Resenha: Fogo - Como tudo começou


Se eu tinha ficado abismada com a criatividade e a riqueza da narrativa da Kristin no primeiro volume da trilogia Graceling, Fogo veio para me derrubar da cadeira e me dar uma nova perspectiva ao mundo fantástico criado pela autora. Um mundo fantástico mesmo, com elementos mágicos e um universo irresistível que vai te deixar de ponta cabeça na vida. Kristin me deixou com aquela sensação de "queria ter sido eu a escrever este livro".
Sinopse: Viviam também nos Dells criaturas coloridas e assombrosas que os dellianos chamavam de monstros. Era a sua coloração incomum que os identificava como monstros, porque em todas as demais particularidades físicas eram como os animais dellianos normais. Um cavalo cinza malhado nos Dells era um cavalo. Um cavalo da cor alaranjada do crepúsculo era um monstro.
Neste livro, acompanhamos a personagem Fogo - exatamente, este é o nome dela. Fogo nasceu um monstro. No reino onde ela vive, monstros são criaturas exóticas, desejadas e temidas e odiadas pelos humanos. Fogo tem cabelos coloridos, de cores exuberantes, e o poder de ler e controlar mentes, o que faz dela um perigo e uma arma. Filha de um homem cruel e também monstro, Fogo cresceu temendo as pessoas ao seu redor e temendo o alcance dos próprios poderes, certa de que sua criação a levaria a um destino terrível, visto que o pai usava e abusava dos próprios poderes. Quando uma guerra se aproxima do reino e Fogo é a única capaz de impedi-la, a corte a convoca para ajudá-los a entender o inimigo que está caminhando em sua direção.
Monstros humanos tinham a tendência de não viver muito. Predadores demais, inimigos demais.
Uma jornada de auto-descoberta e de aceitação, principalmente. Fogo traz, com sua narrativa maravilhosamente política e emotiva, uma perspectiva diferente da de Graceling; não estamos no reino onde pessoas dotadas são criadas pelo rei para serem guerreiras. Estamos no reino onde monstros-humanos são odiados e raros, e onde criaturas como Fogo despertam o pior e o melhor dos humanos próximos dela. Fogo esconde os próprios cabelos com um lenço porque a mera visão deles deixa principalmente os homens sem controle sobe si próprios. Ela teme ser quem é e todas as dores e consequências que sua existência traz para ela. Fogo cresceu vendo um homem amar a condição de monstruosidade, mas seus flashbacks remontam a agonia que a acompanha desde o seu nascimento.
Ela supôs que o comandante do Exército do Rei provavelmente teria tantas cicatrizes quanto um monstro humano.
Fogo é uma personagem rica. Rica em emoções, em medos e em vida. Ela salta das páginas conforme sua história avança, e você se apaixona perdidamente por cada momento vivido por ela. Fogo é humana tal como é monstro; seus poderes aumentam e se desenvolvem conforme ela se aproxima deles e os aceita. A própria concepção de "monstro" muda de acordo com as situações que ela vive; a palavra deixa de ser uma ofensa e se torna uma verdade. Ela é um monstro, ela é uma aberração, e ela precisa aprender a crescer e se fortificar por causa disso.

Um monstro exalava tudo o que era ruim, especialmente um monstro feminino, por causa do desejo e dos infindáveis canais pervertidos para a expressão da maldade. Para todos os homens fracos, a mera visão dela era uma droga para suas mentes. Que homem poderia usar bem o ódio ou o amor quando estava drogado?
Ao redor de Fogo, conhecemos personagens tão poderosos e marcantes quanto ela, mas poderosos apenas em sua humanidade.

Archer, seu melhor amigo e amante ocasional, a entende e protege desde que se conheceram. O amor de Fogo por Archer é diferente do que ele sente por ela; ele é mais possessivo, mais super-protetor, mais precavido com cada passo que ela dá. Quando Fogo precisa partir para ajudar a corte real, Archer se torna uma sombra ciumenta e um emotivo amigo apaixonado desejoso por ajudá-la, mas sem entender que não precisa fazê-lo. Brocker, pai adotivo de Archer, é um ex-militar compreensivo e complacente, muito mais racional que o filho. Fogo vê nele uma figura mais paterna do que o próprio pai. Cansrel, o monstro-humano que a criou depois da morte da mãe, era ambicioso e perigoso e amoroso de sua própria maneira. Diferente dos outros monstros que ele guardava e possuía somente para si, Cansrel protegeu e ensinou a filha a se resguardar e a ampliar seus poderes e amá-los como deveriam ser amados. Ele era cruel, mas também era um pai.
- Haverá guerra, lady, e o desperdício de vidas será terrível.
Na corte real, os quatro herdeiros do rei recebem Fogo em sua empreitada para tentar ajudá-los - ainda que ela hesite e se negue, no começo. Nash é o rei, um homem centrado que, a princípio, perde as próprias razões ao ver e desejar a mulher-monstro. Nash cresce na narrativa tanto em autocontrole como em presença. Ele se torna mais rei conforme a história avança. Clara e Garan, os gêmeos, são carisma e seriedade. Clara, a simpatia em pessoa, é uma princesa ciente de seus poderes e de sua influência, ansiosa por estar na presença de Fogo como uma amiga. Garan é a parte política e administrativa, é um rapaz soturno pela doença que o cerca, mas igualmente marcante.


A dor podia ascender sempre e, bem quando se pensava que havia atingido o limite , ela podia começar a se espalhar pelos lados, derramar-se, contagiar outras pessoas e misturar-se com a dor delas.
Por fim, o segundo irmão, comandante do exército: Brigan, meu amor, minha vida. No início do livro, Fogo o teme por ele odiá-la, uma vez que ela é filha de Cansrel, e por ser um monstro. Com o tempo, no entanto, Brigan passa a entendê-la e a simpatizar com ela e ela com ele. Os dois passaram por momentos difíceis e os dois confrontam uma guerra que está por vir; Brigan vê a tristeza dela e a entende como entende a própria.
- Fogo. - disse ele. - Você me perdoará por eu tomar sua beleza como um conforto? 
- Você me perdoará por eu extrair minha força da sua? 
- Você poderá sempre extrair qualquer força que eu possuir. Mas você é forte, Fogo. Neste momento, eu não me sinto forte. 
- Eu acho que nós não sentimos as coisas que somos. Mas outros conseguem senti-las. Eu sinto a sua força.

O jeito como Kristen desenvolve o relacionamento deles deixa você babando e rastejando por mais e mais e mais, porque é uma ligação poderosa e indescritível. O romance é tão forte quanto a amizade e o sentimento de compreensão; é um amor forte e fortificador. Um sentimento que cresce e se torna uma supernova prestes a explodir. Você os quer juntos acima de tudo.
Nem todas as pessoas que inspiravam devoção eram monstros.
Através da narrativa fluida, Kristin nos entrega um romance arrebatador, uma guerra devastadora e uma trama política perigosa. Conforme Fogo cresce e se torna uma arma que só ela mesma pode e vai usar, as batalhas acontecem, o amor floresce e o perigo espreita através de novos horizontes. Com um desfecho real e lindamente escrito, Fogo - Como tudo começou entrega uma fantasia com início, meio e fim bem determinados, e eu obrigo você a procurar por este livro quando quiser uma leitura devastadoramente perfeita!


Título original: Fire
Autora: Kristin Cashore
Editora: Rocco
Gênero: Fantasia
Nota: 5 +

Saiba mais: Skoob 
Compre em: Buscapé | Americanas | Saraiva | Submarino

Share this:

, , , , , ,

COMENTÁRIOS

10 comentários:

  1. Olá :)
    O livro é ótimo, agora é só ter paciência com a editora até eles lançarem o último livro, vai demorar...
    Adorei sua resenha!

    Beijão,
    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi! Tudo bom?
    Mas o bom dessa série é que um livro não depende do outro :D são histórias independentes que se passam no mundo dos sete reinos, então tá de boas. Eu quero MUITO ler Bitterblue e tô pensando em comprar em inglês até - porque né, não to com paciência pra esperar hahahaha - mas a trilogia é livre pra quem quiser ler aleatoriamente <3
    Obrigada pela visita!

    Beijos,
    Denise Flaibam.

    ResponderExcluir
  3. Esse livro parece sensacional. Eu tô no chão.
    Quero agora em minhas mãos.
    Falando de mãos, sua unha tá linda xD

    A resenha tá muito boa e os quotes que você separou são sensacionais!

    Beijos.

    --
    http://surtandocompalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ooi! Nossa, eu não conhecia esse livro. Gostei do nome da personagem, é bem forte... haha e da impressões sobre ela que parecem ser falsas, de acordo com seus comentários. Fiquei bastante curiosa. Beijos
    SIL ~ Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o livro e nem a série, mas fiquei muito curioso com a leitura. A premissa é boa, e como gosto de uma boa narrativa, acredito que eu vá gostar.
    Melhor ainda sabendo que os livros não dependem completamente um dos outros.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de dezembro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Eu acho a premissa desse livro incrível, até hoje não comprei o primeiro volume ainda, mais pelo preço ser absurdo mesmo, mas morro de vontade de ler.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Que capa linda, gostei do livro. Depois de sua resenha eu compraria se visse por aqui nas livrarias.
    Mega beijo.
    Me visita?
    blogueirasara.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Denise! Adorei a resenha! Adoro esse tipo de estória, acho que vou gostar desse livro! Valeu pela dica :D
    Bjs! André
    http://pausaparapitacos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. já ouvi falar do livro mas não sabia do que se tratava,graceling esta na minha lista a muito tempo, vou tentar ler os dois :D
    http://blogradioactive.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Denise!
    Eu não li nenhum livro da série, por isso não tive taaanto interesse assim nesse livro. Mas a história parece ser interessante, como eu gosto de fantasia algum dia quero ler.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!