Controle Remoto: The Umbrella Academy

  • 09:00
  • 14 de mar de 2019
  • Controle Remoto: The Umbrella Academy

    The Umbrella Academy, um dos mais recentes lançamentos da Netflix, é uma série baseada nas HQs de mesmo nome de Gerard Way (siiiim, do My Chemical Romance! Ele o Ray, inclusive, gravaram 2 covers para a trilha sonora da série) e Gabriel Bá. Na história, em um dia qualquer em 1989, várias mulheres ao longo do mundo deram a luz, sendo que no começo do dia, nenhuma delas estava grávida. Sete dessas crianças acabam com o excêntrico bilionário Reginald Hargreeves, que as transforma em uma equipe de elite para combater o crime.

    Agora, anos após a sua fama, os irmãos se reúnem na mansão da família depois de descobrirem que o pai está morto. Com o retorno de um irmão há muito desaparecido, eles vão desvendar alguns mistérios de família enquanto tentam impedir um apocalipse iminente.

    Outra série que eu assisti basicamente em uma sentada só porque simplesmente não conseguia parar. Engoli os 10 episódios disponíveis e terminei desejando fortemente muito mais.

    The Umbrella Academy tem aquele humor peculiar que eu já associo tanto a filmes "de super heróis" (valeu ai, MCU!) e personagens que são extremamente cativantes, especialmente porque todos eles estão lidando com as consequências de uma criação nada comum, onde a figura do pai era ausente e se importava apenas em transformá-los em super heróis e, a mãe, é uma robô programada para cuidar deles.

    Controle Remoto: The Umbrella Academy

    Começamos a história no momento em que cada um deles descobre sobre a morte do pai. Luther (o número 1), está em uma estação lunar; Diego, o número 2, é o único que ainda segue como um super-herói; Allison, a número 3, é uma famosa atriz; Klaus, o número 4, está saindo da reabilitação; e Vanya, a número 7, é a única criança que não apresentou poder algum.

    E agora eu sei que vocês estão quebrando a cabeça porque falta umas crianças, mas seria spoiler demais, talvez? Então deixo assim.

    Com um reencontro estranho e, também, um pouco doloroso, alguns dos irmãos acreditam que o pai pode ter sido assassinado, e isso acaba tornando o reencontro em uma espécie de investigação - e tudo só fica mais estranho quando um dos irmãos, desaparecido há anos, retorna para casa como se nunca tivesse partido.

    A série, além de nos trazer super heróis, também fala de viagens no tempo e de como pequenos acontecimentos podem mudar o curso da história - como, por exemplo, o fato da série se passar em um universo onde o presidente Kennedy nunca foi assassinado e, apesar de parecer acontecer em 2019 (afinal, as crianças nasceram em 1989 e parecem ter por volta dos 30 anos quando os conhecemos) ela evitar usar aparelhos como computadores e telefones celulares, o que parece deixar uma dúvida sobre a época no ar.

    Controle Remoto: The Umbrella Academy

    Por si só, o lance de viagem no tempo teria me afastado da série, já que eu sempre fico confusa e frustrada por conta dos paradoxos (tô cheia de perguntas!!!), mas assim como aconteceu com Dark, me vi completamente presa no drama familiar e aí já não consegui mais sair. Até porque eu preciso de mais dos meus bebês Diego e Klaus! Acho que nunca me apeguei tão rápido a dois personagens como esses.

    Meu único revés é que dois detalhes da história (que não são exatamente importantes para você entender ela ou coisa do tipo, acho que são mais curiosidades?) eu super teria ficado "que?" se não tivesse lido a premissa da HQ antes de começar a assistir a série.

    Controle Remoto: The Umbrella Academy

    Por fim, queria dizer que The Umbrella Academy tem um ritmo bacana, um roteiro que me divertiu e ótimas cenas de ação. O time de atores está excelente e super críveis em seus papeis, e foi muito amor voltar a assistir algo com a Ellen Page - a Mary J Blige também está no elenco e me diverti muito com ela, foi um arco tão bizarro, mas tão natural que foi impossível não ficar interessada.

    Se vocês ainda não assistiram, façam um favor para si mesmos e corram (vocês não vão dizer não para o Pogo, né? Olha essa carinha sábia ali):

    1. Oi Bibs!
      Eu ainda não comecei a avê mas vou tentar esse fim de semana. To querendo muito, desde que saiu. Curioso pra conhecer o tal do Klaus que todo mundo fala.

      Abraços
      David
      http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    2. Oi, Bibs!
      Estou terminando a temporada e gostando muito.
      Klaus muito meu espírito animal. Ele me representa demais em algumas situações. Além do mais, Robert né #sdds Misfits.
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
    3. Oi Bibs, tudo bem? Eu ainda não conseguir ver, mas tendo percebido que o pessoal gostou bastante e tem um ótimo elenco! Adorei a indicação!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.