Resenha: Nona Casa

  • 09:00
  • 29 de out. de 2020
  • Resenha: Nona Casa

    Cedido em cortesia pela Minotauro, selo da editora Planeta, Nona Casa é o primeiro romance de fantasia adulta da Leigh Bardugo - conhecida por seu universo Grisha. Aqui, ela explora as sociedades secretas de uma conceituada universidade estadunidense e o ocultismo por trás de todo esse mistério.

    Sinopse: Criada nos arredores de Los Angeles por sua mãe hippie, Galaxy “Alex” Stern abandonou a escola cedo e se envolveu no perigoso submundo das drogas, entre namorados traficantes e empregos fracassados. Além de tudo isso, aos vinte anos, ela é a única sobrevivente de um massacre terrível, para o qual a polícia ainda não encontrou qualquer explicação. Alguns podem dizer que Alex jogou sua vida fora. No entanto, a garota acaba recebendo uma proposta inusitada: frequentar Yale, uma das universidades de maior prestígio do mundo... e com uma bolsa integral. Alex é a caloura mais improvável de uma instituição como essa. Por que logo ela? Ainda em busca de respostas, Alex chega a New Haven encarregada por seus misteriosos benfeitores de monitorar as atividades das sociedades secretas de Yale. Suas oito tumbas sem janelas são os locais mais frequentados pelos ricos e poderosos, desde políticos de alto escalão até os maiores magnatas de Wall Street. Alex descobrirá que as suas atividades ocultas nesses lugares são mais sinistras e extraordinárias do que qualquer imaginação paranoica poderia imaginar. Eles mexem com magia negra. Eles ressuscitam os mortos. E, às vezes, eles atormentam os vivos.

    A história acompanha Alex Stern e intercala entre seu presente como membro da Nona Casa das sociedades de Yale, responsável por controlar e fiscalizar as atividades extranaturais que acontecem nas outras casas e sua chegada a esse universo. Alex foi convidada a participar desse círculo porque ela é capaz de ver fantasmas - chamados de Cinzentos - e eles lotam as ruas de New Haven com infinitas histórias escondidas em suas aparições.

    No passado, seguimos Alex enquanto ela conhece Yale por outros olhos, entendendo sobre cada Casa e seus segredos obscuros. No presente, um assassinato misterioso de uma garota de fora da faculdade coloca Alex no curso de uma investigação perigosa e potencialmente mortífera.

    Por que acha que construíram tantas igrejas aqui? De algum jeito, os homens e mulheres desta cidade sabiam: suas ruas eram lar de outros deuses.

    Eu sou completamente cadelinha da Leigh Bardugo e vocês sabem disso faz tempo. Tudo, absolutamente tudo que essa mulher cria, eu amo. O universo Grisha e seus spin-offs e expansões é de uma riqueza absurda, e o mesmo pode-se dizer do que conhecemos em Nona Casa.

    Vale lembrar logo de cara que essa é uma fantasia adulta. Nona Casa tem muitos gatilhos de violência gráfica, mutilação, tortura, uso de drogas, assédio emocional e estupro. É um livro pesado, e é importante que você só leia se estiver ciente disso.

    Resenha: Nona Casa

    O universo que a autora aborda é, desde o começo, muito fascinante. Tem toda uma aura bizarra, medonha, faz crescer a sensação de que estamos lidando com o oculto e o que se esconde atrás de mistérios inimagináveis. É magia, pura e simplesmente, e tudo que ela traz.

    Eu preciso confessar que as primeiras 100 páginas foram um problema pra mim por causa da apresentação de mundo. É um começo lento - necessário - e eu me senti "jogada" demais em toda aquela situação pra conseguir me sentir segura de entender o que estava acontecendo ali. Foram 100 páginas de estranheza e de Nazaré Tedesco até que as peças finalmente começaram a se encaixar.

    - A magia é literalmente uma arte moribunda, e New Haven é um dos poucos lugares no mundo em que ela ainda pode ser trazida à vida.

    E quando se encaixavam, minha nossa... Os surtos.

    Alex é uma protagonista fodona. É a melhor palavra que encontrei pra descrevê-la. Ela teve um passado muito turbulento e problemático, se envolveu com traficantes e com um pessoal da pesada, e as cicatrizes emocionais desse envolvimento são notáveis nela. Em seu passado, existe um incidente envolvendo um massacre no lugar onde ela vivia - e a morte de Hellie, a garota mais importante para Alex até então.

    Resenha: Nona Casa

    Uma vez inserida no universo das sociedades, durante os capítulos no Outono, conhecemos a Alex rígida e desconfiada, a Alex que esconde o seu passado e se fecha para as visões dos Cinzentos - mas uma Alex obrigada a confrontar o sobrenatural em todas as suas formas, uma vez que se tornou parte de um mundo que vive e depende dele.

    As sociedades são a peça-chave desse livro, e a parte que mais me encheu de curiosidade e fascínio. O trabalho da autora em construir cada espaço das casas, suas histórias e relações com a magia, tudo deixa o livro muito intenso e realista. É um pandemônio de informações a princípio, mas pouco a pouco as coisas se encaixam. Perguntas são respondidas. Reviravoltas chegam e te derrubam da cadeira quando menos espera.

    Tem uma pequena cobra espreitando aí dentro, pronta para atacar.

    Toda a história de Nona Casa depende das sociedades e da Alex; o que está ao seu redor é intrincado na trama de acordo com sua importância e desenvolvimento - e mesmo a coisinha mais irrelevante vai ter importância em algum momento.

    No Outono, também conhecemos Darlington - que é o "guia" e responsável por Alex na Nona Casa, o instrutor que está ali para garantir que ela aprenda sobre tudo para, um dia, ensinar alguém como ele a está ensinando.

    Darlington é um amorzão "burguês safado", como diria a Bianca, e eu o amei desde o primeiro momento. Diferente da Alex naquela época, toda tensa e arredia, ele é calmo e controlado, ciente do seu papel e do que precisa fazer para cumpri-lo. Mas também é um jovem lidando com o sobrenatural - e o sobrenatural sempre tem umas surpresinhas.

    A relação dele e da Alex - para mim - não teve vibes de romance, apesar de a Bibs ter shippado tanto. Eu gostei de como eles começaram a se entender depois de um tempo, de como o Darlington se tornou uma âncora no mar de loucura que parecia querer levar a Alex para longe, e de como o Darlington viu todo o potencial na Alex e se dispôs a cutucá-la até que ela entenda e o use.

    Resenha: Nona Casa

    Queria ter shippado, mas pra mim realmente não rolou. Sou cria de Kazinej e esperava mais nos sentimentos se ela quisesse me convencer de que era um ship mesmo. Rolou muito mais um bromance a meu ver.


    No presente, que se passa durante o Inverno, não sabemos o paradeiro do Darlington. Ele sumiu sem deixar rastros - e isso, somado às investigações a respeito do assassinato da garota lá no começo da história, desenvolve toda a tensão e o mistério até as últimas páginas.

    - Ninguém se dá conta de quanta vida acontece nas feridas, de quanto elas têm a oferecer.

    Quando as respostas chegam, não tem como se preparar para elas. E é bomba atrás de bomba no emocional até te deixar no chão, gritando pro infinito.

    Além dos dois, outra personagem maravilhosa é a Dawes - que se envolve com a história toda por causa da sua ligação com a Nona Casa e também porque quer ajudar a Alex a encontrar o Darlington e entender o que diabos matou aquela garota no campus da faculdade. Dawes é uma gracinha, toda séria e pouco inclinada ao humor ácido da Alex - o que as transforma numa dupla impecável.

    Eu queria muito falar sobre o Noivo e o detetive Turner, mas o interessante desse livro é: quanto menos você souber, melhor. Espere por bizarrices medonhas envolvendo fantasmas e monstros, por sociedades escondendo segredos perturbadores e por uma protagonista que vai chutar portas e traseiros para conseguir o que precisa.

    A abordagem dos temas mais pesados - como drogas, estupro, violência - foi bem encaixada na trama. É para perturbar e faz isso com consciência, sem romantizar ou exagerar a fim de tornar gráfico e gratuito. Tudo que está ali, está ali porque precisa estar, de maneira crítica e que dialoga bem com a realidade.

    Mesmo em meio a Cinzentos e tumbas, os monstros ainda são humanos.

    A edição da Minotauro ficou muito bonita. Eu adorei o acabamento da capa e o cuidado com a revisão e a diagramação; a tradução da Marina Della Valle também está ótima, fácil de acompanhar - mesmo com todos os termos e nomes e estranhezas desse universo - e bem concisa com o livro.

    No mais, Nona Casa é uma obra prima. Tem mistério, terror e sobrenatural, tudo na medida certa. Tem uma protagonista ácida e apaixonante, coadjuvantes carismáticos e um desenvolvimento pra arrebatar sua atenção até a última página - e que última página! Agora é sentar, respirar fundo e esperar pela sequência.

    Título original: Ninth House
    Autora: Leigh Bardugo
    Editora: Planeta Minotauro
    Tradução: Marina Della Valle
    Gênero: Fantasia Adulta
    Nota: 5+

    1. Oi, Denise
      Vi alguém dizer que no início tu fica "WTF, que que tá acontecendo?" HAHAHA Eu ainda quero muito conhecer a escrita da Leigh, é uma autora que está na minha wishlist só esperando o momento certo. Depois da sua resenha me dá mais vontade ainda de ler o livro, mas acho que vou começar pela trilogia Grisha.
      Beijo!
      http://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Mi!
        Menina sim, o começo fui eu totalmente UHASUHASUHASUHASUH as 100 primeiras páginas são bem introdutórias e eu fiquei o gif da Nazaré o tempo todo. Mas ai as coisas começam a fazer sentido e vira uma montanha-russa de surto até o fim.
        Espero que tu curta a trilogia! Eu gosto bastante (principalmente da Alina e do Nikolai, meus bebês), apesar de não ser o mais forte dela (Six of Crows reina demaaaais!).

        Beijos!

        Excluir
    2. Oi, Denise!
      Eu já li uma outra resenha desse livro, e o único fator que me faz ter um pé atrás com essa leitura é a questão dos gatilhos. Porque de resto eu acho tudo muito interessante, principalmente essa vibe de "sociedade secreta" e tals haha. Essa edição é lindíssima, e quero lê-la no futuro :D

      Estante Bibliográfica

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Laura!
        É um problema em fantasia adulta, realmente :/ pra mim, eles foram mais leves do que esperava. Dependendo de como tu reaja a histórias mais 'gráficas' assim, talvez tu consiga pular as cenas ou ler em um momento que estiver bem e tranquila pra lidar com isso.
        A coisa das sociedades secretas é realmente maravilhosaaaaaaa.

        Beijos!

        Excluir
    3. Oii
      Já amei de cara sua resenha. Já coloquei na minhaa lista. Como você mesma disse que é uma obrar prima, realmente é, nem li o livro mas pelo fato de ter esses gêneros todos merece o título rs
      Bjs!!
      https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Jess!
        Ahhhh que bom que curtiu os surtos! Espero que tu goste da leitura <3
        É um livro bonzão demais e merece muita gente surtando por ele.

        Beijos!

        Excluir
    4. Oi Dê, tudo bem? Eu tenho escutado falarem bastante desse livro por cota de uma cena pesada. No momento, não lerei, mas achei tudo muito interessante!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Mi!
        Então, tem umas cenas que são realmente mais gráficas. Eu consegui passar por elas sem engatilhar tanto, mas avisei as meninas da leitura coletiva por motivos de necessidade né. Espero que tu consiga ler porque é bão demais, mas vê se não vai te fazer mal antes porque é o mais importante.

        Beijos!

        Excluir
    5. Oi Denise, tudo bem?

      Estou bem curiosa com esse livro, pois todas as resenhas que li até o momento são bem positivas. Faz tempo que não leio nada do gênero e talvez a Nona Casa seja um boa forma de voltar a consumir esse tipo de conteúdo.

      Beijos e um ótimo final de semana;*
      Ariane Reis | Blog My Dear Library.

      ResponderExcluir
    6. Olá, Denise.
      Depois da perfeição que foi Six Of Crows estou morrendo de medo de ler outro livro dela e não achar tudo isso. Mas me animei mais agora com sua resenha. Está no meu carrinho esperando baixar o preço hehe.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    7. Olá,
      Ah, eu adoro histórias de gente que vê fantasmas, já é um ótimo ponto para dar uma chance. Mas nem imaginava o tom mais adulto e pesado da história. Não tenho problemas com isso, mas é algo que realmente gosto de ficar ciente.

      tenha uma ótima semana :D
      Nana - Canto Cultzíneo

      ResponderExcluir
    8. Ei, tudo bem? Eu tenho muita vontade de ler six of crows, da Leigh, a história me parece fascinante. Eu gosto das suas resenhas porque elas são tão bem feitas e você se expressa muito, é uma satisfação ler elas, agora o livro em si, a história é diferente e ao mesmo tempo interessante, eu só não se teria coragem, porque parece ter uma vibe meio terror e ainda é recheada de gatilhos. Mas eu acredito que um dia a coragem vem e vou deixar a dica anotada. Beijocas!

      https://resenhabookshouse.blogspot.com/?m=1

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.