Resenha [FILME]: Aladdin

  • 09:00
  • 3 de jun de 2019

  • O live action de Aladdin estreou na semana passada, mas John Wick me atrasou e eu só consegui assistir nesse fim de semana. Seguindo os moldes de Malévola, Cinderela e A Bela e a Fera, essa é mais uma releitura da clássica animação que chegou pra roubar nossos corações.

    Eu tinha altas expectativas com esse filme porque Aladdin é um dos meus filmes de infância FAVORITOS; quando as primeiras fotos e primeiros trailers começaram a sair, tinha muita incredulidade na internet de que seria bom - e eu vou apontar o dedo na cara de todo mundo que duvidou dessa maravilha cinematográfica sim senhor!

    Com um elenco carismático e uma adaptação extremamente fiel ao original, esse novo Aladdin traz novos elementos à história conhecida, mas respeita sua origem da melhor maneira possível. É um sopro refrescante sobre o que a gente já conhece que ainda consegue segurar o público vidrado nas cadeiras; é exuberante do começo ao fim, com uma riqueza de cores e detalhes e efeitos especiais, boas cenas de ação e o melhor de tudo: as músicas.

    Um musical fantástico como deve ser, com as canções clássicas da animação e inéditas que chegaram pra deixar todo mundo sem fôlego. Speechless, interpretada pela princesa Jasmine (Naomi Scott) conseguiu me arrepiar durante toda a sua duração. Eu nunca surtei tanto por causa de uma música AKSJFNASOBOASG meu novo hino feminista, é isto.


    Personagens e cenários são os mesmos, mas ganham vida com interpretações vivas e emocionantes. Naomi com certeza roubou a cena com a sua Jasmine, dando voz e presença e uma determinação corajosa para uma princesa que era subjugada ao papel de donzela em perigo. O Aladdin de Mena Massoud é destrambelhado e cheio de molejo e eu me diverti com ele tanto quanto me divertia na animação; deu pra ver o Aladdin em cada detalhe do ator.


    E o Will Smith, gente. O Gênio do Will Smith é simplesmente TUDO. Minhas bochechas doeram de tanto que eu ri com suas palhaçadas e tiradas brilhantes, com a bagunça e a grandiosidade de tudo que o Gênio criava. Ele deu vida a um personagem já amado e conseguiu ganhar ainda mais amor por isso; não só nas partes divertidas, mas seu Gênio também mostrou melancolia e medo de maneira bastante vívidas. Ele foi o dono do filme, isso é certo.

    Menção honrosa para Nasim Pedrad, interpretando uma personagem nova - Dalia - que surpreendeu por seu carisma e bom humor, saindo como um alívio cômico muito bem-vindo na história.

    Eu queria me estender por muito tempo pra explicar o quanto esse live action foi PERFEIÇÃO DA MAIS PURA e o quanto ele merece o mundo, mas aí a resenha seriam horas de choro e sorrisos porque uma das minhas animações favoritas ganhou vida novamente e isso é tudo que importa.

    1. ah eu fui ver semana passada e AMEI! como boa fã do desenho achei que fez jus, as musicas, as cores, o Will Smith, td sensacional!

      www.tofucolorido.com.br
      www.facebook.com/blogtofucolorido

      ResponderExcluir
    2. Oi Dê, vi ontem e gostei bastante tb! Me diverti muito com o gênio assim como no original e achei bem bacana eles terem dado mais voz a Jasmine!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
    3. Ai, meu coração morre de amores por esse filme. Quando vi Will Smith e Naomi Scott escalados, tive certeza que não ia me decepcionar nele. Will é o gênio perfeito, ele nasceu pra esse papel hahaha
      A trilha sonora é perfeita, sem palavras pra Speechless. Na proxima pode escrever por horas, porque merece!

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.