Resenha: O sabor do pecado

  • 09:00
  • 24 de out. de 2019
  • Resenha: O sabor do pecado

    O Sabor do Pecado é o segundo volume da série de Elizabeth Hoyt, A lenda dos quatro cavaleiros. Foi publicado pela editora Record e cedido para nós para resenha. Eu já tinha lido o primeiro volume e estava bem empolgada para o segundo.

    Sinopse: Tudo que Jasper Renshaw precisa é se casar e gerar um herdeiro para o título de visconde de Vale. Ele espera encontrar uma dama bonita capaz de cumprir esse papel e, então, voltar para a vida de libertinagem que sempre levou ― uma vida que mantém afastadas as lembranças de um passado que ainda o assombra. No entanto, a sorte que Jasper tem para encontrar amantes não parece ajudar o visconde a mantê-las ao seu lado. Depois de ser abandonado pela segunda noiva em seis meses, ele recebe uma proposta irrecusável: Melisande Fleming se oferece para ser a futura viscondessa de Vale. Aos 28 anos e ainda morando com o irmão, Melisande busca a independência que só um casamento pode lhe proporcionar. Ou, pelo menos, é o que ela conta a Lorde Vale. Mas a dama tem um segredo: há anos, ama Jasper e está disposta a viver um casamento sem amor só para ficar ao lado dele. Afinal, ela já amou uma vez, há muito tempo, mas teve o coração partido e não pretende passar por isso novamente. Mas, para seu desespero, Jasper logo se vê atraído por ela ― recatada durante o dia, sedutora à noite ― e garante que vai descobrir seus segredos. Os dois têm um passado que querem esconder, mas nenhum deles está disposto a revelar esses mistérios um para o outro. Quando começam um jogo de sedução, porém, os segredos que tanto queriam guardar vêm à tona, ameaçando separá-los.

    Apesar de ser uma série, o segundo livro cita muito pouco do primeiro. Então se você quiser ler o segundo e não leu o primeiro ainda, não tem tanto problema. Um ou outro detalhe do início será um pouco confuso, mas eles contextualizam tudo de novo. Para mim, esse foi um ponto negativo. Fazendo uma comparação estranha, é como ter um "no capítulo anterior..." que costumamos ver em séries e novelas em um livro.

    Nesse livro vemos outro casal: Jasper Renshaw e Melisandre Fleming. Para começar, Jasper não tem a mínima sorte no amor, já é o terceiro noivado dele, sem sucesso de casamento. Ele é um ex-soldado de guerra e viveu vários terrores enquanto lutava. Estes horrores deixaram cicatrizes piores do que na pele, na alma de Jasper, e ele esconde toda sua dor e sofrimento na vida libertina. Mas de alguns anos para cá ele tenta encontrar uma mulher bonita e que seja capaz de lhe dar um herdeiro.

    É aí que aparece nossa personagem principal, Melisandre. Ela foi apaixonada por Jasper por muito tempo, mas ele nunca deu atenção para ela. Na verdade, nenhum homem nunca deu. Depois do ultimo quase-casamento de Jasper, ela toma uma decisão muito ousada e pede ele em casamento. Alegando que ela precisa de um marido e já não está em idade de conseguir pretendentes e ele precisa de uma mulher para lhe dar herdeiros. É o acordo perfeito, certo?

    Na verdade, ela tem algo diferente. [...] Ela não é o tipo de mulher que eu escolheria, mas quando a vi lá, parada, tão corajosa e, ao mesmo tempo, carrancuda, como se eu tivesse cuspido na frente dela... Bem, acho que fiquei encantado.

    Acontece que esses dois escondem mais do que mostram na superfície.  Melisandre também tem um trauma do passado, assim como Jasper. E depois de tanto mostrarem somente a fachada para as pessoas, fica difícil conhecer um ao outro.


    Resenha: O sabor do pecado

    Existe uma trama secundária dos contos do livro infantil que conhecemos no primeiro livro e que Melisandre está traduzindo. Achei a história bem menos empolgante do que a do primeiro livro, logo nos primeiros capítulos já dava para entender o que ia acontecer na fábula infantil.

    Outra história que acontece em paralelo e eu achei que ficou a desejar, foi o mistério não finalizado no livro anterior. No primeiro volume, Samuel buscou com a ajuda de Jasper, quem poderia ter traido o regimento no qual eles lutavam, levando todos para uma emboscada. Essa emboscada levou muitos soldados a morte, alguns deles sendo torturados, como foi o caso do melhor amigo de Jasper. 

    Melisandre semicerrou os olhos. Agora ela tinha certeza. Seu marido estava tramando alguma coisa.

    Neste segundo volume, o suspeito de ter traído o regime faz uma confissão que tira Jasper dos eixos. Ele era, sim, culpado por ter se passado por outra pessoa, mas ele não traiu o regimento, foi outra pessoa. Com essa afirmação, Jasper fica louco e quer descobrir quem foi o traidor.

    Achei essa parte da trama mais interessante no primeiro livro do que nesse. Como esse é um dos "pilares" que torna esse romance de Elizabeth Hoyt diferente dos outros romances de época, fez com que perdesse uns pontos para mim.

    No primeiro volume também temos um papel mais expressivo dos personagens secundários, o que não acontece tanto nesse. Exceto pelo valete de Jasper, Pynch e a dama de companhia de Melisandre, Sally. O restante dos personagens secundários aparece em duas ou três cenas no livro todo, no máximo. O motivo disso, acredito eu, é porque a autora não deu tanto destaque para o "mistério" do livro e a maior parte dos personagens secundários estava ligada a essa trama.


    Resenha: O sabor do pecado

    Outro ponto que me incomodou muito foi o Jasper. O personagem é uma canalha a maior parte do tempo e eu só queria socar a cara dele. Melisandre não merecia um marido igual o Jasper, de verdade. 

    Confesso que me empolguei demais para o segundo livro, visto que gostei muito do primeiro. Fui com expectativas altas e acabei quebrando um pouco a cara. O livro foi bem arrastado e cheguei a considerar largar.

    Nem tudo é ruim, longe disso. A construção de Jasper e Melisandre como casal é incrível. O sentimento dela por ele é muito forte e Jasper realmente quer ser melhor para a esposa, apesar de ser um canalha a maior parte do tempo. Como toda relação, a autora explora o fato do sentimento não ser tudo, tem muito suor e força de vontade em um relacionamento para ele dar certo. 

    Apesar da história não ter atendido tanto o que eu tinha de expectativa para ela, novamente venho elogiar a capista. Sei que muita gente pode não concordar comigo, mas adoro as capas da série. Ela é diferente das capas que vemos por aí de romance de época e eu realmente valorizo esse fato de fazer diferente sem perder a essência do gênero do livro.

    Título original: To seduce a Sinner
    Autor: Elizabeth Hoyt
    Editora: Record
    Gênero: Romance de época
    Nota: 3

    1. lindas demais as capas desses livros, pena que essa história acabou nao sendo tao boa assim

      www.tofucolorido.com.br
      www.facebook.com/blogtofucolorido

      ResponderExcluir
    2. Olá, Raquel.
      Nossa opinião foi trocada. Eu odiei o primeiro livro. Não suportei a protagonista feminina e por pouco não abandonei. Já nesse eu gostei de quase tudo hehe. E amo essas capas dessa série.

      Prefácio

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.