Resenha: Querido Mundo - Queria Estar Lendo

Resenha: Querido Mundo

Resenha: Querido Mundo

Querido Mundo é aquele tipo de livro que impacta desde a primeira frase. Escrito pela esperançosa Bana Alabed, sobrevivente do terrível pesadelo que foi (e é) a Guerra na Síria, essa é uma história para se carregar no coração e na alma e para se pensar por muito tempo.
Sinopse: O relato surpreendente de uma menina síria em meio aos horrores da guerra. Aos 3 anos de idade, Bana Alabed tinha uma infância feliz que foi interrompida abruptamente por uma guerra civil. Durante os quatro anos seguintes, Bana viveu em meio a bombardeios, destruição e medo. Sua provação angustiante culminou em um cerco brutal em que ela, seus pais e os dois irmãos mais novos ficaram presos em Aleppo, com pouco acesso a comida, água, medicamentos e outras necessidades básicas. Com o potencial revolucionário da Internet, Bana, em um gesto simples, mas inédito, usou o Twitterpara pedir paz e mobilizar pessoas ao redor do mundo pelo mesmo intuito. Contendo palavras da própria Bana e cartas comoventes de sua mãe, Fatemah, Querido Mundo não é apenas um relato envolvente de uma família ameaçada pela guerra — o livro oferece, também, uma perspectiva únicasobre uma das maiores crises humanitárias da história, vista pelos olhos de uma criança. Bana perdeu sua melhor amiga, a escola onde estudava e seu lar. Mas não perdeu a esperança — com relação a si mesma e às outras crianças ao redor do mundo, vítimas e refugiadas de guerra que são dignas de vidas melhores.
Este exemplar foi cedido em cortesia pela Editora Record para resenha.

Eu sabia o que esperava quando peguei este livro para ler. Um coração partido, no mínimo, porque o que acompanhamos de fora do horror que se estendeu pela Síria era difícil de descrever. Muito mais do que isso, os relatos de Bana e de sua mãe (que estão ali para complementar a narrativa mais simples da garotinha) são perturbadores. Perturbam porque são simples, são curtos, são meras frases para expôr o terror aos quais essa família e dezenas de milhares de tantas outras foram obrigadas a viver.

Com uma escrita bem fácil e abrangente, Bana nos mostra seu dia-a-dia na cidade de Aleppo até o estopim do conflito e a incerteza que veio com ele. A visão de Bana é ingênua, perdida e assustada. Ela é uma criança perdida num mar de violência e da luta pelo poder e é aterrorizante acompanhar o avanço dessa guerra pelos olhos dela. Ver sua esperança se esvair e então vê-la encontrar pequenos novos focos para tentar continuar resistindo. O coração de Bana é cheio de coragem e de fé e é impossível não se emocionar com seus relatos.

É difícil explicar o que esse livro me passou além de medo. Todos os tipos de medo. Medo pelas crianças, por suas famílias. Medo pelas perdas que sofreriam e a incerteza ao que ainda seria tirado deles. Medo dos sons que vinham dos céus e da terra, que diziam respeito à guerra no seu cerne. Bana mostra os horrores através de comentários sutis, e é medonho a facilidade com que uma garotinha é forçada a entender a guerra. A morte.

Resenha: Querido Mundo

O livro é bem rápido, uma leitura curta, mas extremamente marcante e devastadora. Através das palavras de Bana, somos levados até o conflito. Entendemos o que as pessoas em meio a ele estavam sofrendo; longe das políticas e das ameaças, de maneira muito mais crua e cruel.

Querido Mundo é um pedido de ajuda. Uma mão estendida para as pessoas ao redor do globo, esperando para ser alcançada e içada de volta a um período de paz, de amor e de companheirismo. O altruísmo e a esperança de Bana são seus motivadores, são a razão pela qual ela jamais desistiu, jamais se deixou abater por seus medos.

Resenha: Querido Mundo

A edição da Record combina com a simplicidade da narrativa, e adiciona elementos importantes como os tweets da Bana da época do cerco e da falta de alternativas e de respostas; de quando ela pediu socorro ao mundo e teve que aguardar para ver se receberia uma resposta definitiva. Uma ação definitiva.

As fotografias da garotinha e dos seus familiares compõem outra parte da obra - e, cara, algumas delas me quebraram. O contraste da inocência de uma criança com os destroços de uma cidade destruída é de partir o coração.

Resenha: Querido Mundo

Não é uma leitura fácil, mas é uma leitura necessária. O tipo de experiência que abre mais os nossos olhos, que faz diferença para o mundo. 

Esse é um livro sobre coragem, sobre família e sobre fé, mas principalmente sobre como o coração de uma criança foi capaz de salvar todos ao seu redor.

Título original: Dear World
Autora: Bana Alabed
Editora: Best Seller
Gênero: Autobiografia
Tradução: Claudia Gerpe Duarte
Nota: 5
Skoob


GOSTOU DA RESENHA? ENTÃO APOIE O BLOG E COMPRE ATRAVÉS DOS NOSSOS LINKS:

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

6 comentários:

  1. Olá, Denise.
    Não tinha visto esse livro ainda mas já quero ler. Eu acho esse tipo de livro necessário sim porque por mais que vemos o que acontece nos noticiários é bem diferente de saber por alguém que passou por aquilo tudo. E ainda vejo muita gente falando que o Brasil deveria fechara as fronteiras. Vou anotar aqui para ler.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise!
    Esses livros costumam destruir meu coração, mas eu amo lê-los. É necessário - por mais dolorido que seja - que todos conheçam essas realidades. Eu fiquei muito interessada em ler o livro, até porque acho que até hoje ainda não li nada que se passa na Guerra da Síria. Muito boa a sua dica! Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  3. Oi Denise,
    Não conhecia a obra! Nem tinha visto a capa, fiquei chocada com o impacto que ela tem. Com toda a certeza, ela deve atingir o leitor de uma forma beeeeeem intesa. Gostaria de ler sim, vou deixar aqui anotado.
    Tomara que a obra tenha mais visibilidade.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise, tudo bem? Estou com o exemplar aqui em casa já e já quero ler, vi que é bem curtindo mesmo. Acho que vai me impactar por conta do conteúdo e espero gostar como vc!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi, Denise

    Recebi esse livro semana passada e inicialmente não iria ler, não leio não-ficção e menos ainda uma que retrata uma guerra, que é uma temática que detesto. Todavia, por sua questão humanitária, por ser "escrito" por uma criança, irei ler. Prevejo muita revolta, mas às vezes a gente precisa tomar um tapa na cara.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  6. Por mais interessante que seja esse livro, acho que teria dificuldades para ler, por ser relatos tristes e por ser ima criança. Sou sensivel para certas històrias.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!