Resenha: Rainha das Sombras [Mês das Mulheres]


Uau. Que leitura mais... Uau. Tal como Herdeira do Fogo, precisei começar esta resenha antes de terminar o livro. E agora que terminei nem sei se consigo me expressar. A quantidade de arcos e desenvolvimentos e personagens importantes e novos personagens em destaque, a Sarah destrinchou ainda mais a história complexa que o terceiro volume da série havia criado. Trono de Vidro ascende junto à Aelin Coração de Fogo, tornando-se uma das sagas mais épicas que já tive a felicidade de conhecer. E Rainha das Sombras foi uma das melhores histórias que já li na vida.


Sinopse: Todos que Celaena Sardothien amou lhe foram tirados. Mas finalmente chegou a hora da retribuição. A vingança promete ser tão dura quanto o aço da Espada de Orynth — a espada de seu pai. Finalmente Celaena retornou ao império; por justiça, para resgatar seu reino e confrontar as sombras do passado. A assassina está morta. Ela abraçou a identidade de Aelin Galathynius, rainha de Terrasen. Mas antes de reclamar o trono, precisa lutar. E ela vai lutar. Por seu primo, a Puta de Adarlan, o general do Norte... um guerreiro preparado para morrer por sua soberana; por seu amigo Dorian, um príncipe preso em uma inimaginável prisão; por seu povo, escravizado por um rei cruel e à espera do retorno triunfante de sua líder; por seu carranam e a libertação da magia. Ao avançar em seu plano, no entanto, Aelin precisa tomar cuidado com velhos inimigos. E abrir o coração para novos e improváveis aliados. Tudo isso enquanto os valg continuam trabalhando nas sombras. E Manon Bico Negro, a Líder Alada das Treze, treina suas bestas voadoras. Mas é de Morath, a fortaleza montanhosa do Duque de Perrington, que uma ameaça como nenhuma outra promete destroçar seu grupo de rebeldes e sua corte recém-formada.

Aelin está de volta à Adarlan. Depois do período sentenciada às terras mágicas de Wendlyn, a outrora assassina e agora futura rainha prometida volta para Forte da Fenda, onde uma aura sombria e uma ameaça obscura pairam sobre as terras sem magia. Determinada a extinguir a tirania do rei de Adarlan e salvar Aedion, seu primo, da execução, Aelin procura antigos aliados e novos amigos para garantir, de uma vez por todas, que o reino de horror tenha um fim. Do outro lado da moeda, temos Manon Bico de Ferro, a herdeira e Líder Alada da aliança das bruxas, servindo à escuridão que desperta sob as montanhas. O rei de Adarlan está criando um exército de feras aladas, e Manon é a líder delas. Além das duas, personagens como Dorian, Chaol, Rowan, Aedion, Elide, Lysandra, Kaltain e mesmo os príncipes valg ganham grandioso destaque para compor o conjunto épico que é Rainha das Sombras. Em meio a intrigas políticas, batalhas sombrias e revelações assombrosas, magia da luz e das sombras se erguem sobre Trono de Vidro no volume mais arrasador e maravilhoso da saga até agora.


A ira que viu nos olhos de Aelin podia levar o mundo ao fim.

Tem tantos arcos que eu nem sei por onde começar. Aelin é a peça central de toda a trama, porque ela é a rainha esquecida, a herdeira do fogo e da magia ancestral que antes regia aquele mundo. Ela é a filha dos Ashryver, uma feérica poderosa cujo poder flamejante se apaga assim que retorna para Adarlan - alguma coisa retém a magia ali. Alguma força sombria, uma ameaça antiga que inibe toda a força mágica correndo pelas veias daqueles que a possuem. Aelin está determinada a extinguir isso - até porque, se houver uma guerra, a rainha queimará todos que marcharem contra ela. Para salvar o primo da morte, Aelin precisa encontrar alguém para ajudá-la a invadir a cerimônia de execução. Temores do seu passado retornam quando o Rei dos Assassinos parece a sua melhor chance para livrar Aedion do destino terrível. O Rei dos Assassinos, Arobynn, aquele que destruiu o que ela era. Aquele que criou Celaena sobre Aelin, fazendo-a esquecer sua herança mágica, escondendo dela quem ela realmente era. Mas também a fortificou e protegeu, e Aelin não pode tomar isso como algo ruim. Equilibrado a isso ainda há o fantasma de Sam, brutalmente assassinado antes de Aelin ser mandada para as minas de sal de Endovier. Muitas feridas não cicatrizadas contra o pouco tempo para aceitá-las. Aelin quer Arobynn morto, mas ele é sua única garantia de sucesso para os planos.



- Como posso tirar a vida de alguém que significa o mundo para outra pessoa? Mesmo que seja minha inimiga.

Lysandra, outra figura do passado de Aelin, se torna o seu contato e a sua espiã - outrora inimigas, as duas encontram em seu ódio por Arobynn uma aliança poderosa. O fortalecimento de uma amizade inesperada cria entre as duas um laço inquebrável, especialmente pela força surpreendente de Lysandra. A cortesã é uma peça chave para o desenvolvimento da história, especialmente quando seu passado e futuro se revelam tão interligados ao de Aelin. Adorei como a Sarah construiu a ligação entre as duas, tirando aquele ódio infantil que existia, a rivalidade sem sentido. Lysandra e Aelin são adultas agora, ambas marcadas pelas dores que o mundo lhes causou, e são aliadas incríveis. Eu quero muito ver o que a Lysandra tem a acrescentar para a história no próximo volume!

Tramoias políticas, acordos econômicos e um pouco da selvageria da antiga assassina ditam os passos de Aelin. Pelo menos até que os preparativos para a grande guerra comecem. O poder dela inflamado, mesmo o poder humano, apenas sua força física e sua habilidade de luta, são insuperáveis. Aelin é uma força da natureza prestes a explodir o mundo, uma rainha absoluta e incrível. Ela ainda tem os trejeitos da assassina que conhecemos no início da série, mas está muito mais marcada por tudo o que viveu, pelas pessoas que perdeu e pelas decisões que tomou. Ela é Coração de Fogo, sua força cresce a cada dia, e quando suas chamas queimarem, Adarlan se curvará diante dela.


Aelin era uma nuvem rodopiante de morte, uma rainha das sombras, e aqueles homens já eram carniça.


O reencontro de Aelin e Chaol foi impactante, principalmente para o meu emocional. Os deuses sabem o quanto eu amo e defendo o Chaol, o quanto eu caio de joelhos para o crescimento e desenvolvimento do personagem, mas Rainha das Sombras testou a minha paciência. Sim, eu sei. Eu compreendi todas as ações do antigo capitão da guarda, agora um fugitivo. Entendi a dor dele, o desespero por salvar Dorian do que parece um destino tão terrível - e, por salvar, eu digo realmente tirá-lo daquela situação com vida, ainda que nenhuma possibilidade esteja a seu favor. A escuridão que cobre o príncipe é muito maior e poderosa do que algo que Chaol possa entender, mas conforme os capítulos avançam, o capitão percebe que talvez seja tarde demais. Amo profundamente a sua fragilidade, a sua coragem intrépida e sua honra e fidelidade. Chaol é um personagem muito importante para a história porque ainda é uma ligação com o mundo antigo, com a civilizadade da história sem a magia, e também é um homem a ser desenvolvido para o novo mundo. Dorian é a sua causa, diferente da liberdade que Aelin busca. Dorian é para o Chaol o que a Aelin é para o Aedion.

- Dorian Havillard oferece um futuro melhor, mas a responsabilidade também está conosco. Com o modo como as pessoas comuns escolhem agir.

Aedion, aliás, meu querido general bem humorado, mesmo quando está sob risco de vida. A devoção e o amor dele pela prima perdida, especialmente quando eles se reencontram, é de toda uma emoção inexplicável. Os dois se amam e se entendem e são uma família tão poderosa. Aedion é um guerreiro indestrutível, mas um feérico que se curva imediatamente perante a presença da sua rainha. A majestade de Aelin é o motivo pelo qual ele lutou todos aqueles anos, a ínfima possibilidade de tê-la de volta, sã e salva e pronta para governar. Aedion é o tipo de personagem que curvaria o mundo mortal para Aelin se isso se fizesse necessário, e que estará ao lado de sua rainha quando a guerra chegar - porque ela vai chegar.


O que seguiria Aedion e aquele seu príncipe feérico, e todos os guerreiros como ele? Um novo mundo, sim. Mas um mundo na qual a voz humana normal não passaria de um sussurro.

Manon Bico de Ferro é outra das personagens principais deste livro. A bruxa que conquistou o posto de Líder Alada é uma das principais peças do jogo de poder que existe naquele mundo, e ela vai descobrindo e manipulando isso conforme descobre as tramoias sombrias que acontecem em seu reduto. O duque que a comanda não é só um humano, e os gritos e horrores que vêm de debaixo das montanhas indicam que o rei de Adarlan - o seu comandante - planeja algo grandioso e destruidor para tudo que a humanidade conhece. A Sarah deu um grande crescimento emocional à Manon, especialmente tratando-se de uma Bruxa de Ferro. Ela não deveria ter tudo aquilo em seus pensamentos, não deveria se preocupar com causas que não lhe dizem respeito, mas ela é questionadora e é uma líder natural. Ela sabe que algo está errado, e esse algo começa a afetar as suas seguidoras. Manon é uma coragem fria, uma crueldade honrada, e é uma das melhores personagens que Trono de Vidro tem. O próximo volume guarda um grande arco para a Líder Alada, especialmente com a aproximação da guerra, principalmente com o final. Manon sabe que as coisas mudaram radicalmente em seu mundo e precisa escolher de que lado vai ficar quando os tambores de batalha soarem.

- Acredita que monstros nascem ou são feitos?



Rowan, meu adorado e amado e querido príncipe feérico, carranam da rainha, guerreiro imortal incrivelmente poderoso e precioso demais para o mundo. Ele retorna à história em um ponto crucial da trama, e amo como ele está sempre ali para apoiar Aelin, mesmo que suas palavras de apoio sejam duras e um pouco crueis. Ele é um feérico sábio pela imortalidade, afinal. Ele sabe o que há de pior no mundo. Com as sombras ascendendo e a escuridão tomando forma através dos príncipes valg, das coisas horríveis que habitam os humanos - o príncipe de Adarlan - Rowan sabe que tempos horrendos estão por vir. Mas suporta tudo isso e todo o seu emocional com frieza para garantir força e apoio à Aelin. A ligação entre eles vai além da paixão, do amor, da luxúria, da amizade. Vai além de tudo o que se pode dizer ou explicar. Eles estão unidos por laços inquebráveis, unidos pela mente e pelo coração, unidos pelo espírito e pela própria força. Rowan e Aelin pertencem um ao outro para sempre. Ela é a sua rainha e Rowan a seguiria até o inferno se fosse necessário. O que antes já era uma relação poderosa foi expandida além de explicações racionais pela autora nas 644 páginas desta obra prima. Sarah construiu um dos relacionamentos mais empoderadores e inesquecíveis que já tive a alegria de ler, e deuses eternos, como eu preciso do próximo volume. Como eu preciso da Aelin e do Rowan em paz, mesmo que por cinco minutos, só para que eles se descubram e se encontrem como o poderoso casal que são.


Ele ficou parado com a rainha na chuva, inspirando seu cheiro, e deixou que Aelin roubasse seu calor por quanto tempo precisasse.


Elide é uma das novas personagens, e eu queria tanto ter a capacidade da Sarah de escrever um capítulo e então já intrincar a personagem a tudo e todos e a todas as histórias que já estão ali desde o princípio! Elide é uma escrava, serva do duque, o mesmo que comanda das Bruxas de Ferro nas montanhas sombrias de Morath. Ela é designada a servir Manon quando cruza seu caminho, e aqui começa o seu auto-descobrimento sobre a própria herança e o futuro grandioso. Elide não é só uma garota abandonada, inválida pela escravidão e pelas cicatrizes. Ela é uma força, uma futura aliada na guerra contras as sombras. Manon vê isso nela, e a obriga a ver também. Uma relação que começa na frieza cruel da bruxa e termina em o que eu gostaria de chamar de CANON. ELIDE E MANON É CANON, É UM SHIP LÉSBICO E NINGUÉM ME CONVENCE DO CONTRÁRIO! EU QUERO AS DUAS JUNTAS, SARAH, ME OUVIU? EU QUERO ESSE CASAL ACONTECENDO! A Elide é incrível e a Manon é incrível e eu rolo no chão só de pensar nas duas se amando - principalmente pela Elide ser tão emotiva e a Manon tão fechada e sombria. Meu tipo favorito de ship!


Dorian é o último mencionado porque falar dele é falar de muitos spoilers. Tudo o que posso mencionar é que a prisão em que ele está enclausurado é o horror que assombra todos os outros personagens. Dorian é tão forte e tem um grandioso potencial pela frente, mas sua história se desenvolve intrincada ao terror dentro dele, prendendo-o e escondendo-o do mundo, fazendo-o se esquecer de quem ele é e de todos que conhecem. Como o príncipe pode ser tão poderoso quando todas as suas forças são tiradas dele?



- Dez anos de sombras, mas não mais. Ilumine a escuridão, Majestade.

Eu gostaria muito de falar abertamente sobre cada arco, mas vou me reter finalmente - porque não estou escrevendo uma Bíblia, afinal - em Asterin e nas outras bruxas do Clã das Bicos Negros. Asterin era a segunda em comando para Manon, mas sua história cresce conforme sua rebeldia contra a autoridade acima de Manon ascende. Asterin é uma personagem fantástica, não tem como não amar suas nuances. As outras bruxas também têm grande participação, e o que o rei planeja debaixo das montanhas - a partir do momento em que envolve uma delas - passa a envolver todas. A união as fortalece e faz delas uma arma poderosa, uma legião inquebrável e indestrutível. Com suas montarias aladas e seu sangue frio, as bruxas podem ser tanto uma aliança para Aelin quanto a sua ruína no próximo volume. Dado certo momento da trama em Rainha das Sombras, você meio que já imagina o que virá a acontecer. E será incrível se seguir esse caminho!


Os aldeões pararam quando viram a aliança parada, no alto da projeção da rocha que ficava acima do vale no qual tinham estabelecido seus lares. Manon sacou Ceifadora do Vento. Então os gritos recomeçaram.

Só tenho uma reclamação, e preciso fazer um adendo porque vou usar gif de revolta. CHEGA DE HÉTEROS, SARAH!


Você tem o que pode ser casal lésbico empoderador maravilhoso em mãos e arranja espaço para colocar um homem na vida de uma delas? Amiga, assim não dá!


Ela era a herdeira do fogo. Ela era fogo e luz e cinzas e brasa. Era Aelin Coração de Fogo e não se curvaria para nada nem ninguém.

Tem tantos outros momentos do livro que eu queria gritar. Tantas cenas impactantes que nunca serão esquecidas. Sarah J. Maas destrincha uma história épica sobre uma assassina, uma feérica e uma rainha. Ela te conta sobre um mundo que poderia existir em outra dimensão, porque tudo é muito real e bem desenvolvido. Cada nuance, cada momento, cada escolha dos personagens levam a momentos de tirar o fôlego. Rainha das Sombras desenvolve o começo do arco de uma grande guerra. Quando um mal é destruído, outro ascende ainda mais poderoso. Aelin Ashryver Galathynius é a Herdeira do Fogo, a Rainha das Sombras, e certamente criará um Império de Tempestades para derrubar a escuridão que ousar tomar o seu mundo.


Título original: Queen of Shadows
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Gênero: Fantasia / Romance
Nota: 5 +


Saiba Mais: Skoob | Buscapé Saraiva Extra

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

6 comentários:

  1. Ai gente, amei sua resenha! Rainha das sombras está em seu caminho para minha casa, só esperando chegar para poder devorar. Sou apaixonada por essa série. E por favor, concordo muuito com você! Bota casal lésbico nesses livros Sarah. Sinto que Manon vai ter que ter uma mulher em sua vida.
    Beiijus

    ResponderExcluir
  2. Olha, eu vou agradecer a Deus ou a qualquer força mística que tenha me feito achar essa delícia de resenha as 2 da manha, porque menina... Eu te amo, sério.
    Eu pensei que era uma louca sofredora, vitima da Sarah perdida no mundo antes de encontrar isso.. e adivinha?! É NÓIS QUE SHIPPA CANON! MDS KERO MUITO 😍
    Enfim parando os surto, resenha maravilhosa, achei meu cantinho pra fuçar os livros daqui em diante.
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Gente, vai ter continuação ? Porque to morrendo aqui. e quando vai lançar ?

    ResponderExcluir
  4. Rainha das Sombras é um livro incrível. Assim que eu li a última página, eu soube que estava perdida, tão ferrada, porquê eu lutei, resisti, mas a série Trono de Vidro me conquistou...pelos deuses, eu não aguento mais sofrer por causa da Sarah. Pela Mãe, eu ainda não superei ACOMAF, e fui cair na besteira de ler TOG! Sinceramente, fiquei com um pé atrás, principalmente no primeiro livro, mas me arrependo de ter duvidado dessa autora maravilhosa, que me surpreendeu a cada página, me fez amar os personagens como só ela sabe fazer, e agora...não sei o que fazer da minha vida. EU AMO A SARAH J. MAAS, mas eu quero matá-la, isso é normal? Não sei o que dizer.
    Parabéns pela resenha, muito bem feita <3. E SIM, SIM, MANON E ELIDE PODERIA SER REAL, OU MANON E ASTERIN, mas eu tenho suspeitas de que ela fica com o meu bolinho Dorian, que, aliás...AI, parei. Enfim, concordo com tudo o que você disse, e parabéns novamente!
    Xoxo!

    ResponderExcluir
  5. Apaixonada com a sua resenha, me ajudou demais. Eu li a história a um bom tempo e agora fui ler os últimos livros e fiquei muito perdida, se não fosse você ia demorar bastante pra me achar na história. Muuuito obrigada

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!