Resenha: Herdeiro do Jedi


Star Wars. Ah, Star Wars. Não dá pra explicar o amor que eu sinto quando penso nessa saga, só posso dizer que é de mais de oito mil. Herdeiro do Jedi tem tudo e mais um pouco para os fãs da história, e também para quem quer conhecer um dos personagens que nasceu e cresceu e se tornou uma das partes mais importantes da saga: Luke Skywalker.


Sinopse: A Guerra Civil Galáctica segue após a destruição da Estrela da Morte e Luke Skywalker se esforça para aprender mais sobre a Força sem a ajuda de Obi-Wan Kenobi – ou de fato sem nenhuma ajuda. Mas as poucas memórias que ele tem das instruções de Obi-Wan apontam a direção para um maior controle da Força, e ele é encorajado para perseguir isso por um novo amigo na Aliança. Quando Luke, R2-D2 e seu novo aliado recebem a missão de liberarem uma pessoa do Império e entregando-a em um planeta seguro onde ela pode ajudar a Aliança, a jornada deles pela galáxia é cheia de perigos – e oportunidades para Luke descobrir os mistérios da Força.

Herdeiro do Jedi segue Luke depois dos episódios de Uma Nova Esperança, quando ele se torna conhecido como herói por ter dado o disparo que destruiu a Estrela da Morte. Claro que nem tudo são flores, e a Rebelião ainda está em desvantagem. Caçada e escondida, ela precisa de patrocinadores, de armamentos e de uma base fixa para continuar a luta contra o Império tirano. E é aí que entra o Luke; com algumas missões, o livro segue o nosso Jedi, agora solitário em sua jornada de aprendizado sobre a Força, em algumas aventuras pela galáxia para conseguir apoiadores, armas e, principalmente, conhecimento para seguir em frente como o guerreiro que deseja ser.


A aurora chega, quer você durma ao longo dela, quer não, e acho que a Força pode ser assim: sempre lá, mas invisível até que você se esforce.

A narrativa de Herdeiro do Jedi é bem simples, mas enérgica. Temos vislumbres bem descritos de planetas novos, de personagens conhecidos e de novos rostos. A ameaça do Império paira sobre Luke, mas seu maior problema é o desconhecimento. Ele ainda é um garoto perdido em meio a tanta coisa nova, pouco experiente a respeito dos mundos lá fora. Ele quer lutar e ser forte, ao mesmo tempo em que não sabe precisamente qual caminho seguir para conseguir isso. Adorei como a história trabalhou a história do Luke, dando um alcance maior para o menino antes do homem antes do Jedi.



- Quando você é traído, nunca é por alguém parecido com Vader. A traição sempre vem envolta em um manto amigável.

A personagem secundária que está na arte da capa é a Nakari, uma atiradora de elite, filha de um importante figurão do comércio intergalático. Ela está na Rebelião pela própria liberdade acima da causa, mas, diferente de Han Solo, também luta para ajudar a galáxia a se livrar do Império. Nakari é minha rainha e vou protegê-la a todos os custos! Uma coisa que me pegou nessa narrativa foi o fato de ela aparecer, mas não ter o destaque merecido. Queria muito entender mais suas motivações, suas forças e fraquezas. Queria que a Nakari tivesse tido espaço para um desenvolvimento mais poderoso, uma vez que prometeu tanto com suas aparições. O relacionamento da Nakari e do Luke é uma amizade baseada em confiança, que vai crescendo até uma atração mútua e, quem sabe, a promessa de um amor jovem. Luke ainda é inexperiente em tudo a respeito da vida, inclusive com o amor.


- Eu provavelmente parecia mais confiante do que realmente estava, mas essa é a única força de enfrentar o o inimigo; algo que aprendi com Han. Ele me disse "Nunca vá para a batalha dizendo 'Bom, acho que vou lutar pela minha vida agora, se for realmente necessário'. Uma vez comprometido, garoto, você tem de se comprometer totalmente, ou não vai sobreviver".


O ponto chave do livro é a ação. As perseguições, a espionagem e a "proteção à testemunha" que Luke e Nakari precisam utilizar lá para o meio do livro, resgatando uma prisioneira do Império que pode ser útil à Aliança. A trama é bem trabalhada em cima da aventura dos dois através dos planetas desconhecidos, e do Luke se descobrindo como guerreiro e Jedi. A Força chama por ele, se revelando aos poucos. Sem Obi-Wan, Luke precisa encontrar o seu próprio caminho, a sua própria maneira de entender tal chamado. A sensação de que ele está sozinho nessa jornada é ainda mais emocionante quando você, leitor(a), sabe o que vem pela frente. "Do or do not, there is no try".

Outra personagem irreverente e curiosa foi a Drusil, a mesma refém que Luke e Nakari devem proteger. Ela vem de uma raça estranha com um fascínio bizarro por problemas matemáticos, mas tem grandes ensinamentos e momentos importantes para dividir com o futuro cavaleiro Jedi. Drusil é a parte racional e pouco emotiva da narrativa, mas não menos importante do que os humanos. Eu gostei muito do crescimento dela na narrativa, de uma figurante para uma coadjuvante extremamente necessária para o andamento da história.



O final, no entanto, me foi um pouco anticlímax. Fiquei decepcionada com uma decisão súbita do autor, que, ao meu ver, foi extremamente desnecessária. A morte nunca é o melhor caminho, especialmente quando usada para engrandecer o conhecimento de outro personagem. Ele usou o famoso artifício do man pain; eu odiei, de verdade. Uma estrelinha foi retirada da nota final por causa disso.

Às vezes, planos simples são os melhores. Ou plano nenhum, que é como Han muitas vezes gosta de lutar. "Se o seu plano nunca sobrevive ao encontrar com o inimigo, garoto, para que planejar?".


A edição da Aleph é a coisa mais linda do mundo, como sempre. Capa, diagramação, acabamento. É tudo impecável e tão lindo que te faz querer abraçar o livro e protegê-lo de todos os males do mundo.



- 3PO, você gosta de calcular esse tipo de coisa. O que é mais provável, fluxo de caixa contínuo para a Aliança ou Han se comportando racionalmente? 
- Ainda que ambos tenham pouquíssimas chances de acontecer, princesa, fluxo de caixa contínuo é muito mais provável.

No mais, Herdeiro do Jedi é uma leitura interessante tanto para quem conhece o universo de Star Wars quanto para quem quer conhecer. O livro te apresenta e reapresenta o Luke, a Aliança, o Império e as grandes histórias que vêm por aí, ao mesmo tempo em que mantém um suspense e incerteza sobre a Força e os caminhos que Luke precisará trilhar para se tornar um Jedi.


Título: Heir to the Jedi
Autora: Kevin Hearne
Editora: Aleph
Gênero: Ficção científica
Nota: 3

Saiba mais: Skoob | Buscapé

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

2 comentários:

  1. Oi!
    Adorei essa capa, mas infelizmente nunca li nada de star wars entao não sei quando irei ler. Parabens pela resenha!, essa série parece ser muito boa, apesar de voce não ter curtido muito.

    Abraço!
    Leitura Fora De Série

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Guilherme, tudo bom?
      Essa capa é maravilhosa né? Amo as artes novas que a Aleph usa pros lançamentos AKJNAOGBAOBGAOUGB vale a pena pra conhecer mais do universo! Mas recomendo muito mais ler a trilogia lançada pela Darkside primeiro!
      Infelizmente o final desse livro escorregou pra mim, mas no geral foi bom. Obrigada pelo comentário!

      Beijos,
      Denise Flaibam.

      Excluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!