Resenha: Lute como Uma Garota - 60 Feministas que Mudaram o Mundo

  • 09:00
  • 19.1.19
  • Resenha: Lute como Uma Garota - 60 Feministas que Mudaram o Mundo

    Lute Como Uma Garota - 60 Feministas que Mudaram o Mundo, de Laura Barcella e Fernanda Lopes, publicado pela editora Cultrix, é um compilado dos perfis de famosas e influentes feministas do mundo e também do Brasil, que apresenta muitas mulheres que não chegamos a ouvir sobre - e também que nunca pensamos como divulgadoras do movimento.
    Sinopse: Estamos vivendo novos tempos: a discussão sobre os direitos das mulheres não se concentra mais em grupos específicos e a luta feminista amplia seu debate na sociedade. Da violência contra a mulher à cultura do estupro, uma série de questões é tema de conversa frequentes na mídia e nas redes sociais. Mas como chegamos até aqui? Quem nos ajudou nessa trajetória? "Lute como uma Garota", de Laura Barcella, reúne o perfil de figuras importantes da militância feminista, abrangendo as pioneiras do século XVIII e as estrelas pop dos dias de hoje, como Frida Khalo, Simone de Beauvoir, Oprah Winfrey e Madonna. E o livro não deixa de fora os nomes essenciais da luta no Brasil: em 15 perfis, com nomes como Djamila Ribeiro e Clarice Lispector, a jornalista Fernanda Lopes traz ao público um pouco de nossa história. Com ilustrações, prefácio de Mary Del Priore e apresentação de Nana Queiroz, Lute como uma Garota mostra a força dessas mulheres.

    Comprei Lute como Uma Garota assim que o vi pela primeira vez, no estande do Grupo Editorial Pensamento na Bienal. A principio, pensei que ele seria um livro muito básico e talvez até raso. Cheio de informações que eu já tinha. Mas foi muito diferente disso.

    Na primeira parte, o livro nos apresenta 45 mulheres ao redor do mundo (em grande maioria americanas e britânicas) que influenciaram, divulgaram e ofereceram sua plataforma para falar de feminismo e igualdade de gênero e racial. Entre elas temos estudiosas e ativistas como Angela Davis, Florynce Kennedy e bell hooks, e também temos artistas como Yoko Ono, Madonna e Beyonce.

    Com um pequeno perfil nos explicando suas conquistas, suas origens e seu legado, Lute como uma Garota nos apresenta mulheres que não se deixaram abater pelo machismo e o sexismo e o patriarcado em suas áreas de atuação, e lutaram e escreveram e dominaram o mundo com a sua arte, provando o valor das mulheres e ajudando-nos a conquistar importantes direitos que (muitas de nós) hoje tomamos por garantidos e cotidianos - como o direito de não ser uma propriedade dos homens de nossa família, o direito de ter uma propriedade, trabalhar fora, votar, nos separar, estudar, entre outros.


    Resenha: Lute como Uma Garota - 60 Feministas que Mudaram o Mundo

    E foi incrível conhecer mulheres que, eu aposto, levaria anos para descobrir se não fosse esse livro, como foi o caso de Amy Jacquer Garvey, líder radical do movimento feminista comunitário e do movimento pan-africano da década de 20; Shirley Chrisholm, a primeira mulher negra parlamentar nos EUA e a primeira mulher negra a concorrer a presidência; Judy Chicago, educadora, escritora e artista feminista que dedicou a vida a promover as mulheres no mundo da arte; e Shirin Ebadi, primeira pessoa no Irã e primeira muçulmana a ganhar o Prêmio Nobel da Paz, uma famosa juíza, ativista e advogada dos direitos humanos no Irã.

    Mas a parte que mais gostei foi, definitivamente, conhecer as 15 feministas do Brasil que estão incluídas na sessão final do livro. Especialmente porque muito da referência, seja ela teórica ou não-acadêmica que eu tenho do feminismo, parte de mulheres não brasileiras (e mesmo não latinas) e sinto que perco um pouco com isso. Cada país tem sua especifidade de leis e direitos garantidos as mulheres, cada país representa um número em uma estatística diferente sobre violência de gênero e desenvolvimento humano, e por isso é necessário conhecermos as vozes que temos - e tivemos - no Brasil que ajudam a combater o machismo, sexismo e o patriarcado aqui dentro.

    Embora eu tenha sentido que poderiam ter buscado mais feministas ativas ainda hoje, ou ainda ter incluído algumas artistas diferentes que fizeram tanto ou mais pelo feminismo (vale notar que o livro nem chega a mencionar nossa primeira presidente mulher), conhecer a história do movimento no país, que começou lá no século XIX com Nísia Floresta, foi muito importante. Francisca Senhorinha, Bertha Lutz e Adalzira Bittencourt, por exemplo, são nomes que eu nunca tinha ouvido e que tiveram contribuições enormes no país.


    Resenha: Lute como Uma Garota - 60 Feministas que Mudaram o Mundo

    Francisca Senhorinha foi de extrema importância para o jornalismo feminino no Brasil - especialmente para a divulgação das ideias feministas e de emancipação feminina - com um jornal chamado O Sexo Feminino, que teve tiragem de 4 mil exemplares só nas suas primeiras 10 edições, e até Dom Pedro II e a Princesa Isabel recebiam ele.

    Enquanto Bertha Lutz lutou por anos, e com afinco, pelo sufrágio feminino no Brasil - um movimento que conheceu ao estudar na Europa e tratou de trazer ao Brasil. Já Adalzira Bittencourt foi pioneira do registro da memória da mulher brasileira, começando a desenvolver o Dicionário Bio-bibliográfico de Mulheres Ilustreis, Notáveis e Intelectuais do Brasil. Embora só tenha conseguido publicar as letras A e B do dicionário, passou a vida divulgando a capacidade das mulheres de realizarem feitos valorosos, dignos e desafiadores. Ela também é autora de livros de ficção como: Sua Excelência: A Presidente da República de 2500, uma utopia/ficção científica na qual o feminismo venceu e livrou o país dos infortúnios causados pelos homens - obra que estou atrás até agora e, infelizmente, está difícil achar.

    Como um todo, Lute como uma Garota é um excelente livro para quem está começando - ou já começou no feminismo - e quer conhecer mais das mulheres que vieram antes de nós e daquelas que estão lutando ao nosso lado para alcançar uma sociedade mais justa e igual.


    Resenha: Lute como Uma Garota - 60 Feministas que Mudaram o Mundo

    Com nomes fortes e de peso no âmbito de pesquisadoras e divulgadoras - como Simone de Beauvoir, bell hooks, Audre Lorde, Angela Davis, Mary Wollstonecraft, Roxanne Gay, Djamila Ribeiro, Nísia Floresta, Sueli Carneiro - é, inclusive, um ponto de partida para conhecer a obra dessas mulheres e se aprofundar ainda mais na base, teoria e fundamentos do movimento feminista.

    É uma leitura leve, rápida e de fácil compreensão, com notas de rodapé e uma bibliografia para que você mesma possa conduzir suas pesquisas quando terminar a leitura. Indico Lute como uma Garota para todos as mulheres, pois precisamos conhecer o nosso passado para formular o nosso futuro.

    Título original: Fight Like a Girl
    Autora: Laura Barcella e Fernanda Lopes
    Tradutora: Isa Mara Lando
    Editora: Cultrix
    Nota: 5+

    GOSTOU DA RESENHA? ENTÃO NOS AJUDE COMPRANDO ATRAVÉS DO NOSSO LINK!

    Amazon

    1. Eu estou muito encantada por esse livro! Adoro tudo relacionado ao feminismo e ele com certeza entrará na minha wishlist, principalmente por ter Beyoncé no meio <3 Ótima resenha, parabéns!

      Beijo,
      http://osdeliriosliterarios.blogspot.com/2019/01/metrica-slammed-1-por-colleen-hoover.html

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Joyce!
        Super indico, viu? E tem outras artistas também!

        Bjs

        Excluir
    2. Oi Bibis, mega interessante o livro e acho que lerei tb principalmente pra conhecer melhor as feministas brasileiras! Excelente indicação!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Foi uma das coisas que nais pesou na compra pra mim, Mi. Conhecer mais feministas brasileiras. E super valeu a pena!

        Bjs

        Excluir
    3. Oi, Bibs!
      Não conhecia o livro, mas com meu aniversário chegando já sei o que pedir de presente hahahaha
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Pedi sim, Lu! Vale muiiiito a pena.

        Bjs

        Excluir
    4. Oi, Bibs!
      Já tinha ouvido falar sobre o livro, mas ainda não tinha lido nenhuma resenha. Parece ser bem interessante e coloquei na minha lista sem pensar duas vezes.
      Beijinhos,

      Galáxia dos Desejos

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Mari!

        Ele ainda tatá meio apagadinho, ne? Mas juro que vale muito a pena, sério. Não vai se arrepender

        Bjs

        Excluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.