Resenha: Meninas Selvagens - Queria Estar Lendo

Resenha: Meninas Selvagens

Publicado em 26 de nov. de 2020

Resenha: Meninas Selvagens

Meninas Selvagens, da autora Rory Power, foi lançado aqui pela editora Galera Record - e foi nosso escolhido para a Leitura Coletiva de Novembro. A história fala sobre uma ilha isolada em quarentena e sobre garotas abandonadas à própria sorte junto a uma doença mutante e mortal.

Sinopse: Há dezoito meses, a Escola Raxter para Meninas entrou em quarentena. Há dezoito meses, uma misteriosa doença virou a vida de Hetty do avesso. Começou devagar. Primeiro, as professoras foram morrendo, uma a uma. Então, começou a infectar as alunas, transformando o corpo delas em algo cada vez mais estranho. Isoladas do resto do mundo e deixadas à própria sorte, as meninas não se atrevem a ultrapassar o limite da escola. Hetty, Byatt e Reese esperam a cura prometida enquanto a doença se alastra. Mas tudo muda quando Byatt desaparece. Hetty não medirá esforços para encontrá-la, mesmo que isso signifique quebrar a quarentena e desbravar os horrores que as esperam além da cerca que separa a escola da floresta. E quando Hetty se lança rumo ao desconhecido, descobre que há muito mais mistérios por trás dessa história que ela jamais poderia imaginar.

Hetty está presa na ilha de Raxter há mais de um ano. Uma doença misteriosa se alastrou entre as garotas que estudavam no internato daquele lugar e o governo sancionou uma quarentena rígida, sentenciando todas elas a permanecerem no terreno da escola até segunda ordem.

Com exceção dos envios de comida e medicamentos, o ano e meio se passou e nada mudou, com exceção da doença - que tomou não apenas as garotas, mas tudo que vive na ilha. Os animais não são mais os mesmos e até as árvores parecem diferentes.

A Tox, como chamam, é uma doença mutante. Ela toma seus corpos e os transforma em alguma coisa - mutações físicas bizarras que, aos poucos, consomem as garotas e as tornam mais próximas da selvageria que existe no mundo. Hetty só quer sobreviver até encontrarem uma cura, mas, quando as coisas começam a mudar em Raxter, ela percebe que pode não ter mais tempo até lá.

Resenha: Meninas Selvagens

Eu já preciso começar essa resenha dizendo que não, não é um livro feminista. Quem escolheu ESSA CHAMADA para a história errou feio e errou rude - e acabou estragando a experiência de muita gente que pegou a história esperando vibes de O Conto da Aia para um público mais jovem. Não tem absolutamente nada disso. Nenhuma discussão sobre misoginia e machismo, nada sobre sociedade patriarcal e opressão.

Entendo que a chamada saiu porque "livros feministas" estão em alta, mas tô cansada de pegar fantasias, ficções científicas e QUALQUER outro gênero com marketing desse tipo que não raspa o tacho de questões feministas reais. Estraga a experiência de quem esperava por isso na história; eu só queria um horrorzão bizarro nas vibes de Aniquilação e foi isso que tive - por isso minha nota alta - mas vi muita gente que quebrou a cara por causa da chamada feita pra história e fiquei bem indignada com a situação.

Usar a palavra feminista só porque é um livro sobre garotas é desgastar ainda mais um termo que já tá em desuso justamente pelo tanto que foi arruinado. Tem muito feminismo por aí que oprime tanto quanto a misoginia; colocar uma chamada dessas na capa de um livro que não chega perto de tratar do assunto é desgastar uum pouco mais o movimento.

Resenha: Meninas Selvagens

Passado o surto, vamos ao que interessa que é O LIVRÃO QUE É MENINAS SELVAGENS!

Ignore a chamada na capa, ok? Ignore a nota baixa dele também porque as pessoas esperavam uma coisa e encontraram outra. Segura na minha mão e vamos conversar sobre a história.

Meninas Selvagens é um livro bizarro, em resumo. Ele é aterrorizante na medida certa porque lida com o desconhecido e o terror das mudanças bruscas e de um risco biológico que ninguém sabe controlar. Lida com o medo porque as garotas estão abandonadas, praticamente à própria sorte, em um ponto inóspito do mapa, cercadas pela selvageria que parece tentar tomá-las. Lida com egoísmo, com amizade, com dedicação e com decisões abruptas quase monstruosas, mas que falam muito sobre caráter e personalidade.

Mas que segredos são esses guardados em Raxter? Todas nós temos os mesmos horrores em nosso corpo, as mesmas dores, as mesmas vontades.

Eu gostei muito dessa experiência de leitura. No grupo da LC, era só surto sobre como nada fazia sentido mas ainda assim a história te investe em continuar tentando entender o que está acontecendo.

A história não te dá todas as respostas, e eu entendendo que possa irritar e perturbar as pessoas por isso. Mas tive para mim que, colocando a gente na perspectiva das garotas presas e ignorantes a tudo que está acontecendo, faz sentido os rumos que o livro toma.

Resenha: Meninas Selvagens

Não apenas pela Hetty, mas cada garota abandonada na escola - com exceção da Diretora e da Sra. Welch, as adultas da escola que entendem um pouco mais do que está acontecendo - está num abismo vazio e amedrontador. Tudo que sabem é que a Tox quer tomar seus corpos. Que os está mudando e transformando em alguma coisa; adaptando-as ao que essa doença quer para o mundo.

É assim com todas nós. Doentes, estranhas, e não sabemos por quê. Coisas irromperam de nós, pedaços faltando e partes desprendendo, depois endurecemos e acalmamos.

Hetty, Byatt e Reese são as personagens principais - Hetty e seus medos e inconstâncias, Byatt e sua gentileza e frieza e Reese e sua complexidade. São personagens ótimas, extremamente bem construídas e, para mim, bastante cativantes de acompanhar. Não são boas pessoas, longe disso, mas na situação em que estão, não poderiam ser.

Hetty é inconstante porque ela quer estar ali pelas amigas - principalmente Byatt, seu mundo todo - mas também é muito marcada pelo temor de consequências. Quando uma ruptura se abre nela em relação a isso é que vemos sua personalidade real; a que não mede esforços e ignora o universo para proteger quem ama - que, inclusive, chega a se tornar selvagemente egoísta por isso. E eu adorei!

Byatt é um ponto mais incógnita e eu não vou falar tanto dela porque é interessante analisar a personagem no desenrolar da trama. Aos olhos de Hetty, ela é a âncora, o norte, o ponto de estabilidade. Mas, quando conhecemos mais de Byatt, entendemos que ela está longe de ser toda essa grandeza que a Hetty vê nela; como todo mundo, ela esconde seus demônios e horrores.

Resenha: Meninas Selvagens

E Reese, por fim, que foi minha favorita justamente por ser a mais porra louca de lá. Sua vida inteira virou de ponta cabeça com a chegada da Tox e da quarentena - privada de ver o pai, que morava na ilha também, sem saber seu paradeiro há meses, Reese carrega muita amargura e ressentimento por isso. E com razão.

Ela é bastante complexa por se manter afastada, coberta por aquele escudo que impede as outras de enxergarem suas fraquezas - quando permite que Hetty se aproxime, no entanto, entendemos a sensibilidade e as rachaduras frágeis em sua postura destemida; ela é tão, tão incrível e eu queria ter tido um ponto de vista dela só por isso.

Como não percebi isso? O calor no olhar dela, só meu e de mais ninguém.

O livro abre um pequeno espaço para um romance sáfico no decorrer da história e MEU DEUS COMO EU SOFRI POR ESSE CASAL! Não vou falar muito para não estragar a surpresa, mas é um desenvolvimento doce e doloroso porque poderia ter sido tão mais!

Os elementos de horror me lembraram bastante de Aniquilação - inclusive uma cena específica que se inspirou demais para o meu gosto. Tem aquela coisa de lidar com o desconhecido quando você está inserida nesse ambiente; não é uma ameaça distante e estranho, é uma coisa que está no seu corpo e ao seu redor e está mudando tudo gradualmente, e ou você sobrevive ou se permite consumir por ela.

Resenha: Meninas Selvagens

Eu adorei como a autora usou isso para desenrolar a história. As respostas demoram e chegam em enigmas - são explicadas, mas levam seu tempo. E coisas ficam em aberto, sim. Como eu disse: estamos acompanhando a história pelo ponto de vista das garotas que não entendem nada dela. Não faz sentido fechar e costurar toda a trama quando o que elas estão vivendo segue o rumo que seguiu.

O fim é brilhante. Para mim, foi o melhor fechamento que esse livro poderia ter tido - e não, não tem necessidade de continuação. Certas histórias existem para perturbar e levantar questões e responder algumas, mas não todas, que é pra te deixar em confusão pensando muito sobre o que poderia acontecer dali para frente.

Porque acho que estive procurando isso a vida inteira - uma tempestade em meu corpo que se igualasse àquela em minha cabeça.

Finais abertos são o melhor tipo de final e só minha opinião importa nessa resenha.

Meninas Selvagens passa longe da chamada que a editora escolheu para a história, mas não significa que é ruim por isso. Pegue para ler esperando um horror apocalíptico, uma trama que explora ameaças biológicas e mutações selvagens para falar sobre o mundo e a personalidade humana e o quanto ela se molda ao que está mudando.

Título original: Wilder Girls
Autora: Rory Power
Editora: Galera Record
Tradutor: Marcela Filizola
Gênero: Horror | Ficção científica
Nota: 5+

https://amzn.to/3flFgPw

18 comentários:

  1. Eu to na metade do livro e, sinceramente, não achei nada de feminista nem de terror, talvez mais para o horror por causa do grotesco que é a Tox. Mas ainda não cheguei até o final, então não sei se minha opinião vai mudar até lá. Gostei da escrita da autora, mesmo que em algumas partes eu sinto que a história se arrasta um pouco (nem sei explicar o porquê). Estou ansiosa pelo fim, li muitas opiniões diferentes, tenho que tirar logo a minha própria...

    Blog Tagarelando Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laura!
      Isso de venderem como feminista foi a maior furada. Lá fora não teve NADA disso no marketing, não entendi porque escolheram isso pra cá - só criou expectativa falsa.
      A parte do terror funcionou pra mim muito bem, mas terror é relativo né. Igual drama :v tem gente que chora fácil com história dramática, tem gente que não.
      Espero que tu curta o fim!

      Bjs.

      Excluir
  2. Ei, Denise, tudo jóia? Eu acho a capa desse livro muito bonita. Eu já tinha visto o livro na Amazon, mas ele realmente não chamou a minha atenção, eu leio qualquer gênero literário, mas os livros mais voltados para horror e terror, eu tenho certa aversão. Mas que bom que a leitura está agradando. E hoje em dia as pessoas utilizam de questões e artifícios muito importantes, simplesmente para vender. Tem coisas que não podem e não devem ser tratadas com tamanho descaso, como tem sido feito com feminismo. O surto é bem vindo mesmo! Beijo.


    Books House

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Tudo bom e contigo?
      A capa é divina, né? E o acabamento do livro com ela ficou muito bonito.
      Entendo essa de não curtir muito um gênero, mas fica ai a dica caso algum dia queira sair da zona de conforto ou queira encaixar um terror mais leve numa TBR <3
      E sim, essa de ser livro feminista eu fiquei hmmmmmmmmmmmmmm

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi Dê, tudo bem? Bom saber que a chamada engana porque daí já consigo alinhar minhas expectativas! Eu gostei da premissa, pretendo ler em breve porque já tenho minha edição rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi! Tudo bom e contigo?
      Ai siiiiim, eu vi tanta resenha negativa que era justamente pelo hype falso criado :/ espero que assim a história funcione melhor pra ti!

      Beijos!

      Excluir
  4. Oi, como vai? adorei a resenha, esse livro estar na minha lista. Eu pretendo ler o mais rapido possível rsrs.
    Beijos!
    https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jessica! Tudo bom e com vc?
      AAAAAAA espero que curta quando ler!

      Beijos.

      Excluir
  5. Olá, Denise.
    Odeio finais abertos hehe. Não sei porque esse povo tem que ficar aproveitando a carona para vender. É igual quando todo livro era para os leitores de Garota Exemplar. Quantos livros que li e quebrei a cara esperando algo que não veio. Só por ele mesmo eu já fiquei interessada, mas não sei por causa desse final.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil!
      Menina como assiiiiiiim, quanto mais aberto o final mais eu amo :v ainda não consegui uma história pra escrever um assim, mas um dia farei UHASUHASUHASUHASUH
      Nossa, sim?? Vende o livro como ele É, não como poderia ser e não é mas vai enganar todo mundo que vai tentar ler.
      O final é BEM aberto mesmo. Mas não tem outro pra uma história dessas; ia ficar muito mecânico e muito sem sentido se ela tivesse fechado tudo. Tem certas histórias que precisam do 'e aí? O que rolou?' sem nunca dar resposta senão perde a beleza!

      Beijos!

      Excluir
  6. Uma das coisas que mais tenho raiva envolvendo o MKT desse livro é justamente chamarem de feminista só pq é sobre meninas, sabe. Tem uns temas ali de como meninas q não se comportam como a norma são esquecidas e preferidas, mas só isso não justifica fazer propaganda com o termo. Também discordo de terem usado Terror, pq infelizmente aas pessoas tem uma visão equivocada do que é o gênero e talvez horror tivesse funcionado melhor
    Mas é isso, o MKT ia ser mto mais efetivo se fosse "Aniquilação YA", porque é o que o livro é!!!! Amei ele demais e amei o final também e fico feliz que tenha gostado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bárbara! Tudo bom?
      SIM E SIM!!!!!!!!!! A parte do terror eu inclusive conversei com a Bibs na live, e ela mencionou "horror" como um termo melhor e nossa, sim. Eu sou uma grande covarde então senti tanto medo quanto aquela sensação mais cringe que horror passa, mas pro marketing era pra ter chutado ESSA e só essa bola.
      O fato de a maioria das resenhas negativas apontarem a decepção por terem esperado o que NÃO TINHA NA HISTÓRIA E NÃO PRECISAVA VENDER ASSIM me deixou!!!!!!!!!!! que raiva, sabe.
      Mas sim, amei e amei e vou panfletar muito esse livrão <3

      Bjs!

      Excluir
  7. Oi Denise,
    Sinceramente? Não sei se é meu estilo.
    Até queria ler para ver o que acho, mas como a premissa não chama tanto minha atenção, acabo sempre adiando a leitura. Fico feliz que tenha sido uma boa experiência para você.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alê!
      Eu super entendo essa coisa de não funcionar com gênero de livro. Tem vários ultimamente que tô olhando e deixando passar, mesmo curiosa, porque sei que não vai rolar.
      Mas quem sabe um dia rola uma vontade, né!

      Bjs.

      Excluir
  8. Oi, Denise

    Comprei esse livro na época do lançamento e tá lá na estante. A vontade de ler ainda existe, mas não é um prioridade. Vou tentar ler no começo do ano que vem. Quanto ao mkt usando o feminismo virou moda, né? Realmente desgasta e frustra. Tá feio já...

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tami!
      Nossa, sim. O TANTO de livro que saiu vendendo feminismo onde não tem (Três Coroas Negras, Quatro Rainhas Mortas, A Princesa das Cinzas, ESSE) esgota demais. Aí o povo pega esperando uma coisa, ganha outra e não gosta e a culpa é totalmente do mkt por vender a história errada né...
      Mas espero que tu curta quando ler, só ter em mente que é um Aniquilação YA e não isso da capa! UHASUHASUHASUHASUH

      Beijos!

      Excluir
  9. Oi Denise! Essas chamadas para atrair leitores acabam por afastar na maioria das vezes, eu já deixei de ler vários livros quando vejo que são comparados com outros que não tenho interesse em ler. Eu achei essa capa linda, mas admito que não tinha me interessado pela história até ler sua resenha. Apesar do final aberto que não acho legal, ainda assim fiquei curiosa sobre a realidade destas meninas. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cida!
      Exatamente! É tanta propaganda enganosa que em vez de chamar a atenção, afasta as pessoas - a Bibs mesmo não queria ler porque tinha ficado HM pra coisa do "terror feminista".
      Espero que tu consiga ler algum dia e que curta <3

      Bjs.

      Excluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!



@QueriaEstarLendo