Resenha: Magisterium - A Luva de Cobre


A Luva de Cobre traz de volta o mesmo tom leve e divertido da narrativa dividida entre Holly Black e Cassandra Clare, misturando fantasia e aventuras a um tom sombrio atípico em obras desse tipo. A resenha pode conter alguns spoilers do primeiro livro, portanto: cuidado!


Sinopse: Nesta fantasia urbana, um universo de magia coexiste com nosso mundo. Um universo repleto de intrigas, onde crianças aprimoram seus poderes em uma escola de magia chamada Magisterium, com Mestres que temem a volta do mago mais poderoso, e ambicioso, de todos os tempos, o Inimigo da Morte. Nesse volume, o aprendiz de mago Callum Hunt precisa encontrar uma antiga arma mágica roubada do Magisterium. A luva de cobre é capaz de arrancar a magia de uma pessoa e destruí-la completamente. Ao mesmo tempo, ele tem de decidir se conta aos amigos que, dentro dele, vive a alma do Inimigo da Morte, apenas à espera do momento perfeito para retomar sua escalada pelo poder.

Call está de férias, mas não aproveitou muito delas. Depois que descobriu a terrível verdade envolvendo o Inimigo da Morte, o grande vilão do mundo que conhecem, Callum Hunt percebe que têm mais problemas do que imaginava. Quando parece que o próprio pai está se voltando contra ele, Call foge junto ao seu lobo Dominado pelo Caos, Devastação, e busca a ajuda dos amigos, Tamara e Aaron - e Jasper, o irritante sabe-tudo, que vem de brinde. Um artefato mágico muito poderoso foi roubado de Magisterium, uma manopla capaz de absorver a magia do caos, o que coloca Aaron em grande perigo. O problema é que as pistas apontam para o pai de Call como o responsável por esse roubo, e eis que o menino toma uma decisão arriscada; fugir de Magisterium e encontrá-lo antes que os magos o façam.

Composta por uma combinação de forças elementares, a manopla era uma arma criada para um propósito - extrair do Makar a habilidade de controlar o caos.

Cassandra e Holly construíram uma mitologia bastante única e inesperada em um meio onde livros infanto-juvenis costumam repetir a fórmula de sucesso. Call é, de longe, a pessoa menos heroica que se pode imaginar, principalmente por ter dentro de si o que os magos mais temem naquele mundo. Tamara é a garota arisca e super-protetora com os amigos, especialmente Aaron, que está em grande risco naquela viagem. Aaron, por sua vez, só quer fazer o que é certo e honroso, mesmo que isso custe a sua vida; ele está disposto a assumir as consequências da magia do caos, contanto que possa cumprir o seu dever e expurgar o mundo do Inimigo da Morte. Jasper cai de paraquedas na viagem, e ele deixa certo em cem por cento do tempo o quanto não queria estar ali.

- Existe um velho ditado alquímico que diz: "todo veneno é também uma cura; só depende da dose." O Inimigo conseguiu curar a morte, mas a cura foi pior que a condição original.
O quarteto, acompanhado do lobo Dominado pelo Caos, parte em busca de pistas para localizar o pai de Call - mesmo que os amigos dele não acreditem na total inocência de Alastair Hunt. O fato de a luva de bronze ter sido roubada causa alvoroço em Magisterium; os riscos que existem caso ela caia em mãos erradas são tremendos, e a ameaça do Inimigo da Morte ainda paira sobre eles. Call sabe a verdade sobre essa ameaça, mas não vai contar enquanto puder. As autoras trabalham muito bem os medos e anseios do garoto. Existe nele uma inocência pacífica, uma ingenuidade infantil que o tornam um herói mesmo quando ele deveria ser a personificação do vilão. Call é corajoso, frágil e assustado. Ele tem em seus amigos um pilar que, se derrubado, vai causar grandes estragos em seu psicológico. Call está lutando para encontrar motivos que o tornem bom, mesmo quando o destino o aponta como o mau.



Semíramis é o nome de uma rainha assíria que se transformou em uma pomba quando morreu. Callum também quer dizer pomba. Pombas representam paz, o que sua mãe mais queria na vida.

Aaron é o rapaz de boa índole totalmente focado em ajudar os outros. Ele e Call têm uma ligação poderosa, não só por serem o contrapeso um do outro, mas pela maneira como seus destinos estão intrincados. Um depende do outro. Um pode ser a ruína do outro. Aaron não conhece esse fato, ainda, mas sabe que Call precisa dele e está sempre lá nesses momentos. A magia do caos é perigosa e poderosa, e Aaron ainda é um menino aprendendo a lidar com forças que eram de seu desconhecimento.


- Call pode ter usado a magia dele de forma instintiva. O contrapeso do caos é um ser humano porque o contrapeso do vazio é a alma. Quando você usa a magia do caos, procura uma alma humana para equilibrá-lo.
Tamara está ali para segurar as rédeas do grupo. Ela é a mais racional e centrada, mas nem por isso a mais calma. Ela e Call, principalmente, têm uma grande briga no livro, responsável por causar discórdia e afastamento entre os dois. Tamara é muito sobre o que é certo para manter os amigos a salvo, mesmo que isso signifique arriscar a confiança deles. Contanto que ela consiga sustentar o grupo, ela está bem com isso, com as respostas às suas decisões perigosas.



- Minha obrigação é salvar as pessoas. Elas não têm de me salvar, elas detestam ter de me salvar. E já me disseram muitas vezes que não posso vencer sozinho, então Call está aqui como meu contrapeso. Tamara veio porque é inteligente e habilidosa. E Jasper... 
- É o alívio cômico.
Jasper é o alívio cômico não tão cômico, porém adorável em sua faceta irritante. Ele e Call se detestam, e o fato de estar sendo obrigado a seguir com eles naquela missão suicida e ultrassecreta o mantém com comentários afiados na ponta da língua. Foi muito legal assistir ao crescimento dele conforme os capítulos foram passando, principalmente um ganho de confiança do grupo a respeito do rapaz. Jasper ainda terá grandes momentos na saga.

Outros personagens como Alastair e Mestre Rufus têm bastante importância na história. Principalmente Alastair. Eu imaginava uma coisa dele, esperava outra, e acabou acontecendo algo que eu jamais previ! G-E-N-I-A-L.


Call ficou imaginando se algum dia amaria alguém com aquela intensidade, a ponto de abdicar de tudo pela pessoa, de querer incendiar o mundo para recuperá-la.


A Luva de Cobre traz revelações novas ao universo de Magisterium e ao que aguarda nossos aventureiros não-tão-heróis-mas-que-estão-tentando. O final, principalmente, é de toda uma surpresa, especialmente pelas consequências que a decisão de Call trarão para o quarteto. Com a narrativa rápida e emocionante, com lições importantes sobre amizade e confiança e sobre acreditar em si mesmo, o segundo livro de Magisterium dá sequência exemplarmente a uma saga que chegou para ficar.


Título: The Copper Gauntlet
Autora: Holly Black e Cassandra Clare
Editora: Galera Record (Junior)
Gênero: Fantasia, Infanto-juvenil
Nota: 4,5

Saiba mais: Skoob | Saraiva

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

3 comentários:

  1. Olá, Denise.
    Em uma época onde todos os livros são iguais e seguem o mesmo padrão, é bom encontrar uma obra que fuja um pouquinho das fórmulas prontas, principalmente no universo infantojuvenil.
    Sem dúvidas, uma boa dica.
    Darei uma chance.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de agosto. Serão dois vencedores e um deles levará um vale compras!

    ResponderExcluir
  2. Oiii Denise

    Que dica ótima! Nunca li nada da Cassandra apesar de amar fantasias e com tantas outras séries pendentes pra terminar rola uma preguiça de pegar a outra série dela. Acho que vou começar com a autora por essa série de Magisterium, achei a dica boa e fantasias cheias de aventura são praticamente irresistiveis pra mim

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!