqui vai minhas 8 indicações!


Um conto de terror para os fortes de estômago.
"Trate bem as pessoas em vida. Você nunca sabe como elas te tratarão na morte."
Um conto visceral e cru, como tudo que já li da Claudia Lemes até hoje. É uma ótima forma de conhecer o trabalho dela e se preparar, caso você tenha interesse em ler Eu Vejo Kate e/u Um Martini com o Diabo (e eu não sei porque você não iria querer).



Cipriani, o famoso restaurante do Copacabana Palace está perdendo clientes graças ao novo e misterioso restaurante da cidade e Cecília terá um novo desafio pela frente: infiltrar-se na cozinha inimiga e descobrir a receita secreta. O que ela menos esperava era que o chef de seu novo emprego fosse o italiano, divertido e sedutor Enzo. O que ela vai fazer quando perceber que a sua missão secreta é muito mais deliciosa do que parece? Uma pequena história sobre o universo gastronômico e amores imperfeitos que fará você querer devorar até as últimas páginas.
Uma novela com apenas 10 capítulos, Ovo Frito é recheado de boa comida e amor. O humor da Lara é delicioso e não tem como não se apaixonar pela Cecília e o Enzo. Sem contar que a explicação por traz do título, que aparece no meio da história, é maravilhosa. A história está completa e tem até um capítulo extra chamado "Vale o Amor Quando se não é Alguém?".

Clara é uma mulher que sabe o que quer. Jornalista, 23 anos, colunista na parte de esportes e bem sucedida no que faz. Depois de ter desafiado o mais novo craque do futebol brasileiro - Ricardo, um colírio para os olhos de qualquer mulher e dono de um Centro Esportivo - à uma partida de futebol, Clara se torna o mais novo alvo da mídia e dos paparazzi, tendo que conciliar sua fama nas redes sociais e sua vida pessoal. Mas o que ela não fazia ideia, era que Ricardo ficaria interessado em conhecer a jovem e bonita jornalista que o desafiou em plena rede nacional. E o que ela não esperava era que tentar não cair nas graças do irresistível e encantador jogador seria o mais difícil de tudo. A única coisa que resta à Clara é jogar com a bola toda e confiar nos seus instintos.
A história é bem brasileira, né gente? E a narrativa da Nathalia é como se a sua amiga estivesse te contando a história. Ela já está completa lá no wattpad, então não tem essa de ficar ansiosa esperando mais.

Mônica gosta de rotinas. Ela aprendeu a evitar situações desconfortáveis por causa delas. Com dezessete anos, cinco irmãos, um talento nato para a fotografia e uma paixão antiga pelo Enzo, o maravilhoso goleiro do time da escola, Mônica está muito bem, obrigada.

Contudo, um mal entendido coloca Mônica como fotógrafa oficial dos jogos, o que significa encontrar com o astro do time de futebol, consequentemente o amor da sua vida (e o fã clube alucinado dele) várias vezes no dia. Passos bem calculados se tornam uma sequência de incidentes inesperados, como encontros nas festas da escola e sorrisos apaixonados. Espera aí... O Enzo, apaixonado por ela?

De repente, Mônica precisa lidar com as reviravoltas da vida adolescente, coisas que até então tinha conseguido evitar. Mônica e Enzo e Todos os Dias é a história de um amor surpreendente e cheio de possibilidades. Será que a Mônica vai conseguir fugir dos seus medos para viver esse primeiro amor?
Ah, o que falar de Mônica e Enzo que eu ainda não tenha dito? Divertido, romântico e deliciosamente fangirl como só a Mônica sabe ser. QUEM não se identifica com essa história?

Um Blues a Três - J.T. Santos

Esta pequena história é sobre música, dores, amores e recomeços.

Esta é a história de três vidas que se encontram sem querer: Ella, uma machucada cantora de blues e jazz; Philip, pai solteiro, viúvo e professor universitário e Thomas, a terceira corda surda deste trio aparentemente desajustado.
Ah, gente! Não tenho palavras para essa história. É um conto em 5 partes emotivo e delicado, com muito blues. Além desse, a autora também tem um livro chamado Sob o Signo do Café, um romance histórico que se passa no Brasil escravocrata, muito bem falado e que eu pretendo ler em breve!



Depois de um período fora do país, Zoe finalmente sabe que rumo dar a sua vida. Deixando para trás carreira, cidade e um antigo amor, Zoe muda-se para San Francisco e começa sua residência em medicina de emergência.

Recém-chegada ao Hospital Geral Mercy Bay, a ideia era focar na sua carreira, mas quando ela esbarra no bombeiro mais quente da cidade no Pronto Socorro, tudo muda. Adam é bonito, engraçado e empenhado em salvar as pessoas, e Zoe percebe que não vai conseguir ficar longe dele desde o seu primeiro encontro. O problema é que as complicações de um relacionamento não estavam nos seus planos.

Zoe acabou de descobrir o poder das segundas chances ao mudar de emprego, mas será que Adam conseguirá lhe mostrar o poder de uma segunda chance para o amor também?
Preciso honrar meu lado louco por séries médicas. Esse livro é o primeiro de uma série, com momentos engraçados, fofos e quentes (se é que me entende) que cura aquela saudadezinha das minhas séries quando elas entram em hiatus.

Eu, Cupido - Julia Braga

Quando Liliana Rodríguez foi machucada pelo amor na sétima série, ela parou de acreditar em qualquer tipo de romance. Até que um dia, sem querer, ela quebra a mão do cupido responsável por fazê-la se apaixonar pelo seu melhor amigo e, sentido-se muito culpada, aceita ser sua substituta por um mês. A partir de então a vida de Liliana passa a girar ao redor do sentimento que por tantos anos ela desprezou.
Assumir o papel do cupido pode ser uma missão tão divertida quanto complicada, especialmente quando mexe com questões do seu próprio coração - e a aventura da Liliana nesse mês como a responsável pelas flechas do amor não poderia ser uma bagunça mais divertida.



O matrimônio de Melissa e Lucas, que durou três anos, teve inicio na faculdade, onde eles se conheceram. Adolescentes, os dois eram extremamente apaixonados um pelo outro e, principalmente, pela vida. Nessa fase livre de responsabilidades, a relação sempre muito desajeitada dos dois rendeu várias ocasiões inusitadas, deixando Flashbacks de brigas, provocações e brincadeiras de mau gosto na história.

Lucas e Melissa são bem diferentes. Ela, professora de história, é completamente certa e perfeccionista. Seu apartamento é impecável e extremamente limpo mesmo no meio de um apocalipse zumbi. Ela só come comida enlatada, não pede pizza de fora e nunca deixa ninguém ao menos sentar em sua cama.

Ele, o oposto completo, é formado em psicologia, mas deixa seu diploma guardado para trabalhar em uma oficina de motos, pois sabe que, no fundo, seu verdadeiro desejo nunca foi ser um doutor.

Ele não é bad boy, arrogante ou misterioso. Também não é um exemplo de fofura, e com certeza passa longe daquele modelo de príncipe encantado. Ele só é ele.
E depois de três meses separados, os dois são obrigados a dividir um apartamento quando uma situação de vida ou morte os impede de continuar se ignorando. O único problema é que, apesar de tudo, ainda pode haver sentimentos escondidos ali, e, quando resolvem tentar fugir do prédio em que estão presos, descobrem que não há nada que eles não fariam um pelo outro.
Imagine dividir o apocalipse com o seu ex - o que significa ter que ajudar e ser ajudada pelo seu ex a sobreviver a hordas de zumbis e outros horrores. Com um humor bem marcante e cenas emocionantes e bem descritas, é uma história bem diferente de um gênero bastante conhecido.


E aí, o que acharam das dicas? Vocês também usam o wattpad? Deixem suas indicações de histórias na plataforma que valem a pena!

Olho por Olho, primeiro livro dessa trilogia, lançado pela editora Nova Conceito, é tão viciante que mal pude parar a leitura até o final.

Sinopse: Alguma vez você já quis realmente se vingar de alguém que a ofendeu? Talvez uma ex-amiga que a apunhalou pelas costas, ou um namorado traidor, ou um estúpido da escola que a humilhou desde que você era pequena... Alguma vez você já sonhou em envergonhá-lo na frente de todos? E, então, alguma vez você se uniu com outras duas pessoas para criar um elaborado esquema de destruição e revanche? A maior parte de nós não pode dizer que sim a todas essas perguntas (felizmente). Mas, certamente, todos nós somos capazes de nos identificar com muitos dos sentimentos de Kat, Lillia e Mary em Olho por Olho...No entanto, de um exercício de malícia, de uma simples brincadeira adolescente, o jogo do “;aqui se faz, aqui se paga”; poderá assumir proporções trágicas, em que até mesmo as leis da natureza vão se dispor, misteriosamente, a acalmar os corações ofendidos.Deixe-se levar por uma genuína história sobre o certo e o errado, o justo e o injustificável e procure entender — se possível — os verdadeiros motivos que transformaram estas três meninas. Dramático, honesto e fascinante, este é um livro que ultrapassa todas as expectativas!
Essa história é sobre três garotas e suas histórias: passados sombrios, acontecimentos amargos e pessoas que os causaram. Kat, Mary e Lilia são jovens no último ano do colegial e narram suas vidas em uma aparentemente pacata ilha: a Ilha Jar, onde a coisa mais terrível que poderia acontecer é a quantidade de turistas invadindo o lugar durante a temporada de verão todos os anos.


Mas, ao sabermos de suas histórias, coisas muito mais terríveis são capazes de acontecer na ilha, tudo por causa do ego e do egoísmo humano que, segundo as três, já causou danos demais. Desse modo, cansadas de esperar pelo carma fazer seu serviço, elas decidem fazer por ele, dando à aquelas pessoas que lhes causaram mal, o que merecem.

As características da Ilha Jar e de como tudo funciona me fizeram sentir na própria ilha. As autoras trabalharam muito bem a narrativa, uma para cada personagem – sim, cada uma narra um capítulo! - e a parte técnica, como a balsa que leva e traz as pessoas para o lugar, o funcionamento da ilha durante o veraneio e o resto do ano, as casas, as pessoas. A escrita é fluída e detalhista na medida certa, te levando a querer ler sem parar, sendo tudo tão bem articulado que é impossível você não se imaginar dentro da história e desejar saber o que vai acontecer depois. Muitas vezes me vi com o coração disparado, na dúvida se o plano daria certo ou não.

- Ninguém desconfia de nós. Além disso, ninguém sabe quem você é. 
Acho que faço uma expressão de pesar, e Lillia diz: 
- Sim. É por isso que você é nossa arma secreta! - Sim, sou silenciosa mas mortal - digo, em tom de chacota. - Como um pum! - emenda Kat. Eu rio também, e depois mostro o dedo do meio para ela. Acho que é a primeira vez na vida que faço isso. 
- Rá-rá, veja a pequena e doce Mary está virando uma encrenqueira - diz Kat, rindo. 
Sinto que estou mais próxima de Mary e Kat do que de qualquer um dos meus outros amigos. Nós três somos um círculo. Estamos ligadas uma às outras agora. Posso sentir. Sinto poder também. Toda a conversa, o trabalho duro, as brincadeiras que fizemos, isso tudo nos trouxe até aqui e agora. 



Os personagens são excelentes e, até mesmo os clichês, como a patricinha ser a capitã das animadoras de torcida e querer o capitão do time de futebol americano, acabam funcionando bem por se tratar de um enredo incomum. As protagonistas me surpreenderam bastante, são fortes e com personalidades próprias, uma mais diferente da outra. 

Kat é extremamente durona, não se preocupa com futilidades e se exclui de propósito na escola, por não querer que pessoas que não valem a pena entrem em seu caminho. Lilia é de todas as formas uma patricinha: rica, animadora de torcida e anda com a galera popular, parecendo se importar somente com a roupa que usa, mas com o passar da história, vemos que ela não se importa tanto assim com essas coisas e que tudo que quer é proteger sua irmã e impedir que mais pessoas sofram o que ela e suas amigas sofreram. E Mary, bem, ela é a mais doce e calma de todas, o elo mais frágil do grupo também, por conta do que aconteceu há muitos anos, mas também é animada e só quer que ninguém passe pelo que passou.


- O que fizermos juntas viverá e morrerá conosco. - Limpo a garganta, porque essa é a parte mais importante. - E, se vamos mesmo fazer isso, ninguém pode desistir na metade do caminho. Se for para entrar, é para ir até o fim. Até nós três conseguirmos o que queremos.

Apesar de não muito longo, é um livro envolvente, que te põe na pele das garotas e no chão da Ilha. Há muitas partes profundas, sobre o jeito que as pessoas agem e em como as tratamos, o que vale a pena e o que não vale. Além disso, temos três pontos de vistas realmente diferentes sobre a mesma história, o que deixa impossível enjoar e só faz ficar mais interessante. 

Título Original: Burn for Burn
Autora: Jenny Han e Siobhan Vivian
Editora: Novo Conceito
Gênero: Juvenil
Nota: 5

Saiba mais: Skoob | Saraiva

Mais uma semana veio e se foi e, com ela, fevereiro praticamente chegou à sua metade. Vai com calma, senhor do tempo!

Vem comigo conferir o que teve de melhor e de pior na semana que passou.

Melhor da semana: The Flash

 

 

Essa série está sendo o fanservice mais maravilhoso que já ganhei na vida e pode mandar mais que tá pouco - tenho até medo de elogiar demais, mas tenho fé de que esse é o tipo de série que não faria uma grande mancada com os fãs.

 


Todo o arco da terceira temporada, com o vilão Savitar e o desenvolvimento de Westallen (também conhecido como o melhor ship), tem sido incrível. Agora que o Wally se tornou Kid Flash e o Barry tem tentado encontrar uma maneira de mudar o futuro, já que ele viu uma morte horrenda acontecer dali alguns meses e ninguém quer que essa morte aconteça, todo o desenvolvimento da série tem sido maravilhoso. Roteiro tá a coisa mais linda e eu fico roendo as unhas por mais episódios sempre que um novo acaba. O dessa semana teve cliffhanger no fim para dar espaço a um evento de dois episódios, trazendo o gorila Grodd de volta - meu vilão favorito. E de bônus ainda me trouxeram a Jesse Quick para esse episódio duplo, que os céus os abençoem!

Melhor personagem da semana: Bellamy Blake - The 100

 

  

Eu vou proteger o meu menino Bellamy até o infinito e além and so help me God! Bellamy é um dos melhores personagens de The 100 e se você acha o contrário, veja a série de novo porque está vendo errado. Humano e extremamente altruísta, Bellamy é um dos líderes dos sobreviventes e está sempre disposto a aceitar riscos pelo bem das outras pessoas.




Nessa temporada, Bellamy está ali principalmente como suporte da Clarke - como em toda santa temporada, cof cof - determinado a sobreviver a cada dia. Com a ameaça do fim do mundo sobre eles, Bellamy está correndo contra o tempo para conseguir mais do que seis meses para todos que sobreviveram junto deles, mas também está ciente de que certos sacrifícios, a esse ponto da história, não valem a pena para um recompensa temporária. Ele é o tipo de personagem que toma uma decisão perigosa e aceita as consequências dela, mas tem sempre em mente que cada situação é uma situação, e que analisar friamente nunca é a melhor opção. Ele é meu filho mais precioso e eu vou protegê-lo do mundo!



E um PS.: só para falar como a relação dele com a Clarke está absurdamente incrível nessa temporada, mais do que já era nas anteriores. Os dois estão se apoiando e discordando racionalmente, mas encontrando novos caminhos para suas ideias. Eles são um maldito casal e só falta a série oficializar isso.

Pior da semana: Império de Tempestades dividido em 2 livros.



Eu ainda estou profundamente desgostosa com essa notícia e gostaria muito que a Galera Record voltasse atrás - mas não vão, uma vez que o Tomo 1 já está em pré-venda.

Império de Tempestades é o quinto livro da série Trono de Vidro e vai ser dividido em dois volumes aqui no Brasil. Por quê? Não sei, ninguém sabe, não faz o menor sentido. Rainha das Sombras, em sua edição americana, era maior que Império de Tempestades, e ainda assim ganhou um só livro aqui no Brasil. Pelas contas do fandom, o quinto livro ficaria com uma média de 700 páginas na edição brasileira - e, convenhamos, pra quem convive com livros do George R.R. Martin, isso não é nada. Que cobrassem 60 reais pelo livro, seria um preço justo.



Agora, dividir só pra lucrar mais em cima? Porque só o Tomo 1 já está saindo 35 reais, mais o frete e a paciência que não tenho para ficar esperando o Tomo 2 ser lançado (sim, não vai ser lançado ao mesmo tempo). Quero nem ver quando forem lançar A Court of Wings and Ruin aqui...

Pior personagem da semana: Jasper - The 100

Esse embuste já tinha que ter virado pó desde a segunda temporada, mas vaso ruim não quebra, né? Ele é a prova viva disso.

  


Não tô nem aí para os traumas que ele enfrentou, todo mundo passou por coisas traumatizantes nessa série. Isso não é motivo pra agir igual babaca psicótico egoísta. E é o que ele tem sido em todo santo episódio; egoísta, mimizento e extremamente irritante. Não tenho paciência pra personagem que chora, mas quer que os outros façam alguma coisa para que ele continue vivo. Vá plantar batatas, seu chato.

O que esperar da próxima semana?

O que esperar é que vou encontrar as meninas e vai ter muito surto! Vamos gravar vários vídeos aqui para o blog e terminar os preparativos para o Mês das Mulheres - que está ficando fantástico. Também espero muitos surtos porque The Walking Dead está de volta, e a guerra contra o Negan está para começar.