Controle remoto: Perdidos no Espaço - Queria Estar Lendo

Controle remoto: Perdidos no Espaço


A estreia da Netflix é um remake do clássico de mesmo nome, Perdidos no Espaço - e também a minha nova série favorita da vida. A premissa é bastante simples: uma família em uma nave colonizadora acaba perdida em um planeta estranho; a partir daí, é muita confusão pra tentar sobreviver.

A família Robinson era parte da tripulação de uma nave colonizadora que deixou a Terra depois de um incidente com um cometa. Um acidente na nave, no entanto, coloca a família em solo desconhecido, completamente perdidos, e lutando para sobreviver contra o que quer que se coloque em seu caminho.

Eu não sou familiarizada com a série original, mas já assisti ao filme. A premissa desse remake é a mesma; não posso alardear se honra o original ou não, mas posso dizer que me apaixonei por absolutamente tudo que assisti. É ficção científica com um pouco de thriller e muito, mas muito desenvolvimento familiar/de personagem/de trama.

É aquele tipo de história que logo nos primeiros 10 minutos de Piloto já te apresentou os personagens tão bem que você só quer que eles fiquem a salvo. Eu amo uma família e essa família se chama Robinson.


Compostos por John e Maureen e seus filhos Judy, Penny e Will, os Robinson são os azarados do pedaço. Apesar de os personagens serem muito empáticos e agradáveis de acompanhar, existem conflitos dentro da relação familiar entre eles; afastamentos e confrontos silenciosos e embates entre personalidades distintas.

 

  

É aquele tipo de plot de família separada que precisa se unir para sobreviver, coisa que eu amo de acompanhar - especialmente quando todos os personagens são maravilhosos.

 


 


 

Outra coisa maravilhosa da série foi a empatia. Os personagens eram tão humanos, tão frágeis, tão empáticos. É impossível não se importar com cada um deles; e tem coisa mais gostosa que acompanhar uma história onde a gente se importa com cada um dos personagens como se fosse nosso favorito? Eu não tenho um favorito, de verdade. Amo todo mundo e morreria por eles.

Exceto a Dra. Smith. Ela pode morrer engasgada e eu vou assistir tomando um drinque com guarda-chuvinha.

As personagens femininas da série são um show à parte; as três principais - Maureen, Judy e Penny - têm presença de espírito, voz e praticamente comandam a história. Maureen é a razão de a sua família estar ali. Judy é uma médica recém-formada que almeja fazer carreira, mas, principalmente, ajudar as pessoas. E Penny é uma adolescente simpática cheia de piadas pontuais e de um espírito caridoso adorável.






Eu amo como as mulheres da série existem para suas próprias histórias. Elas não são sexualizadas em momento algum e estão ali para conduzir as próprias tramas; nunca como coadjuvante de um homem ou de um plot secundário. Cada uma das personagens femininas é essencial para a série e conduz seu desenvolvimento individualmente. Dentre as três, eu destaco a Judy porque é o poder de uma mulher negra, representando e dando voz.

O elenco é cheio de representatividade, aliás. Japoneses, indianos, latinos. Deus abençoe um casting.

Os dilemas da família foram minha parte favorita. Em toda situação de risco em que se colocavam, eu me debulhava em lágrimas porque as problemáticas que eles trouxeram da Terra eram resolvidas no momento de desespero; discussões, brigas, mágoas, tem tudo e mais um pouco.





Perdidos no Espaço é o This is Us da galáxia e que os céus glorifiquem esse roteiro; os conflitos da Maureen e do John foram incríveis, as desavenças e então união dos irmãos foram maravilhosos, as bagunças longe da família, envolvendo outros personagens, foram tão bem trabalhados. Eu poderia ficar aqui por anos falando sobre como essa série trata seus personagens humanamente. Como faz com que nos importemos com cada coisa que acontece com eles.

Quando você se importa, a tensão se multiplica. E, rapaz, como essa série sabe criar tensão! Aquilo que eu mencionei sobre situações de risco? Toda santa cena. "Ah, eles caíram num lago de piche, não pode ficar pior". Fica. "Ah, tá acabando o oxigênio e ela tá presa num lago congelado, não pode ficar pior". Fica. SEMPRE FICA PIOR. VOCÊ SEMPRE VAI ARRANCAR OS CABELOS DE TANTO DESESPERO. E sempre vai clicar no botão pra começar o próximo episódio.





Por falar em coadjuvantes, deixa eu tirar um parágrafo pra exaltar meu Don West. O mecânico que se salvou da morte certa usando um pouco de ladainha e que poderia muito bem ser um Han Solo 2.0.

Eu amo um personagem sarcástico e picareta e não vou negar; ainda mais quando a picaretagem existe pra esconder um coração de ouro muito honrado. Don é, inclusive, parte do meu ship favorito da série e que eu vou usar uns gifs de reação em breve pra demonstrar o QUANTO ELES SÃO PERFEITOS UM PARA O OUTRO!






A vilã, Dra. Smith, é um caso a parte; humanizada, sim, mas extremamente manipuladora e traiçoeira e eu só queria tacar ela de um abismo bem grande e deixar caindo lá para todo o sempre!

Perdidos no Espaço com certeza é perfeito para os fãs de antigamente e para quem está procurando uma ótima história sobre família e aventura; sobre personagens bem escritos e um roteiro amarradinho. Abre a Netflix e bota pra rodar esses episódios!

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

9 comentários:

  1. Oi!
    Eu não sou fã de histórias no espaço confesso, esses negócios de E.T., vida fora da Terra é muita ficção científica pra mim, mas ainda assim gostei da ambientação e do enredo, e vou querer assistir o filme.
    Beijos!
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi! Tudo bom?
      Apesar da temática, te garanto que os dramas e as situações vividas pelos personagens poderiam muito bem estar num young adult UHASUHASUHASUHAS é muito casos de família :P
      Ah, e não é filme, é série! São 10 episódios nessa primeira temporada <3

      Beijos!

      Excluir
  2. Seu post sobre o filme ficou mega incrível que até surgiu uma pontinha de vontade conferir, porém não curto muito esse gênero então deixarei passar por enquanto haha

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      O post na real é sobre a série, o filme é mais antiguinho (bem legal também, mas não tanto quanto esse reboot). Se algum dia surgir vontade, dá uma chance pra história sim <3

      Beijos!

      Excluir
  3. Oie,

    O tema é muito legal e algo que me prende. Meu marido começou assistir e gostou bastante.
    Já está na lista.

    Bjs!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jessica!
      Ahh tomara que tu curta bastante igual teu marido. A história é realmente maravilhosa <3

      Beijos!

      Excluir
  4. Oi De,
    Minha mãe era super fã da série original e quando soube que ia ter remake ficou animadíssima!
    Vou assistir com ela nesse final de semana e te conto o que achei!
    Parece que vou viciar, rs.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, Nizz!
    Falou que é a This Is Us da galáxia COUNT ME IN!!! Se eu já queria assistir, agora eu tenho certeza que vou maratonar nesse final de semana.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  6. Eu vi o piloto e gostei, mas sinceramente sinto que me faltou alguma coisa... não sei, um ponto muito positivo é os ditos "aliens" estão muito bem feitos, muito bonitos, mas houve outros efeitos que achei meio toscos e um planeta tão semelhante ao nosso? Demasiado utópico.

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!