Li até a página 100 e... #92 - Daisy Jones & The Six

  • 09:00
  • 10 de ago de 2019
  • Li até a página 100 e... #92 - Daisy Jones & The Six

    Autor: Taylor Jenkins Reid
    Editora: Paralela
    Número de páginas: 360

    Primeira frase da página 100:

    "Ou se comportava como um dos caras - que foi o caminho que resolvi seguir -, ou dava uma de menininha e tentava ganhar todo mundo na base do charme."

    Do que se trata o livro?

    O livro é uma espécie de biografia de uma banda fictícia, a Daisy Jones & The Six, e conta a trajetória da banda e de seus integrantes até o dia em que eles romperam, após o último show de sua turnê de maior sucesso, no auge da fama.

    O que você está achando até agora?

    Eu, sinceramente, estou apaixonada. Quando comecei a ler fiquei com um pé atrás, achei que talvez não fosse curtir o formato - é como se fossem as entrevistas com os integrantes, com o nome deles na frente de cada parágrafo, uma coisa que a gente escuta muito que NÃO deve fazer. Mas Taylor Jenkins Reid fez um trabalho espetacular. Sempre que abro Daisy Jones & The Six é como se eu estivesse assistindo a uma biografia de rockeiros dos anos 70. É como ver The Runaways ou The Dirty, sabe? Ela consegue te colocar lá.

    O que está achando da personagem principal?

    Estou tratando a Daisy Jones como protagonista. Ela e o Billy, porque são o maior ponto de conflito da história. Os dois tem um "que" de Nasce uma Estrela, sabe? São ótimas personagens, a forma com que a Reid construiu a história faz com que a gente entenda eles facilmente. Os traços de personalidade que são resultado da forma como eles foram criados, o amor pela música, as dificuldades com o vício em drogas. Daisy é apaixonante, e achei que fosse ser irritante no mesmo grau, mas ela tem um amor e dedicação pela música que a gente acaba perdoando as mancadas. O Billy é um pouco mais egocêntrico - a Daisy parece ser mais aberta a aprender - e tem um jeito de estrela do rock mesmo, um tanto controlador. Mas são ótimas personagens de se acompanhar!

    Melhores quotes até a página 100:

    "Camila: acho que a gente tem que mostrar que tem fé nas pessoas, mesmo quando elas não merecem. Caso contrário, não seria fé, certo?"

    "[...] A gente nunca deixa de ser quem é, né? A gente continua sendo quem sempre foi. Mas às vezes.. às vezes vira uma pessoa de merda."

    "Vida boa, né? Só que a vida boa nunca é boa para a vida."

    "Daisy: eu não tinha o menor interesse em ser a porra da musa de alguém. 
    Eu não sou a musa.
    Eu sou esse alguém.
    E assunto encerrado."

    Vai continua lendo?

    SIM. Acho que eu já teria lido tudo em uma sentada se não tivesse outras coisas para fazer. A história é viciante, e nem porque existe esse lance de descobrir porque eles se separaram, sabe? Ela é viciante por si só, porque enquanto a gente lê, é como se estivéssemos lá com Daisy Jones & The Six: com Daisy e Billy na vinícola escrevendo as músicas, com o resto da banda no estúdio compondo as melodias, com a banda toda na estrada, nas festas regadas de sexo e drogas, nas brigas épicas. É muito louco e ainda bem que a Reese Witherspoon já está produzindo a série baseada nele! (porque eu quero na minha mesa ontem mesmoooo)

    Última frase da página 100:

    "E, com ela por perto, eu também não precisaria."

    1. Oi Bianca,
      Adoro indicações de livros que só queremos ler e ler e ler. Uma pena que existam outros afarezeres e nos impedem disso, rs. Porém, confesso que se não fosse sua opinião, eu não iria ler a obra, por não fazer muito meu estilo.
      beijos
      http://estante-da-ale.blogspot.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Ale!
        Sem fala, queria ler ele e nada mais hahahahaha É uma boa dica para aquela leitura fora da zona de conforto, sabe? Recomendooo

        bjs

        Excluir
    2. Olá, Bianca.
      Eu não sou tão fã de livros nesse estilo, como não sou tão ligada em musicas, acredito que o livro não vá me passar o que alguém que gosta sentiria lendo ele. Mas que bom que está gostando tanto.

      Prefácio

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Sil!
        Não acho que precisa gostar de música para gostar dele. Até porque, música é arte e arte é sentimento humano. Acho que dá pra se conectar apenas pela história em si, sabe? Se algum dia quiser sair da zona de conforto, super recomendo.

        bjs

        Excluir
    3. Oi Bianca, tudo bem? Tenho uma amiga que leu e simplesmente amou demais! Tô curiosa com essa banda fictícia!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Mi!

        Tô com a sua amiga, recomendo damais. Não achei que fosse curtir tanto assim!

        bjs

        Excluir
    4. Oi, Bibs
      Que bom que você tá amando! Eu vi uma resenha recente e não era tão favorável. Desde que saiu o livro eu não senti muita vontade de ler, não curto biografias (mesmo que seja falsas) e tenho problemas com enredos com esse negócio de abuso de drogas e tals.
      Beijo
      http://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.