Resenha: Todas as Garotas Desaparecidas

Resenha: Todas as Garotas Desaparecidas

Lançamento da Editora Verus, Todas as Garotas Desaparecidas usa um recurso narrativo de reverter a linha temporal para falar sobre desaparecimentos, mistérios e muitos segredos obscuros. Poderia ter sido bom, mas acabou não funcionando.
Sinopse: Faz dez anos que Nicolette Farrell deixou Cooley Ridge, sua cidadezinha natal, depois que sua melhor amiga, Corinne, desapareceu sem deixar rastros. De volta para resolver assuntos pendentes, Nic logo se vê imersa em um drama chocante que faz o caso de Corinne ser reaberto e remexe em antigas feridas. Logo ao chegar, Nic descobre que seu namorado da época está envolvido com Annaleise Carter, a jovem vizinha que foi o álibi do grupo de suspeitos para a noite do sumiço de Corinne. E então, poucos dias após a volta de Nic, Annaleise desaparece. Agora Nic precisa desvendar o desaparecimento de sua vizinha e, no processo, vai descobrir verdades chocantes sobre seus amigos, sua família e o que realmente aconteceu com Corinne naquela noite, dez anos atrás. Todas as Garotas Desaparecidas é um suspense psicológico impactante — contado de trás para frente. Quando você pensa que está seguindo por um caminho conhecido, Megan Miranda — autora revelação no gênero do suspense — vira tudo de cabeça para baixo e nos faz questionar até onde estaríamos dispostos a ir para proteger aqueles que amamos.
Nicolette retorna à sua cidade natal depois de 10 anos longe; ela tinha deixado tudo sem nunca olhar para trás, mas a saúde do pai e a venda da casa da família a obrigam a retornar ao lugar onde tantas memórias perturbadoras foram construídas. Sua melhor amiga desapareceu ali dez anos antes, e agora uma nova garota sumiu - a ligação? Os segredos que algumas pessoas guardam a sete chaves.

Esse livro foi recebido em cortesia, então foi bem surpresa para mim como leitura. Tinha uma premissa bem interessante porque eu gosto de histórias que trabalham o suspense de desaparecimentos - acabei de ler um com essa temática, chamado A Torre do Terror, e foi maravilhoso! - e toda a questão investigativa. Todas as Garotas Desaparecidas mostrou uma premissa interessante, mas o desenvolvimento acabou com a história. Não só pela linha temporal confusa, mas por ela ter criado buracos sem sentido dentro da trama principal.

Resenha: Todas as Garotas Desaparecidas

A ideia de reverter o tempo é bem diferente e, se tivesse sido executada direito, teria gerado uma tensão nova para esse gênero literário. Infelizmente, aqui só gerou confusão. No começo do livro nós temos alguns momentos no 'presente', então a história adianta duas semanas para falar sobre o desaparecimento dessa nova garota, dá um cliffhanger pesado e começa a voltar no tempo. '13 dias antes', '12 dias antes' e por aí vai. Aí você pega uma trama complexa de sumiço, investigação, muitos suspeitos e provas a serem memorizados, detalhes importantes pra manter o leitor atento a tudo que está acontecendo, para construir o desespero e a necessidade por respostas, e em vez de desenvolver as desconfianças e deixar o leitor preso ao que está acontecendo, só bagunça toda a cabeça da pessoa.

Não sou a melhor Sherlock Holmes quando se trata de romances policiais, mas gosto de criar minhas próprias linhas de raciocínio, gosto de ter um suspeito por N motivos, outra pessoa que não parece suspeita, mas poderia ser. Sabe aquela coisa de você ficar com a pulga atrás do orelha em cada cena que passa? Não aconteceu aqui porque o livro foi uma bagunça completa. Quando a protagonista fazia um avanço na investigação, o capítulo cortava e voltava no tempo pra uma situação em que ela nem estava perto de fazer aquela descoberta, então voltava ainda mais e determinada cena importante não tinha acontecido, voltava ainda mais e de repente tinha uma baita revelação e você tinha que parar e pensar "ok, mas ela não mencionou isso em nenhum dos capítulos dos dias sequenciais a esse, então... QUÊ?".


Um grande ponto de interrogação, essa foi a minha cara em quase toda leitura. Em muitos momentos tive que voltar para ter certeza de que essa coisa importante do passado nunca mais tinha sido mencionada no 'futuro', ou um objeto que sumiu lá no começo e só foi relembrado muito depois. Coisas importantes, detalhes mínimos que construíram a trama principal acabaram gerando grandessíssimos buracos quando a revelação sobre as garotas desaparecidas chegou. E nem me deixe começar a falar sobre como a polícia dessa história é cega para coisas que até uma criança conseguiria encontrar. Buracos e mais buracos, essa foi a composição das revelações; quando a trama tenta encaixar o quebra-cabeça, muitas peças ficam faltando.

A composição dos personagens foi rasa; alguns esteriótipos de cidade pequena que mais irritaram do que fizeram diferença na trama. Nicolette foi uma protagonista que existindo ou não existindo não fez grande diferença para mim. Não senti empatia pela história dela e nem pelos seus dramas. As personagens que mais me deixaram curiosa foram as garotas desaparecidas, então o pouco que tivemos dela foi interessante para construir suas personalidades e como elas afetaram a história num todo.

Resenha: Todas as Garotas Desaparecidas

A edição do livro é muito bonita. Simples em toda sua composição, mas combina com o gênero da obra; a capa é incrível, com certeza chama a atenção de longe - assim como a premissa. Infelizmente para esse livro, não achei a execução satisfatória.

Todas as Garotas Desaparecidas poderia ter sido uma trama arrebatadora como bons livros de investigação e suspense conseguem ser, mas acabou desaparecendo com a tensão e com a lógica quando resolveu fazer o Barry Allen.

Título original: All the Missing Girls
Autora: Megan Miranda
Editora: Verus
Gênero: Thriller
Nota: 2,5

Saiba Mais: Skoob | Amazon

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

9 comentários:

  1. Oi Denise!
    O livro parecia interessante mesmo, mas deve ser muito difícil escrever algo com uma linha temporal tão complicada assim. Pelo jeito a autora tentou e perdeu a mão.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  2. Também amo livros investigativos, com pessoas desaparecidas. Mas é uma pena que tenham sido deixados tantos buracos, tantas falhas no enredo. Ás vezes, essas idas e vindas no tempo fazem o próprio autor se perder. Imagina os leitores...
    A capa é linda. Compraria o livro só por ela.

    ResponderExcluir
  3. Oiii Denise

    POxa, que pena! Que pena mesmo porque eu amei a premissa do livro. Acho legal esses suspenses que envolvem desaparecimentos, essa coisa de uma garota qualquer sair investigando e se envolver totalmente no caso mas essa confusão toda que a autora fez tira o prazer de qualquer um. Desenvolveu a idéia errada e colocou tudo à perder. A gente sabe que acontece mas é uma pena, infelizmente.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, Denise!
    Morri com o fazendo Barry Allen HAHHAHAHHAHHHAHAHHAHHAHA Barry te amo, mas toda temporada lascar a timeline não dá mais pra perdoar.
    Gente, pelo que vi eles tentaram fazer o recurso que How To Get Away With Murder faz, só que embananaram todo mundo. Pior que esse é o primeiro de uma série. Tenho até medo de ver os outros livros.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  5. Oi Denise,
    Eu quase comprei esse livro, mas achei melhor pegar alguma resenha antes para saber se tem chances de eu gostar.
    Afinal, é um gênero bem diferente do que estou acostumada.
    E assim... Acho que fiz a escolha certa em não comprá-lo, rs.
    beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, Denise.
    Eu estava bastante interessada nesse livro. Mas agora nem sei mais se quero ler. Também não s a melhor detetive do mundo, mas adoro ficar tentando descobrir as coisas ao longo da história. Mas pelo o que você disse aqui esse é um livro que eu ia ter que ler o final e depois ler ele de novo para conseguir entender a história. E ainda se o quebra cabeça tivesse se encaixado, mas assim não dá. Acho que vou deixar passar.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Oi Dê...
    Menina do céu, eu estou com muita vontade de ler este livro. Claro que vou levar em consideração tudo que disse aqui. Eu já li alguns livros nesta temática e a estrutura com que você citou se deixou a desejar, perde um pouco da graça de ler... também sigo uma linha de raciocínio para ler... então o livro tem que seguir uma métrica. Vamos ver o que eu acho. Xero!

    https://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Essa capa me transmite tantos sentimentos.. parece uma história bem profunda. Gostei da sua resenha e das fotos também :)

    http://www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Dê, tudo bem? Puxa, eu estava bem curiosa com esse livro e esse lance da linha narrativa até que é interessante, mas que que pena que não funcionou. Talvez eu fique bem confusa, caso leia, melhor alinhar as expectativas! de todas as formas, eu adorei as fotos!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!