Resenha: Daisy Jones & the Six

  • 09:00
  • 3 de set. de 2019
  • Resenha: Daisy Jones & the Six

    Daisy Jones & the Six é o primeiro lançamento nacional de Taylor Jenkins Reid, pela editora Paralela - que nos cedeu uma cópia para resenha. A história é uma biografia de uma banda de rock fictícia que acabou no auge, e vem para esclarecer os acontecimentos que levaram ao rompimento da banda mais falada dos anos 70.


    Sinopse: Embalado pelo melhor do rock'n'roll, um romance inesquecível sobre uma banda dos anos 1970, sua apaixonante vocalista e o amor à música. Da autora de Em Outra Vida, Talvez?. Todo mundo conhece Daisy Jones & The Six. Nos anos setenta, dominavam as paradas de sucesso, faziam shows para plateias lotadas e conquistavam milhões de fãs. Eram a voz de uma geração, e Daisy, a inspiração de toda garota descolada. Mas no dia 12 de julho de 1979, no último show da turnê Aurora, eles se separaram. E ninguém nunca soube por quê. Até agora. Esta é história de uma menina de Los Angeles que sonhava em ser uma estrela do rock e de uma banda que também almejava seu lugar ao sol. E de tudo o que aconteceu — o sexo, as drogas, os conflitos e os dramas — quando um produtor apostou (certo!) que juntos poderiam se tornar lendas da música. Neste romance inesquecível narrado a partir de entrevistas, Taylor Jenkins Reid reconstitui a trajetória de uma banda fictícia com a intensidade presente nos melhores backstages do rock'n'roll.

    No início dos anos 70, Daisy Jones queria ser vista como mais do que apenas um rostinho bonito que servia de musa para músicos e outros artistas com quem saía. Ela queria ser uma compositora e queria ser levada a sério. Ela também tinha potencial, mas sozinha não estava chegando lá.

    O The Six estava caminhando para o seu segundo álbum quando percebeu que eram bons - e só. Para que pudessem ser a maior banda de rock do mundo, como pretendiam, precisavam de algo mais. E talvez esse algo mais fosse Daisy Jones.

    Daisy: Eu não tinha o interesse em ser a porra da musa de alguém. Eu não sou a musa. Eu sou esse alguém. E assunto encerrado.

    Quando Daisy se une a banda em um dueto arranjado pela gravadora de ambos, a música explode e entra para o top 10 das mais ouvidas. E mesmo com a tensão crescente entre ela e o vocalista da banda, Billy Dunne, eles acabam se tornando uma banda - ao menos pela duração da produção de um novo álbum.

    Resenha: Daisy Jones & the Six

    Em um cenário típico do rock com anos 70 - regado a muita droga, sexo e segredos -, além de uma tensão explosiva, Daisy e Billy compõe um álbum que chega rapidamente as paradas de sucesso, com hit após hit. Mas a fama avassaladora não é páreo para as consequências da vida de rockstar e os sentimentos que surgem quando se fica tão vulnerável ao fazer música - e a banda, que poderia ser maior do que os Beatles, chega ao fim no seu auge.

    A pergunta que fica é: por quê?

    Vida boa, né? Só que a vida boa nunca é boa para a vida. 

    E é exatamente isso que Daisy Jones & the Six vem para nos explicar. Contando a história de Daisy e dos Six desde o começo, Taylor Jenkins Reid recria o cenário do rock'n'roll dos anos setenta - exatamente como podemos ver em filmes como The Runaways e The Dirty - nos apresentando personagens reais e verossímeis. Quando conhecemos Daisy e Billy, é muito fácil imaginar como eles se encaixariam naquela época.

    Daisy é a beleza indomável, cheia de talento bruto e que abusa das drogas e do álcool para preencher o vazio deixado pela negligência dos pais. Já Billy é o músico que deu duro para chegar onde está, cantando músicas de amor que escreve para sua esposa, a sempre fiel Camilla.

    Resenha: Daisy Jones & the Six

    Além deles, temos os outros integrantes dos Six: Graham, o irmão de Billy que vive em sua sombra e passa a maior parte do tempo correndo atrás de Karen, a única integrante garota dos Six, que faz de tudo para se encaixar no ambiente hostil e masculino da música. Warren, o baterista relaxado e leal, surfando na onda da fama até onde pode; e Pete e Eddie, dois irmãos que buscavam uma verdadeira banda de rock - além de Daisy, Eddie é o ponto de conflito principal com Billy na banda.

    Escrito de forma a similar uma entrevista entre a autora - uma das filhas de Billy e Camilla - a narrativa flui fácil e rápida. A personalidade dos personagens foi muito bem construída e, enquanto eu lia Daisy Jones & The Six, não parava de pensar "caramba, eu vejo um rockstar falando exatamente isso", página após página.

    Camilla: Acho que a gente precisa mostrar que tem fé nas pessoas mesmo quando elas não merecem. Do contrário não seria fé, certo?

    Além da verossimilhança que a autora conseguiu traduzir nos diálogos e nas memórias, Taylor Jenkins Reid também conseguiu marcar muito o amor pela música e a paixão explosiva. No fim do livro, encontramos as músicas do álbum Aurora - aquele que Billy e Daisy compuseram em parceria - e as letras são sentimentais e eletrizantes e tudo que eu mais queria era uma adaptação desse livro para poder, enfim, escutar aquelas músicas que eu já sentia que eram tão verdadeiras e poderosas.

    Resenha: Daisy Jones & the Six

    Da letra das músicas ao design da capa do disco, Taylor nos conta absolutamente tudo sobre a produção do álbum, e é fácil imaginar tudo sobre o que ela fala. Me senti ao lado deles no estúdio, nas festas, nos palcos. Ela me colocou dentro do livro como há muito tempo livro algum fazia.

    Daisy Jones & the Six foi uma das mais gratas surpresas desse ano. Eu não esperava muito, e recebe realmente uma história sobre amor e música que me emocionou como nenhum outro filme e biografia de banda conseguiu fazer! Se eu pudesse, dava uma cópia dele para cada pessoa desse Brasil.

    ...Se fosse para acreditar nisso, diria que sua alma gêmea seria alguém que tem tudo o que você não tem e que precisa de tudo que você tem a oferecer. Não alguém que sofra pelas mesmas coisas que você.

    Aliás, uma das coisas que eu descobri é que não deve demorar muito para termos uma adaptação de Daisy Jones & the Six. Os direitos foram comprados pela produtora da Reese Whiterspoon - que também foi responsável pela série de Big Little Lies, pelo filme Garota Exemplar e pela adaptação de Pequenos Incêndios por toda Parte.

    A adaptação deve ser uma minissérie de 13 episódios pela Amazon Prime Video - que também será a responsável por distribuir a música original da série de forma exclusiva na Amazon Music.

    Título original: Daisy Jones & the Six
    Autora: Taylor Jenkins Reid
    Tradutora: Alexandre Boide
    Editora: Paralela
    Gênero: Romance | Biografia fictícia
    Nota: 5+

     Daisy Jones & The Six na Amazon

    1. Oi, Bianca! Eu senti por esse livro tudo que você sentiu. Ele foi um dos meus favoritos do ano. Há no livro uma atmosfera perfeita para os fãs de rock (eu amei as fotos do post! Nirvana <3) e para os fãs de música dos anos '70. O livro é uma carta de amor ao rock. E Daisy e Billy são dois dos personagens mais verdadeiros que já li! Angustiados, apaixonados, geniais, fortes! São incríveis. O livro deveria ser leitura obrigatória para todo leitor de carteirinha!
      Outro livro da autora que é imperdível é: Os Sete Maridos de Evelyn Hugo! Você deveria ler.
      beijos
      renatavarelaescreve.blogspot.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Renata!
        Definitivamente, esse é um livro que é uma carta aberta de amor ao rock <3
        Tô louca por Os Sete Maridos de Evelyn Hugo, só esperando lançarem aqui <3

        bjs

        Excluir
    2. Oi Bia, eu só li resenhas positivas desse livro e confesso que até fiquei confusa no início porque parece uma banda de verdade! Ainda quero conferir o trabalho da autora e espero que a adaptação seja um sucesso!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Mi!
        A primeira vez que ouvi falar dele também fiquei confusa, achando que era uma banda real hahahahaha tive que is pesquisar para ter certeza. Super recomendo ele e mal posso esperar para ouvir as músicas <3

        bjs

        Excluir
    3. Oiii Bi

      Eu acho super interessante essa forma em como está escrito, como entrevistas e tals, deve acrescentar um realismo diferente à trama, enfim, original por parte da autora e certamente me deixa bem curiosa. Li outro livro da Taylor e gostei bastante, tenho expectativas com esse da Daisy, parece ser o tipo de trama que vai me agradar.

      Beijos, Ivy

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Ivy!

        Tô louca para ler os sete maridos de Evelyn Hugo, acho que se você curtiu um, definitivamente vai curtir o outro. Super recomendo, e esse formato de entrevista realmente, deu um realismo diferente para a obra! vai fundo <3

        bjs

        Excluir
    4. Oi, Bibs
      Eu achei legal que você tenha curtido, eu não tinha me interessado muito pela obra e vi algumas resenhas negativas, o que anulou de vez o interesse. Mas é ótimo que a experiência tenha sido boa para você.
      Beijo
      http://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Mi!
        Mas quem tá falando mal desse livro, vou na casa explicar tudo HAHAHAHAHAHA Ele é bom demais <3

        bjs

        Excluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.