TOP 3: Livros para Começar a Entender o Feminismo

  • 09:00
  • 18 de mar. de 2019
  • TOP 3: Livros para Começar a Entender o Feminismo

    O post de hoje é especial para mim porque, quando comecei a estudar o feminismo, eu fui catando textos e informações aos pedaços até encontrar fontes confiáveis, com debates importantes e embasamento. Por isso, achei que seria legal indicar livros para começar a entender o feminismo, agora que já me sinto mais segura para falar do assunto.

    Para mim, essa desconstrução é contínua, cotidiana e nem sempre linear - o que está tudo bem, já que estamos mudando a essência de coisas que, por muito tempo, construíram o nosso "eu". Pra isso eu conto com a ajuda de amigas que também estão passando pelo mesmo processo, mulheres que já estão nisso há muito mais tempo e livros que tratam da história e das diferentes facetas do movimento feminista, o que vem ajudando muito.

    E nessas minhas andanças, me deparei com três livros que me pareceram excelentes para a fase introdutória, tanto para quem quer começar a conhecer o movimento, para quem ainda não sabe como se sente sobre ele e até para quem rejeita - afinal de contas, tudo que precisa para você poder se declarar feminista é acredita na igualdade social, política e econômica dos gêneros.

    Aliás, é sempre bom lembrar que a única forma de entendermos o feminismo, é lendo sobre ele. Do contrário, estaremos formando opiniões sem conhecer os fatos e mais e mais inclinados a cair em falácias e baboseiras de whatsapp.

    E aqui estão as minhas recomendações:

    TOP 3: Livros para Começar a Entender o Feminismo

    Sejamos Todos Feministas, Chimamanda Ngozi Adichie


    O texto, que é super curtinho e uma expansão do discurso da ativista no circuito de palestras TED, está disponível gratuitamente no formato de e-book na amazon, e é um dos textos mais introdutórios que eu já li. Ele parte da experiência pessoal de Chimamanda na sociedade nigeriana e então levanta questionamentos bastante comuns dentro do movimento feminista, como a sociedade criar garotas para competirem entre si pela atenção de garotos, aspirarem ao casamentos - enquanto o mesmo não é feito com os garotos - e como essa ideia de dois pesos, duas medidas, contribui para uma sociedade desigual. É um texto que abre bastante os olhos e que você pode ler em uma ou duas horas.

    Você pode baixar o e-book gratuitamente na Amazon por aqui, ou comprar a versão impressa por aqui.

    Lute Como Uma Garota: 60 Feministas que Mudaram o Mundo, Laura Barcella e Fernanda Lopes


    Lute como uma Garota é uma coletânea de biografias de mulheres importantes para o movimento feminista, no mundo e no Brasil - há uma parte especialmente dedicada para 15 feministas brasileira. Achei ele interessantíssimo, especialmente para quem está começando a entender o feminismo, pois faz um apanhado geral em nomes importantes como Mary Wollstonecraft, Maya Angelou, Kathleen Hannah e até Beyoncé, passando pelas brasileiras Nísia Floresta, Pagu, Maria da Penha e Djamila Ribeiro. São 65 mulheres, cujos perfis trazem coisas como o motivo pelo qual elas estão aparecendo na listagem, sua história e seu legado. E acho que é um dos livros mais preciosos que eu tenho na minha estante, porque me permitiu conhecer mulheres incríveis que começaram a pavimentar um mundo melhor para mim, e me inspiram a continuar esse trabalho para deixar um mundo melhor para as próximas gerações de garotas - algumas das quais eu nem tinha ouvido falar ainda!


    Quem tem Medo do Feminismo Negro?, Djamila Ribeiro


    Quem tem Medo do Feminismo Negro? é o tipo de livro que, quando você termina, pensa "poxa, é tudo tão óbvio" ao mesmo tempo que pensa "se é tão óbvio, porque eu não percebi antes?" - e se você é branca, esse é provavelmente o motivo. Todos os textos de Djamila Ribeiro já tinham sido publicados em sua coluna no Carta Capital, eles são curtos e rápidos e diretos, não seguram as palavras e falam exatamente tudo que você PRECISA ouvir, especialmente para encarar o feminismo interseccional. Novamente, como uma mulher branca, a gente tende muito a focar no problema do machismo pelo ponto de vista branco, que é muito privilegiado, negligenciando a condição da mulher negra que, comumente, é aquela que mais sofre com o machismo e o patriarcado já que, como a própria Djamila coloca, o maior oprimido é sempre aquele mais distante do status quo, e quando o status quo é o homem branco, não há ninguém mais distante dele do que uma mulher negra (e aí também entram as intersecção de orientação sexual, status social, etc). Acho importantíssimo embarcar nessa descoberta do feminismo com o olho sempre aberto para a interseccionalidade, para evitar de cairmos no feminismo branco ou na falácia do "não precisamos mais do feminismo". Foi um dos melhores livros que eu li no ano passado e teria adorado conhecer a Djamila mais cedo.

    Você pode comprar o livro aqui.

    E aí, você já leu algum desses? Tem algum livro sobre o tema que você indica? Deixa nos comentários!

    1. Oi, Bibs!
      Eu adorei seu post porque o problema da grande maioria, inclusive o meu, é justamente não saber muito o sobre o feminismo e achar que é um bicho de sete cabeças e não procurarmos entendermos. Eu tinha Quem tem medo do feminismo negro? mas acabei passando pra frente porque não queria ler. Agora estou arrependida! Mas espero que a pessoa que ficou com ele faça bom proveito da leitura e entenda melhor o feminismo. Vou tentar fazer o mesmo!
      Beijo

      http://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
    2. Olá!
      Que bacana a ideia do seu post. Eu tenho um post que se chama "Livros sobre mulheres e feminismo", indicando alguns livros que podem ajudar a compreender o feminismo e algumas histórias da ficção.
      Recomendo também "Feminismo em Comum".

      Beijão
      Leitora Cretina

      ResponderExcluir
    3. Oiii Bibs

      Lute como um garota ja está na minha lista há um bom tempo, eu tenho curiosiadde nas biografias inseridas lá e acho que será uma leitura bem bacana pra mim. Quem tem medo do femininsmo negro? coleciona elogios e é outra obra que pretendo conferir futuramente.

      Beijos

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir
    4. Oi Bibs,
      Eu já li 'Sejamos todos feministas' e gostei muito, vou procurar as outras indicações, é um assunto que muito me interessa e acho super importante ele ser discutido.
      beijos
      http://estante-da-ale.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    5. Oi Bianca, tudo bem? Ano passado eu li o livro da Chimamanda e me encantei com a forma como ela apresentou o tema que, para mim, foi o primeiro contato. Depois disso me interessei muito pelo tema e já li algumas informações, mas ainda não li outro livro. Adorei as indicações de livros que introduzem o tema.
      Beijos, Adri
      Espiral de Livros

      ResponderExcluir
    6. Olá
      Li Sejamos todos feministas e é um dos melhores livros que já li. Quanto aos outros, tenho muita vontade de ler. Estou lendo meu segundo livro da Chimamanda: No seu pescoço. Não faça abertamente sobre feminismo, mas são contos, cada qual com uma protagonista diferente e em todos eles tem uma lição importante sobre feminismo e sobre o papel da mulher em diferentes culturas. É incrível.

      Vidas em Preto e Branco

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.