Resenha: As Cicatrizes de Andy - Queria Estar Lendo

Resenha: As Cicatrizes de Andy

Resenha: As Cicatrizes de Andy

O segundo volume da série Mercy Bay - uma das minhas melhores descobertas no ano passado - foi uma surpresa tão boa quanto A Segunda Chance de Zoe. Com uma temática bem mais profunda e um desenvolvimento bastante emocional, As Cicatrizes de Andy é o tipo de livro que prende do início ao fim, mantendo-se fiel à história e aos personagens.
Sinopse: Crescendo no sistema de adoção, Andy foi deixada com muitas cicatrizes – físicas e emocionais. Ela nunca teve uma família e por isso jurou a si mesma que jamais precisaria de alguém. Andy corre atrás do que quer e sempre consegue o que está determinada a ter. Menos CJ. Sério e extremamente sexy, CJ é um policial que acabou de se mudar para San Francisco, e parece que gosta de ficar de olho em Andy. O problema é que isso é tudo que CJ faz. O flerte, que começou misterioso e sensual, está deixando Andy impaciente e frustrada. Por que ela não consegue simplesmente ir até ele? O que ele quer? Em meio a uma conturbada relação, uma criança chega à emergência com ferimentos que lembram Andy de sua infância. Ela precisa ajudá-lo, mas como essa situação vai mudar a relação entre os dois? Pode isso ser o começo de algo ainda maior na sua vida, ou as cicatrizes são profundas demais para serem curadas?
Andy já é figura conhecida dos leitores de Zoe. A carismática enfermeira do hospital Mercy Bay está pronta para começar um novo capítulo em sua vida: ela foi selecionada para tornar sua casa um lar temporário a crianças na fila da adoção. Tendo sido criada pelo sistema - e, por isso, Andy carrega muitas cicatrizes do que foi sua vida dentro dele - ela sente que tem espaço em seu dia a dia para ajudar crianças que precisam. Claro que nem tudo é tão fácil assim, e Andy não tem exatamente todas as situações sob controle como gostaria. Por exemplo: o seu coração, que bate forte pelo misterioso e quieto policial chamado CJ. E todo o seu emocional ao confrontar a ideia de que CJ pode estar respondendo aos seus sentimentos. Ah, e pra ajudar, um caso de abuso infantil aparece no hospital, e Andy se determina a cuidar do garotinho até que uma família apareça para adotá-lo - revivendo, junto com ele, todos os fantasmas do seu passado conturbado.

Que livro incrível, senhoras e senhores! Eu não li, eu devorei essa história. Tão bom quanto o primeiro volume (e vocês sabem que séries costumam ser assombradas pela maldição do "segundo livro"), As Cicatrizes de Andy entrega uma história madura, bem desenvolvida e definitivamente uma montanha-russa emocional. Ri, chorei e fiquei tensa na cadeira durante muitos momentos.
Se ninguém no mundo te ama, você ainda existe?
A Layla consegue escrever um drama que só ela. Shonda Rhimes de Grey's Anatomy com certeza tem uma pupila muito dedicada aqui! O histórico da Andy é tanto mistério quanto suposições pela nossa parte. Ela não diz muito sobre o que aconteceu durante seu tempo como órfã, passando de casa em casa, permanecendo em lares temporários e orfanatos, mas a narrativa entrega que não foi nada fácil, e por isso a Andy tem essa personalidade arisca e cuidadosa. Ela é carregada pelos traumas, algumas de suas atitudes são moldadas em resposta a eles, mas está lutando devagar para deixar ser uma sombra desse passado. Conforme ela entende que seu coração é guiado pelo medo de se ligar a alguém, de se deixar entregar - uma vez que isso vez tão mal para ela no passado - a Andy entende que precisa lutar contra isso. É uma resposta verossímil a tudo que ela foi, e uma promessa de tudo que ela pode ser, caso resolva enfrentar os fantasmas do seu passado.


Resenha: As Cicatrizes de Andy

Eu amei a Andy. Já amava quando ela era a coadjuvante, como protagonista conseguiu me ganhar mais ainda. Amei seu carisma, sua simpatia e sua disposição. Como ela reagia aos médicos arrogantes - dá-lhe mulher cheia de força! - e como se fazia presente por quem precisava. Amei suas interações com a Zoe, mas principalmente com o Ravi, que foi um ponto muito importante para todo o arco principal desse livro. Eu já disse o quanto amo o Ravi? Vou repetir: eu amo muito o Ravi. E amo ainda mais sua convivência e sua amizade tão empoderadora, cheia de apoio e puxões de orelha junto com a Andy. Os dois vão além de uma amizade forte, é uma irmandade impossível de quebrar, independente dos problemas pessoais e individuais que ambos carreguem e precisam enfrentar.

Em contraponto a esses dramas, claro, temos o romance. E que me desculpem Zoe e Adam, mas Andy e CJ me roubaram para sempre (pelo menos até o próximo casal, vai saber quanto mais a Layla vai me fazer chorar igual um bebê).
Quero abraçá-lo no escuro e contar meus segredos e meus medos e quero que ele não me solte. Eu quero que ele nunca me deixe ir.
CJ é uma incógnita durante o começo, um cara quieto e solitário que gosta de trocar olhares intensos com a Andy e fica por aí - mas quando eles começam a se envolver, senhoras e senhores. Aí a história muda. CJ é um cara intenso muito além dos olhares, e o mais legal no desenvolvimento desse romance é que cria empatia junto a quem acompanha os dois. Andy tem seus medos e hesitações e ela guarda isso, e CJ respeita seu espaço. Ele também tem problemas, também tem sua história conturbada, e sabe melhor do que ninguém o que é precisar de espaço e tempo para se abrir com uma pessoa. Ele e a Andy dividem momentos incríveis, empáticos e emocionantes - além de um romance de tirar o fôlego.


  


Inclusive esse é meu dreamcast para esses dois e veja bem como eu sofri porque é demais para o meu coraçãozinho de fangirl. 

É absolutamente impossível não surtar e sofrer com o casal. Afinal de contas, a relação tem altos e baixos, momentos em que você vai gritar de alegria e outros em que vai querer rolar no chão de frustração. Eu me apaixonei por cada página e cada interação e definitivamente daria meus rins pra ter um conto extra deles - oi Layla, tudo bom? Fica a dica.

Por último, mas definitivamente o mais importante, temos Wade, o garotinho que a Andy recebe em seu lar temporário. Wade é uma das crianças mais bem escritas que já li; vítima de traumas e de abuso infantil, ele carrega em sua personalidade muitas marcas disso, e podemos identificar alguns trejeitos dele na própria Andy. Por isso, talvez, as interações entre os dois sejam tão complicadas e difíceis no começo. Ambos são fechados para o mundo, e mesmo Andy querendo se abrir e se aproximar do garoto, é fato que não vai ser tão fácil fazer isso.


Resenha: As Cicatrizes de Andy

Achei lindo e emocionante como a Layla trabalhou essa questão. Como o trauma afeta cada pessoa, como essa pessoa carrega suas cicatrizes e reage ao mundo de acordo com elas. Foi uma das obras mais intensas que li esse ano exatamente pela sutileza e pela mensagem quase educadora do que é ser uma vítima. Wade e Andy dividem momentos de arrancar lágrimas, e quanto mais a sensação de "família" cresce entre os dois, mais você se vê torcendo para que, no fim, ambos encontrem a felicidade um no outro - e aprendam a vê-la individualmente.

E vamos conversar sobre como eu tive outro ataque cardíaco com o fim desse livro? Se A Segunda Chance de Zoe me derrubou no chão, esse volume pisou na minha cara quando eu achei que estava tudo bem para me levantar. Layla, minha filha, sua aprendiz de shondanás! Avisa quando for me dar um tiro pra eu usar colete à prova de balas!

As Cicatrizes de Andy foi uma montanha-russa de emoções; quase cai da cadeira algumas vezes, passei por vários loopings e, quando acabou, eu queria tudo de novo!


Título original: As Cicatrizes de Andy
Autora: Layla Casanova
Editora: Independente
Gênero: Romance / Drama
Nota: 5


GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELOS NOSSOS LINKS!

Skoob  |  Amazon

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

13 comentários:

  1. Oi, Denise!
    Eu amo um livro! Nossa, eu já queria demais a história da Andy porque amei muito ela em Zoe. E não me decepcionei.
    Socorro esse CJ, SENHOR ME ABANAAAAAAAA
    Mirmã, eu estava respirando por aparelhos e paging cardio com esse final. Dona Layla realmente não tem pena do nosso frágil coração.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu, tudo bom?
      POIS É. O jeito como a Layla conseguiu trazer a Andy e dar o protagonismo pra ela foi tão boooom, manteve o carisma da personagem e só aumentou meu amor por ela KJASUOFASBUOGUO
      O CJ, que homão da porra. Desculpa ai, Adam, mas perdeu o posto de crush :P

      Beijos!

      Excluir
  2. Olá, Denise.
    Eu amei esse livro. Já tinha gostado muito do primeiro livro, mas nesse a autora se superou. Não foi nada do que eu esperava e olha que esperava muito hehe. Wade é um fofo e eu quis pegar ele para mim hehe. Chorei e me emocionei muito e espero que os outros sigam a mesma linha.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil!
      Sim, conseguiu me surpreender e me fazer amar ainda mais as histórias dela. Eu gostei como manteve o tom, mas aprofundou os dramas e trouxe umas discussões maduras pra história.
      Wade é muito fofucho, e que família linda que eles formam!
      EU PRECISO DO PRÓXIMO LIVRO AKJFBASBSGOUAU

      Beijos.

      Excluir
  3. Oi, Denise!
    E o final desse livro? Fala sério!
    Eu pensei que fosse ter um treco antes de chegar na última página hahaha
    Layla soube acabar comigo fácil, fácil com esse livro!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mari!
      O final foi uma sucessão de !!!!!!!!! e AAAAAAAAAA que não sei como meu coração aguentou, misericórdia.
      A Layla é aprendiz de Shondanás, tá de parabéns pelo drama.

      Beijos.

      Excluir
  4. Oi Denise, eu adoro a Layla, os dois livros são ótimos, mas eu gostei mais deste, achei muito bem desenvolvida a história da adoção e amei o romance tb!! Agora, preciso confessar uma coisa, eu sempre achei que a autora era uma de vocês hehehehehhehee

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      Esse livro teve uma profundidade um pouco maior, eu diria, por tratar de uns assuntos mais 'pesados'. E ainda assim conseguiu ser uma leitura bem leve.
      SOCORRO SÉRIO? ASUHUHASUHASUHASUHASUHAS Queria eu que a gente tivesse tido ideia pra esses livros :v

      Beijos.

      Excluir
    2. É tipo aquele lance da piadinha do Batman, não querendo dizer nada mas ninguém nunca viu nós e a Layla no mesmo lugar então QUEM SABE, hahahahahahaha

      Excluir
  5. Oi Denise,
    Eu quero ler o livro da Zoe primeiro. Mas se a história da Andy foi tão boa assim, até consigo emendar uma leitura na outra, né?
    Vou deixar anotado aqui junto com o anterior.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto quando os livros em sequencia fazem com que um coadjuvantemente se torne protagonista. Conseguimos conhecer mais personagens..

    http://www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá, ainda não li o primeiro livro, mas fiquei bem curiosa!
    adorei a resenha <3

    bjs,

    Jéssica


    Conheça meu blog, também escrevo resenhas (livros e filmes) ^^
    http://pitadadecinemaeleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!