Resenha: Os Imortalistas - Queria Estar Lendo

Resenha: Os Imortalistas

chloe benjamin

Os Imortalistas é um livro de Chloe Benjamin, que foi publicado pela HarperCollins e nos cedido para resenha. Com uma narrativa simples e bonita, que vai te pegar pela mão e te levar para dentro da vida dos irmãos Gold.
Sinopse: É 1969 no Lower East Side de Nova York e os rumores na vizinhança são sobre a chegada de uma mulher mística, uma vidente que se diz ser capaz de dizer a qualquer um qual será o dia de sua morte. As crianças Gold – quatro adolescentes que estão começando a conhecer a si mesmos – saem de casa sorrateiramente para saber sua sorte. As profecias informam as próximas cinco décadas de sua vida. Simon, o menino de ouro, escapa para a costa oeste, procurando por amor na São Francisco dos anos 80; a sonhadora Klara se torna uma ilusionista em Las Vegas, obcecada em misturar realidade e fantasia; Daniel, o filho mais velho, luta para se manter seguro como um médico do exército após o 9 de setembro; e Varya, a amante dos livros, se dedica a pesquisas sobre longevidade, nas quais ela testa os limites entre ciência e imortalidade.  
A história começa com as quatro crianças da família Gold indo visitar uma vidente que, segundo os rumores, é capaz de adivinhar a data em que as pessoas vão morrer. Com essa informação em mãos, cada um deles passa a reagir de maneira diferente em relação a sua vida e a forma de vive-la. A vidente pode ser uma fraude, é verdade, mas a única maneira de descobrirem isso é morrendo (ou vivendo além da data que lhe foi dada).

Passado o capítulo inicial com a apresentação dos personagens, a premissa da história e a separação da família, o livro então passa a ser dividido em quatro partes. Cada uma dessas partes é narrada pelo ponto de vista de um personagem, até o seu desfecho, então passando para o próximo.

chloe benjamin

Primeiros temos Simon, o mais jovem de todos e primeiro a partir, que foge para São Francisco em uma gana de viver a vida e ter todas as experiências que puder. Sendo um adolescente gay na década de 80, o caçula dos Gold faz parte de grandes acontecimentos da comunidade LGBT da época, nem todos eles positivos.

É impossível não se conectar com Simon, o mais carismático dos quatro irmãos, e entender seus tormentos, mesmo quando julgamos suas más decisões. O caçula da família é simplesmente muito cheio de vida, para o bem ou para o mal. E foi com dor no coração que nos despedimos dele para dar espaço a Klara.
Ela sempre pensou no lar como um destino físico, mas talvez Raj e Ruby sejam lar o suficiente. Talvez o lar, como a lua, a seguirá para onde ela for.
Ela que sempre teve o sonho de ser uma grande ilusionista, mas que deixa sua vida em pausa para se mudar com o irmão e permitir que ele vivesse no auge, e que sempre se sentiu diferente dos demais, com uma conexão além. Klara sempre acreditou na previsão da vidente, na essência do algo a mais, e isso foi parte do que guiou todas suas escolhas em vida (e em morte).

Posso ter amado Simon, mas Klara é a personagem que melhor entendi, por quem mais senti. Queria que ela tivesse sido tão feliz quanto ela gostaria, quanto ela merecia. O sonho de ser uma grande ilusionista não passava por Las Vegas, mas ainda assim é lá que ela vai parar, com seu marido e sua filinha Ruby. Talvez eu me identifique com algo de sombrio que havia dentro dela, a pequena pontinha de descontentamento, aquele mínimo detalhe que impede a felicidade completa. Mas a questão é que Klara era maravilhosa, mas doía. E doeu até o fim.
Dentro de Klara um longo caule se entorta e parte. Sempre, é assim: a família que a criou e a família que ela criou, puxando-a em direções opostas.
Então chegamos aos irmãos mais velhos, e menos carismáticos. Daniel foi um personagem com o qual não tive conexão ou empatia, e até mesmo quando me interessei por sua jornada – mais próximo ao fim -, ainda não consegui me importar o suficiente. Pode ter sido o azar de ele ter vindo logo após a Klara, é verdade, mas a sua narrativa não me segurou como eu gostaria. Foram-se os irmãos artísticos, eis os metódicos e pragmáticos.

chloe benjamin

Por fim, temos Varya e sua vida tão vazia que chega a dar pena. E raiva. Mas o que se inicia com uma narrativa fria e distante vai se provando uma história complexa e cheia de camadas. Varya me intriga, e me peguei gostando dela mais do o esperado. O problema da personagem, agora já sozinha e apenas com a mãe em um asilo, é que na ânsia pela longevidade ela acabou por esquecer de viver. E quem pouco vive, morta está.
- Não me importo com relevância. Me importo com a família. Há coisas que você faz por pessoas que fizeram isso por você.
- E há coisas que você faz por si mesmo.
Os Imortalistas é um romance sobre família, vida e escolhas. Sobre saber viver a vida que temos, e a vida que queremos ter.

Título original: The Immortalists
Autora: Chloe Benjamin
Editora: HarperCollins
Gênero: Romance
Tradução: Santiago Nazarian
Nota: 5
Skoob


GOSTOU DA RESENHA? ENTÃO APOIE O BLOG E COMPRE ATRAVÉS DOS NOSSOS LINKS:

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

12 comentários:

  1. Oiii Duda

    Não consegui gostar da Varya, de todos foi a personagem que menos gostei, pragmática e fechada demais. Curioso que quando comecei a obra pensei que se tornaria minha favorita por amar livros e tal.
    Klara foi com quem mais conectei, tb sou sonhadora e consegui entender a perosnagem tão bem, sofri demais com seu fim.
    Daniel não fede e nem cheira, mas ainda assim pra mim foi bem melhor que a Varya.
    E Simon é ótimo, carismático, humano e muito emotivo, chorei com sua trajetória.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Duda!
    Mano, eu achei a história desse livro extremamente viajada KKKKKKKKK, mas muito diferente também. Quando eu bati o olho na livraria eu achei que fosse algo com bruxo, não vou mentir não, mas ai fui ler a sinopse e já tinha lido algumas resenhas e fiquei assustado KKK. Ainda não sei se leria, porque deve ser uma leitura bem pesada. Os dramas dos irmãos me pareceram bem mais do que a sinopse deixa revelar. Mas e confesso que fiquei curioso, não vou mentir. Principalmente para saber como cada um morre KKK.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Ele está nos meus desejados. Estou bem curiosa com a história e sou apaixonada pela capa desde que vi pela primeira vez.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Duda
    Eu achei muito legal a premissa dessa história mas não ao ponto de querer ler ela, principalmente se tem dois personagens não tão carismáticos, o que não me prende tanto.
    Beijo
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Duda. Quando vi a capa desse livro já me derreti e a premissa é tão original que me conquistou na hora. Adorei saber que os irmãos são bem diferentes e tem personalidades distintas, assim a história fica mais real. Quero muito ler!
    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Duda!
    Eu não fazia ideia de que a história era narrada em blocos dos irmãos. Já quero agora.
    Menina, eu quando odeio um livro não perco uma oportunidade de espalhar isso para o mundo. É muito ranço dentro de mim e eu tenho que extravasar.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Concorra a um exemplar autografado de O que eu tô fazendo da minha vida
    Sorteio de aniversário Balaio de Babados e O que tem na nossa estante. São quatro kits; um para cada ganhador

    ResponderExcluir
  7. Oi Duda,
    Que brisa esse livro! Quero ler HAHA.
    Já estava curiosa por sempre ver o Epic Reads postando, e agora que vi essa questão da morte e tals, minhas posições em Escorpião ficaram louquíssimas pra ler. Me fariam ir nessa vidente, sem dúvida. HAHA

    até mais,
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  8. Oi Eduarda! A edição da Harper em capa dura é linda!! Quem está lendo no blog é a Keth que já meu deu altos spoilers do livros rsrsrs e sinceramente bateu ainda mais curiosidade. Eu não sei o que faria se soubesse a data da minha morte, quero saber o que cada um faz!

    Bjs, Mi
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Olá, Eduarda.
    Esse livro me prendeu de um jeito que eu não queria mais largar ele. Chorei tanto com o Simon, meu personagem favorito. E me identifiquei com Varya na questão do controle porque eu sou assim. Mesmo achando que todos eles iam morrer ainda fiquei na esperança de que a vidente estivesse errada.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Conheci a poucos dias esse livro e achei bem diferente dos demais livros. Ele tem um proposta que para mim foi novidade. Quando se trata de escolhas, familia, se torna bem cotidiana.

    ResponderExcluir
  11. Oi Eduarda,

    Já muitas resenhas positivas sobre esse livro e fiquei curiosa para ler.
    Coloquei na lista de leitura e espero pegar em breve.
    Que bom que gostou da história.
    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  12. Oie Duda =)

    Achei a premissa desse livro super interessante e original. A sua é a primeira resenha que leio sobre ele, e confesso que fiquei bem curiosa para saber como a autora desenvolveu a narrativa e os personagens.

    Tenha uma ótima semana!
    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!