Resenha: O visconde que me amava

  • 09:00
  • 14 de fev. de 2019
  • Resenha: O visconde que me amava

    O Visconde que me Amava é o segundo título da série mais famosa da Julia Quinn, Os Bridgertons. Já fizemos resenha do primeiro aqui. A série foi publicada pela editora Arqueiro aqui no Brasil e está para ser adaptada para a Netflix por ninguém menos que Shonda Rhimes!
    Sinopse:  A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva. Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

    O livro é um romance de época que se passa em Londres durante o século 19. Neste volume conhecemos mais o Antony, o filho mais velho dos Bridgertons. Depois que o pai morreu, quando ele tinha 18 anos, toda a responsabilidade de administrar as propriedades da família, cuidar da mãe e dos irmãos e isso refletiu em todas as suas atitudes.

    Vemos o quão importante para o Antony a família é e o pai sempre foi um ídolo para ele, por isso, ele acha impossível superar seus feitos. O pai morreu aos 38 anos, muito cedo, até mesmo para a época. Antony tem certeza que não passará dessa idade também.

    Aos 29 anos, Antony resolve que a vida de libertino deve ser deixada para trás e deve se casar com uma bela moça, mas pela qual nunca vai se apaixonar. Isso tudo pelo medo de deixar a esposa cedo e fazê-la passar pelo que a mãe passou.
    O amor era algo verdadeiramente sagrado, impressionante. Antony sabia disso. Ele vira tal sentimento todos os dias em sua infância, sempre que os pais trocavam olhares ou tocavam as mãos um do outro

    Do outro lado, temos Edwina Shiefild, a revelação da temporada e considerada a mais bela que já pisou em Londres. Ela é a escolhida de Antony para se casar, inteligente, agradável, bela e ele nunca se apaixonaria por ela. O que ele não esperava é que deveria ter a aprovação da irmã dela, Kate, uma mulher inteligente e teimosa igual uma mula.

    Kate é meia-irmã de Edwina, mas isso não muda o tratamento entre elas, é como se tivessem nascido da mesma mãe. Mary, mãe de Edwina, considera Kate como filha e trata as duas com muito carinho. Kate perdeu a mãe quando era pequena e isso a marcou muito, deixando várias cicatrizes para trás.
    Kate não era do tipo que fazia qualquer coisa pela metade. Era uma das características dela que mais gostava.

    A família das duas não é rica, portanto teve que escolher um ano em que ambas irmãs pudessem ir para a temporada de bailes em Londres. O momento é quando Edwina fez 18 anos, mas Kate já tinha 21 e não é a mais cobiçada das damas.

    Kate é um doce, mas não tanto quanto Edwina. Ela é um pouco desastrada e acaba assustando um pouco qualquer um que se aproxime. Por isso, ela se fecha e se foca em arrumar um marido excelente para Edwina e Antony Bridgerton não irá se casar com ela nem por cima do cadáver de Kate. Ela não acredita em ex-libertinos e não vai deixar um espécie desse chegar perto da irmã, por mais bonito, charmoso e gentil que ele pareça ser.
    - Sei - murmurou ela - Não achei que libertinos se desculpassem.

    Como quase todo romance de época, lá pela página 20, eu já sabia quem ia acabar com quem nessa brincadeira toda. Mas o como e os percalços para chegar no "felizes para sempre" que tornam a história toda interessante. 

    Resenha: O visconde que me amava

    Eu entendo os motivos de Antony e todo o seu pavor durante o livro, mas ele se torna um turrão irritante e eu queria só dar uma surra nele pra ver se ele acordava pra vida. Ele tinha potencial para ser o meu favorito, mas acho que esse título vai ficar para o Colin, vamos aguardar os próximos volumes e mantenho vocês informados.

    Um dos personagens que roubam a cena no livro é a Lady Whistledown, ela é a gossip girl da Inglaterra do século 19 e é uma fada sensata. Cada capítulo começa com seus comentários na sua coluna no jornal e eles são sempre muito bem humorados!
    Não se comporta como um idiota pela simples razão de não ser um (não mais do que se espera entre os membros do sexo masculino).

    Outro personagem que rouba a cena é o cachorrinho de Kate, o Newton, você já viu um cachorro sorrir? Verá nesse livro! Sempre confio no julgamento de um cachorro e ele não poderia ser mais certo nesse caso. Ele também é o princípio de várias cenas bem animadas na história.

    Adoro Julia Quinn e acho difícil não se apaixonar pela série. A escrita é bem agradável e a leitura bem rápida, a autora te prende na história e está sendo bem difícil acabar cada um dos livros sem o sentimento de estar deixando amigos de lado.

    Vou ficar em abstinência quando acabar a série e já estou sentindo isso no segundo, imagina quando chegar ao último. A única coisa que realmente me incomodou foi a rabugice do Antony, mas tirando isso, o livro é ótimo!


    Título original: The viscount who loved me
    Autora: Julia Quinn
    Editora: Arqueiro
    Gênero: Romance de época
    Nota: 5
    Skoob

    GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELOS NOSSOS LINKS!

    1. Realmente, Anthony na maior parte do livro se comportou de uma maneira desnecessária, rabugice por pura rabugice!

      Collin é o meu preferido FOREVER mas Hyacinth tb tem meu coração!

      Bjooooooos
      muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi! Somos parentes? hahaha brincadeira!
        Sinto que vou gostar muito do Colin, amei a Daphne também! Mas cada livro me apaixono por mais um, tá difícil!
        Beijos!

        Excluir
    2. Olá, Raquel.
      Esse livro me tirou de uma baita ressaca literária. Acho que todos os romance de época são do tipo que a gente já sabe como vai terminar a história, mas eu nem ligo hehe. Eu gosto dos dois como casal, mas a Kate é bem melhor que ele. O Colin é um amorzinho e rouba a cena onde chega. Espero que aprecie todos os livros da série.

      Prefácio

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oii!
        Acho romances os melhores para sair de ressaca literária. Sem dúvida, a Kate é um ser precioso, muitas cenas eu ficava pensando que ela não merecia o Antony, era boa demais pra ele.
        Beijos

        Excluir
    3. Oi, Raquel!
      Eu gostei muito desse livro, principalmente as cenas do jogo hahahah
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oii!
        Eu li Uma dama fora dos padrões antes dele, então a cena do jogo foi bem dejavú pra mim. Mas adorei igualmente!
        Beijos

        Excluir
    4. Oi Raquel! Quase não vejo vcs falando de romance de época que levei um susto quando vi a resenha hehehehehe um supresa muito boa. Que bom que vc gostou, confesso que é meu preferido da série!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oii!
        Então se prepara que agora vai ter chuva de romance de época por aqui! Já me rendi, foi amor a primeira vista e a Nizz tá no mesmo caminho haha
        Preferi o primeiro a esse, vamos aguardar os próximos, sinto que minha opinião vai mudar.
        Beijos!

        Excluir
    5. Oi Raquel, td bem?
      Li esse livro no final do ano passado, tbm estou no início da série como vc.
      E eu tbm achei que ia gostar mais do Anthony, mas concordo que essa fissura dele com a própria morte passou dos limites e o deixou irritante, rs
      Bjs
      http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oii! Tudo ótimo e você?
        Pois é, ele perdeu o posto de favorito com a rabugisse dele! Espero que nos próximos ele esteja tolerável quando aparecer.
        Beijos!

        Excluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.