Resenha: Asiáticos Podres de Ricos

  • 09:00
  • 28 de abr. de 2018

  • Asiáticos Podres de Ricos, do autor Kevin Kwan, é a aposta do Grupo Editorial Record para o mês de Maio - e chegou para a gente na caixinha V.I.B. (Very Important Books). O livro é uma história satírica e muito divertida sobre os problemas de gente rica vividos por algumas famílias em Cingapura.
    Sinopse: Best-seller internacional que inspirou uma das mais aguardadas adaptações cinematográficas do ano. Quando Rachel Chu chega a Cingapura com o namorado para o casamento de seu melhor amigo, imaginava passar dias tranquilos com uma simpática família. Só que Nick não mencionou alguns detalhes, como o fato de sua família ter muito, muito dinheiro, que ela viajaria mais em jatinhos particulares do que de carro e que caminhar de mãos dadas com um dos solteiros mais ricos da Ásia era como ter um alvo nas costas. Logo, Rachel percebe que não será poupada das fofocas e intrigas. Isso sem falar na mãe de Nick, uma mulher com opiniões bem fortes sobre com quem o filho deve – ou não – se casar.
    Rachel é convidada por seu namorado Nick para viajar até Cingapura para o casamento do melhor amigo dele; até aí tudo bem. É chegando lá que ela percebe que a vida simples e pacata de Nick nada tem a ver com a realidade na qual ele cresceu, cercado por famílias podres de ricas - incluindo a dele. Nessa desesperadora imersão em uma realidade com a qual não está acostumada, Rachel vai conhecer algumas pessoas maravilhosas e outras nem tanto assim - principalmente a mãe de Nick, que parece estranhamente determinada a livrar-se da futura nora, custe o que custar.

    Este é um senhor livro, já começo dizendo isso. São 490 páginas e Kevin Kwan não economiza em descrições; eu diria que Asiáticos Podres de Ricos é quase um Crônicas de Gelo e Fogo do romance satírico. São dezenas de personagens e famílias e nomes e lugares e eu me perdi bastante por pelo menos cem páginas até me acostumar com todo o ambiente.

    Acredito que tenha sido intenção do autor. O mundo de glamour e riquezas estratosféricas ao qual somos apresentados é de deixar qualquer pessoa deslumbrada e assustada. São futilidades atrás de futilidades, discussões acaloradas por causa do tom de um vestido de grife, brigas porque o filho de fulana está saindo com a filha de ciclana e ciclana vem de uma família que não tem 6 dígitos na conta bancária para gastar toda semana.


    Sério. As preocupações das ricaças são cômicas de tão inúteis. É interessante ver como o autor humanizou todas as características das suas personagens, mesmo as mais bobas e desnecessárias, para equilibrar com a sátira.


    Resenha: Asiáticos Podres de Ricos

    E é engraçado como isso incrementa ainda mais a crítica bem fundada. O autor mostra as diferentes realidades entre asiáticos nascidos em diferentes cantos do mundo. O foco da narrativa está nisso; a protagonista é a única personagem que veio um lugar diferente e por isso é julgada e condenada. Dentro dos círculos dos ricaços, inclusive, tem muito julgamento. Uma chinesa que veio do norte não é bem-vista pelas que vieram do sul e por aí vai. É um choque de realidade muito interessante de acompanhar.

    Uma coisa que foi negativa para mim é que depois de 200 páginas a quantidade de descrições, nomes de marcas famosas, números de saldos bancários e de veículos caríssimos e de cômodos nas mansões das personagens se tornou enfadonho. Kevin manteve o tom do começo do livro, mas acabou pesando. Sim, eu entendi que as inutilidades são a vida daquelas mulheres e homens, mas depois que ele estabeleceu isso, ficou chato de acompanhar. Eu me vi pulando algumas descrições porque os diálogos eram muito interessantes, mas se perdiam no meio delas.
    - Não faço a menor ideia de quem essas pessoas são. Mas uma coisa eu posso garantir: essa gente é mais rica do que Deus.
    Rachel é o que pode-se chamar de protagonista. Por ter tantas personagens e tantos pontos de vista, o livro acaba não estabelecendo uma personagem principal, mas a jornada da Rachel é que guia todos os outros, então vou colocá-la com destaque aqui.

    Ela é uma mulher independente, professora simpática de uma universidade e "de boas" com a vida. Ama seu namorado e o que eles têm ali em Nova York. Quando confronta a verdade sobre Nick - uma vez que a família dele e o status lhe eram desconhecidos - acaba com a sensação de ter caído de paraquedas. O choque das culturas e das diferenças de vida é muito bem pautado na narrativa, como a Rachel encara todo aquele dinheiro gasto em coisas tão superficiais - e como essas coisas superficiais são importantíssimas para quem as tem.
    - Seja bem-vinda a Cingapura, Rachel, onde discutir por causa de comida é o passatempo nacional.
    Seu relacionamento com o Nick é saudável e fofo porque o Nick é muito fofo. Ele ama a Rachel incondicionalmente e tem um pouco de ingenuidade quando a leva para conhecer sua família; para Nick, as problemáticas são menores porque ele está acostumado ao deslumbrante, ao exagero, à riqueza absurda. Para Rachel é aquele momento de "por que diabos uma pessoa colocaria uma fonte de água no meio da sala de estar?".

    Eu me identifiquei com a Rachel nesse quesito, apesar de tê-la achado muito boazinha para alguns sapos que foi obrigada a engolir. E tudo isso porque a família do Nick é insuportável.

    Resenha: Asiáticos Podres de Ricos

    A mãe, Eleanor, é uma megera controladora; a avó, Su Yin, é quase a comandante de um exército de tão obcecada em manter a linhagem e a disciplina e principalmente o legado da família. Seu pai foi o único personagem distante de todo aquele cenário bizarro.

    Eleanor, aliás, foi um esteriótipo desagradável. Eu entendo que a realidade explorada pelo livro é diferente e que exista toda a questão de nome de família, status e dinheiro, mas foi enfadonho ler uma personagem feminina tão vilã de novela das 9 em um livro tão atual. Eleanor é aquela mãe chata que quer controlar cada passo do filho e vê na namorada dele uma inimiga mortal, alguém que quer destruir tudo "pelo que lutou" - mas aqui, considere que Eleanor é uma mulher mimada e obsessiva, extremamente ligada à imagem e ao dinheiro. Ela é tóxica, do início ao fim, e meu lado feminista que me desculpe, mas eu queria ter visto ela cair num tanque de petróleo e sujado algum casaco de grife no fim de tudo.

    A gama de personagens é até difícil de mesurar. Cada família tem seus membros detalhadamente apresentados ao leitor; alguns nunca voltam a aparecer, outros participam de momentos importantes da trama principal. Colin, por exemplo, melhor amigo de Nick, foi um dos coadjuvantes com cenas legais e um desenvolvimento rápido, mas interessante. E Peik Lin, amiga de longa data da Rachel, é a personagem mais gentil com a qual a protagonista cruza lá em Cingapura; quase um pilar para as loucuras que Rachel está vivendo ali.
    - Não fui criada para acreditar que o casamento deveria ser o objetivo da minha vida.
    Outra personagem que tem bastante participação e uma trama paralela interessante é Astrid. Ela é casada e tem um filho e a vida ia muito bem, obrigada, até uma situação tensa aparecer em sua família. Os dramas e a maneira com que sua história foi trabalhada junto à principal me agradaram bastante; e Astrid, por si só, é carismática e simpática e uma ricaça bem menos fútil que as matronas das outras famílias. Ela é um amorzinho com a Rachel e com o Nick e merecia um final menos corrido que o que teve.


    Resenha: Asiáticos Podres de Ricos

    Aliás, final corrido. Para um livro desse tamanho, a trama avançou de tal maneira nas últimas 50 páginas que deu até dó. Muita coisa foi resolvida abruptamente e eu só fiquei "ué, mas já?" porque depois de tanta enrolação, esperei mais desenvolvimento. Não é ruim, só achei que merecia um pouco mais de páginas para manter o nível que a narrativa tinha trazido até então.

    A edição da Record está maravilhosa; a diagramação é ótima para leitura, não tem erros de revisão e, mesmo com as falhas, o livro é extremamente divertido.

    Ah, interessante ressaltar que a obra vai para os cinemas em breve! Já tem elenco e trailer. Eu tô louca pra assistir porque acho que vai enxugar bastante a história e, convenhamos, uma comédia romântica/satírica com um elenco 100% asiático é sempre bem-vinda nesse mercado sem representatividade.



    Asiáticos Podres de Ricos é uma história engraçada e irreverente sobre todos os grandes problemas de pessoas milionárias; com o botão do sarcasmo ligado, deixa a nossa vida até mais leve, porque coitadinhos desses ricaços tendo que escolher entre um Land Rover ou um Lamborghini enquanto a gente fica aqui sofrendo pra pagar boletos, né?

    Título original: Crazy Rich Asians
    Autor: Kevin Kwan
    Editora: Record
    Gênero: Romance | Comédia
    Nota: 3,5
    Skoob


    GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELO NOSSO LINK!

    Amazon

    1. Quero muito esse livro, sobretudo porque já soube que vai haver série em breve, ele não foi lançado em Portugal mas espero que seja e com essa capa, que eu acho linda, faz-me lembrar o "Pessoas Como Nós" de Stephanie Clifford :)

      MRS. MARGOT

      ResponderExcluir
    2. Oi Dê, tudo bem? Estou chegando ao final da leitura e tenho uma opinião bem parecida com a sua. O livro é basicamente uma novela mexicana asiática, com muitos e muitos personagens que com certeza serão cortado na adaptação. Astrid é minha personagem preferida, acho que até merecia um livro só dela rsrs

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
    3. Não é o tipo de livro que costumo ler, mas gostei do fato de existir toda uma crítica ao comportamento da sociedade e de mostrar as diferenças de classe social e culturais =D
      A resenha ficou excelente, parabéns!
      Beijão =D

      ResponderExcluir
    4. Olá, Denise.
      Esse é um caso raro que me interessei mais em ver o filme do que ler o livro. Acredito que não vou gostar dessas descrições e ostentações de riqueza descritas em detalhes, já li um livro que teve isso e achei muito ruim. Mas até pode ser que eu leia ele.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    5. Oi Denise,

      Ah para que fazer um final apressadinho, se é um livro com tantas paginas né?
      Já tinha visto a capa do livro, mas não tinha parado para saber da história.
      Parece ser bem interessante.
      Bjs e um bom Domingo!
      Diário dos Livros
      Siga o Instagram

      ResponderExcluir
    6. Oi, Nizz!
      Pelos seus comentários, só posso dizer que esse livro é puramente rich people problems hahhaha
      Eu gostei do trailer, mas não sei se pretendo ler até a estreia..
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
    7. Oi, Dê

      Eu dei uma paradinha justamente por conta desse excesso de cifras, e gente, e marca, e futilidades! Hahahaha
      Eu estou gostando, mas se eu ficar forçando posso acabar não curtindo. Então estou intercalando outras coisas e lendo umas poucas páginas por dia.
      Vou tentar dar um gás nessa semana!
      Sabe que não sei se curto esse ator? Às vezes acho ele bonito, outras feio! Hahahaha

      Beijos
      - Tami
      https://www.meuepilogo.com

      ResponderExcluir
    8. Oi Denise, tudo bem?

      Eu gosto de livros engraçados e com descrições bem feita, mas ter descrições ultrapassando quase a metade do livro... não é pra mim! Acho muuuuito cansativo!
      Aliás, não gosto nada de livros que desenvolvem, desenvolvem, desenvolvem e apressam o final. Sei lá, parece que o autor tem uma "deadline" e não calculou bem os acontecimentos.
      De qualquer forma, acho interessante que o tema é bem peculiar, fugindo dos clichês.

      Beijos
      http://espiraldelivros.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    9. Oii! Eu peguei esse livro emprestado com uma amiga e estou louca para ler, ainda mais agora após conferir a sua resenha haha. Achei muito interessante a proposta do autor e já sei que irei me divertir bastante com o enredo. A sua resenha está ótima e bem completa, dica anotada. Bjss!

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.