Controle remoto: The Witcher

  • 09:00
  • 3 de jan. de 2020

  • Meu coração fangirl não poderia estar mais vivo e satisfeito do que quando os primeiros minutos de The Witcher começaram a passar. A adaptação da saga de Geralt de Rivia se tornou um sucesso absoluto em sua estreia e esse controle remoto existe pra falar um pouquinho mais sobre ela.

    A história acompanha a jornada de Geralt. O bruxo caça monstros e recebe a recompensa por eles, mas seus favores para os cidadãos não ajudam exatamente a combater o preconceito que sua raça sofre por existir. Solitário, o bruxo vaga em busca de novas caçadas; mas o destino tem outros planos para ele. E esses planos envolvem uma criança a ser protegida.

    É muito difícil falar sobre a saga do Geralt sem sair gritando spoilers, principalmente pela adaptação se manter presa aos dois primeiros volumes da série literária - que são um prequel da trama principal, mostrando a origem dos personagens mais importantes e como seus caminhos se cruzaram para colocá-los onde estão hoje.

    Acompanho o bruxão faz um tempo por causa dos jogos - que, em questão de linha do tempo, se passam DEPOIS de todos os livros - então ver o universo do Geralt ganhar vida em uma série foi a realização de um sonho de princesa meu. Ver Yennefer, Ciri, Triss e tantos outros personagens queridos aparecendo e se destacando e ganhando seus arcos e momentos grandiosos foi tudo que pedi aos deuses pra fechar 2019 com chave de ouro.






    As cenas de ação, de luta (que caralho foram MUITO bem feitas!), de aventura, os cenários, tudo isso remete aos livros e aos jogos e meu coração ficou cheio de alegria porque é isso que eu quero assistir. Quero ver o Geralt reclamando ao ter que caçar um monstro, quero ver a Yennefer comendo o c* de todo mundo com um olhar, quero ver a Triss conjurando todo tipo de magia.




    Preciso tirar um momento para falar sobre como essa adaptação me ganhou com a trama da Yennefer (Anya Chalotra). Ela é uma das minhas personagens femininas favoritas da ficção, toda força e sensualidade e medo, então ver seu crescimento, desde a juventude terrível pelos abusos da família e a solidão do seu treinamento, tudo isso unido ao fato de ela ter problemas físicos que a deformavam aos olhos das outras pessoas, construiu o escudo no qual a Yennefer já segura de seus poderes se sustentou.


    Mas o medo e a fragilidade estão lá e esses detalhes tornam a personagem tão impactante. O fato de ela ser uma das feiticeiras mais poderosas que já existiu, de ela controlar o caos tão bem a ponto de dobrá-lo à sua vontade, fica em equilíbrio com a jornada solitária e a busca incessante pelo que foi roubado dela - que eu não vou falar, vai assistir pra descobrir!


    Geralt chega com seu jeitão sério e frio e pouco expressivo e que os deuses abençoem Henry Cavill por ter conseguido captar exatamente tudo que eu mais amo no bruxão. Não só em porte físico, nas lutas e nas cenas num geral, mas nas expressões de tédio e "não queria estar aqui" que ele usa com a maioria dos personagens até as sutis quebras de frieza sempre que encontra quem precisa das suas emoções.

    Ponto extra pela relação Geralt e Yennefer ter sido TÃO BEM EXPLORADA. Eles são o tipo de casal que têm muitos casos aleatórios mas sempre acabam voltando um para o outro; almas gêmeas é o nome exato. E o Henry e a Anya tiraram cada cena entre eles de letra, vendendo totalmente o fascínio e a atração e o encantamento e, principalmente, o amor.

    Ciri (Freya Allan), por sua vez, ainda é uma garota perdida e assustada no meio de uma guerra, sem entender muito bem porque estão atrás dela - e por que ela precisa fugir. Freya entrega uma atuação muito convincente, cheia de terror e confusão. Eu mal posso esperar pra ver o crescimento dessa menina até se tornar a guerreira poderosa que a Ciri nasceu pra ser; my baby off to destroy people!

    As mulheres de The Witcher, no geral, são muito impactantes. A rainha Calanthe com sua postura furiosa e impiedosa que não leva desaforo pra casa, a frígida Tissaia que no fundo tem um coração bom, mas bem no fundo mesmo; a gentil e séria Triss que aparece já cheia de poder, sobre a qual conhecemos um pouco mais com o passar do tempo. As figuras misteriosas na floresta que ajudam a Ciri quando ela menos espera; é um leque de personagens femininas tão incrível que fica difícil definir qual arco me ganhou mais (foi o da Yennefer).

    E menção honrosa para o meu querido Jaskier (Joey Batey) que conquista não só com o carisma e o bom humor, sendo o alívio cômico para toda a seriedade estoica do Geralt, como também nos presenteia com uma das melhores canções que já apareceu em uma série. Se você não está cantando "Toss a coin to your witcher" (ou "Dê um trocado pro seu bruxo") aos sete ventos, você está vivendo ERRADO.


    No mais, The Witcher tem uma ótima primeira temporada. Mexe com o tempo e com espaço, confunde antes de entregar as respostas, fazendo basicamente o que os dois primeiros livros fazem para a série. É uma história divertida, cheia de personagens carismáticos e de um potencial gigantesco. Se continuar com a qualidade que apresentou e evoluir daí, pode anotar que teremos sete temporadas de uma das melhores séries de todos os tempos.


    Mas me conta aí, já assistiu? Se não, tá esperando o que pra começar?!

    1. Oi Nizz!
      Ainda nao tive a oportunidade de conferir mas confesso que quero. ta marcado na lista. E pq serie com 1 hora me desanima. Eu enrolo pra criar coragem. Mas esse ano verei KKK.

      Abraços
      Emerson
      http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    2. Olá!!

      Ainda não assisti, mas já li diversas críticas que a série é ótima!! Será a próxima pra assistir, estou terminando You.

      Um beijo e Feliz 2020!!

      www.purestyle.com.br

      ResponderExcluir
    3. Oi, Denise
      Contra todas as probabilidades eu assisti a série e adorei, mas diferente de todo mundo eu achei a Yennefer um porre de tão chata, só senti que ela evoluiu e deixou de ser tão cínica e sem noção no último ep. Fora isso, eu adorei tudo, o Geralt, as cenas de luta e as surpresas hahaha
      Beijo!
      https://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
    4. Oi Dê, tudo bem? Eu fiquei interessada porque falaram muito bem dos jogos e tb tem o Henry, né? Infelizmente, não conferi ainda, mas já me empolguei pelos personagens femininos tb!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
    5. Oi De,
      Só tenho a seguinte observação: Yennefer RAINHA DA MINHA VIDA! DONA DA SÉRIE!
      AAAAA também quero ela destruindo tudo com um olhar.
      Eu me surpreendi com a série, pois no início parecia tão chata, rs. Mas melhorou e foi uma ótima experiência. Não sejo a hora de ver a segunda temporada!
      beijos
      http://estante-da-ale.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    6. Oi Denise! Só hoje esta é a terceira postagem sobre a série que leio e minha vontade de assistir só aumenta. Gente, essa adaptação parece ter sido muito bem feita.
      Bjos!! Cida
      Moonlight Books

      ResponderExcluir
    7. Não é muito "ético" comentar no próprio blog, porém queria dizer que: YENNEFER E GERALT, MOZÕES DA VIDA, VAMOS VIVER/SER UM TRIO AMOROSO PFV!

      Esses dois são a minha definição perfeita de bissexualidade, pqp

      ResponderExcluir
    8. mas esse Gerald é mesmo um sonho de consumo pra td garota que gosta de fantasia, vi a série e gostei bastante

      www.tofucolorido.com.br
      www.facebook.com/blogtofucolorido

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.