Resenha: Trono Destruído

  • 09:00
  • 25 de jun de 2019
  • Resenha: Trono Destruído

    Trono Destruído, a coletânea com seis contos do universo de A Rainha Vermelha, chegou ao Brasil pelas mãos da Editora Seguinte - que cedeu este exemplar para resenha - e trouxe pontos finais para alguns arcos que ficaram em aberto no volume final da série. Além disso, ainda apresenta curiosidades e detalhes do universo vermelho e prateado que conquistou milhões de fãs.

    Sinopse: Nesta coletânea, que encerra a série A Rainha Vermelha, você vai descobrir mais sobre o universo avassalador da saga que já vendeu mais de meio milhão de exemplares no Brasil. Trono Destruído é uma coletânea especial para todos os leitores da série best-seller de Victoria Aveyard que ficaram com vontade de passar mais tempo com os personagens depois do fim de Tempestade Guerra. Com design especial, o livro traz os dois contos já publicados ("Canção da Rainha" e "Cicatrizes de Aço"), além de quatro histórias inéditas que darão aos leitores mais um vislumbre de seus personagens favoritos e a chance de conhecer caras novas. O volume conta ainda com mapas exclusivos, bandeiras, registros sobre a história de Norta e muito mais!

    Ainda que Tempestade de Guerra tenha me dado o final que eu pedi aos céus, alguns detalhes abertos nas tramas de certos personagens me deixaram curiosa exatamente pelas muitas possibilidades que poderiam se colocar em seus caminhos; essa coletânea respondeu minhas dúvidas sobre quem eu mais amava, mas também algumas que eu nem queria saber a resposta...

    Canção da Rainha e Cicatrizes de Aço podem ser títulos familiares para quem conhece a série porque já ganharam edições separadas antes; apareceram aqui como um bônus bem-vindo porque eu ainda não tinha lido - e saber mais sobre o passado da rainha Coriane, mãe de Cal, e sobre Diana Farley foi interessantíssimo.

    A maioria de nós não tem um lar. Não temos nada além da Guarda e dos vermelhos ao nosso lado.

    Uma das coisas que eu mais amo e não canso de elogiar nessa série é a construção das personagens femininas. São tantas personalidades ricas em poder e fragilidade, em humanidade, que é de fazer surtar de tanta alegria. Victoria Aveyard sabe como escrever a força de uma mulher, sabe como desenvolver seus medos e fraquezas e como entregar dezenas de nomes a serem memorados sempre.

    Resenha: Trono Destruído

    Coriane e Farley são dois exemplos de personagens femininas bem escritas, com falhas e características impressionantes. Uma rainha que nunca quis a coroa, uma capitã e general que buscava pela liberdade; duas mães, duas guerreiras, duas figuras de força que eu não canso de admirar.

    Não existe nada tão horrível quanto uma história não contada.

    O mundo que ficou para trás deu perspectiva a um vermelho e uma prateada que queriam distância da guerra de maneiras diferentes; Ashe, um capitão, e Lyrisa, uma princesa. Ambos viram sua vida virar de cabeça para baixo com a divisão de mundos que se instaurou sobre a realidade que conheciam. Enquanto Ashe encara como a possibilidade de grandeza e de crescimento, Lyrisa precisa fugir de tudo para ter uma nova chance.

    É um conto interessante por mostrar as perspectivas de privilégio e como a perfeição prateada passa longe do que os vermelhos imaginavam; já tínhamos visto isso nos pontos de vista da Evangeline e de outros personagens, mas Lyrisa dá voz ao mostrar para Ashe que ela não é a vilã que construíram - e Ashe bate de frente para apontar a desgraça que foi feita da vida dos vermelhos com a presença dessa vilania. Dois pontos de vista que pertenciam a realidades diferentes confrontando essas mesmas realidades; eu ADOREI cada página desse conto por isso.

    Elane já conhece minhas lágrimas. Mas isso não quer dizer que eu goste de chorar na frente dela, ou de demonstrar qualquer tipo de fraqueza. Na frente de ninguém. Por mais brutal que fosse a corte de Norta, eu a entendia. Era um jogo em que me saía bem, protegida por minhas joias, minha armadura e minha família, igualmente temíveis. Só que não mais.

    Coração de ferro foi de longe o meu favorito justamente por contar sobre Evangeline depois dos acontecimentos de Tempestade de Guerra. O que restou para a princesa prateada cujo trono não mais vai existir; o que restou para o coração e para o espírito de Evangeline com as perdas e as vitórias que vieram com a guerra. Esse conto fala sobre redenção, aceitação e sobre luto. Sobre família e amor e sobre liberdade.

    A representação das dificuldades que Evangeline encontra para se libertar do mundo de outrora, das amarras colocadas em quem ela era, quem ela amava, são bastante atuais. Uma personagem lidando com o medo mesmo quando a aceitação lhe foi oferecida; ela e Elane têm uma das relações amorosas mais bonitas da série e AAAAAAAAAA como foi bom ler mais sobre as duas!

    Resenha: Trono Destruído

    Preciso confessar que não me importei muito com Luz do fogo porque, apesar de amar a Mare e lutar com cada gama do meu ser por essa personagem, quero que o Cal se exploda. Então é isso, meu comentário sincero sobre esse conto. Li os pontos de vista da Mare, mas o Cal eu só fingi que não existia.

    Adeus, o último conto, apresenta um verdadeiro adeus a Maven Calore e ao que ele foi - um monstro moldado pela mãe, um fantasma do garoto que poderia ter tido um coração, um espectro das crueldades que ele mesmo construiu.

    Apesar de nossas diferenças, temos isso em comum. Usamos nossa dor para nos destruir.

    Eu sou completamente fascinada pela construção de personagem do Maven e, assim como a Mare, acho brilhante e magnífico como a Victoria desenvolveu sua jornada. Um garoto, um monstro, um rei, um nome. Vou sentir falta de tudo que ele foi e poderia ter sido.

    A edição dessa coletânea ainda conta com cartas e diários e mensagens de guerra, mapas e detalhes grandiosos para entender mais a respeito do universo da série. Gostei bastante das mensagens dentro do conto da Farley - mostrando como funcionava a Guarda Escarlate em seus primórdios - e dos mapas ilustrando como os Estados Unidos se tornaram os reinos governados por prateados.

    Resenha: Trono Destruído

    Essa coletânea é um adeus saudoso para os fãs da série; vai deixar todo mundo satisfeito pelos pontos finais intercalados aos prequels - se você gosta do Cal, acho que vai gostar bastante do que ela fez em Luz de fogo (insira uma careta desgostosa minha aqui). No mais, novamente, me despeço de A Rainha Vermelha com um calorzinho no coração e ansiosa para acompanhar mais do que as narrativas brilhantes da Victoria tenham a oferecer no futuro.

    Título original: Broken Throne
    Autora: Victoria Aveyard
    Editora: Seguinte
    Tradução: Cristian Clemente e Guilherme Miranda
    Gênero: Distopia
    Nota: 4

    1. bela resenha parece otimo adoro esse estilo

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Dani! Essa série é ótima, se tu curte fantasia e distopia vai gostar sim :D

        Beijos!

        Excluir
    2. Oii Denise

      Sim! Vamos fingir que Cal nunca existiu, aliás a mera menção ao nome ja me enjoa, não gosto dele desde o segungo volume e pra mim foi o unico personagem que nunca evolui (e quando toma alguma atitude geralmente é pra ser babaca). Acho maravilhoso as construções da Evangeline, do Maven e da Mare, são personagens que amei conhecer e foram extremamente bem escritos (apesar da Mare ter me tirado do sério algumas vezes). Legal saber que os arcos que ficaram em aberto se fecham definitivamente neste livro de contos, não pensava em ler ele, mas agora já sei que vale a pena conferir.

      Beijos, Ivy

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Ivy!
        ME ABRAÇA VAMOS PRO CLUBINHO DO CAL DEVERIA TER VIRADO CHURRASCO <3
        A presença dele no último livro só serviu pra me dar enxaqueca, aí nessa coletânea... ai, Victoria. Por que me decepcionas? Esperava mais dela nessa parte do desenvolvimento, mas todo mundo tem defeitos né.
        Eu gostava muito da teimosia da Mare (pra mim ela foi uma Katniss que deu certo) e aaaaaaaa Maven e Evangeline meus amados.
        Vale muito a pena sim! Só pelo conto da Evangeline e do Maven já é um livrão! <3

        Beijos

        Excluir
    3. Oi, Nizz!
      Eu ainda acho que a mulher não fechou todos os pontos no outro livro que era pra ganhar mais dinheiro com esse... enfim, sou "meio" hater da série então minha opinião nem é de muita importância hahhahahhaha
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Lu!
        Ah mas eu bem que preferia que tivessem ficados em aberto, pra ser sincera? AMO um final incerto com algumas respostas faltando (até porque a guerra não acabou e tal, são coisas que vão se resolver em muito tempo). MAAAAS o capialismo pede por coletênas né, a gente sabe :v

        Beijos!

        Excluir
    4. Oi Denise, tudo bem? Eu não acompanho a série, mas parece que a autora é realmenete muito boa, com ótimo desenvolvimento dos personagens. Ainda vou pegar pra ler!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Mi! Tudo bom e contigo?
        A Victoria tem uma mão pra desenvolver personagens e cenas de ação que eu fico !!!!!!!!!!!!!!! com tudo. O primeiro livro da série é o mais fraquinho, mas o resto é tudo tiro porrada e bomba JKNAUOFBASUOASGBAG

        Beijos!

        Excluir
    5. Oi De,
      Eu queria amar essa série como a maioria, mas não consegui me apegar.
      Uma pena... Acho as capas tão maravilhosas, só que o enredo não me prendeu.
      beeeijos
      http://estante-da-ale.blogspot.com/

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.