Resenha: Anna Vestida de Sangue


Anna Vestida de Sangue tem uma premissa simples, mas interessante aos amantes de um bom sobrenatural; com uma narrativa simples e impactante, a autora conseguiu conduzir o que deveria ser só um episódio de Supernatural a uma das melhores obras sobre caçadores de fantasmas que já conheci.

Cas nunca fica na mesma cidade por muito tempo. O motivo? Ele está sempre procurando casos sobrenaturais para resolver. Ele e a mãe viajam pelos EUA em busca de fantasmas que precisem ser despachados, porque ele é o único capaz de fazer isso; tendo perdido o pai para um fantasma desconhecido, Cas tem com ele a ideia de se fortificar para voltar até lá e eliminar a ameaça que assassinou seu pai. Enquanto isso, um caso que deveria ser simples se mostra mais complexo do que o garoto maginava. A famosa Anna Vestida de Sangue não é só uma fantasma amargurada, e lidar com ela vai trazer mais consequências a Cas do que ele imaginava.

Tenho que confessar que até a página 150 eu só estava achando legal. Dali até a 200, pensei que o livro não acabaria mais. E da 200 até o fim a história engatou de tal maneira que eu devorei as páginas.



Cas não é o personagem mais carismático do mundo, e talvez por isso eu tenha tido dificuldades em gostar dele. A amargura e a frieza dele, no entanto, são traços compreensíveis, especialmente para um garoto com uma vida tão perturbada. Ele perdeu o pai muito novo, e perdeu para uma tragédia que ninguém, além da mãe, poderia entender. Cas criou essa aura de vingança controlada, a ideia de que a herança sanguínea colocava o fardo sobre ele e apenas ele. Por isso, Cas é muito isolado. Ele não cria laços onde passa, não tem amigos e nem grandes afeições. Ele é um garoto carismático por necessidade, mas só por escolha. Quando chega na cidade onde a fantasma Anna vive, no entanto, Cas vai sair totalmente da sua zona de conforto para lidar com essa ameaça.

A começar pela própria Anna. Ela não é uma fantasma comum; a brutalidade da sua morte, a sua lenda medonha rondando pelos conhecedores dela e a certeza de que chegar perto da sua casa é morte na certa criam uma tensão interessante para o começo do livro. Quando Cas finalmente a encontra, numa circunstância incomum e desesperadora - malditos bullies infernais - descobrimos que Anna é mais do que só uma entidade amargurada. Ela também é uma garota assustada, uma alma penada em busca do próprio caminho. Ela é Anna, a menina que foi assassina, e também um poder sombrio imensurável e incontrolável. Sua história é trágica e constrói a aura de dor que ela carrega.



A interação entre o Cas e a Anna foi bem sutil, mas carinhosa e surpreendentemente próxima para um fantasma e seu caçador. De uma missão para destruí-la até um plano para salvá-la, Cas e Anna evoluem muito durante a leitura. Não foram os meus favoritos, mas certamente foram bem construídos e trabalhados.

Meus bebês que devem ser protegidos a todos os custos foram Thomas e Carmel. Thomas é o garoto esquisito e desconexo que ouve pensamentos e Carmel é a rainha do baile que acaba nessa enrascada por puro acidente; ambos são corajosos para dois jovens que nunca viram nada do sobrenatural - a Carmel principalmente! Minha rainha cheia de bravura, pronta para proteger seus amigos! Os dois são incríveis, determinados e bem desenvolvidos. A Carmel sai do esteriótipo de líder de torcida que está ali só para ser linda e ter um interesse amoroso, chegando a salvar a vida de todos eles em um momento inesperado da trama - que os céus abençoem os tacos de beisebol! E o Thomas nunca deixa a aura amedrontada de lado, mas ele gosta do Cas e gosta de ter um amigo e gosta, principalmente, da aventura que é estar ao lado do caçador de fantasmas. Especialmente no caso da Anna.



A narrativa é arrepiante. Cheia de detalhes nos momentos certos, ela consegue te dar o visual das cenas macabras, te coloca dentro da casa assombrada pela Anna e quase te faz olhar por cima do ombro para ter certeza de que não tem nenhuma entidade sombria ali.

O quarteto de "caçadores" é bem bagunçado, cheio de personalidades distintas, e por isso eles funcionam bem para o livro. Em meio a reviravoltas inesperadas, algumas escolhas estúpidas - QUE VONTADE DE CHUTAR A CARA DO WILL, NOSSA SEM HORA - e um final meio apressado depois de tantas enrolações, Anna Vestida de Sangue se mostrou uma leitura agradável. Tem um que de Supernatural, daqueles episódios bem do começo da série, quando tudo que importava era eliminar a ameaça sobrenatural, e de Buffy, com heróis jovens e bem humorados preocupados com coisas da vida cotidiana. O fim foi rápido, mas satisfatório, e eu indico a todos que adoram uma boa história de fantasmas.


Título original: Anna Dressed in Blood
Autora: Kendare Blake
Editora: Verus
Gênero: Ficção / Paranormal / Romance
Nota: 4

Saiba Mais:  Skoob | Saraiva  | Submarino | Buscapé

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

1 comentários:

  1. Olá, Denise.
    Sua resenha está irresistível! Eu li o livro há um tempo e amei cada segundo, já que eu shippei sim o casal principal mesmo sabendo das consequências desse romance. Achei tudo com um tom simples para uma trama sobrenatural, por isso a leitura é fácil. Amei cada segundo e não vejo a hora de esperar o próximo!
    Beijo, Visite o Leitora Encantada

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!