Resenha: Mamãe e Eu e Mamãe - Queria Estar Lendo

Resenha: Mamãe e Eu e Mamãe

Resenha: Mamãe e Eu e Mamãe

Mamãe & eu & mamãe é a última das autobiografias de Maya Angelou, uma grande escritora, poeta e ativista social dos EUA, publicado por aqui pelo selo feminista do Grupo Editorial Record, Rosa dos Tempos - e que nos foi cedido em parceria para a resenha. O livro explora a relação de Maya com sua avó paterna e a mãe, e o impacto desses relacionamentos ao longo da sua vida.
Sinopse: Último livro publicado pela poeta e ativista, Maya Angelou, Mamãe & Eu & Mamãe descreve seu relacionamento conturbado com a mãe, a empresária Vivian "Lady" Baxter, com quem voltou a morar aos 13 anos, depois de dez sob os cuidados da avó paterna. É a jornada de uma mãe e filha em busca de reconciliação assim como uma reveladora narrativa de amor e cura. "Conduzindo-nos a um portal no qual acessamos em profundidade temas como casamento, cuidado, família, maternidade, lazer e trabalho, tendo como pano de fundo os EUA da segregação racial e da luta por direitos civis, Mamãe & Eu & Mamãe é um clássico, representativo do universo no qual Mulheres Negras são do começo ao fim autoras, sujeitas e donas de suas próprias histórias." - Giovana Xavier, Historiadora, Profa. Faculdade Educação UFRJ e coordenadora do Grupo Intelectuais Negras."Conduzindo-nos a um portal no qual acessamos em profundidade temas como casamento, cuidado, família, maternidade, lazer e trabalho, tendo como pano de fundo os EUA da segregação racial e da luta por direitos civis, Mamãe & Eu & Mamãe é um clássico, representativo do universo no qual Mulheres Negras são do começo ao fim autoras, sujeitas e donas de suas próprias histórias." - Giovana Xavier, Historiadora, Profa. Faculdade Educação UFRJ e coordenadora do Grupo Intelectuais Negras.
Eu quase sinto que não tenho palavras para falar sobre Mamãe & eu & mamãe, de tão simples e extraordinário que ele é.

Eu não sou uma pessoa muito de biografias - ou de poemas - então achei que não leria Maya Angelou tão cedo na vida, e eis que me aparece Mamãe & eu & mamãe na lista de solicitação dos parceiros, então pensei "é agora".

A autora não me era desconhecida, já que assim como Charlotte Bronte, Jane Austen e Emily Dickinson, é um nome que apareceu bastante em alguns desenhos e programas que eu gostava na infância. Mas só fui atrás da história dela, do trabalho dela, quando li Fale!, da Laurie Halse Anderson. Angelou é citada no livro e quando pesquisei, descobri que ela também tinha uma história de silêncio após ter sido estuprada aos 7 anos de idade - porém, ao contrário de Melinda, Maya ficou com medo do poder de suas palavras após o ocorrido, já que o estuprador apareceu morto depois dela contar ao irmão sobre o que tinha acontecido.
Meu amor, estive pensando e agora tenho certeza. Você é a mulher mais especial que eu já conheci.
Depois de Fale! eu li Still I Rise, o poema mais famoso de Angelou, e ele rapidamente se tornou um dos meus preferidos. Ele é cru, verdadeiro e forte, cheio de emoção, algo que eu associo muito com os poetas que conseguem me conquistar. E ler Mamãe & eu & mamãe foi como olhar nos bastidores do poema. Porque pelo livro podemos ver que, mesmo com todos os contratempos que a vida colocou no caminho da autora, de relacionamentos abusivos à tentativas de assassinato, ela se reergueu todas as vezes. E em grande parte delas, com a mãe ao lado.

Maya Angelou começa o livro dedicando-o a sua mãe, Vivian "Lady" Baxter, e é a partir dai que se dá o tom da história. Vivian mandou os dois filhos para viverem com a avó paterna após o seu divorcio, quando a autora tinha apenas 2 anos. Eles moraram com a avó até ela completar 12 anos, e então se mudaram para a Califórnia, para viver com a mãe. A época era de forte segregação racial e o sul dos Estados Unidos não era um lugar seguro, especialmente para um jovem negro como Bailey - seu irmão mais velho. Então, por necessidade, mudaram-se para a casa da mãe.

Resenha: Mamãe e Eu e Mamãe

Vivian explica, quando é confrontada pelos filhos, que não tinha como ser a mãe deles quando eles eram crianças, e que os três teriam sido infelizes se ela não os tivesse mandado para viverem com a avó. Mas, quando se compromete a ser sua mãe, Vivian o faz até o fim.

O relacionamento de mãe e filha é um dos mais complexos, para mim, e gosto muitíssimo de ler sobre essa dinâmica. E isso vale para qualquer relação mãe/filha que não seja tóxica, não necessariamente por relação de sangue. Em uma sociedade sexista que mina desde cedo os interesses das garotas, que duvida constantemente de suas capacidade cognitivas, intelectuais e sociais, ter uma mãe que lhe ensine a amar e lutar por si mesma é essencial.
E se ela tiver razão? Ela é muito inteligente e sempre diz que não tem medo o suficiente de ninguém para mentir. E se realmente fosse o meu destino me tornar alguém? Imagine só!
Em Mamãe & eu & mamãe, Maya Angelou explora o impacto da influência de sua avó e, principalmente, da sua mãe ao longo da vida, e para mim serviu como um ponto para reforçar a minha ideia de que nós nunca, realmente, deixamos de "precisar" da nossa mãe.

Angelou mostra que, mesmo que sua mãe tenha sido uma péssima mãe de crianças pequenas, foi uma excelente mãe de adolescentes e adultos. Deixou transparecer muito bem que, mesmo depois de adultos (ou talvez porque já somos adultos), ainda temos muito a aprender com os nossos pais, e ela também faz um ponto especial em deixar claro que uma coisa não apagava outra: ter sido uma excelente mãe de adolescentes não apagava a péssima mãe de crianças que Vivian foi, e vice e versa.

Porém, em vez de falar com amargura ou culpar a mãe, todo o tom do livro é de perdão e reconciliação. Você não precisa esquecer o passado para perdoar alguém, apenas aprender a conciliar e conviver com ele.

Resenha: Mamãe e Eu e Mamãe

E Vivian foi uma Mãe com letra maiúscula mesmo. Ela estava lá para aconselhar, proteger, consolar e resgatar. Ela apoiava as decisões de Angelou, desde sua decisão de tornar-se a primeira mulher negra conduzindo um bonde até dançar em um clube de strip tease após o seu divórcio - aliás, pelos relatos do livro, Vivian só não esteve ao lado da filha quando ela decidiu se casar com um homem branco, contra a aprovação da mãe. Mas eventualmente as duas fizeram as pazes e a gente não pode culpar a Vivian por ser humana e imperfeita.
Vou cuidar de você e de qualquer pessoa que você disse que precisa de cuidados, da maneira como você disser. Estou aqui. Trouxe todo o meu ser até você. Eu sou a sua mãe.
Mesmo entrando na vida de sua filha apenas na adolescência, Vivian Baxter deixou um grande impacto, ensinou-a a ter orgulho de ser quem era - mulher e negra -, a não levar desaforo para casa, a defender a si mesma - e contar com ela para fazer isso quando estivesse incapacitada -,ir atrás dos seus sonhos e trabalhar duro. Vivian ensinou a filha a lutar, e em uma época de segregação racial e forte sexismo, ensinou Angelou a caminhar de cabeça erguida - mesmo que ela fosse negra e mãe solteira e mulher, nunca deveria deixar a sociedade ditar até onde ela poderia ir.

E o impacto de ter alguém acreditando tão fortemente em você, enxergando você de uma forma tão extraordinária que faz com que você realmente acredite que pode ser alguém na vida, foi essencial para Angelou.
Mostre a eles como soletra o seu nome: M-U-L-H-E-R! Eu estarei aqui quando você voltar.
Mamãe & eu & mamãe é uma leitura que faz com que você sinta tudo sobre o que ela está falando. O amor, a dor, a tristeza, o perdão, o reencontro. Não é difícil acreditar que esse livro foi escrito por uma poeta, pois Maya Angelou mostra que é verdadeiramente uma pela forma como desnuda a alma aqui: direta, sem pedir desculpas, cheia de emoção verdadeira e crua.

Resenha: Mamãe e Eu e Mamãe

A Rosa dos Tempos acertou em cheio ao escolher uma leitura tão significativa, poderosa e simbólica sobre o poder feminino para ser sua segunda publicação. Além da história impactante, da voz única de Maya Angelou, o livro ainda traz algumas fotos da autora com a mãe, e alguns certificados que mostram que Vivian "Lady" Baxter não foi uma mulher incrível apenas para a filha, mas também para diversas mulheres - em especial as negras.
Você foi uma trabalhadora incansável - graças a você, mulheres brancas, negras e latinas zarpam do porto de San Francisco. Você foi chapeadora naval, enfermeira, agente imobiliária e barbeira. Muitos homens e - se não me falha a memória - algumas mulheres arriscaram a vida para amá-la. Nunca existiu pessoa mais grandiosa do que você. Você foi uma péssima mãe de crianças pequenas, mas nunca houve uma mãe de adolescentes melhor do que você.
Foi impossível não me emocionar com a leitura, olhando essas duas mulheres que resistiram, persistiram e existiram. Que criaram um relacionamento na base da tentativa e erro, mas que nunca desistiram uma da outra. Me peguei chorando com várias passagens. A força delas é tão intrínseca as suas personalidades, a resiliência é tão real.

Vivian Baxter foi uma lutadora desde o começo, tocando o terror com os irmãos mais novos na sua cidade natal, se certificando de que ninguém os achasse bobos ou fracos, carregando sua alma briguenta para o resto da vida. E, ao mesmo tempo, temos Maya, corajosa e determinada, uma sonhadora de alma gentil. Dois tipos tão distintos de força, duas mulheres que admiram e amam uma a outra de forma tão aberta.
- Bem, nós arrancamos o poder que ela tinha sobre a gente.
- Não arrancamos, não, querida. Foi ela que o entregou a nós. 
Estou apaixonada e honrada por esse livro, que com certeza vai ter um espaço cativo na minha estante a partir de agora.

Título original: Mom & me & Mom
Autora: Maya Angelou
Editora: Rosa dos Tempos
Gênero: Não-ficção | Autobiografia
Nota: 5
Skoob

GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE ATRAVÉS DO NOSSO LINK:

Amazon

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

6 comentários:

  1. Oi Bibs!
    Ainda não li nada da Maya Angelou, mas está na minha lista de autoras que preciso conhecer. Também não conhecia esse livro ainda, mas gostei!!

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  2. Oi, Bibs!
    Eu amei o dia que o doodle foi do poema Still I Rise. Que poemão da porra! Imagino que o livro deve ser tão bom quanto.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Oiê!

    Eu estou sempre para ler Angelou e acabo adiando. Este livro, em especial, está em minha lista de desejados há bastante tempo. Nesta última semana, quando fui comprar presente de dia das mães, estive com ele em mãos para comprar. Acabei deixando lá...

    Agora, lendo suas impressões, estou um bocado arrependida! rs

    Mas não deixarei passar mais!

    Beijoos

    http://www.aquelaepifania.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Adorei sua resenha, confesso que não conhecia, mas, tô morrendo de vontade de ler agora!

    Nanda, Gravado na Memória

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia esse livro, talvez porque não faz muito meu estilo de leitura, mas adorei saber mais sobre essas mulheres que fazem história e deixam um legado!

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oie,

    Não conhecia o livro, mas pelo enredo parece ser muito bom.
    Não sou muito de ler autobiografias, mas tem algumas que acabam me chamando atenção.
    Bjs
    https://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!