Resenha: O Navio dos Mortos

  • 09:00
  • 13 de dez de 2018
  • Resenha: Magnus Chase e o Navio dos Mortos

    O Navio dos Mortos é o último volume da série Magnus Chase e os Deuses de Asgard, do querido Rick Riordan. Como sempre, o autor consegue entregar uma história hilária cheia de lições importantes e representatividade essencial - e, devo dizer, o melhor final que ele escreveu até hoje.
    Sinopse: Nos dois primeiros livros da série, Magnus Chase, o herói boa-pinta que é a cara do astro de rock Kurt Cobain, ex-morador de rua e atual guerreiro imortal de Odin, precisou sair em algumas jornadas árduas e desafiar monstros, gigantes e deuses nórdicos para impedir que os nove mundos fossem destruídos no Ragnarök, o fim do mundo viking. Em O navio dos mortos, Loki está livre da sua prisão e preparando Naglfar, o navio dos mortos, para invadir Asgard e lutar ao lado de um exército de gigantes e zumbis na batalha final contra os deuses. Desta vez, Magnus, Sam, Alex, Blitzen, Hearthstone e seus amigos do Hotel Valhala vão precisar cruzar os oceanos de Midgard, Jötunheim e Niflheim em uma corrida desesperada para alcançar Naglfar antes de o navio zarpar no solstício de verão, enfrentando no caminho deuses do mar raivosos e hipsters, gigantes irritados e dragões malignos cuspidores de fogo. Para derrotar Loki, o grupo precisa recuperar o hidromel de Kvásir, uma bebida mágica que dá a quem bebe o dom da poesia, e vencer o deus em uma competição de insultos. Mas o maior desafio de Magnus será enfrentar as próprias inseguranças: será que ele vai conseguir derrotar o deus da trapaça em seu próprio jogo?
    O Ragnarök - também conhecido como o apocalipse dos nórdicos - já tem data para acontecer, e está perto demais. Magnus e seus amigos são os únicos capazes de impedir Loki e o Navio dos Mortos de zarpar da geleira onde estão escondidos e, assim, impedir o fim dos nove mundos. Para isso, Magnus recebe algumas visões e predições do que ele precisa encontrar para derrotar o Deus da Trapaça. E, como a vida de todo escolhido não é nada fácil, ele obviamente vai ter que lutar contra gigantes, deuses cruéis e mortos-vivos se quiser impedir que o mundo acabe.


    Resenha: Magnus Chase e o Navio dos Mortos

    Eu vou repetir para todo sempre que esse foi o melhor final que o tio Rick escreveu porque é mesmo o melhor final que o tio Rick já escreveu. Os deuses sabem que esse homem sempre escorrega quando se trata de fechar suas séries - O Sangue do Olimpo que o diga -, mas, aqui, Riordan entregou um encerramento digno e de deixar saudades.
    Eu sabia que vários rios subterrâneos passavam por Valhala, mas não entendia como podiam estar sujeito a marés. Também não compreendia como o nível da água ali podia aumentar sem inundar todo o aposento. Por outro lado, eu estava tendo uma conversa com dois vikings mortos e um soldado da Guerra Civil, então decidi deixar a lógica de lado.
    Magnus Chase e os Deuses de Asgard continua minha série favorita. Além do humor hilário e das sacadas geniais reimaginando a mitologia nórdica nos dias de hoje, essa também é uma das histórias com mais representatividade que já tive a alegria de ler. Personagem não-binário, personagens pan, gays, assexuais, indo além de contemplando doenças e distúrbios e deficiências; Riordan consegue criar heróis de todos os tipos, abraçando as diferenças e mostrando o poder que existe nelas.
    - Essa palavra parece um mu com um j. Será que as vacas escandinavas tinham sotaque?
    Magnus continua meu próprio filho; vou protegê-lo de todos os males. Aqui, encontramos um protagonista mais centrado, mas nem menos medroso ou cauteloso por isso. Ele já passou por poucas e boas pra saber que o destino é um chute no seu traseiro - e ainda assim, para salvar os nove mundos, Magnus precisa encará-lo. Sua tarefa primordial para impedir o apocalipse é bem simples, até: derrotar Loki em um desafio de insultos. Mas é O desafio de insultos, aquele que o Deus da Trapaça ganhou de todos os outros deuses de Asgard. Perceba, Ivair, a petulância do destino.

    Resenha: Magnus Chase e o Navio dos Mortos

    Com essa pressão sobre seus ombros, Magnus ainda tem que guiar o grupo de heróis que escolheu se aventurar com ele em meio a mares perigosos, com todo tipo de armadilha esperando por eles. É exigir muito de um garoto pacífico, mas ainda assim Magnus carrega tudo com sua coragem e companheirismo. Ele não quer o protagonismo - ele quer dividir essa aventura heroica com aqueles que estão ao seu lado. Conforme percebe isso, mais Magnus se fortifica. Afinal, a força e a coragem dele estão nas pessoas que ele ama, por quem ele luta.
    - Palavras podem ser mais letais que lâminas, Magnus.
    Blitz e Hearth são peças-chave para o garoto. O anão e o elfo continuam carismáticos e maravilhosos e eu poderia abraçá-los para sempre por viverem momentos tão incríveis nessa história. Hearth, confrontando seu passado em definitivo, e Blitz como o escudo contra qualquer coisa que se ponha no caminho dos seus amigos.
    O mundo, os mundos, eram bem mais interessantes por causa da mistura constante.
    Samira continua a figura mais racional, mas ela também enfrenta seus perrengues; está no ramadã, o que significa jejum durante o dia todo - e a força que essa garota tem mesmo sem comida e água é de saltar aos olhos. O modo como o autor representou sua cultura e sua religião é de um respeito tamanho que emociona; eu só consigo pensar nos leitores e leitoras que se veem representados na Samira e o quanto isso é importante - assim como em tantos outros personagens.


    Resenha: Magnus Chase e o Navio dos Mortos

    Alex, a personagem não-binária (e estou usando o feminino aqui porque personagem é uma palavra feminina) divide os melhores momentos com o Magnus. E quando eu digo melhores momentos quero berrar ESSE MEU SHIP É A COISA MAIS MARAVILHOSA DOS NOVE MUNDOS!
    - Alex. Quanto mais eu descubro sobre você, mais eu te admiro.
    Nada melhor do que uma amizade baseada em sarcasmo e ironia se transformando em algo mais; nada melhor que uma personagem afiada e decidida como Alex flertando discretamente e desenvolvendo uma queda do abismo pelo Magnus - que é um tapado e demora muito pra perceber isso. Nada melhor do que a confiança e o apoio que eles dividem, e como isso é importante para ambos.


    Resenha: Magnus Chase e o Navio dos Mortos

    Alex, inclusive, que personagem incrível; toda badass e chutadora de bundas, mas com falhas e receios que tornam sua personalidade tão cheia de nuances.

    O resto do grupo se compõe por T.J., Mestiço e Mallory - cada um ganha seu momento de triunfo e aceitação, lidando com os terrores do seu passado para encontrar força em seu presente. T.J. é todo bom humor, Mestiço e Mallory são dois cabeças duras, e o trio enriquece absurdamente a trama que já era fantástica.
    - Eu me dei conta de uma coisa: não dá pra sentir ódio para sempre. Não vai afetar nem um pouco a pessoa que você odeia, mas vai te envenenar, com certeza.
    E, claro, não posso deixar de mencionar o Jacques - a Espada do Verão. Pense numa espada simpática, com as melhores tiradas e o melhor humor. Não dá pra não se apaixonar por ele. Eu nunca pensei que meu personagem favorito seria uma espada mas aqui estamos louvando Jacques!

    Em relação às provações dos heróis, tudo é bem encaixado. Tio Rick promete um final grandioso e ele cumpre, com a graça de Odin. De novo, ele desenvolve a mitologia e os dias atuais com uma riqueza de detalhes que não dá pra mesurar. Tudo faz sentido; o homem consegue encontrar um jeito de explicar tudo no melhor momento possível, tornando a história ainda mais interessante.
    O deus do mar Aegir era quem dava as cartas. Ele só precisava dizer "Matem todos" e estaríamos fritos. Lutaríamos corajosamente, sem dúvida. Mas morreríamos.
    As participações especiais vindas da sua outra série são de encher os olhos - EU ME EMOCIONEI MUITO PORQUE ADORO UM CROSSOVER, COM LICENÇA -, e tem até uma pontinha de desespero que ele puxa para As Provações de Apolo. Riordan é mau e cruel e dono da minha conta bancária.


    Resenha: Magnus Chase e o Navio dos Mortos

    No mais, O Navio dos Mortos é um final inesquecível para uma trilogia fantástica. Você vai rir até sua barriga doer e vai se emocionar nos momentos mais inesperados, e vai terminar pedindo por mais.


    Título original: The Ship of the Dead
    Autora: Rick Riordan
    Editora: Intrínseca
    Gênero: Infanto-juvenil
    Nota: 5
    Skoob


    GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELOS NOSSOS LINKS!

    1. Oi, Denise!
      Eu adoro os livros do Rick, acho que de fantasia, ele é um dos meus autores masculinos favoritos. Eu só li Percy Jackson mas sempre quis conferir as outras obras dele, então imagino que sejam tão boas quanto.
      Beijo!

      http://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
    2. A trilogia parece ser muito legal. Gosto de histórias com deuses e mitologia. Muito legal ver essa evolução do autor e ver que nessa ele encerrou muito bem a história. Amei saber mais sobre.

      www.vivendosentimentos.com.br

      ResponderExcluir
    3. Olá, Denise.
      Eu tenho só o primeiro livro dessa trilogia aqui na estante, por isso não comecei a ler ainda. Sou dessas que se der, gosta de ler tudo de uma vez hehe. Fiquei curiosa com tantos elogios para esse final. Porque isso ai não é exclusivo do Rick não, a maioria dos autores deixam a desejar na hora de finalizar suas obras hehe.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    4. Bem interessante *-*

      Beijos,
      www.thalitamaia.com

      ResponderExcluir
    5. Oi, Nizz!
      Essa trilogia sou eu todinha! Ela virou minha favorita.
      Gente, eu aplaudo demais o Riordan pelo modo que ele insere e aborda assuntos um tanto "tabu" pra um bando de marmanjo em livros infanto-juvenis. Alex ser transgênero foi o ápice desse homem! Como ele desenvolveu o relacionamento delx com Magnus foi lindo demais!!!! EU AMO MEUS FILHOS E IREI PROTEGÊ-LOS!
      Beijos
      Balaio de Babados
      Natal Literário 2018: 5 kits, 10 ganhadores. Participe!

      ResponderExcluir
    6. Oi, Denise!
      Olha, vou ser sincera e dizer que só passei o olho pela sua resenha, porque ainda quero ler essa trilogia. Eu posso demorar a vida, mas vou começar e espero gostar como você gostou!
      Beijinhos,

      Galáxia dos Desejos

      ResponderExcluir
    7. تحرص شركتنا دائمًا على أن تكون الأفضل والأرخص في السوق للتنافس مع جودة الخدمة والموظفين الأكفاء.

      1- تبدأ شركة النظافة بشقرة بعملية التنظيف وفقًا لخطة خاصة تعتبر بعد معاينة مساحة المكانشركة النجوم لخدمات التنظيف
      شركة تنظيف كنب بجدة
      شركة تنظيف بجدة
      شركة تنظيف خزانات بجدة

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.