Resenha: Um marido de faz de conta

  • 09:00
  • 15 de mar. de 2019
  • Resenha: Um marido de faz de conta

    Um marido de faz de conta é lançamento de Julia Quinn, o segundo volume da série Os Rokesbys. Já resenhei o primeiro por aqui, então leia a resenha dele antes. O livro acontece em paralelo ao primeiro e conta a história de Cecilia Harcourt e Edward Rokesby.

    Sinopse: Enquanto você dormia… Depois de perder o pai e ficar sabendo que o irmão Thomas foi ferido durante uma batalha nas colônias, Cecilia Harcourt tem duas opções igualmente terríveis: se mudar para a casa de uma tia solteira ou se casar com um primo vigarista. Então ela cruza o Atlântico, determinada a cuidar de seu irmão pelo tempo que for necessário. Só que, após uma semana sem conseguir localizá-lo, ela acaba encontrando seu melhor amigo, o lindo oficial Edward Rokesby. Ele está inconsciente, precisando desesperadamente de cuidados, e Cecilia promete salvar a vida desse soldado, mesmo que para permanecer ao lado dele precise contar uma pequena mentira... Eu disse a todos que era sua esposa. Quando Edward recobra a consciência, não entende nada. A pancada na cabeça o fez esquecer tudo que aconteceu nos últimos três meses, mas ele certamente se lembraria de ter se casado. Apesar de saber que Cecilia Harcourt é irmã de Thomas, eles nunca foram apresentados. Mas, já que todo mundo a trata como esposa dele, deve ser verdade. Quem dera fosse verdade… Cecilia coloca o próprio futuro em risco ao se entregar completamente ao homem que ama. Mas quando a verdade vem à tona, Edward talvez também tenha algumas surpresas para a nova Sra. Rokesby.



    Cecilia perdeu recentemente o pai e o irmão foi ferido na guerra. Como se não bastasse, o próximo da linha de sucessão, caso o irmão morra, é o primo nada agradável de Cecilia. O corpo do pai de Cecilia mal esfriou no túmulo e ele já aparece na propriedade querendo tirar vantagem e se casar com Cecilia, chegando até a beijá-la a força. Pelo comportamento de repulsa de Cecilia, esse não foi o primeiro ato asqueroso dele.

    Cecilia sabia que devia honrar seus antepassados, mas, por Deus, sua vontade era a de voltar no tempo, encontrar seu tatara-tataravô e dar-lhe um pelo safanão.


    Cecilia nunca foi impulsiva, mas toda essa situação a faz ter uma atitude desesperada: ela junta todas as economias que tinha e vai sozinha rumo aos Estados Unidos em busca de notícias do irmão, Thomas. Porém, o que ela não esperava é que nem o exército tivesse notícias do irmão dela; ele simplesmente desapareceu.


    Sozinha, morando em uma pensão de condições precárias, Cecilia tenta encontrar o amigo de Thomas, Edward, com quem já tinha trocado cartas algumas vezes por meio do irmão, é claro, e ele com certeza estaria disposto a ajudar. Eis que a vida prega uma peça em Cecilia e Edward está desacordado, à beira da morte e ninguém a deixa vê-lo, somente a família pode visitá-lo.


    Cecilia, novamente, toma uma decisão impulsiva e se diz esposa de Edward, desta forma poderia cuidar dele no hospital e, assim que ele acordasse, ela iria desfazer o mal-entendido e pedir informações do irmão.


    Resenha: Um marido de faz de conta


    Depois de alguns dias, Edward acorda, mas existe um problema, ele não lembra de nada dos últimos três meses. Imagina a confusão do coitado ao descobrir que está casado com a irmã do melhor amigo, que o melhor amigo sumiu e seu superior anda bem zangado com a perda de memória dele já que pelo jeito ele estava numa missão importante buscando informações.


    O casamento não o desagrada, ele bem que tinha uma quedinha por Cecilia, ela é uma mulher doce, atenciosa, bonita, inteligente e salvou a vida dele, afinal. Mas ele acha bem estranho ter aceitado casar por uma procuração, sem nunca ter estado com a esposa. Ele não vê motivo pelo qual a Cecilia mentiria, então decide acreditar nela e fazer todo o possível para encontrar Thomas.

    - Tem alguma coisa no meu rosto?
    - Não, estou apenas olhando para você.
    - Não há nada muito interessante para ver.
    - Sou obrigado a discordar.


    Cecilia, apesar de querer contar a verdade, se vê enrolada em uma teia de mentiras bem difícil de sair. Ela nunca quis enganar Edward, mas precisava entrar no hospital e cuidar dele, Thomas não iria querer o melhor amigo morto e se ela era capaz de ajudar, ela o faria. Além disso, se tornar uma Rokesby se tornou bem conveniente, já que os oficiais do exército não tinham a mínima intenção de ajudar a Cecilia Harcout, mas eram muito prestativos com a Cecilia Rokesby.


    Julia Quinn mais uma vez não decepciona, ela te envolve na história daquela maneira que é difícil largar o livro. Eu li ele em 2 dias, é o livro que li mais rápido nos últimos quatro meses. 


    Fiquei dividida durante o livro todo com o dilema de Cecilia e aguardando o momento que ela contaria a verdade ou que Edward recuperasse a memória. Ao contrário do primeiro livro, nesse os dois ficam juntos desde o início, já que Edward pensa que eles estão casados. Ainda assim, tive aquele sentimento de “pelo amor de Deus, se casem logo”, isso por causa do sentimento de Cecilia de realmente querer estar casada com o Edward. Vê-la lembrando de que tudo é mentira é doloroso.


    Ao mesmo tempo que queria o desenrolar da história, eu não queria, porque sabia que ia quebrar o coração de Edward e o meu junto. Achei que ia odiar Cecilia por ela magoar Edward, mas Julia Quinn deixa claro os motivos dela e não consegui odiá-la em nenhum momento.


    Impossível não comparar com o primeiro volume, não por semelhanças, já que as histórias nem sequer se encontram, mas pelas sensações causadas em mim durante a leitura. Confesso que me empolguei mais com o primeiro do que com o segundo volume da série, apesar do Edward ser meu Rokesby favorito - ainda estou lendo os Bridgertons, mas até então também é meu personagem favorito da Julia Quinn. Acredito que isso aconteceu pelo fato do primeiro ser um romance gato e rato e é bem mais engraçado e leve do que o segundo, que se passa no meio de uma cidade em guerra o que torna mais difícil trazer leveza ao livro. 


    Resenha: Um marido de faz de conta


    A única personagem que dá um pouco de leveza e humor ao livro, mas pouco aparece, é a madrinha de Edward. Ela é uma mulher muito espirituosa e intuitiva, chega a ser surpreendente o sexto sentido dessa mulher. Já quero ela aparecendo mais nos próximos volumes, ela junto com a mãe de Edward vai ser algo sensacional de se ler. Julia Quinn nos proporcione isso por favor, nunca te pedi nada.

    - Você é da minha conta, como sempre foi desde aquele dia na catedral de Canterbury em que, ao lado da sua mãe, jurei guiá-lo nos caminhos de Deus. Ou por acaso se esqueceu disso também?
    - Confesso que não tenho lembranças muito nítidas sobre esse dia em específico.


    Nas últimas páginas do livro temos o prólogo do próximo volume e eu acho isso uma crueldade sem tamanho porque já quero ler. Arqueiro que trate de lançar logo, estou ansiosa! Já temos a capa divulgada e estou adorando essas capas, cada volume a capa fica mais bonita que o anterior, quero todos na minha estante pra ontem!

    Título original: Les Fiancés I'hiver
    Autora: Julia Quinn
    Editora: Arqueiro
    Gênero: Romance de época
    Nota: 5+
    Skoob

    GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELOS NOSSOS LINKS!

    Amazon

    1. quero muito ler esse livro, valeu pela dica!
      Blog Entrelinhas

      ResponderExcluir
    2. Oi Raquel
      Eu ainda não li o primeiro livro mesmo tendo o livro aqui em casa, dei um tempo das leituras da Julia, mas estou amando essas capas e imagino que seja bem legal e romântico a história.
      Beijo!
      http://www.capitulotreze.com.br

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.