Resenha: Um cavalheiro a bordo

  • 09:00
  • 3 de dez. de 2019
  • Resenha: Um cavalheiro a bordo

    Finalmente li Um cavalheiro a bordo, o terceiro volume da série Os Rokesbys da Julia Quinn. A série é publicada pela editora Arqueiro aqui no Brasil. E se preparem, para quem já viu as outras resenhas por aqui, sabe bem o quanto eu amo essa série e esse não foi diferente.

    SinopseEla estava no lugar errado… Durante um passeio pela costa, a independente e aventureira Poppy Bridgerton fica agradavelmente surpresa ao descobrir um esconderijo de contrabandistas dentro de uma caverna. Mas seu deleite se transforma em desespero quando dois piratas a sequestram e a levam a bordo de seu navio, deixando-a amarrada e amordaçada na cama do capitão. Ele a encontrou na hora errada… Conhecido entre a alta sociedade como um cafajeste e um corsário inconsequente, o capitão Andrew James Rokesby na verdade transporta bens e documentos para o governo britânico. No meio de uma viagem, ele fica assombrado ao encontrar uma mulher na sua cabine. Sem dúvida sua imaginação está lhe pregando peças. Mas, não, ela é bastante real – e sua missão para com a Coroa o deixa preso a ela. Será que dois erros podem acabar no acerto mais maravilhoso de todos? Quando Andrew descobre que Poppy é uma Bridgerton, entende que provavelmente terá que se casar com ela para evitar um escândalo. Em alto-mar, as disputas verbais entre os dois logo dão lugar a uma inebriante paixão. Mas depois que o segredo de Andrew for revelado, será que ele conseguirá conquistar o coração dela?

    Começando pelo começo, não tem como não falar da capa dessa série. Sim, vou falar disso em toda resenha porque as capas são lindas! Parabéns ao capista, de verdade. Sou apaixonada e elas só completam o conteúdo maravilhoso.

    Desta vez embarcamos desculpa o trocadilho na história de Andrew. Já deixando claro que ele é meu Rokesby favorito desde o primeiro livro. No inicio, achei um pouco estranho a história dele estar no comando de um navio de comércio, principalmente sendo meio clandestino. Já que ele era da marinha, mas tudo foi sendo explicado no passar das páginas. 

    Andrew é muito mais inteligente e engraçado do que eu imaginava e em poucas páginas já estava envolvida com ele e a Poppy Bridgerton. Sim, mais uma Bridgerton por aqui! Ela é prima de Edmund, o pai dos nossos amados Bridgertons e de Billie que já vimos no primeiro volume da série. 

    Ela é uma mulher curiosa e que já dispensou homens demais, sem muita esperança de encontrar algum aristocrata que valha a pena te entendemos, Poppy.  Ela estava na hora errada, no lugar errado por causa de sua curiosidade incansável. Isso fez com que fosse capturada, acabando no navio de ninguém mais ninguém menos do que Capitão James, conhecido também como Andrew James Rokesbys.


    Resenha: Um cavalheiro a bordo

    O nome Bridgerton tem certo peso e isso fez com que Andrew a protegesse. Não que ela precisasse de proteção, mas vai explicar isso pro homem do século 18. Ele não poderia largar ela zanzando pelo navio ou simplesmente deixa-la no próximo porto. Dessa forma, ela foi feita de refém até a volta deles para a Inglaterra.

    Confesso que fiquei com medo do livro ficar com certo apelo de Síndrome de Estolcomo. Mas eu não senti o problema. Julia Quinn tratou o romance com muito cuidado, enrolando bem até metade do livro. Temos vários flertes e umas farpas trocadas, naquele romance bem cão e gato, mas demora para algo físico acontecer.

    Poppy é muito corajosa e determinada, ela realmente puxou bastante das mulheres Bridgertons e não lhe faltam boas respostas para as tiradas do Andrew. Foram as partes mais sensacionais do livro. As mulheres dessa série, de modo geral, são muito fortes e corajosas. 

    Poppy, a única mulher entre os irmãos, considerou ultrajante o fato de que serua a única Bridgerton a morrer em caso de naufrágio, e foi isso que disse aos pais - exatamente com estas palavras - antes de marchar para junto dos rapazes e se atirar de cabeça no lago.

    Embora eu seja bem ansiosa e queria que eles se beijassem logo, pela primeira vez não achei o livro tão precipitado como outros da Julia Quinn. Nenhum dos dois casos me incomoda muito a ponto de negativar, mesmo que um pouco, os livros dela. Mas sempre achei que o romance acontecia rápido até demais, as vezes antes da página 100, o casal já estava aos beijos.

    Voltando um pouco para história e reviravoltas, achei o plot twist muito apressado. A Julia poderia ter explorado mais, mas não fez e só por esse motivo que o livro não teve a nota 5+. Poppy é bem mais orgulhosa do que se mostrou no final do livro, na minha opinião, por mais apaixonada que estivesse.

    Em relação aos outros personagens, a maioria foi deixada de lado. A maior parte do livro se passa dentro do navio de Andrew e Poppy está trancada dentro da cabine, sem poder sair e com pequenas visitas de Andrew e o tripulante que aparece com maior frequência é o pequeno Billy, o tripulante mais novo do navio.


    Resenha: Um cavalheiro a bordo

    Billy é muito envergonhado no início e se mostra assustado de ter uma dama a bordo. Traz azar, afinal, não é o que dizem? Mas logo nossa astuta Poppy conquista o rapaz e eles se tornam amigos e tem algumas curtas conversas.

    Mais uma vez, Julia Quinn poderia ter colocado outros tripulantes interagindo com Poppy e Andrew. Mas ela optou por não fazer e me deixou curiosa, assim como Poppy a saber um pouco mais de cada tripulante.

    Foi muito difícil terminar a história, não que o livro tenha se arrastado ou nada do tipo. Eu realmente não queria abandonar o casal e essa foi a primeira vez em um bom tempo que eu não queria que o livro fosse uma história única. Eu quero mais, mas me contento com contos, já que deve ser difícil a Julia Quinn fazer um volume 3.5.

    - Eu não mordo - acrescentou ele, recostando-se.
    Ela puxou outra cadeira
    - A não ser, é claro, que a senhorita queira - murmurou ele.

    Para finalizar, o Andrew é definitivamente o meu favorito dos Rokesbys e esse é o mais divertido de toda a série até agora. Ele compete de frente com o primeiro volume, de verdade.

    Título original: The other Miss Bridgerton
    Autora: Julia Quinn
    Editora: Arqueiro
    Tradução: Thais Paiva
    Gênero: Romance de época
    Nota: 5

    1. Ah.. Nossa maravilhosa Julia Quinn
      Preciso ler os livros dela <3 essa resenha tá tão linda, tão maravilhosa!!
      Quero muito me aventurar nesse mundo deles.
      Jardim de Palavras

      ResponderExcluir
    2. Eu estava super ansiosa para esse livro e ele não me decepcionou #amem
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
    3. Oi Raquel
      Eu perdi o meu interesse nas obras da Julia. Compro os livros dela até mas não cheguei a ler, não me chamam mais atenção. Espero que isso passe, porque sempre curti as obras da autora.
      Beijo
      http://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
    4. eu que gosto bastante de romance histórico morro de vontade de ler os livros da Julia Quinn, adorei conhecer mais esse título

      www.tofucolorido.com.br
      www.facebook.com/blogtofucolorido

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.