Resenha: Flame in the Mist (O Fogo entre a Névoa) - Queria Estar Lendo

Resenha: Flame in the Mist (O Fogo entre a Névoa)

Resenha: Flame in the Mist

Flame in the Mist (O Fogo entre a Névoa) é o primeiro volume da nova série da autora Renée Ahdieh - de A Fúria e a Aurora. Aqui, foi lançado pela Editora Globo Alt. Agora, estamos no Japão medieval. Através de uma narrativa magistral, Renée nos faz mergulhar nesse universo de gueixas, samurais e misticismo, entregando uma trama rica e fascinante.
Sinopse: HATTORI MARIKO, filha de um respeitado samurai, sabe perfeitamente qual o seu lugar na sociedade. Mariko nasceu mulher e, justamente por isso, sempre ouviu que seu futuro não estava em suas mãos. Aos dezessete anos, ela está prestes a se casar com o filho do imperador, num casamento político que promete elevar ainda mais a posição de sua família. Aparentemente conformada com seu destino, ela inicia sua jornada até a cidade imperial de Inako, acompanhada dos mais prestigiosos samurais e de seus servos mais fiéis. Mas Mariko sequer consegue chegar à Inako: sua carruagem é violentamente atacada na misteriosa Floresta Jukai, com nenhum sobrevivente. Ao escapar por pouco, ela aproveita a liberdade de ser dada como morta e, vestida como um simples camponês, parte em busca de vingança contra o Clã Negro, grupo rebelde supostamente responsável pelo crime. No entanto, ao se aproximar do líder do Clã e de seu braço direito, ela se depara com uma história de segredos, traição e assassinato, que a fará questionar tudo o que sabe. Mais que isso, Mariko aprenderá o significado de amizade e amor em um mundo onde todos a querem morta.
Mariko é filha de um importante samurai e foi prometida em casamento a um dos filhos do imperador. Quando sua caravana é atacada na travessia para a cerimônia, Mariko é a única sobrevivente do massacre que parece ter sido induzido pelo Clã Sombrio. Decidida a descobrir os motivos que levaram aqueles bandidos a caçá-la, Mariko se disfarça como um garoto e se embrenha nos confins da floresta, envolvendo-se com o grupo ordenado a assassiná-la.

Como nem tudo é preto no branco, sua convivência com os bandidos acabam mostrando que as verdades tidas pela garota até então podem ser grandiosas mentiras construídas por mentes perversas, e que os bandidos talvez não sejam o lado ruim da história, afinal.

Flame in the Mist foi uma grata surpresa. Eu tinha expectativas para esse livro e, por sorte, todas foram alcançadas. Renée, mais uma vez, entrega uma história sensível sobre uma cultura rica e personagens muito bem construídos.
"Você não conhece nem mesmo o começo do que eu sou. E nunca verá o fim."
Não existe história suficiente sobre o Japão para sanar minha curiosidade, então, quando descobri essa obra, já corri atrás porque eu precisava tê-la. O que a autora fez foi uma belíssima construção de universo, retratando o Japão feudal em meio ao misticismo e ambientações de tirar o fôlego.
Esse é o problema sobre usar máscaras. Elas podem ser arrancadas a qualquer momento.
É um livro lento, tenha isso em mente. Não espere uma obra cheia de ação e adrenalina porque definitivamente não vai encontrar; tal como Filha das Trevas, Flame in the Mist é muito sobre o desenvolvimento gradual da protagonista, seus entendimentos sobre a vida e essa saída da bolha na qual viveu até então.


Resenha: Flame in the Mist

Mariko foi disciplinada para obedecer e honrar a família. Como mulher, ela não tem voz ou escolha - fato demonstrado pelo casamento arranjado por seu pai. Como sobrevivente, ela encontra um caminho só seu para seguir. Apesar de não ser centrado na China e nem envolver o exército, essa obra trouxe uma releitura interessante da Mulan. Eu, como fã apaixonada (ela é minha princesa favorita, gente, licença) só conseguia surtar a cada pequena referência. E que protagonista incrível! Ela tem tanta força, tanta vontade de se provar, tanta coragem para confrontar tanto o sobrenatural quanto o mundo como conhece. Mariko é fantástica.
Talvez essa garota não fosse água, como ele pensou a princípio. Talvez ela fosse ar. O ar podia apagar um incêndio com um suspiro. Podia curvar um carvalho poderoso. Podia esconder um lago sob a névoa.
Ela se esconde atrás da faceta de um garoto e encontra no Clã Sombrio uma chance de se provar; não como mulher ou como sobrevivente, mas como ela mesma. Ali, sua identidade não importa, seus anseios é que ditam o que ela deve fazer. Seus sonhos a movem. Apesar de estar em meio a criminosos, possivelmente os mandantes do massacre que caiu sobre sua caravana, Mariko se sente em casa pela primeira vez em sua vida. Em um lugar onde ser quem é não é vergonhoso ou motivo de desonra; onde ter uma voz vem do seu âmago e não do seu gênero.


Resenha: Flame in the Mist

A questão sobre o Clã Sombrio e suas motivações é um dos grandes mistérios do livro; nós temos a visão da Mariko, ainda alheia a tudo, tentando mostrar que é forte suficiente para continuar junto aos guerreiros, nós temos visão de seu irmão, Kenshin, um samurai disciplinado e justo que está tentando fazer o melhor por sua família e pelo imperador - o que não significa que seja, de fato, o melhor. Como eu disse, essa história tem muitas nuances de cinza e mesmo o lado dos justos pende para as sombras.

Kenshin, aliás, é um personagem que eu ainda quero desvendar. Apesar de termos visto bastante do seu lado guerreiro e da lealdade com os deveres, tem um pouco de rebeldia nele. Alguns detalhes que a Mariko desenvolveu muito mais, e que eu acho que a autora guardou para dar crescimento no próximo volume; afinal de contas, com o final desse livro, a mulher vai ter uma baita reviravolta pra desenvolver - eu não tenho coração forte pra aguentar tanta emoção!
Durante todo o tempo em que ela o observou, suas feições permaneceram serenas. Uma chama em meio à névoa.
Por fim, o Clã Sombrio nos é apresentado através de Okami, principalmente. Ele é o maior mistério do livro. Um guerreiro poderoso e indestrutível, a primeira vista. Uma pedra no sapato da Mariko. O braço direito do líder do Clã e certamente o personagem com a maior carga emocional dentro da história; sabemos do seu passado trágico aos poucos e ele vai se entrelaçando com que Okami é na atualidade. Ainda assim, a autora deixa brechas de um segredo que pode revirar toda a trama.


Resenha: Flame in the Mist

Aliás, ô crush que foi esse guerreiro. Meu coração parou em muitas cenas porque o Okami aparecia e eu só conseguia suspirar. Que homem!

O relacionamento dele com a Mariko, aliás, é uma das coisas mais maravilhosas de acompanhar. Se você conhece Mulan, é um Shang/Mulan elevado a quinta potência. Existe uma revolta nos trejeitos e na maneira com que eles reagem um ao outro, a princípio, e isso vai se desenvolvendo em uma convivência mais harmoniosa e em uma amizade - ou talvez até algo mais. Não tem muito romance, bem diferente de A Fúria e a Aurora, mas tem aquela faísca gostosa de ler.

Outros personagens ganham destaque dentro da trama - o próprio imperador, que é uma figura de grande poder e presença; suas esposas, uma delas com um papel primordial para a sequência; Ranmaru, comandante do Clã Sombrio, dono de olhares enigmáticos e postura firme; Yumi, uma gueixa que conduziu um dos melhores diálogos de toda a obra. É um leque de personagens coadjuvantes carismáticos e versáteis, todos eles essenciais à trama principal.
"Eu nunca fiquei brava por ter nascido uma mulher. Houve momentos em que eu fiquei brava pela maneira com que o mundo nos tratava, mas eu vejo a condição de mulher como um desafio a ser enfrentado. Como nascer sob uma tempestade. Algumas pessoas são sortudas o suficiente para nascer sob um céu ensolarado. Talvez tenhamos nascido sob as nuvens, sem vento algum. Só montanhas de nuvens que precisamos escalar todas as manhãs para ver o sol."
Ah, e pode apostar que o que esse livro mais tem é reviravolta. Por ser uma história mais parada, ela tem tempo de causar choque; as cenas de ação são poucas, mas acontecem nos melhores momentos, e as artimanhas políticas e os jogos de poder por trás da trama principal deixam uma tensão no ar. Você nunca sabe para onde as peças do tabuleiro estão apontadas. Nunca sabe qual personagem pode se revelar o maior perigo para os outros.


Resenha: Flame in the Mist

O inglês dessa obra é intermediário; eu não encontrei dificuldades na leitura porque já estou mais familiarizada, mas para quem está começando pode ser um desafio interessante. Renée trouxe palavras e expressões japonesas para a história, e tudo está muito bem explicado no glossário ao fim do livro. É um mergulho de cabeça na cultura do Japão e meu coração fangirl agradece.

Considerando que agora a Globo Alt está lançando por aqui, também é a oportunidade de ouro pra ter a edição nacional (apesar de eu não ter perdoado essa mudança de capa. NÃO QUANDO TEM AS CAPAS NOVAS MARAVILHOSAS QUE ELES PODIAM USAR!).
"Seja suave como o vento. Silenciosa como a floresta. Feroz como o fogo. Inabalável como a montanha. E você poderá fazer qualquer coisa."
No mais, para os fãs da autora e para os fãs de fantasia em geral, Flame in the Mist é uma leitura muito agradável. O final vai te deixar no chão, implorando por mais, e todo o desenvolvimento dos personagens vai roubar seu coração.


Título original: Flame in the Mist
Autora: Renée Ahdieh
Editora: Putnam
Gênero: Fantasia | Romance
Nota: 4,5
Skoob

GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELO NOSSO LINK!

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

5 comentários:

  1. Oi, Denise, se for uma releitura a lá Mulan, simplesmente já quero.
    Eu adorei a escrita da Ahdieh e fico animada em ver um livro que retrata o Japão, país e cultura que me fascina desde sempre. Essa capa também é maravilhosa, a edição está incrível. Não vejo a hora de poder ler a obra!
    Beijos
    http://suddenlythings.com

    ResponderExcluir
  2. Ei Denise. Nunca li nada dessa autora, mas tenho muita vontade de ler. Adoro fantasia que se mistura com outros tipos de culturas que a gente vê pouco. Infelizmente a capa do Brasil não ficou tão linda quanto a original, sempre prefiro capas que não tenham a forma física da pessoa, porque estragam um pouco a imaginação da gente. Rs.

    Beijos
    Anne
    Literatura Estrangeira

    ResponderExcluir
  3. Olá...
    Gente do Céu, que livro é esse!!!
    Ainda não conhecia nem a obra nem o autor, mas, estou aqui totalmente fascinada pela história do livro! Pelos seus comentários parece ser exatamente o tipo de livro que curto, então, espero poder ter a oportunidade de ler brevemente...
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Dê!
    Eu gosto de livros do gênero, mas não me interessei pela trama desse, da mesma forma como não me interessei pelos outros livros da autora. Talvez mude minha opinião se eu ler, mas por enquanto, vou passar.
    Realmente, a capa desse livro é maravilhosa <3
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  5. Esfrega na minha cara, D. Denise. Esfrega que você lê em inglês. --'
    AAAAAAAAA, eu queria tanto ler essa obra... QUE CAPA!!!!!!!
    Ainda não li 'A Fúria e a Aurora', mas acho que esta saga me anima mais.
    Tomara que chegue logo por aqui, traduzido.
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!