Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

Tower of Dawn é o sexto volume da série Trono de Vidro, escrita pela rainha e salvadora Sarah J. Maas. Sei que vocês já devem estar cansados de ouvir isso, mas vou exaltar hoje e sempre: essa mulher sabe como acabar com as minhas emoções entregando um livro espetacular atrás do outro. E com esse não foi diferente.
Sinopse: Chaol Westfall sempre se definiu por sua lealdade inquebrável, sua força e a posição como Capitão da Guarda. Mas tudo isso mudou desde que o castelo de vidro se quebrou, desde que seus homens foram abatidos, desde que o rei de Adarlan o poupou de um golpe de morte, deixando seu corpo quebrado. Sua única esperança de recuperação reside nas lendária curandeias da Torre Cesme em Antica - a fortaleza do poderoso império do continente do sul. E com a guerra se aproximando de Dorian e Aelin em Erilea, sua sobrevivência pode estar nas mãos de Chaol e Nesryn, caso consigam convencer os governantes a se aliarem com eles. Mas o que ambos descobrirão em Antica mudará suas vidas - e será mais vital para a salvação de Erilea do que eles tinham imaginado. 
Chaol Westfall partiu de Erilea para buscar ajuda no além mar. Acompanhado de Nesryn, agora capitã da guarda real, Chaol espera fazer um acordo com um governante de terras distantes e, assim, garantir à Adarlan mais legiões na grande guerra que se aproxima. O continente sulista é diferente de tudo que Chaol já vivenciou, e por isso um reino tão complicado de entender. Nesryn é filha dessas terras, mas nunca realmente as conheceu. Abrigados pelo khagan - o rei da cidade de Antica - ambos percebem que conseguir essa aliança se provará um desafio maior do que o esperado, principalmente com forças sombrias crescendo nesse lado do mundo também. O outro núcleo da história fica por conta de Yrene Towers, uma curandeira da Torre - e uma peça indispensável na luta contra a escuridão.
E o medo podia ser uma motivação que ajudaria muito ou destruiria qualquer chance de aliança.
Escrever uma resenha nunca foi tão difícil quanto está sendo! Não apenas porque Tower of Dawn foi um livro fantástico, mas também por ser uma obra gigantesca tão cheia de detalhes impressionantes e importantes para essa série.


Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

Já começo a resenha dizendo o quanto eu amo o Chaol. Absolutamente. Ele é o personagem mais humano e real que a Sarah J. Maas já escreveu - e quer saber por quê? Porque ele erra. Ele quebra promessas. Ele diz coisas que magoa as pessoas com quem ele se importa para protegê-las. Ele se arrepende até o fundo da sua alma, e carrega mágoa e luto e dor e esconde isso para fingir sua força. Chaol é humano e por isso ele é importante para essa história; em meio a rainhas poderosas e deuses destronados, monstros saídos dos piores pesadelos e um submundo de escuridão, Chaol representa a esperança e o medo e o quanto alguém está disposto a lutar e se sacrificar, a mudar por aqueles que você ama. Tower of Dawn é isso. É o livro de um novo Chaol Westfall, um que viu a magia, viu o lado bom daquilo que foi disciplinado para temer e odiar, e se curvou diante dela. A aceitou. Viu que mesmo nas coisas mais horripilantes, ainda pode haver um ponto de luz.
Esse livro... Ele menciona um portão. E chaves. E três reis para tomá-las.
Ele é o emissário de Dorian e de Aelin, mas também está ali por si mesmo. Chaol viu e viveu a tormenta do que o exército sombrio oferece, e sabe que o tempo está contado até que ele recaia sobre as terras do norte - sobre o último pilar protegendo o mundo do caos completo. Infelizmente para ele, o khagan e seu exército não podem ser dobrados com ouro e acordos, e Chaol precisa descobrir uma maneira de ganhar a lealdade desses homens e mulheres antes que seja tarde demais.


Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

A missão de encontrar aliança no sul também converge com a de buscar uma cura para o ferimento em sua coluna. Sentenciado à cadeira de rodas, Chaol ouviu histórias sobre as grandes curandeiras da Torre, mulheres reclusas que já salvaram pessoas de doenças horrendas e condições imutáveis. Sua ferida veio da escuridão, mas a Torre pode ser a luz necessária para curá-lo. É na Torre que Chaol encontra Yrene Towers, uma figura conhecida de quem já que A Lâmina da Assassina - Sarah J. Maas nunca dá ponto sem nó, digo e repito.
Porque era o amor que cobria o mundo, que o iluminava. Amor e felicidade.
Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

Yrene foi a minha personagem favorita nessa história. Nós conhecemos seu passado sombrio, as perdas que a levaram até a solidão e finalmente a esperança de um recomeço nas terras sulistas. Ela é uma mulher forte, independente e altruísta, mas acima de tudo, uma guerreira. Não do tipo que usa espada e escudo, mas a mente e o coração. Yrene é também um prodígio entre as curandeiras, protegida pela própria Mestra. É para Yrene que o caso de Chaol é entregue, e é nos dois que nasceram as minhas interações favoritas.
O medo vai matá-lo tão facilmente quanto uma espada.
Os poderes de Yrene batem de frente com a escuridão perseguindo Chaol - na mente e no corpo - e o processo de cura vai muito além de simples encantamentos. Os capítulos se embrenham em terrores individuais desses dois personagens, e a conexão entre eles nasce dos seus medos, traumas e forças. Yrene e Chaol são dois cabeças-dura com muita personalidade, muitos terrores e muita coisa em comum, para surpresa de ambos. O relacionamento que começa a socos e pontapés logo se torna indispensável para a campanha de Chaol e para o futuro almejado por Yrene; a química e os sentimentos entre eles também são de uma intensidade sem igual.



Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

Além dele, Yrene também tem ótimos momentos com a princesa Hasar - filha do khagan e sua confidente ali no castelo. Uma personagem difícil, temperamental e que definitivamente se daria bem com a Aelin (ou brigaria com ela até a morte). Com Kashin, outro príncipe do castelo e seu admirador desde que ela pôs os pés naquele lugar, e principalmente com as curandeiras da Torre.

Esse núcleo do livro existe para mostrar a magia e a real ameaça que a escuridão está trazendo para o mundo. O poder dos valg é uma coisa assombrosa e maior do que muitos imaginavam, muito mais abrangente e ancestral. É um arco extremamente importante porque a Sarah nunca escreve nada à toa, e garanto muitos queixos caindo em pelo menos três momentos dos arcos da Yrene e do Chaol. Eu, particularmente, deixei o livro cair no chão com uma das revelações - e comecei a rezar para todos os deuses para que a Aelin consiga aguentar o que vem por aí.
É estranho, eu acho. Se tornar uma história quando você ainda está viva.
Do outro lado, temos Nesryn. É meio óbvio desde o começo que ela e Chaol seguirão caminhos distintos, até porque sua missão em comum os leva para escolhas diferentes. Chaol fica com o lado mágico, com aquilo que ele aprendeu a temer e agora precisa aprender a aceitar e respeitar, e Nesryn fica com a exploração, com a aventura inquietante em busca de ajuda real. Ela encontra isso em uma figura nova: Sartaq, um dos príncipes de Antica.

Preciso nem dizer que morri com esses dois, né? Nesryn e Sartaq formam um par interessante, ambos cheios de personalidade e desse amor pela liberdade. Ela é uma capitã e guerreira, ele um príncipe e soldado, mas os dois olham para o horizonte e o almejam com igual intensidade - o que torna suas interações muito emocionantes e criam essa aura de ansiedade em quem está acompanhando. 


Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

No núcleo da Nesryn, aliás, conhecemos os rûk, aves gigantes que servem de montaria para as legiões comandadas por Sartaq - e aqui um comentário bônus pra exaltar a existência da Kadara, minha rûk favorita no mundo todo! Quando a viagem dele leva Nesryn até terras distantes do sul, apresentando-a a tribos e rainhas-coração, a uma realidade rica em cultura e diversidade que ela não tinha conhecimento vivendo na fria e isolada Adarlan, seus olhos crescem para a possibilidade de ganhar aqueles guerreiros para a grande guerra. E é Sartaq, com sua curiosidade e simpatia, que mais parece disposto a apoiá-la.
Essa será a maior guerra da nossa era. Quando estivermos mortos, até mesmo quando nossos descendentes mais distantes estiverem mortos, eles ainda falarão sobre essa guerra. Eles sussurrarão as histórias em volta das fogueiras, cantarão sobre elas nos grandes salões. Quem viveu e quem morreu, quem lutou e quem fugiu.
Esse livro é imenso, gente. É difícil mesmo falar sobre tudo dentro dele sem contar demais, por isso vou me conter aqui. Ambos os núcleos entregam revelações grandiosas e indispensáveis para o conflito que está por vir; cada personagem ganha sua devida atenção e desenvolvimento, por isso uma parte da história chega a ser bastante lenta - não incomoda exatamente por ser uma lentidão compreensível. São intrigas políticas, pesquisas sobre magia antiga, lendas sussurradas na escuridão e histórias familiares ganhando novos ângulos. A ambientação é de encher os olhos; Sarah entrega um novo mundo cheio de possibilidades, com uma cultura viva inspirada em impérios orientais, distante do que nos acostumamos até agora - uma civilização mais consciente, mais tolerante, diferente das sombras e da frieza do outro continente.

Os personagens que ficaram para trás participam da trama indiretamente, e meu coração descompassou durante as menções aos meus queridos. Um arco novo, em particular, me deixou surtando para ver sua resolução no último livro. Vai me fazer chorar, eu sei que vai!

Resenha: Tower of Dawn (Torre do Amanhecer)

Ao mesmo tempo em que se arrasta, o livro também entrega ótimas cenas de ação. Nesryn e Sartaq protagonizaram minha luta favorita em todas essas quase 700 páginas de pura emoção. A questão dos valg e do alcance da tormenta que eles estão trazendo serve para deixar a ansiedade atacada, do tipo "socorro que a coisa é pior do que o que a gente já imaginava!".


"O que Aelin prometeu a você?" 
"Um mundo melhor."
Tower of Dawn entregou uma trama complexa e bem desenvolvida. Abriu portas para novos nomes importantes nessa saga e definiu a força e o temor daqueles com quem já nos acostumamos. É importante e indispensável aos fãs da série, e um alento da grandiosidade que vem aí. O último volume de Trono de Vidro será colossal, e a guerra vai ser o tipo que destrói o mundo ou o muda completamente.


Título original: Tower of Dawn
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Bloomsbury
Gênero: Fantasia
Nota: 5


Saiba Mais: Skoob | Amazon 

Share this:

, , , , , ,

COMENTÁRIOS

3 comentários:

  1. Oi, Denise!
    Menina, pulei tua resenha porque estou super atrasada na série #shameonme
    Mas li a parte da sua defesa do Chaol e concordo em gênero, número e grau! Ele é meu filho e irei protegê-lo!!!!!!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise!!! Mesmo não tendo lido livros tive uma imensa vontade de ler toda a resenha kkkkkkkk eu acho incrível como essa autora escreve pra caramba e ainda consegue manter os fãs sempre animados! Super curiosa com as obras delas e que bom que foi uma excelente leitura pra vc!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oi, Denise. Eu já vi sua resenha sobre o livro antes desse, mas sempre fico perdida porque não conheço a história e os nomes dos personagens são difíceis demais. Não sei se leria, apesar da grandiosidade da autora, eu não curto fantasia/distopia, nada do tipo, sem contar que estou fugindo de histórias muito longas. Mas espero que você curta, aliás, já está gostando bastante e que as obras da autora continuem assim.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com/

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!