Resenha: Troopers da Morte

  • 10:00
  • 4 de mai. de 2019
  • Resenha: Troopers da Morte

    Troopers da Morte é um dos muitos títulos da série Legends que chegou aqui no Brasil através da Editora Aleph. Escrito por Joe Schreiber, é um standalone tenso e interessante sobre alguma coisa sombria esquecida num destróier abandonado.

    Sinopse: Nesta intrigante e singular história de terror, consagrados heróis da saga terão de enfrentar pesadelos imensuráveis. Quando a nave-prisão imperial Purgação – residência temporária de quinhentos dos mais cruéis assassinos, rebeldes e ladrões – quebra em um ponto isolado do espaço, a única esperança da tripulação parece estar em um destróier estelar encontrado vagando no vazio. Uma equipe de inspeção é então enviada à nave abandonada, em busca de peças para o conserto da Purgação. No entanto, somente metade dos integrantes da equipe retorna... trazendo consigo uma terrível doença, tão letal que, em questão de horas, quase toda a tripulação a bordo do Purgação morre dos modos mais assustadores. E a morte é apenas o começo...

    A história gira em torno da nave Purgação, em rota para uma prisão de segurança máxima. Sua tripulação consiste em oficiais imperiais e os muitos prisioneiros de diversos cantos da galáxia; quando um erro no sistema da nave os coloca à deriva em pleno espaço, a única esperança reside num destróier abandonado em sua rota.

    O problema é que esse destróier estelar não está exatamente abandonado. Alguma coisa causou a morte de toda sua tripulação, e uma investigação na nave pode levar essa coisa diretamente para a Purgação, colocando todos os seus tripulantes em perigo.

    Resenha: Troopers da Morte

    Para quem gosta de histórias de zumbis, esse livro é maravilhoso. Para quem gosta de histórias de Star Wars, esse livro é ótimo. Para quem gosta dos dois, é a leitura perfeita. Joe Schreiber sabe como entregar um clima tenso característico desse tipo de história, e ainda assim mantém a gente imerso no universo de uma galáxia muito, muito distante.

    Trig não sabia ao certo quando tudo acontecera. Era uma das primeiras coisas que o Império tirava de você quando tomava a sua liberdade: a noção do passar do tempo.

    Os personagens são bem introduzidos pela história; temos Trig e Kale, dois irmãos e prisioneiros abandonados à própria sorte, agora que o pai morreu, sendo caçados pelos outros presos por causa de uma recompensa colocada em suas cabeças. Zahara Cody é a médica oficial da nave e uma das responsáveis por manter a ordem e a justiça dentro de um lugar controlado a rédeas curtas pelos oficiais do Império. Sartoris, um dos comandantes pouco inclinados a demonstrar humanidade com os prisioneiros sob sua responsabilidade. E, para minha grata surpresa, temos Han Solo e Chewie em uma participação para lá de especial.

    No geral, Troopers da Morte é um livro fácil e rápido. Mesmo para quem não está acostumado com o universo de Star Wars, não tem grandes termos ou detalhes que atrapalhem a leitura. Por ser um standalone, o autor trata a história e o desenrolar dela como tal; entrega as respostas na hora certa, com uma boa dose de suspense - principalmente em cima do que é esse vírus sinistro atacando todos os tripulantes de ambas as naves - desenvolve boas cenas de ação e correria e, claro, o terror básico que é a ameaça dos mortos-vivos.

    Resenha: Troopers da Morte

    Eu, particularmente, gostei muito de como a praga foi tratada. Nunca vou ter o suficiente de histórias de zumbis, quanto mais melhor. O cenário aqui é diferente e traz novos ares aos monstros que voltaram dos mortos.

    Zahara e Trig foram meus personagens favoritos; a única figura feminina da trama não deixa a desejar em força e presença de cena. Ela é praticamente a líder guiando os não-infectados para a salvação, ao mesmo tempo em que tenta usar seus conhecimentos e racionalidade para encontrar um padrão ou explicação para essa praga bizarra. Trig, por sua vez, é o garotinho assustado querendo salvar a si mesmo e ao irmão; ele desenvolve uma interação muito adorável com o Chewie e eu achei o bromance deles uma fofura, principalmente com o Chewie querendo proteger o garotinho de tudo e todos.

    Sartoris não parava de pensar no que o engenheiro dissera sobre as naves fantasmas. Havia apenas silêncio, quietude e vazio crepitando suavemente em torno deles no vácuo do espaço.

    Sartoris foi uma surpresa mais para o final. Eu não tenho uma opinião exata formada sobre ele, mas é um personagem com muitas camadas, fugindo daquele arquétipo de soldado frio que adora estar acima da lei.

    - Sempre tem um plano. É que às vezes a gente demora pra saber qual é.

    Han Solo, ai ai. O que eu falo do amor da minha vida? Cada cena com ele foi uma benção e eu agradeço aos céus pelo autor ter encontrado uma brecha para encaixá-lo na trama. Melhor participação que já existiu.

    Resenha: Troopers da Morte

    A edição da Aleph é uma coisa linda e maravilhosa, como sempre.

    Troopers da Morte é uma leitura incrível para quem gosta de ficção científica e terror; a dosagem das cenas tensas entre as cheias de adrenalina é bem pontuada e o autor desenvolve seus personagens e sua história de maneira exemplar.

    Título original: Death Troopers
    Autora: Joe Schreiber
    Editora: Aleph
    Gênero: Ficção Científica
    Nota: 4

    1. Oie
      Sou fã de Star Wars, mas ainda não li estes livros.

      Beijinhos
      https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.