Resenha: Lady Killers

  • 09:00
  • 26.3.19
  • Resenha: Lady Killers

    Lady Killers: Assassinas em Série é uma espécie de mega-biografia escrita pela autora Tori Telfer. Lançada pela editora DarkSide, suas 384 páginas falam sobre assassinas em série que, diferente dos seus paralelos de outro gênero, foram esquecidas pela História.

    Sinopse: Quando pensamos em assassinos em série, pensamos em homens. Mais precisamente, em homens matando mulheres inocentes, vítimas de um apetite atroz por sangue e uma vontade irrefreável de carnificina. As mulheres podem ser tão letais quanto os homens e deixar um rastro de corpos por onde passam — então o que acontece quando as pessoas são confrontadas com uma assassina em série? Quando as ideias de “sexo frágil” se quebram e fitamos os desconcertantes olhos de uma mulher com sangue seco sob as unhas? Prepare-se para realizar mais uma investigação criminal ao lado da DarkSide® Books e sua divisão Crime Scene®. Esqueça tudo aquilo que você achava que sabia sobre assassinos letais — perto de Mary Ann Cotton e Elizabeth Báthory, para citar apenas algumas, Jack, o Estripador ainda era um aprendiz.

    Seguindo uma linha não-cronológica, Tori divide o livro entre vários capítulos e dedica cada um deles para mulheres que fizeram história mas são esquecidas por ela. Assassinas em série que viveram em séculos medievais ou até cinquenta anos atrás e cometeram tantas atrocidades quanto os homens, mas não são lembradas por elas - e, quando são, acabam caindo em estereótipos sexistas. Sim, até assassinas em série não estão livres disso.

    Lady Killers se mostrou a leitura que eu queria: informativo, com uma pitada de sarcasmo e deboche em relação às posturas sexistas das épocas descritas e extremamente interessante. A autora se dedica a falar sobre quatorze assassinas em série que se espalharam pelo mundo e pelos períodos históricos.

    Os paralelos feitos por Tori quando distante de fatos e detalhes acrescentaram em muito a riqueza narrativa que o livro entrega. São comentários pertinentes que, mesmo dentro do cenário horrendo do universo de assassinas, falam sobre a vivência das mulheres e o modo como o mundo olhava para elas - fossem elas vítimas ou carrascos.

    Resenha: Lady Killers

    Como estudante de História, é tranquilo comentar o quanto o passado apaga suas mulheres. Feitos grandiosos de figuras femininas são esquecidos por menos; por que com criminosas seria diferente? O que choca em relação a assassinos em série muito divulgados é o que também existe nos feitos terríveis dos nomes apresentados nesse livro, então por que a diferença? Por que a história se lembra de Ted Bundy e raramente menciona Mary Ann Cotton? O que há de tão diferente entre os feitos assombrosos de Jack, o Estripador e da Condessa Sangrenta?

    Alguns dizem que Jack, o Estripador, foi o primeiro assassino em série da Inglaterra, mas isso acontece apenas porque outros foram esquecidos. Cerca de quarenta anos antes de Jack aparecer, a Inglaterra sofreu com uma terrível série de assassinatos [...] Pessoas cometeram crimes pelo seguro de vida ou para ter uma boca a menos para alimentar. Essas pessoas foram capturadas. Eram mulheres.

    A biografia dessas quatorze mulheres - e de outros nomes citados na edição especial da DarkSide - é de arrepiar. Foram criminosas impassíveis, frias, sanguinárias à sua maneira. Construíram legados de décadas e dezenas de assassinos antes de serem descobertas, ou viveram seus reinados de absoluto terror para serem capturadas por um deslize.

    Resenha: Lady Killers

    Nannie Doss, por exemplo, apelidada de Vovó Sorriso, usava sua doçura e gentileza para seduzir pretendentes e suas tortas envenenadas para mandá-los para o túmulo. Mary Ann Cotton era uma mulher comum até que se tornou uma assassina de seus muitos maridos e crianças. Elizabeth Báthory (a Condessa Sangrenta, talvez uma das mais conhecidas), carregou seu título de nobreza mesmo depois que seus crimes hediondos foram cometidos. Protegida pela coroa e pelo nome, espalhou terror sobre servas e donzelas que buscavam refúgio em seu palácio. No velho oeste, onde não havia lei e as fronteiras ainda estavam sendo definidas, uma família fundou uma hospedaria, onde a filha mais nova - Kate Bender - atraía viajantes para degolá-los e enterrá-los no esquecimento dos jardins da propriedade.

    A história de cada uma dessas mulheres é marcada pela solidão e pela frieza, pelo anseio de matar - motivadas por traumas ou por sua intrínseca crueldade - e, na maioria delas, por um desfecho com a investigação, julgamento e sentença. Algumas foram protegidas pela lei, outras foram desacreditadas até que o horror se provou verdadeiro, outras foram colocadas frente à revolta do povo e sentenciadas ao esquecimento em prisões ou mesmo à morte.

    "[...] a imagem que Nannie criara com tanto cuidado: a de uma avó alegre e bem-humorada, que flertou com policiais, sorriu para a imprensa e fez piadas com toda aquela situação estúpida".

    Um comentário interessante levantado pela autora é como, quando se fala de mulheres assassinas, a luxúria sempre aparece como um dos pontos principais da sua realidade; como o apetite sexual sempre está relacionado aos seus nomes, mesmo quando os crimes se distanciam disso - quando a vida da própria figura estudada se distancia disso.

    Resenha: Lady Killers

    Uma mulher não pode ser simplesmente uma assassina em série. Ela precisa de um arquétipo, de uma justificativa do porquê se afastou da "natureza passiva e amorosa a qual todas as mulheres estão sujeitas", como a visão sexista de figuras femininas sempre impera. Elas não podem ser apenas movidas pela frieza, pela crueldade ou mesmo por traumas passados como os muitos assassinos em série que se conhece a respeito; mesmo a elas é negada a humanidade.

    As pessoas têm infinitos truques nas mangas para minimizar a violência feminina: desumanizam assassinas em série, comparando-as com monstros, vampiros, feiticeiras e animais; erotizam-nas até que pareçam mais inofensivas. Essa negação é exatamente o motivo de muitas avós simpáticas terem conseguido matar durante décadas.

    A edição da Darkside, como sempre, está um espetáculo. Essa capa se tornou uma das minhas favoritas da editora e toda a diagramação colorida enriquece a leitura; as ilustrações são marcantes, os dados e acréscimos que a própria editora fez - citando outras quatorze damas fatais além daquelas estudadas pela autora.

    Se os crimes refletem os anseios de seu tempo, então atualmente estamos na era do assassinato em massa, do terrorismo. Nossos desejos violentos ainda nos levam a desfechos violentos, mas os desfechos mudam conforme as décadas vêm e vão.

    Lady Killers foi uma obra fantástica do início ao fim. Elucida muito sobre o modo como a História trata suas mulheres. Os capítulos biográficos são recheados de informações. Mesmo as assassinas que se perderam em seu período, que não foram tão documentadas e acompanhadas pela mídia e pela justiça, recebem a devida atenção da pesquisa de Tori; junte a parte informativa com os comentários da autora e terá um grande arquivo de análise criminal.

    Resenha: Lady Killers

    É rápido de ler e serve pra assustar tanto quanto para levantar questionamentos a respeito do tratamento que a sociedade estabeleceu até mesmo para assassinas sanguinárias.

    Título original: Lady Killers
    Autora: Tori Telfer
    Editora: DarkSide
    Tradução: Daniel Alves da Cruz e Marcus Santana
    Gênero: Não-ficção
    Nota: 5
    Skoob

    GOSTOU DA NOSSA RESENHA? ENTÃO AJUDE O BLOG COMPRANDO ATRAVÉS DO NOSSO LINK!

    1. Oi Denise,
      Ah, como sou a aloka desse universo creepy, já super coloquei esse na minha lista de desejados.
      Estou super encantada com a edição e amei saber mais sobre!
      Imagino que tenha algumas abordagens bem assustadoras. AMOOO hahaha

      até mais,
      Canto Cultzíneo

      ResponderExcluir
    2. Oi Denise

      genteeeeeee, que exemplar lindooooo
      da capa as páginas!
      Eu já qro mt esse livro!

      Bjoooos
      muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

      ResponderExcluir
    3. Olá, Denise.
      Quando vi esse livro sendo divulgado logo pensei qual serial killer mulher que eu conheço? Nenhuma. Só falam sobre os homens. Até nisso a mulher é menos que os homens. Por isso e por essa edição linda que quero esse livro.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    4. Oi Denise
      Não sou muito fã do gênero mas eu adoro histórias sobre assassinos, é bizarro mas é muito fascinante. Não conhecia esse livro mas gostei da abordagem dele em mostrar somente as assassinas femininas. Eu também amei essa capa, é lindona!

      Beijo
      http://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
    5. Oi, Nizz!
      Menina, quero muito esse livro! Fiquei babando nessa edição, mas ainda não me permiti comprar.
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
    6. Oi De,
      Eu só não comprei esse livro ainda pelo valor dele.
      Mas quero muito, fiquei interessadíssima na proposta e sua resenha só reafirmou o quanto preciso dessa obra para ontem.
      beijos
      http://estante-da-ale.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    7. Oiii Denise

      Só vejo elogio sobre Lady Killers, pudera, se fala pouco de serial killers femininas e a abordagem parece ser bem completa, direta e envolvente. Quero muito conferir esse livro. A edição da Darkside está maravilhosa, eles normalmente arrasam, mas este é um dos mais bonitos que já publicaram, tá lindo demais.

      Beijos

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.