Resenha: Um Martini com o Diabo

Resenha: Um Martini com o Diabo


Um Martini com o Diabo é o tipo de livro que quando a gente termina, só tem aqueles palavrões barulhentos na cabeça para definir nossa extrema contentação com ele. Queria poder beijar todo mundo na Editora Empíreo que trabalhou duro para trazer esse livro incrível para as minhas mãos, desde o pessoal na revisão até no marketing -- que nos enviou o livro como cortesia -- de tão feliz que eu fiquei em fechar o ano com um livro que entrou para o meu top 5 melhores livros lidos em 2016 antes mesmo de eu chegar na página 100!

Sinopse: O jovem Charlie Walsh está em Las Vegas. Não para tentar a sorte, e sim para matar seu pai, um chefe da máfia italiana, Tony Conicci.O plano era infiltrar-se no restrito grupo de confiança da família Conicci e se aproximar do chefão, mas Las Vegas corrompe. E o desejo de vingança de Charlie é posto em prova quando ele se vê seduzido pelas amizades, o poder, drogas e dinheiro que a máfia oferece.Com o FBI em sua cola, e secretamente apaixonado pela enigmática esposa do pai, ele precisará decidir onde apostar sua lealdade.

Enquanto Eu Vejo Kate mostra que a vida é a tragédia da própria vida, Um Martini com o Diabo mostra que a arrogância pode ser o caminho mais rápido para a perdição. Charlie Walsh é um jovem de 18 anos quando descobre a verdade sobre seu pai: um homem da máfia italiana que machucou sua mãe e deixou ela com apenas uma opção quando se descobriu grávida: fugir. E é no dia do seu aniversário que Charlie descobre toda a podridão da qual nasceu.

Resenha: Um Martini com o Diabo


Instigado pela arrogância adolescente (aquela que faz brotar o sentimento que diz que somos infinitos, imortais), Charlie se arma com toda a raiva que tem pelo pai e parte para Las Vegas com um único pensamento: vingança. E seus planos são simples: infiltrar-se na máfia até que tenha a oportunidade de matar o pai. Mas o mundo de dinheiro, mulheres e drogas fáceis é mais sedutor do que ele supôs a princípio e Charlie acaba se encontrando em um terreno muito parecido com areia movediça. Um lugar de onde, muito provavelmente, ele não irá conseguir sair com vida.

Existe alguns momentos na vida em que pensar não adianta porque a coisa é imprevisível demais. Você tem que agir. Fazer alguma coisa.

Embora tenha apenas 333 páginas, Um Martini com o Diabo é uma verdadeira saga sobre a vida de Charlie e explora cerca de 14 anos dela, onde assistimos ele cometer erros, crescer, amadurecer e deslizar por entre os esquemas da máfia cada vez mais. Mais de uma vez nos perguntamos, junto de Charlie, quando foi que a missão dele foi esquecida e ele se tornou um verdadeiro homem feito, muitas vezes tomado por uma existência vazia enquanto ele vive dia após dia sem um real objetivo, contando a velha história de vingar a mãe apenas para sentir-se bem consigo mesmo e tentar se diferenciar do pai.

Como em todos os livros da Claudia, é difícil encontrar um personagem que é só preto ou branco, todos eles são uma mescla de suas partes boas e ruins, das coisas que fazem e das decisões difíceis que tomam. Mesmo que por breves segundos com alguns dos personagens, é possível ver que eles não são monstros de ficção, mas sim homens violentos, feitos pelas ruas e, muitas vezes, pela pobreza e o medo.

Resenha: Um Martini com o Diabo


É o tipo de livro que nos faz duvidar da nossa moral, também, quando nos pegamos sofrendo a dor de Charlie e querendo protege-lo. Naquele momento, com o nariz enfiado no livro, também justificamos a violência apenas porque ela está acontecendo com pessoas más. É o tipo de envolvimento que eu aprecio em obras do tipo, foi o que eu senti com Sons of Anarchy, e eu não sei ao certo o que isso diz sobre mim. Tudo que eu sei é o que isso diz sobre a Claudia: uma incrível capacidade de construir personagens reais e identificáveis, mesmo quando mostram seus lados mais sombrios.

Talvez você ainda tenha algo importante a fazer, alguém especial para salvar ou alguém ruim para matar. Eu não sei. Eu gosto de pensar que você pode mudar alguma coisa por ser quem é.

Outro ponto que gostei bastante foi a chance de conhecer duas personagens femininas tão fortes, que facilmente entram no meu ranking de "mulheres badass da literatura". Claudia escreveu duas personagens que sofreram doses cavalares de abusos físicos, mentais, emocionais e psicológicos, e que apesar de tudo e para o desgosto de seus algozes, sobreviveram e não se deixaram vencer pelo medo. Perdidas na frieza da retaliação ou tomando o destino nas próprias mãos, ambas fazem o que acreditam ser necessário para reencontrar a liberdade que lhes foi roubada.

É mais fácil abraçar alguém que está sujo quando você também está.

Um Martini com o Diabo é mais um livro cru e violentamente real da Claudia Lemes,  ele usa a fatia da Cosa Nostra em Las Vegas como pano de fundo para falar de realidades tão próximas de nós, desde relacionamentos abusivos até a violência das ruas e o negócio lucrativo no qual foi transformada. Claudia Lemes não se retrai ou censura, entregando um texto explicito que, mais uma vez, te coloca ao lado dos personagens durante a leitura. Um retrato claro da linha que separa vingança de justiça e como tão facilmente podemos nos tornar aquilo que mais odiamos na nossa busca por reparação.

Resenha: Um Martini com o Diabo


Como sempre, terminei o livro batendo palmas. A qualidade dele é claramente aquela que encontramos nos livros mais vendidos, com uma estrutura clara, coerente, que costura histórias paralelas enquanto desenterra pequenos plots que culminam em um final frenético e ansioso. Não canso de falar do talento da Claudia que, mais uma vez, não é uma autora com potencial, é uma autora feita e pronta para o mundo.

O amor potencializa, o amor nos engrandece, o amor nos dá poder. O que tínhamos, eu e você, era gostoso, mas me deixou burra.

Um Martini com o Diado é só a segunda de muitas agradáveis surpresas que pretendo receber da Claudia e não importa se você nunca leu um romance noir na vida, porque pode ter certeza de que esse é o livro para você. Para sair da sua zona de conforto ou se jogar ainda mais dentro dela, é o tipo de leitura que eu recomendo com quantas estrelas eu puder dar e uma carinha feliz no final ainda. Faça um favor a si mesmo e compre esse livro AGORA.

Resenha: Um Martini com o Diabo


Título original: Um Martini com o Diabo
Autora: Claudia Lemes
Editora: Empíreo
Gênero: Romance policial/romance noir
Nota: 5+

Saiba Mais:   Skoob  |  Amazon  |  Submarino

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

4 comentários:

  1. Como sempre, a resenha me deixou embasbacada. É uma delícia saber que aquela pessoa vai ler seu livro e vai entender todas as mensagens contidas nas entrelinhas, e ainda vai tirar conclusões únicas e muito sagazes sobre a trama. Assim como tenho autores preferidos, acho que acabei de encontrar uma das minhas leitoras preferidas, Bianca :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai mds, assim eu choro, Claudia!
      Foi uma delícia ler esse livro e saber que era seu, sem nem pestanejar. Saiba que enquanto você escrever, vai encontrar uma leitora em mim!
      Obrigada por todo o carinho <3
      bjs

      Excluir
  2. Oi Bibs, tudo bem?
    Me lembro que quando vi o nome do livro, imaginei mil e umas coisas sobre donque poderia ser o assunto, e quando li a resenha percebi que me enganei totalmente. Claro que a história que o livro apresenta é infinitamente melhor. Adorei a resenha.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Priscila!
      Depois que você começa a ler o livro o título faz suuuuuuper sentido. É muito maravilhoso, de verdade. O tipo de história que você lê freneticamente, não dá para se arrepender com os livros da Claudia, tanto Eu Vejo Kate como Um Martini com o Diabo!

      bjs

      Excluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!